22341 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536315058

Capítulo 11: Combinação da PDPLP com o manejo medicamentoso e outras formas de tratamento

Eve Caligor, Otto F. Kernberg, John F. Clarkin Grupo A PDF Criptografado

Psicoterapia dinâmica das patologias leves de personalidade

249

Capítulo 11

Combinação da PDPLP com o manejo medicamentoso e outras formas de tratamento

O

s pacientes com patologias leves de personalidade que são vistos em consulta podem apresentar uma variedade de sintomas ou problemas de relacionamento. Em particular, são comuns os sintomas de depressão e ansiedade, problemas conjugais, sintomas sexuais e várias formas de abuso de substâncias.

Como a psicoterapia dinâmica das patologias leves de personalidade (PDPLP) não é um tratamento para sintomas específicos ou transtornos do Eixo I do

DSM-IV-TR (American Psychiatric Association, 2000), esses pacientes requerem uma avaliação diagnóstica cuidadosa para determinar se existem indicações para intervenção psicofarmacológica ou psicoterapia orientada para o sintoma ou orientada para o problema, em vez de ou em combinação com a

PDPLP. Dependendo da natureza das dificuldades do paciente, a PDPLP pode

Ver todos os capítulos
Medium 9788580553123

Capítulo 4 - Avaliação formativa

Michael K. Russell, Peter W. Airasian Grupo A PDF Criptografado

capítulo

4

Avaliação formativa

Tópicos-chave

Avaliação informal durante a instrução

Validade e confiabilidade na avaliação instrucional

Atividades formais de avaliação formativa

Acomodações durante a instrução

98

Russell & Airasian

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Após ler este capítulo, você poderá:

Diferenciar avaliação de planejamento de avaliação instrucional.

Descrever o que os professores fazem ao longo da avaliação instrucional.

Explicar o uso de nível de tolerância e conhecimento prático.

Identificar problemas que influenciam a validade e a confiabilidade na avaliação instrucional.

Escrever ou fazer perguntas de nível mais alto ou mais baixo e perguntas convergentes e divergentes.

Citar estratégias para o questionamento efetivo.

Acomodar os alunos com deficiências durante a instrução e a avaliação instrucional.

PENSAR SOBRE ENSINAR

Quais são as atividades mais importantes para as quais o professor deve estar preparado durante a instrução?

Ver todos os capítulos
Medium 9788582602799

Capítulo 8 - Acidente de trabalho

Pablo Roberto Auricchio Rojas Grupo A PDF Criptografado

capítulo 8

Acidente de trabalho

Caracterizar o acidente de trabalho e compreender suas implicações.

Identificar os tipos de acidentes e as respectivas responsabilidades das empresas.

Conhecer os procedimentos legais que devem ser adotados pelas empresas em caso de ocorrência de acidentes do trabalho.

capítulo 8

Objetivos de aprendizagem

Acidente de trabalho

tra a a r ntrata r ma em re a ara re tar er i ntin amente r m er etermina e t eit a ri e em e a rer m a i ente e tra a a i ente e tra a tra i er a n e n ia negati a a tra a a r em re a e tam m a ta te a t a r a a a a a i ente e tra a e a rma e in e tig a e ana i a an a re en

Para começar

O acidente de trabalho é o que de pior pode ocorrer a um trabalhador durante o exercício de suas atividades laborais. O trabalhador sofre consequências físicas, psicológicas e emocionais e pode perder sua capacidade física ou mesmo sua vida. Além disso, em decorrência de um acidente de trabalho, a empresa sofre consequências econômicas, financeiras e legais, e o governo arca com as responsabilidades determinadas pela Lei da Previdência Social.

Ver todos os capítulos
Medium 9788560031474

Capítulo 13. Análise da Variância

Leonard J. Kazmier Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 13

Análise da Variância

13.1 RACIOCÍNIO BÁSICO ASSOCIADO AO TESTE DA DIFERENÇA ENTRE AS MÉDIAS DE

VÁRIAS POPULAÇÕES

Enquanto o teste do qui-quadrado pode ser usado para testar as diferenças entre proporções de várias populações

(ver Seção 12.4) a análise da variância pode ser usada para testar diferenças entre as médias de várias populações.

A hipótese nula é que as médias das várias populações são mutuamente iguais. O procedimento de amostragem usado é a coleta de várias amostras aleatórias independentes, uma para cada categoria de dados.

A premissa que sustenta o uso da análise da variância é que as várias médias das amostras foram obtidas de populações que seguem a distribuição normal com a mesma variância σ2. Entretanto, o procedimento de teste foi encontrado como sendo relativamente inafetado pelas violações da premissa da normalidade quando as populações são unimodais e os tamanhos das amostras são aproximadamente iguais. Devido à hipótese nula ser de que as médias das populações são iguais, a premissa da igual variância (homogeneidade da variância) também implica que, para propósitos práticos, o teste está interessado na hipótese nula de que as médias vieram da mesma população. Isso é assim porque qualquer população que segue a distribuição normal é definida pela média e variância (ou desvio padrão) como os dois parâmetros da distribuição. (Ver Seção 7.2 para uma descrição geral da distribuição de probabilidade normal.) Todos os procedimentos computacionais apresentados neste capítulo são para modelos de efeitos fixos comparados a modelos de efeitos aleatórios. Esta distinção está explicada na Seção 13.6.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577808403

7. Bases de Dados para a Macroeconomia

Duilio de Ávila Bêrni, Vladimir Lautert Grupo A PDF Criptografado

Bases de Dados para a

1

Macroeconomia

7

Vladimir Lautert, Duilio de Avila Bêrni, Paulo de Andrade Jacinto, Liderau dos Santos

Marques Jr., Eduardo Finamore, Daniela Magalhães Prates, André Moreira Cunha,

Adriana Nunes Ferreira, Adalmir Marquetti, Riovaldo Mesquita e Luciano Moraes Braga

7.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Quando comentamos o modelo completo do fluxo circular da renda na Figura 3.1 do Capítulo 3 (Dimensões), que veio a deflagrar a matriz de contabilidade social da

Tabela 3.5, a sinalização que fizemos na Introdução sobre aderirmos à nova contabilidade social recebeu um testemunho eloquente. Com este modelo, que é – na verdade –, o fluxo do valor adicionado, fomos capazes de definir três organizações econômicas (produtores, fatores e instituições) e destacar suas interações por meio de três mercados (bens e serviços, serviços dos fatores e arranjos institucionais, inclusive os arranjos monetários). Por fim, com este aparato e com a matriz de contabilidade social dele derivada, demos destaque às transações de compras e vendas levadas a efeito entre as três organizações econômicas então definidas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582712696

Capítulo 20. Neuropsicologia do transtorno bipolar no idoso

Flávio Kapczinski, João Quevedo Grupo A PDF Criptografado

20

Neuropsicologia do transtorno bipolar no idoso

Bernardo de Mattos Viana

Breno S. Diniz

Erico Castro-Costa

INTRODUÇÃO

O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial, e o Brasil representa, atual­ mente, um de seus principais protagonistas. A população de idosos em nosso país saltou de 3 milhões, em 1960, para 20 milhões, em 2008.1 Com o envelhecimento da população, espera-se que o número de idosos com transtornos mentais graves aumente drasticamente.

Entre os transtornos mentais graves, o transtorno bipolar (TB) está correlacionado a uma grande morbidade ao longo do tempo, com a presença de comorbidades clínicas e psiquiátricas de grande impacto na qualidade de vida. Apesar de haver muita informação sobre o transtorno depressivo em idosos, até o momento não existem estudos multicêntricos de grande porte relativos à prevalência ou características clínicas do TB na terceira idade, tampouco ensaios clínicos randomizados duplos-cegos sobre tratamentos farmacológicos nessa população. A maior parte dos trabalhos baseia-se em dados de pacientes internados; porém, a maioria dos idosos com TB está na comunidade, o que pode representar um importante viés dos estudos para casos graves.2

Ver todos os capítulos
Medium 9788540701182

Capítulo 3 - O conhecimento como um fenômeno social: “segurando os cavalos” e aprendendo nas redes

Paul R. Kleindorfer, Yoram Wind, Robert E. Gunther Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 3

O conhecimento como um fenômeno social: “segurando os cavalos” e aprendendo nas redes

Alan M. Kantrow

 Resumo

O conhecimento e as tradições humanas podem persistir muito tempo depois que sua relevância desaparece, sobretudo em um ambiente de informações abundantes e mudanças rápidas. As rotinas organizacionais costumam permanecer em vigor muito tempo depois que a memória de seu propósito se perdeu. Mas a memória raramente se perde por inteiro.

Na maioria das vezes subsiste, em fragmentos dispersos, nas redes sociais de uma organização, podendo, quando necessário, ser reconstituída. Neste capítulo, Alan Kantrow examina o papel dessas redes no processo de perda e recuperação da memória.

Segundo Elting Morrison, célebre historiador da tecnologia (1966), nos alvores da

Segunda Guerra Mundial,

Diante da escassez de munição de suas armas, os britânicos... lançaram mão dos veneráveis canhões de campo herdados por gerações anteriores. O honorável passado dessa artilharia leve remontava à Primeira Guerra dos Bôeres. Nos dias de incerteza que se seguiram à rendição da França, essas armas, acopladas a caminhões, serviram muito bem como unidades móveis na defesa da costa. Mas a impressão era de que a rapidez dos disparos podia ser maior. Convocou-se então um especialista em tempo e movimento para que sugerisse maneiras de simplificar os procedimentos de tiro.

Ver todos os capítulos
Medium 9788584290642

Capítulo 19 - O uso das mídias digitais em Reggio Emilia

Carolyn Edwards, Lella Gandini, George Forman Grupo A PDF Criptografado

19

O uso das mídias digitais em Reggio Emilia

George Forman

��������ͩͱ

N

as pré-escolas da Reggio Emilia, podemos descobrir novos usos da mídia que encantam, surpreendem e informam a nossa compreensão da educação infantil e da competência das crianças pequenas. Irei discutir essas inovações

Georgeaqui,

Forman mas primeiro falarei sobre o uso das mídias digitais que são familiares. Às vezes, irei comparar o que se faz hoje com a mídia digital com o que se fazia antes sem rent uses of digital in the usar

Reggio

Emiliade preschools ela,media tal como folhas acetato em vez urprise, and inform our understanding early education de sobreposições noofPhotoshop.

Dessa foretence of young children. I will discuss these innovations ma, podemos discutir a mentalidade por r use of digital media in ways that are currently familiar. trás da mudança e considerar ganhos e perwhat is now done with digital media that was previously das narather transição para as mídias digitais. using acetate sheets than Photoshop overlays.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536326184

Capítulo 104 - Câncer

Bruce B. Duncan, Maria Inês Schmidt, Elsa R. J. Giugliani, Michael Schmidt Duncan, Camila Giugliani Grupo A PDF Criptografado

1040

Medicina Ambulatorial

67. Poole PJ, Chacko E, Wood-Baker RWB, Cates CJ. Influenza vaccine for patients with chronic obstructive pulmonary disease. Cochrane Database Syst Rev. 2006;(1):CD002733.

69. Furumoto A, Ohkusa Y, Chen M, Kawakami K, Masaki H,

Sueyasu Y, et al. Additive effect of pneumococcal vaccine and influenza vaccine on acute exacerbation in patients with chronic lung disease. Vaccine. 2008;26(33):4284-9.

70. Anzueto A. Primary care management of chronic obstructive pulmonary disease to reduce exacerbations and their consequences. Am J Med Sci. 2010;340(4):309-18.

73. Poole P, Black PN. Mucolytic agents for chronic bronchitis or chronic obstructive pulmonary disease. Cochrane Database

Syst Rev. 2010;(2):CD001287.

74. Lacasse Y, Goldstein R, Lasserson TJ, Martin S. Pulmonary rehabilitation for chronic obstructive pulmonary disease. Cochrane Database Syst Rev. 2006;(4):CD003793.

79. Walters JA, Gibson PG, Wood-Baker R, Hannay M, Walters

Ver todos os capítulos
Medium 9788536308999

21 RESTAURAÇÕES ESTÉTICAS INDIRETAS EM DENTES POSTERIORES

Ewerton Nocchi Conceição Grupo A PDF Criptografado

452 |

capítulo 21

RESTAURAÇÕES ESTÉTICAS INDIRETAS EM DENTES POSTERIORES

INTRODUÇÃO

Devido à crescente solicitação dos pacientes por restaurações estéticas também nos dentes posteriores, novos materiais e técnicas têm sido continuamente introduzidos no mercado.

As restaurações diretas com resina composta representam uma excelente alternativa para restaurar dentes posteriores, permitindo a obtenção de uma aparência estética agradável e longevidade clínica previsível (veja o Capítulo

14). Entretanto, devido a algumas limitações inerentes

às suas propriedades e dificuldades na técnica restauradora, o uso dos compósitos em restaurações diretas é preferencialmente indicado em cavidades pequenas ou médias, ou seja, que não envolvem cúspides1. Então, as restaurações estéticas indiretas, confeccionadas com cerâmica ou sistema indireto de resina composta, são alternativas interessantes, especialmente para estas situações clínicas2,3,4.

Isso porque a confecção da restauração estética de forma indireta permite, com maior facilidade, a reprodução do contorno e dos contatos interproximais, minimiza a contração de polimerização a apenas uma fina película do cimento resinoso usado para fixação, além de o material restaurador apresentar melhores propriedades em comparação com as resinas compostas diretas5.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714263

Módulo C. Diagnóstico diferencial de Transtornos Psicóticos

Michael B. First, Janet B. Williams, Rhonda S. Karg, Robert L. Spitzer Grupo A PDF Criptografado

INSTRUÇÕES ESPECIAIS PARA MÓDULOS INDIVIDUAIS  55

Para enfatizar a importância de não superdiagnosticar sintomas negativos, é necessário que o clínico classifique cada sintoma negativo duas vezes. A classificação inicial indica sua presença aparente; em caso positivo, a segunda classificação confirma que ele é na verdade primário (p. ex., um sintoma negativo de Esquizofrenia), e não um secundário (p. ex., um efeito colateral do medicamento ou a consequência de um sintoma positivo). Observe que o uso dos termos “primário” e

“secundário”, no contexto dos sintomas negativos, difere daquele visto no contexto da eliminação de uma etiologia médica geral ou induzida por substância/medicamento ao longo da SCID, embora em ambos os casos os termos signifiquem que os sintomas não se devem, na verdade, a uma causa identificável.

10.5 Módulo C. Diagnóstico diferencial de Transtornos Psicóticos

Este módulo ajuda o clínico a fazer um diagnóstico diferencial de Transtornos Psicóticos com base em informações obtidas nos Módulos A e B. Este módulo é pulado caso jamais tenha havido um sintoma psicótico. No início do Módulo C, o clínico é dirigido ao Módulo D (“Diagnóstico diferencial de Transtornos do Humor”) para avaliar os sintomas psicóticos que ocorrem exclusivamente durante um Transtorno do Humor. O Módulo C contém avaliações dos seguintes Transtornos do Espectro da

Ver todos os capítulos
Medium 9788582712719

Capítulo 18 - Transtornos de Ansiedade em Idosos

Leonardo Caixeta Grupo A PDF Criptografado

18

TRANSTORNOS

DE ANSIEDADE

EM IDOSOS

LEONARDO BALDAÇARA

Caixeta_18.indd 263

➤ ASPECTOS GERAIS

Os transtornos de ansiedade são comuns e causam grande impacto nos idosos. Com as mudanças na demografia da população em geral, os transtornos de ansiedade na terceira idade se tornaram uma fonte de alto custo pessoal e social. No entanto, sua detecção e seu diagnóstico são complicados por comorbidades clínicas, declínio cognitivo e alterações nas circunstâncias da vida que não são enfrentados por grupos etários mais jovens.1 Além disso, a expressão e o relato dos sintomas de ansiedade podem diferir com a idade.

A prevalência estimada desses transtornos na terceira idade varia de 3,22 a 14,2%.3

Com relação aos diagnósticos específicos, a prevalência de ansiedade generalizada

(Quadro 18.1) varia de 1,2 a 7,3%; de fobias específicas (Quadro 18.2), de 3,1 a 7,5%; de fobia social, ou transtorno de ansiedade social (Quadro 18.3), de 0,6 a 2,3%; de transtorno de pânico (Quadro 18.4), de 0,1 a 2%, de transtorno do estresse pós-traumático; de 0,4 a 2,5% e de transtorno obsessivo-compulsivo, de 0,1 a 0,8%.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577809264

32 decomposição em fração parcial

Fred Safier Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 32

Decomposição em Fração Parcial

EXPRESSÕES RACIONAIS PRÓPRIAS E IMPRÓPRIAS

Uma expressão racional é qualquer quociente da forma

, onde f e g são expressões polinomiais (aqui, assume-

-se que f e g tenham coeficientes reais). Se o grau de f é menor que o grau de g, a expressão racional é chamada própria, caso contrário, imprópria. Uma expressão racional imprópria pode ser sempre escrita usando o esquema da divisão longa (Capítulo 14), como um polinômio mais uma expressão racional própria.

DECOMPOSIÇÃO EM FRAÇÃO PARCIAL

Qualquer polinômio g(x) pode, teoricamente, ser escrito como o produto de um ou mais fatores lineares e quadráticos, onde os fatores quadráticos não têm zeros reais (fatores quadráticos irredutíveis). Segue-se que qualquer expressão racional própria com denominador g(x) pode ser escrita como a soma de uma ou mais expressões racionais próprias, cada uma tendo um denominador que é uma potência de um polinômio com grau menor ou igual a 2.

Essa soma é chamada de decomposição em fração parcial da expressão racional.

Ver todos os capítulos
Medium 9788540701885

Capítulo 22 - Finanças em Comércio Internacional

David K. Eiteman, Arthur I. Stonehill, Michael H. Moffett Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 22

Finanças em Comércio Internacional

As demonstrações financeiras são como bons perfumes: devemos sentir seu cheiro, e não engoli-las.

—Abraham Brilloff.

O propósito deste capítulo é explicar como o comércio internacional – exportações e importações –

é financiado. O conteúdo aqui presente é de relevância prática direta para empresas domésticas que apenas importam e exportam e para empresas multinacionais que fazem comércio com entidades relacionadas e não relacionadas.

O capítulo começa explicando os tipos de relações comerciais. Então, explicamos o dilema comercial: os exportadores desejam ser pagos antes de exportarem e os importadores não desejam pagar até receberem os bens. A seção seguinte explica os benefícios dos atuais protocolos de comércio internacional. Ela é seguida por uma seção que descreve os elementos de uma transação comercial e os vários documentos que são utilizados para facilitar sua conclusão e seu financiamento. A seção seguinte identifica os riscos do comércio internacional, a saber, o risco monetário e o risco de não conclusão. As seções posteriores descrevem os principais documentos comerciais, incluindo a carta de crédito (letter of credit), a cobrança documentária (draft), e o conhecimento de embarque (bill of lading). A seção seguinte resume a documentação de uma transação comercial comum. Segue-se uma descrição de programas do governo para auxiliar o financiamento das exportações, incluindo seguro de crédito de exportação e bancos especializados como o Export-Import Bank of the United

Ver todos os capítulos
Medium 9788565837194

3.7 Valores primitivos imutáveis e referências de objeto mutáveis

David Flanagan Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 3 Tipos, valores e variáveis

43

Note que é possível (mas quase nunca necessário ou útil) criar objetos wrapper explicitamente, chamando as construtoras String(), Number() ou Boolean(): var var var var

s

S

N

B

=

=

=

=

"test", n = 1, b = true; new String(s); new Number(n); new Boolean(b);

//

//

//

//

Uma string, um número e um valor booleano.

Um objeto String

Um objeto Number

Um objeto Boolean

JavaScript converte objetos wrapper no valor primitivo empacotado, quando necessário; portanto, os objetos S, N e B anteriores normalmente (mas nem sempre) se comportam exatamente como os valores s, n e b. O operador de igualdade == trata um valor e seu objeto wrapper como iguais, mas é possível diferenciá-los com o operador de igualdade restrito ===. O operador typeof também mostra a diferença entre um valor primitivo e seu objeto wrapper.

3.7 Valores primitivos imutáveis e referências de objeto mutáveis

Ver todos os capítulos

Carregar mais