433 capítulos
Medium 9788536325408

Capítulo 1 - Conceitos Básicos e Métodos

Denise Boyd, Helen Bee Grupo A PDF Criptografado

1

Conceitos Básicos e Métodos

N

a última vez que você viu uma criança ou adolescente que fazia certo tempo que não via, existem boas chances de que você tenha feito uma observação do tipo “Como ele cresceu desde a última vez que o vi” ou “Ela se tornou uma linda jovem”. Esses comentários sugerem que nós humanos somos observadores naturais dos modos como mudamos com a idade. Assim como notamos características que parecem não mudar com o passar do tempo. Podemos dizer: “Ele sempre teve uma tendência malvada” ou “Ela sempre foi uma criança muito meiga”. E nossos poderes de observação não se limitam a simples descrições. Também criamos nossas próprias teorias para explicar nossas observações. Você alguma vez já disse coisas como “Eles não disciplinam aquela menina; não é de estranhar que ela seja tão moleque”, ou “Ele é tão inteligente, igual ao pai; eu acho que isso é de família”?

Os cientistas que estudam o desenvolvimento humano fazem exatamente as mesmas coisas. O objetivo deles é produzir observações e explicações que possam ser aplicadas a mais ampla faixa de seres humanos e ao maior número de contextos possível. Para alcançar essa meta, eles estudam tanto a mudança quanto a estabilidade. Além disso, eles fazem previsões sobre o desenvolvimento e utilizam métodos científicos para testá-las.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554311

21.7 Substituição de dívidas e avaliação de arrendamentos

Stephen A. Ross, Randolph W. Westerfield, Jeffrey Jaffe, Roberto Lamb Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 21 Arrendamento Mercantil (Leasing)

A taxa de desconto

Como descontamos usando a taxa de juros sem risco após tributos, assumimos implicitamente a suposição de que os fluxos de caixa no exemplo da Xomox não têm risco. É uma suposição adequada?

Pagamentos de uma operação de arrendamento são como o serviço da dívida de um título com garantias emitido pelo arrendatário, cuja taxa de desconto deve ser aproximadamente igual à taxa de juros sobre essa dívida. Em geral, essa taxa será um pouco maior do que a taxa sem risco considerada na seção anterior. Os diversos benefícios fiscais podem ser um pouco mais arriscados do que os pagamentos de arrendamento por dois motivos. Em primeiro lugar, o valor dos benefícios fiscais da depreciação depende da capacidade da Xomox de gerar lucros tributáveis suficientes para utilizá-los. Em segundo lugar, a alíquota de tributos para a pessoa jurídica pode mudar no futuro. Por essas duas razões, uma empresa pode justificar o desconto dos benefícios fiscais da depreciação a uma taxa de desconto maior do que a usada para os pagamentos de arrendamento. Em nossa experiência prática, contudo, as empresas descontam o benefício da depreciação e os pagamentos de arrendamento com a mesma taxa. Isso implica que os profissionais financeiros veem os dois riscos como baixos. Adotamos a convenção utilizada no mundo real, a prática de descontar os dois fluxos com o uso da mesma taxa de juros, aquela que o arrendatário paga sobre suas dívidas com garantias, após tributos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580553383

Capítulo 15 - Psicologia Social no Tribunal

David G. Myers Grupo A PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Psicologia Social no Tribunal

15

“Um tribunal é um campo de batalha onde advogados competem pelas mentes dos jurados.”

—James Randi, 1999

F

oi o caso criminal com maior divulgação na história da humanidade: o herói do futebol, ator e comentarista O. J. Simpson fora acusado de assassinar brutalmente sua ex-mulher e seu compa-

nheiro. As evidências eram convincentes, argumentou a acusação. O comportamento de Simpson se ajustava a um antigo padrão de abuso da esposa e ameaças de violência. Os testes sanguíneos confirmaram que seu sangue estava na cena do crime e o sangue de sua vítima estava em sua luva, em seu carro e mesmo em uma meia encontrada em seu quarto. Sua viagem na noite do crime e a forma como ele fugiu quando a prisão era iminente constituiam, segundo os promotores, indicadores adicionais de sua culpa.

Quão confiável é o testemunho ocular?

Quais outros fatores influenciam a decisão dos jurados?

O que influencia o jurado individualmente?

Ver todos os capítulos
Medium 9788580553383

Capítulo 5 - Genes, Cultura e Gênero

David G. Myers Grupo A PDF Criptografado

C A P Í T U LO

Genes, Cultura e Gênero

5

“Por nascimento, iguais; por costume, diferentes.”

—Confúcio, Os Analectos

A

proximando-se da Terra após percorrerem anos-luz de distância, cientistas alienígenas designados a estudar o Homo sapiens sentem sua emoção aumentar. Seu plano: observar dois seres

humanos escolhidos ao acaso. Seu primeiro sujeito, Jan, é um advogado de defesa verbalmente combativo que cresceu em Nashville, mas se mudou para o oeste em busca de um “estilo de vida californiano”. Depois de um caso amoroso e um divórcio, Jan está desfrutando de seu segundo casamento. Amigos o descrevem como um pensador independente, autoconfiante, competitivo e um pouco dominador.

Seu segundo sujeito, Tomoko, vive com o marido e seus dois filhos em um vilarejo rural japonês, a pouca distância dos pais de ambos. Tomoko sente orgulho de ser uma boa filha, uma esposa fiel e uma mãe protetora. Amigos a descrevem como bondosa, gentil, respeitosa, sensível e apoiadora de toda a família.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554311

28.2 O float

Stephen A. Ross, Randolph W. Westerfield, Jeffrey Jaffe, Roberto Lamb Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 28

Gestão do Caixa

CDBs, com liquidez diária. No caso de faltas de caixa, a tesouraria realiza descontos e antecipação de recebíveis a taxas já pré-negociadas junto à rede bancária.

Para desenvolvimento das estratégias de investimentos e de estrutura de capital, essa empresa realiza aplicações e captações financeiras de médio e longo prazos por meio de operações estruturadas.

Nas subsidiárias dessa empresa, localizadas no exterior, em cada país, o esquema se repete na moeda local. As necessidades e as sobras de caixa nos diferentes países são ajustadas por meio de empréstimos entre companhias.

A estrutura de contas utilizada por essa empresa, compreendendo as contas de saldo zero e a conta central, é fornecida pelos bancos. O controle e as transferências de sobras e coberturas de faltas de caixa em cada conta de saldo zero são realizados de forma centralizada pela tesouraria da controladora do grupo que funciona como o “piloto de reservas” de um banco.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos