2438 capítulos
Medium 9788577807154

Jornais e revistas

Ken Burtenshaw Grupo A PDF Criptografado

Anatomia de um anúncio de jornal/revista

Jornais e revistas

Os anúncios de jornal e revista são uma excelente oportunidade de treinar a criatividade. Como acontece com muitas mídias publicitárias, a equipe de criação precisa ser rápida para convencer o público a ler o anúncio, pois não chamar a atenção significa que a página será virada ou a mensagem, ignorada. Tradicionalmente, a combinação de chamada, imagem, texto principal, slogan e logotipo diferencia essa mídia dos cartazes. Além disso, o leitor em geral está sentado em casa ou no transporte coletivo, lendo o jornal ou revista, e não passando apressado por um cartaz a caminho do trabalho ou do supermercado.

Embora não exista uma fórmula pronta para criar um anúncio impresso de sucesso, em geral, as equipes de criação combinam uma chamada inteligente com uma imagem complementar que atrai a atenção do leitor e o leva diretamente ao texto principal. Na chamada, o redator pode utilizar fatos interessantes ou inusitados para gerar interesse e curiosidade em relação ao texto principal do anúncio, que apresenta as vantagens da marca ou produto. Em geral, o texto é seguido pelo logotipo da marca, um slogan e as informações de contato da empresa ou fabricante (ver Redação, p. 106).

Ver todos os capítulos
Medium 9788536305592

Capítulo 10 - Investimentos em Projetos Livres de Risco

Mark Grinblatt Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

10

Investimentos em Projetos

Livres de Risco

Objetivos de Aprendizagem

Após a leitura deste capítulo, você deverá ser capaz de

1. Compreender por que os custos incorridos não afetam os fluxos de caixa incrementais para os projetos.

2. Aplicar o critério de valor presente líquido (VPL) para avaliar projetos sem risco, tanto quando não existirem restrições como quando existirem restrições que tornem os projetos mutuamente excludentes.

3. Entender como a agregação de valor se relaciona à aplicação apropriada do VPL para a avaliação de projetos quando estes são mutuamente excludentes.

4. Entender o conceito do Valor Econômico Adicionado (EVA) e a relação entre os critérios de EVA e VPL.

5. Calcular as taxas de corte para o critério de taxa interna de retorno (TIR) quando as taxas de juros de títulos variam de acordo com o vencimento dos mesmos.

6. Aplicar o critério de TIR para avaliar projetos e ser capaz de distinguir casos para os quais é possível obter avaliações apropriadas com o critério de TIR daqueles que impossibilitam avaliações baseadas em TIR apropriadas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536326061

21. Doenças Microbianas da Pele e dos Olhos

Gerard J. Tortora Grupo A PDF Criptografado

21

Doenças Microbianas da Pele e dos Olhos

A pele, que cobre e protege o corpo, é a primeira linha de defesa do organismo contra os patógenos. Como uma barreira física, é quase impossível para os patógenos penetrá-la. Entretanto, os micróbios podem entrar através de pequenas aberturas, que não são imediatamente perceptíveis.

Além disso, formas larvais de alguns parasitas podem penetrar a pele intacta.

A pele é um lugar inóspito para a maioria dos micro-organismos, pois as secreções são ácidas e a maior parte dela contém pouca umidade. Algumas partes do corpo, como as axilas e as áreas entre as pernas, possuem umidade suficiente para abrigar populações bacterianas relativamente grandes. Regiões mais secas, como o couro cabeludo, abrigam apenas um pequeno número de micro-organismos.

Além desses fatores ecológicos, a pele contém antibióticos peptídicos denominados defensinas, que possuem amplo espectro de atividade (veja a página 470). Elas são também encontradas em membranas mucosas, especialmente naquelas que revestem o trato gastrintestinal.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848817

Capítulo 7 - Problematização: o disparador na provocação do desejo

Adelar Hengemühle Grupo A PDF Criptografado

7

Problematização: o disparador na provocação do desejo

A maior sorte que tive na vida foi ter um desafio permanente. (França,

2008, p. 15).1

A

nalisada a ressignificação, chegamos agora à problematização. Esse te­ ma, em tese, conclui a preparação do professor para o planejamento e desenvolvimento da prática pedagógica. É o momento de introduzir, como veremos adiante na metodologia, problemas e curiosidades que instiguem os estudantes a buscar, no conteúdo teórico, as explicações necessárias.

Nossa meta é formar pessoas empreendedoras e competentes que saibam, à luz de embasamento teórico, analisar, compreender, argumentar e resolver problemas sempre novos ou satisfazer suas curiosidades, desenvolvendo o espírito de pesquisa. Ora, como sabemos, a pesquisa é motivada por necessidades e curiosidades; em síntese, problemas a resolver.

Aceitamos que a curiosidade e a problematização ajudam a colocar as práticas pedagógicas de acordo com a formação almejada. Muitos autores da atualidade sugerem que esses termos também são excelentes meios metodológicos para provocar o desejo e disparar na mente a vontade para buscar explicações. Portanto, esses termos podem tornar-se importantes contribuições para tornar os processos provocantes, instigadores e significativos. No entanto, preparar práticas com a inclusão da problematização e de temas curiosos depende diretamente dos passos anteriores aqui desenvolvidos. Ou seja, é preciso:

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899866

Capítulo 8 - Agroecologia e reforma agrária: integração possível, educação necessária

Adriane Lobo Costa, Carlos Hiroo Saito, Cleusa Helena Peralta Castell, Dione Kitzmann, Ivane Almeida Duvoisin, Luiz Augusto Passos, Martha Tristão, Michèle Sato, Milton L. Asmus, Nágila Caporlíngua Giesta, Sérgio Hiandui Nunes de Vargas Grupo A PDF Criptografado

8

Agroecologia e reforma agrária integração possível, educação necessária

Aloisio Ruscheinsky e Sérgio Hiandui Nunes de Vargas

Seria uma insensatez negar os benefícios que a vertiginosa evolução das tecnologias propiciou ao ser humano no deslocar-se mais rápido, viver mais tempo, comunicar-se instantaneamente, entre outras proezas. No entanto, é necessário analisar a quem dominantemente esse progresso serve, quais os riscos e custos de natureza social, ambiental e de sobrevivência da espécie que ele está provocando; e que catástrofes futuras ele pode ocasionar aos direitos dos homens. É preciso determinar quem escolhe a direção desse progresso e com que objetivos, especialmente quando as direções desse progresso têm aumentado a exclusão social, a concentração de renda e os riscos ambientais. (Gilberto Dupas)

O objetivo principal do capítulo é examinar a atribuição que a agricultura ecológica pode ocupar na consolidação da qualidade de vida, além de esclarecer a conotação que os nichos da produção orgânica vem assumindo. Ao mesmo tempo, enuncia as vantagens para o meio ambiente e para os pequenos agricultores que esta apresentaria em relação aos métodos tradicionais e convencionais de cultivo. Questões atuais estão intimamente relacionadas tais como as redes ambientalistas, os recursos hídricos, os projetos de economia solidária, a biodiversidade, a agroecologia, a justiça socioambiental e os direitos humanos.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos