6360 capítulos
Medium 9788520428535

12. Antimicrobianos e infecção hospitalar

Míriam Elias Cavallini, Marcelo Polacow Bisson Editora Manole PDF Criptografado

12

ANTIMICROBIANOS

E INFECÇÃO

HOSPITALAR

O

s antimicrobianos são produtos capazes de destruir micro-organismos ou de suprimir sua multiplicação e crescimento. A tendência atual é de denominar antimicrobianos dois tipos de produtos:

• Antibióticos: antimicrobianos produzidos por microorganismos (bactérias, fungos, actinomicetes). Ex.: penicilinas.

• Quimioterápicos: antimicrobianos sintetizados em laboratório. Ex.: sulfas, quinolonas.

A antibioticoterapia, portanto, é o tratamento de pacientes com sinais e sintomas clínicos de infecção pela administração de antimicrobianos. Tem a finalidade de curar uma doença infecciosa (cura clínica) ou de combater um agente infeccioso situado em um determinado foco de infecção (cura microbiológica).

Pode ser utilizada de forma terapêutica, que implica na utilização de antimicrobianos a partir de um diagnóstico preciso ou presuntivo da etiologia do processo infeccioso, fundamentado na anamnese e nos exames clínicos e laboratoriais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520436318

60. Propriocepção e reflexos

Jeremy Ward, Roger Linden Editora Manole PDF Criptografado

60 Propriocepção e reflexos

(a)

(b)

Órgão tendinoso de Golgi e fuso muscular

Neurônios Aγ/fusimotores

Vias subjacentes ao reflexo monossináptico da distensão e inibição recíproca do músculo flexor oponente

Grupo aferente II

Raiz dorsal

Grupo aferente IA

Grupo aferente IB

Sinapses excitatórias

Neurônios Aγ/fusimotores

Neurônios motores Aα

Neurônios motores Aα

Medula espinal

Interneurônio inibitório

Aferente do grupo 1A

Músculo extensor

(homônimo)

Sinapse inibitória

Neurônios motores Aα

Fuso muscular

Junções neuromusculares

Patela

Músculo flexor (heterônimo)

Extensão

(c)

Fibra de cadeia nuclear

Fibra de saco nuclear

Raiz dorsal

Fibras musculares extrafusais

Fuso muscular

Sinapses excitatórias

Sinapse inibitória

Músculo extensor

(homônimo)

Fibras musculares extrafusais

Ver todos os capítulos
Medium 9788520456057

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO IV

Inez Sautchuk Editora Manole PDF Criptografado

Respostas dos exercícios de aplicação

j. “Oh, como se me alonga de ano em ano/A peregrinação cansada minha!/Como se encurta e como ao fim caminha/Este meu breve e vão discurso humano!” (Camões)

Questão 2:

Depois do jantar, apareceu uma família conhecida/ que trazia muitos presentes;/ vieram também alguns parentes/ e todos se reuniram na sala de jantar./ Formaram-se, então, grupos de rapazes e moças/ que brincavam alegremente./ Não houve tempo, porém,/ para que novas reuniões fossem marcadas:/ já era tarde da noite.

Obs.: a. Em que trazia muitos parentes, o sujeito é representado pelo pronome relativo que, equivalendo a uma família conhecida (= uma família desconhecida trazia muitos presentes). b. Formaram-se grupos de rapazes e moças equivale a grupos de rapazes e moças foram formados (voz passiva sintética/analítica). c. Em que brincavam alegremente ocorre fato semelhante ao caso A. d. Em não houve tempo e em já era tarde da noite não há sujeito. a. b. c.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520430620

13. Planejamento dietético para o vegetariano

Sonia Tucunduva Philippi, Sonia Tucunduva Philippi, Rita de Cássia Aquino Editora Manole PDF Criptografado

13

PLANEJAMENTO DIETÉTICO

PARA O VEGETARIANO

Márcia Cristina Teixeira Martins

Margarete de Macêdo Carneiro

Carolina Vieira de Mello Barros Pimentel

!S

UMÁRIO

Introdução, 373

Definição, classificação e agentes motivadores, 374

Alterações do comportamento alimentar, 376

Conhecimento científico sobre dietas vegetarianas e suas aplicações para o

Brasil, 376

Adequação nutricional e nutrientes importantes, 377

Guias alimentares vegetarianos, 390

Diretrizes para o planejamento de dietas vegetarianas, 394

Diretrizes para o cuidado nutricional de vegetarianos, 394

Referências, 396

Anexo, 401

PLANEJAMENTO DIETÉTICO PARA O VEGETARIANO

373

INTRODUÇÃO

O planejamento de uma dieta deve levar em conta hábitos, atitudes, crenças, pensamentos e comportamentos relacionados aos alimentos, a fim de promover a saúde e a prevenção de doenças. Os princípios do planejamento dietético adaptados para a população brasileira atendem

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432129

11. Fenomenologia

Taka Oguisso, Paulo Fernando de Souza Campos, Genival Fernandes de Freitas Editora Manole PDF Criptografado

Fenomenologia

11

Genival Fernandes de Freitas

Maria de Fátima Prado Fernandes

Miriam Aparecida Barbosa Merighi

Patrícia Campos Pavan Baptista

Palavras-chave  Fenomenologia; processo de cuidar; método fenomenológico.

Estrutura dos tópicos  História da enfermagem e sua relação com a fenomenologia. Fenomenologia e o processo de cuidar em enfermagem. A metodologia fenomenológica. Considerações finais. Referências bibliográficas.

HistÓria da enfermagem e sua relação com a fenomenologia

A busca da verdade de si fundamenta-se no reconhecimento da coexistência, e ao mesmo tempo constitui-se como ponto de partida para a compreensão do fenômeno, que é a realidade que o homem capta nas coisas por intermédio da consciência, desvelando-o tal como se mostra a si mesmo, apreendendo valores e culturas.

Nesse sentido, ser no mundo significa existir para si e para o mundo, abarcando as relações consigo mesmo e com o outro,

363

Book 1.indb 363

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos