273 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788520415061

12. O consumo da hospitalidade: o que aprender do pós-modernismo?

Conrad Lashley Manole PDF Criptografado

CAPÍTULO

12

O consumo da hospitalidade: o que aprender do pós-modernismo?

Alistair Williams

Divisão de Administração da Hospitalidade,

Universidade de Huddersfield

Assuntos-chave:

• A não-universalidade

• Por uma teoria da hospitalidade pós-moderna

• O pós-modernismol

• O consumo da hospitalidade na era pós-moderna

Em busca da hospitalidade

Até que ponto a compreensão do pós-modernismo pode ser usada para o estudo da teoria e da prática da hospitalidade contemporânea?

Neste capítulo, procurarei introduzir o debate pós-moderno e demonstrar como as questões suscitadas pelo conceito são essenciais para a compreensão da teoria e da pesquisa na indústria da hospitalidade, em particular as associadas ao marketing e ao comportamento do consumidor. Para alcançar esses objetivos, determinarei as características-chave do pós-modernismo, identificarei essa corrente no atual ambiente da hospitalidade e avaliarei suas conseqüências para a teoria e a prática da hospitalidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432822

2. Elementos táticos

Alexandre Gomes de Almeida, Clodoaldo José Dechechi Manole PDF Criptografado

elemen t o s tát ico s

O objetivo maior das equipes que disputam uma partida de handebol é

terminar o jogo em vantagem no placar, convertendo mais gols que a adversária e, portanto, também devem evitar que os jogadores adversários convertam gols. As tentativas de converter o gol significam atacar, e as tentativas de evitá-lo, defender. De acordo com Stein e Federhoff (1995), ataque

é toda atitude assumida por uma equipe que está com a posse da bola, sendo seus jogadores denominados atacantes. Já defesa é toda atitude assumida por uma equipe sem a posse da bola, sendo seus jogadores denominados defensores. A alternância entre ataque e defesa, as relações estabelecidas entre as equipes que se confrontam e a ação individual dos jogadores são as variáveis que definem o comportamento tático do jogo de handebol.

Conceito de tática

Segundo Greco (2000), tática é uma capacidade senso-cognitiva que se baseia em processos psicofisiológicos, ou seja, captação e transmissão das informações providas pelo meio, interpretação destas, elaboração de respostas tendo como base conhecimentos pré-adquiridos e execução da resposta mais adequada encontrada. A tática também indica aos jogadores as formas de organização, preparação e finalização das ações de ataque e defesa (Antón, 1998).

Ver todos os capítulos
Medium 9788520436561

Introdução

Marlene Matias Manole PDF Criptografado

INTRODUÇão

O

ato de recepcionar faz parte do dia a dia de qualquer pessoa que vive em sociedade. Envolve desde situações profissionais, como receber e atender clientes, fornecedores, concorrentes em um escritório, até receber e entreter convidados em uma festa familiar. Mas, para que essa atividade seja revestida de cunho profissional, são necessárias algumas regras de tratamento e postura.

O serviço de recepção em eventos, como em qualquer outra atividade, é o

“cartão de visita”, isto é, o primeiro contato do participante, das autoridades, dos convidados, dos prestadores de serviços e demais envolvidos com o evento. Esse acolhimento representa a conduta dos esforços anteriores despendidos pelo promotor e organizador de eventos para oferecer bom atendimento e serviços a todo segmento de público participante do evento. Portanto, é no comportamento e no desempenho dos profissionais de recepção que todo o planejamento de um evento poderá ter maior ou menor êxito durante a sua realização.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432488

8. Órteses

Rodrigo Deamo Assis Manole PDF Criptografado

8

Órteses

Ana Claudia Gomes Carreira

INTRODUÇÃO

Atualmente, o tratamento do paciente neurológico está direcionado à intervenção clínica enfocada pelo médico e à atuação de uma equipe interdisciplinar da qual o terapeuta ocupacional é um dos integrantes e é o responsável pela reabilitação funcional e pela melhora da qualidade de vida dos pacientes. Também é ele responsável por indicação, prescrição e confecção de órteses e adaptações que possam facilitar e possibilitar o desempenho funcional nas atividades da vida diária e da vida diária instrumental.

CONCEITO

Órtese, de acordo com a Organização de Normas Internacionais (International

Standards Organization), é um dispositivo aplicado externamente ao corpo usado para modificar as características estruturais ou funcionais do sistema neuromúsculo-esquelético. A órtese pode ser usada para estabilizar ou imobilizar, impedir evolução de deformidades, proteger contra lesão, promover a cura ou auxiliar a função.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520436363

9. Análise custo-volume-lucro no auxílio à tomada de decisão

Antônio Carlos Aidar Sauaia Manole PDF Criptografado

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Análise custo-volume-lucro no auxílio à tomada de decisão

Yudi Miaguchi

Antonio Carlos Aidar Sauaia

INTRODUÇÃO

Para o sucesso da equipe no ambiente de tomada de decisão, os gestores das cinco áreas funcionais e o presidente devem obter o maior volume de dados úteis. Decisões embasadas nas teorias permitem à equipe analisar seus resultados e criticá-los, ajustando assim as novas decisões, para que proporcionem o desempenho almejado. Tal ideia no laboratório de gestão refere-se ao aprimoramento contínuo pela prática do conhecimento e internalização por meio da vivência. Adotou-se, nesta pesquisa, o ponto de equilíbrio como ferramenta de auxílio à gestão, analisando sua relevância no âmbito gerencial, sua utilidade para o processo de decisão no jogo de empresas e sua contribuição para atingir objetivos e metas traçados. Embora a ferramenta tenha sido utilizada para maximizar a rentabilidade do acionista (TIR – taxa interna de retorno), o ponto de equilíbrio pode beneficiar outros aspectos que não os econômicos, como a sustentabilidade, a política e a cidadania. O método de pesquisa adotado foi o estudo de caso aplicado à empresa Macrosoft, que operava na indústria Novevinte. Foi realizada a coleta e a análise de dados durante dois anos de operações, sendo os desvios confrontados com a teoria. O estudo ilustrou a importância de uma ferramenta para a análise custo-volume-lucro no auxílio à gestão, permitindo identificar os fatores que mais influenciaram o desempenho da empresa e sinalizando

Ver todos os capítulos
Medium 9788520430972

10. Conclusões

Luiz Arnaldo Biagio Manole PDF Criptografado

Conclusões

10

Este livro apresenta um método para elaborar o plano de negócios.

Esse método envolve a análise ambiental da possibilidade de aplicação nas micro e pequenas empresas, principalmente em relação ao planejamento estratégico, no qual a avaliação de fatores intangíveis exige grande dose de bom senso. Até então, isso somente podia ser executado com sucesso nas médias ou grandes organizações, onde as orientações para o direcionamento do negócio são concluídas a partir da execução de reuniões de brainstorm, com a participação de vários executivos especializados em diversos assuntos de interesse estratégico para a organização.

O modelo aqui apresentado permite transformar os fatores da análise estratégica, tidos como intangíveis, em indicadores numéricos, possibilitando que o planejamento possa ser realizado com sucesso sob o ponto de vista de apenas uma pessoa, em geral o empreendedor de uma empresa nascente, conforme demonstrado nos estudos de caso apresentados nos anexos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432488

14. Eletromiografia biofeedback

Rodrigo Deamo Assis Manole PDF Criptografado

14

Eletromiografia biofeedback

Maria Eugênia Mayr De Biase

Adriana Vidal Silva

INTRODUÇÃO

De acordo com Cruz (2005), o termo inglês feedback (retroalimentação) refere-se

à “utilização, em um sistema, de uma informação de saída (resposta) que vai modificar a informação de entrada, de forma a corrigir ou regular a resposta, fechando-a pela alça de feedback. O acréscimo do prefixo bio remete à ideia da utilização desse sistema em seres vivos. Assim, biofeedback (BFB) refere-se ao processo de monitoração de eventos fisiológicos em seres humanos, geralmente por meio de equipamento eletrônico, e apresentação das informações na forma de sinais visuais ou auditivos, para que o indivíduo aprenda a autorregular a função fisiológica outrora involuntária”.

Será utilizado o termo biofeedback, pois é conhecido e difundido na literatura técnica, o que não acontece com o termo traduzido para o português (biorretroalimentação).

Miller (1989) relata que a principal vantagem do biofeedback é que, por meio de pequenos estímulos, que são recompensados pelo sucesso do paciente, mudanças maiores podem ocorrer e, consequentemente, gerará o ato motor. Desse modo, é possível incentivar o paciente a realizar novas atividades, o que diminui sua sensação de desamparo em relação à reabilitação. Essa terapêutica deve ser utilizada em pacientes que não possuem percepção adequada do seu ato motor ou alterações proprioceptivas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520436561

Apresentação

Marlene Matias Manole PDF Criptografado

apresentaÇão

E

sta obra é resultado de pesquisas e estudos realizados nos últimos anos para complementar conteúdos que seriam utilizados em treinamentos e cursos de formação de recepcionista de eventos, assim como de observações efetuadas in loco durante a participação em eventos.

Após essas pesquisas e vivências, percebi que o profissional de recepção em eventos, além da formação técnica, que lhe fornece conhecimentos para desempenhar as funções pertinentes ao cargo, precisa de uma formação complementar sobre temas como cerimonial e protocolo, alimentos e bebidas, conhecimentos gerais e outros, que estão ligados diretamente com a atividade eventos e indiretamente com a sua função.

Diante do exposto, resolvi organizar este livro para disponibilizar e compartilhar os conteúdos que, acredito, são de suma importância para os profissionais de recepção em eventos e também para aqueles que desejam ingressar nessa atividade.

A obra está dividida em quatro partes, sendo a primeira destinada aos fundamentos básicos sobre eventos, na qual são apresentados temas como: origem e evolução dos eventos, conceitos, tipologia, noções de planejamento e organização de eventos, estrutura organizacional dos eventos, destacando seus componentes, os locais onde os eventos acontecem, o mercado de eventos e a legislação federal vigente do setor.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520433287

14. O debate sobre as mudanças climáticas

Milan Trsic Manole PDF Criptografado

14

O D E BATE S OBRE AS MUDA N ÇAS

C LIMÁTICAS

14 .1 FATORES QUE DETERM IN AM O

C LIMA DO P LANETA

Acredita-se que plantas e algas, ou seja, seres vivos multicelulares, existam no planeta há um bilhão de anos. Muitos eventos graves aconteceram com o clima, mas não o suficiente para acabar com os seres vivos.

O sol tem sido e continua sendo o grande controlador do nosso clima. A energia que emana dele não é uma constante, mas há mudanças periódicas. A mais bem conhecida refere-se às manchas solares, de uma periodicidade de aproximadamente 11 anos. Mas há outros fenômenos periódicos de duração de milhares ou mais anos, alguns até que não conhecemos.

Importante também é lembrar que as condições reinantes no sistema planetário são influenciadas pelas características da região da galáxia que ele atravessa.

O planeta, no entanto, não é espectador indiferente com relação ao seu clima. Em primeiro lugar, estão os vários movimentos

69

curso_de_quimica_engenharia.indb 69

Ver todos os capítulos
Medium 9788520416624

5. Globalização, Emprego e Salários

Adriana Moreira Amado Manole PDF Criptografado

Capítulo 5

Globalização, Emprego e Salários

Neste capítulo, abordaremos uma das desvantagens da globalização: o desemprego. Como nos temas vistos anteriormente, também no que se refere ao mercado de trabalho os economistas têm divergências. Veremos por que o desemprego se acha ligado ao processo de globalização econômica e como as diferentes correntes de economistas analisam o desemprego.

A pós este capítulo, você estará apto a:

• Descrever a visão neoclássica a respeito de oferta e demanda de trabalho e de equilíbrio no mercado de trabalho.

• Explicar por que, na teoria neoclássica, o desemprego só pode ser voluntário ou friccional.

• Explicar, do ponto de vista keynesiano, o que provoca o desemprego e como ele surge na economia.

151

Noções de Macroeconomia

• Descrever, de acordo com os marxistas, o que provoca o desemprego e como isso ocorre no capitalismo.

• Descrever as conseqüências da globalização no desemprego e na desigualdade social e relacioná-las com os pensamentos marxista, keynesiano e neoclássico.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520430972

9. Plano Financeiro

Luiz Arnaldo Biagio Manole PDF Criptografado

Plano Financeiro

9

As decisões empresariais geralmente são tomadas a partir de dados financeiros que refletem uma situação passada. Assim, procura-se encontrar soluções para o futuro com base no passado. No atual ambiente empresarial, isso é cada vez menos recomendado, pois, com o intenso dinamismo do mercado, nem sempre as rotinas do passado se repetem no futuro. Na verdade, as medidas financeiras contam apenas parte da história das atividades da empresa e, por isso mesmo, podem não fornecer orientações conclusivas sobre as ações a serem disparadas no presente ou no futuro, com o objetivo de criar um posicionamento financeiro mais estável.

Muito embora isso seja aceito por todos os executivos, a análise das empresas continua sendo apoiada por dados financeiros, talvez pela tangibilidade deles ou pela necessidade de atender aos órgãos de controle governamentais – que ainda se mantêm fiéis à contabilidade financeira –, ou ainda pelo espírito de conservadorismo natural do ser humano, que pode ser traduzido como medo do desconhecido.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520433430

2. O mundo sem fundo de Zaratustra

José Nicolao Julião Manole PDF Criptografado

capítulo 2

o mundo sem fundo de

Zaratustra

Apresentação

O objetivo deste capítulo é demonstrar a importância que desempenha o antagonismo, ou seja, a contradição

(der Gegensatz ou der Widerspruch)1 no ensinamento da

1 Nietzsche não estabelece nenhuma distinção entre Gegensatz, em geral traduzida para o português como oposição, contraste, antagonismo, antítese, e Widerspruch, correntemente traduzido como contradição. Porém, em alemão as duas palavras estão em compasso com a origem etimológica da palavra, tanto em grego quanto em latim. Em grego, a palavra ’antíphasis é composta do radical do verbo phemí (falar, dizer) e da preposição ’anti (contra), usada como prefixo. A formação da palavra latina contradictio é idêntica, contra-dicere. Nas línguas modernas o termo é uma simples transposição; em português, contradição é quase uma repetição da palavra latina contradictio; em alemão Widerspruch (wider preposição acusativa contra + o radical do verbo sprechen – dizer, falar, sentenciar) e Gegensatz (gegen preposição acusativa contra

Ver todos os capítulos
Medium 9788520433287

Preâmbulo

Milan Trsic Manole PDF Criptografado

PREÂMBULO

Felizmente, estamos chegando ao fim da produção do Curso de Química para Engenharia – Volume I: Energia. São tantos os eventos que se acumulam no mundo que, se não houvesse um limite, ficaria a tentação de expandir prefácios e prólogos.

Quando escrevemos o prefácio para o Volume I, estávamos em meio à crise financeira global; contudo, ninguém se iluda, pois a crise ainda não acabou. Além disso, nesses dias, também surgiram rebeliões e protestos inéditos nos países árabes, – nações com regimes autoritários e distribuição de renda muito injusta. Sem antecipar as possíveis renúncias, poderíamos prever aumento no preço do petróleo; o mercado estava atento. Além disso, uma curiosa notícia: a

Exxon não estava encontrando petróleo nos poços da região do pré-sal na Bacia de Santos, a grande esperança do país. Por fim, outro fato em ocorrência: o secretário-geral da ONU, sr. Ban Ki-moon (ree­ leito), decide se distanciar da luta contra as mudanças climáticas.­

Na Editora Manole, já trabalhei (Milan Trsic) com a eficiente e gentil diretora, Daniela Manole, e com seus excelentes funcionários.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431528

Introdução

Ghiraldelli Jr., Paulo Manole PDF Criptografado

I ntrodução

O que é a Filosofia Contemporânea?

Três novos saberes

Do início da guerra de Platão contra Homero até o romantismo de Hegel, ainda que com altos e baixos, a filosofia nunca deixou de gozar de prestígio no mundo intelectual Ocidental. Durante 25 séculos, a figura do filósofo jamais saiu da condição de sinônimo do grande pensador. Eis, então, que chegou o século XIX e, nessa época, a filosofia conheceu, pela primeira vez, um concorrente realmente à altura, a ciência moderna.

O século XIX caracterizou-se como um tempo de euforia com a ciência e de desprezo pela filosofia. Ao seu final, alguns cientistas chegaram a pensar e, mais ousadamente, a dizer, em alto e bom som, que não havia nada mais a ser descoberto pela ciência. A própria confiança na ciência mostrava uma incompreensão de sua natureza como busca contínua de melhores modelos explicativos.

Quando observado do alto, esse período pode ser visto como o tempo do positivismo, a doutrina que colocou a filosofia em posição de caudatária da ciên­cia. O positivismo foi uma criação francesa. Auguste Comte

Ver todos os capítulos
Medium 9788520427064

Sumário

Stanley P. Cauvain Manole PDF Criptografado

SUMÁRIO

Lista de colaboradores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xxii

1. PÃO: O PRODUTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1

Stanley P. Cauvain

1.1. Introdução............................................................................................1

1.2. Características de qualidade do pão......................................................3

1.3. A característica do pão..........................................................................5

1.4. Sabor do pão.........................................................................................7

1.5. Tipos de pão..........................................................................................8

1.6. Avaliando a qualidade do pão..............................................................11

1.6.1. Característica externa..................................................................12

Ver todos os capítulos

Carregar mais