32 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788520439081

Seção 7 – Desenvolvimento e aspectos psíquico, familiar e social

WAKSMAN, Renata Dejtiar; SCHVARTSMAN, Cláudio Editora Manole PDF Criptografado

Seção 7

DESENVOLVIMENTO E

ASPECTOS PSÍQUICO,

FAMILIAR E SOCIAL

Coordenador

Leonardo M. Posternak

353

45

Individualidade e comparações

Leonardo M. Posternak

Luiz Guilherme Florence

Introdução

A importância e o deslumbramento pelo nascimento de filhos gêmeos ou múltiplos estão bem documentados na mitologia e na literatura. Até situações inverídicas deram origem a filmes que mostravam ocasiões em que, quando um dos gêmeos se machucava, o outro, ainda que distante, sentia dor.

Mas pouco se fala que os gêmeos e múltiplos podem trazer alguma confusão e conflitos tanto para os pais como para as próprias crianças.

Também a relação entre os irmãos gêmeos ou múltiplos e entre eles e o resto dos irmãos deve ser refletida, para os pais poderem agir adequadamente.

Eis alguns pontos que podem causar alguma confusão:

��

��

��

pensar na experiência de gerar e amar dois ou mais bebês ao mesmo tempo; o sentimento de cada bebê ao ter nascido junto com outra criança; passar a lidar com as diferenças (peso, personalidade, aptidões, etc.).

355

Ver todos os capítulos
Medium 9788520439081

Seção 6 – O dia a dia

WAKSMAN, Renata Dejtiar; SCHVARTSMAN, Cláudio Editora Manole PDF Criptografado

Seção 6

O DIA A DIA

Coordenador

Sulim Abramovici

283

36

O sono dos gêmeos ou múltiplos

Graziela de Almeida Sukys

Introdução

O sono, que pode ser definido como um estado comportamental transitório que se alterna com a vigília (período acordado), é fundamental para o bem-estar fisiológico e psíquico de crianças e adultos.

Desde a 24ª semana de gestação, já é possível identificar a existência de sono no feto, ainda que de maneira primitiva. Sabe-se que, em gestações de gêmeos e múltiplos, os fetos podem estar em diferentes estágios de amadurecimento neurológico, porém, ao nascimento, esses estágios se aproximam e os bebês já apresentam respostas semelhantes.

Do ponto de vista do ciclo sono-vigília, os múltiplos já estão muito parecidos ao nascer.

Para que os pais possam se adaptar com mais facilidade aos bebês, conseguir organizar a vida e ensinar os filhos a dormir, seguem algumas informações sobre o que é o sono normal.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520456446

5. Guia alimentar como instrumento de educação nutricional

Andréa Gislene do Nascimento... [et al.]. Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 5

Guia alimentar como instrumento de educação nutricional

Glauce Hiromi Yonamine

Introdução

Os guias alimentares representam instrumentos importantes de apoio para as ações de educação alimentar e nutricional. Em 2014, foi publicada a versão atualizada do Guia alimentar para a população brasileira, um documento oficial do Ministério da Saúde que aborda os princípios e recomendações de uma alimentação adequada e saudável para a população brasileira1.

Em contraste com a velocidade com que as informações de dietas ou alimentos da moda se tornam popularmente divulgadas, na prática verifica-se que grande parte da população ainda não conhece as recomendações desse guia. Nesse sentido, os profissionais de saúde exercem papel fundamental na divulgação dessas recomendações.

O objetivo deste capítulo não é abordar as informações contidas no

Guia alimentar para a população brasileira, já que esse material está disponível na internet e pode ser consultado de forma integral por qualquer membro da população. Neste capítulo, serão discutidas as ações que podem ser realizadas pelo profissional de saúde para que as recomendações de alimentação e nutrição sejam efetivamente adotadas pelas crianças, adolescentes e suas famílias.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520456446

1. Educação nutricional em pediatria

Andréa Gislene do Nascimento... [et al.]. Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 1

Educação nutricional em pediatria

Andréa Gislene do Nascimento

Fernanda Ferreira dos Santos

Introdução

Inserida no âmbito das políticas públicas direcionadas à promoção da saúde e da segurança alimentar e nutricional (SAN), a educação alimentar e nutricional (EAN) constitui o campo do conhecimento transdisciplinar em constante construção que tem seu referencial histórico caminhando juntamente à criação e desenvolvimento da categoria de nutricionistas no país1,2.

A EAN passa a ser discutida no Brasil em meados de 1930, a partir da instalação do parque industrial nacional e do surgimento de organizações de trabalhadores urbanos. Paralelamente, Josué de Castro apresenta importantes ponderações quanto à predominante desnutrição e desigualdade social entre indivíduos de diferentes classes econômicas, dentre os quais se encontravam os atendidos pelos programas assistenciais difundidos no período e especialmente aqueles que estavam fora dessa cobertura. Observa-se então que as ações em EAN estavam centradas na atenção às necessidades dos trabalhadores e seus familiares, tendo como foco o binômio saúde-doença, prevalente na ocasião1,3-5.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520439081

Seção 3 – A alta hospitalar e a ida para casa

WAKSMAN, Renata Dejtiar; SCHVARTSMAN, Cláudio Editora Manole PDF Criptografado

Seção 3

A ALTA HOSPITALAR E

A IDA PARA CASA

Coordenadoras

Alice D'Agostini Deutsch

Maria Fernanda Pellegrino da Silva Dornaus

135

16

Preparo para a alta hospitalar

Roberta Ferreira Belini

Simone Maria Orsi Climeni Silva

Introdução

Em geral, os gemelares prematuros ou aqueles que apresentam qualquer problema clínico e são admitidos na unidade de terapia semi-intensiva

(UTSI) estarão prontos para receber alta hospitalar quando atingirem um peso superior a 1,8 kg, com ganho de peso diário, controle da temperatura corporal adequada, padrão respiratório sem nenhuma alteração e aceitação da alimentação adequada. É importante que os pais também estejam prontos para a alta e aptos a prestar os cuidados necessários aos bebês em casa.

O banho

Uma das orientações mais importantes é sobre o banho. Antes de iniciar os cuidados com o bebê, devem-se retirar anéis, pulseiras e relógio, pois podem machucar a pele sensível da criança. Em seguida, lavar as mãos ou higienizar com álcool em gel antisséptico.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520439081

Seção 4 – Amamentação

WAKSMAN, Renata Dejtiar; SCHVARTSMAN, Cláudio Editora Manole PDF Criptografado

Seção 4

AMAMENTAÇÃO

Coordenadoras

Alice D'Agostini Deutsch

Maria Fernanda Pellegrino da Silva Dornaus

179

21

Anatomia e fisiologia das mamas

Maria Fernanda Pellegrino da Silva Dornaus

Introdução

Muitas mulheres que engravidam de gêmeos pensam que não conseguirão amamentar e que não terão leite em quantidade suficiente para seus filhos. Conhecendo melhor a anatomia e a fisiologia das mamas, é possível compreender que o organismo faz todos os ajustes necessários para atender à demanda dos bebês.

É importante destacar que o leite materno é o melhor alimento e propicia melhores condições de saúde aos bebês. O sucesso da amamentação está vinculado ao compromisso e ao desejo materno de amamentar os bebês, favorecendo que dificuldades iniciais sejam superadas.

Desenvolvimento das mamas

No feto, a glândula mamária começa a se desenvolver na sexta semana de vida intrauterina. No momento do nascimento, os principais ductos mamários já estão formados. Logo após o nascimento, as mamas de meninos e meninas podem excretar um líquido em razão da estimulação

181

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431252

A escolha da creche, da babá e da escola

LOPEZ, Fabio Ancona; CAMPOS JR., Dioclécio Editora Manole PDF Criptografado

creche, babá e escola

A escolha da creche, da babá e da escola

1

A escolha da creche, da babá e da escola

Capítulos

1- Introdução........................................................................................6

2- Creche ou pré-escola.......................................................................7

3- Babás e cuidadores.........................................................................14

4- A escolha da escola.........................................................................17

3

creche, babá e escola

A escolha da creche, da babá e da escola

Conteúdo

Introdução......................................................................................................................... 6

Creche ou pré-escola....................................................................................................... 7

Quais as vantagens da creche ou pré-escola?............................................... 7

Ver todos os capítulos
Medium 9788520456446

4. A importância do brincar

Andréa Gislene do Nascimento... [et al.]. Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 4

A importância do brincar

Aide Mitie Kudo

Priscila Bagio Maria Barros

Mariana de Paiva Franco

Renata Sloboda Bittencourt

Resgate histórico

Desde os tempos mais remotos, o ato de brincar estava presente no cotidiano das crianças em todas as culturas. Muitos jogos e brincadeiras que temos hoje eram praticados nas civilizações antigas, destinados ao entretenimento de adultos durante reuniões e festividades locais.

Achados arqueológicos e descrições iconográficas mostram que bonecas e marionetes eram usadas como brinquedos e divertimento no Egito antigo há mais de 5 mil anos. Crianças naquela época construíam barcos em miniaturas, imitando as embarcações que navegavam pelo Nilo; em escavações em templos egípcios, foi encontrado um jogo da velha datado de 1400 ou 1333 a.C.; os primeiros dominós foram construídos de ossos de marfim por um soldado chinês que viveu em 243 a 181 a.C.1.

Foi a partir da Idade Média, na Europa, que os brinquedos começaram a ser fabricados, ainda que artesanalmente e comercializados nos grandes entrepostos de vendas existentes, principalmente nos grandes povoados. E foi no período das transformações econômicas e sociais da

Ver todos os capítulos
Medium 9788520456446

2. Comportamento alimentar em pediatria

Andréa Gislene do Nascimento... [et al.]. Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 2

Comportamento alimentar em pediatria

Glauce Hiromi Yonamine

Carla Aline Fernandes Satiro

Introdução

O comportamento alimentar envolve as ações relacionadas ao ato de se alimentar, isto é, o que se come, como, com quem, onde e por que comemos1. Esse comportamento começa a ser formado logo após o nascimento, e sabe-se que os hábitos alimentares adquiridos na infância estão relacionados com a alimentação ao longo da vida.

Neste capítulo, discutiremos os principais aspectos envolvidos no comportamento alimentar em pediatria. Para abordar didaticamente esse tema, o capítulo foi dividido em tópicos: “Divisão de responsabilidades na alimentação”; “Aspectos relacionados aos cuidadores”; “Aspectos relacionados às crianças e adolescentes”; e “O papel do nutricionista”.

Divisão de responsabilidades na alimentação

As crianças têm uma habilidade inata para se alimentar. Por isso é fundamental que elas participem ativamente da sua alimentação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520439081

Seção 1 – A gestação e o parto de gêmeos e múltiplos

WAKSMAN, Renata Dejtiar; SCHVARTSMAN, Cláudio Editora Manole PDF Criptografado

Seção 1

A GESTAÇÃO E O PARTO DE

GÊMEOS E MÚLTIPLOS

Coordenadores

Eduardo Cordioli

Eduardo Zlotnik

1

1

Mitos e verdades sobre gêmeos e múltiplos

Thomaz Rafael Gollop

Sergio Hibner

Introdução

Lendas sobre gêmeos estão presentes na formação de inúmeras sociedades.

Na população indígena do Alto Xingu, no Brasil Central, por exemplo, os gêmeos Sol e Lua foram os responsáveis por criar a humanidade.

Os mais famosos gêmeos da mitologia são, sem dúvida, Rômulo e

Remo, fundadores de Roma. A tradição conta que o usurpador Amúlio, após derrubar seu irmão Numitor do trono de Alba Longa, obrigou

Reia Sílvia, filha de Numitor, a converter-se em virgem vestal para que não gerasse descendência do antigo rei. A jovem, no entanto, concebeu os gêmeos Rômulo e Remo, frutos de sua união com o deus Marte.

Amúlio ordenou, então, que os meninos fossem atirados ao rio Tibre, mas o berço em que se encontravam encalhou junto ao ficus ruminalis, uma figueira sagrada do monte Palatino.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520456446

13. Atividades práticas de educação nutricional em pediatria

Andréa Gislene do Nascimento... [et al.]. Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 13

Atividades práticas de educação nutricional em pediatria

Andréa Gislene do Nascimento

Fernanda Ferreira dos Santos

Mayara Freitas de Oliveira

Introdução

A infância traz aspectos relevantes para a formação de hábitos e práticas comportamentais, especialmente as alimentares. No ambiente familiar, a criança inicia a formação e incorporação dos padrões de comportamento alimentar a partir da escolha de alimentos, sua quantidade, horário e ambiente em que acontecerão as refeições. Trata-se de um processo que começa nessa fase e se estende por todas as demais fases do ciclo de vida1. Os hábitos alimentares inadequados nesse estágio podem levar a problemas nutricionais a curto e longo prazos2. Assim, esse momento é fundamental para o desenvolvimento da consciência crítica, de forma a propiciar a aplicação de práticas para promoção, manutenção e recuperação da saúde1.

As estratégias de educação alimentar e nutricional voltadas a crianças devem ser prioritárias no atendimento nutricional ambulatorial e hospitalar, não apenas por serem consideravelmente influenciadas por fatores ambientais, mas também por comporem um grupo que tomará decisões quanto a hábitos alimentares no futuro3.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520456446

8. Educação nutricional no ambulatório

Andréa Gislene do Nascimento... [et al.]. Editora Manole PDF Criptografado

Capítulo 8

Educação nutricional no ambulatório

Cristina Yuri Takakura

Larissa Baldini Farjalla Mattar

Lenycia de Cassya Lopes Neri

Introdução

O atendimento ambulatorial visa suprir uma demanda de pacientes em acompanhamento médico sem indicação de internação hospitalar.

São pacientes que, apesar de possuir doença crônica, podem usufruir da qualidade de vida de rotina semelhante à de outras crianças, exceto pela necessidade de acompanhamento médico e da equipe multiprofissional no hospital periodicamente.

No Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP), a demanda é de pacientes portadores de doenças crônicas e que, muitas vezes, necessitam de ajustes dietoterápicos para melhora de comorbidades. O atendimento nutricional é realizado após as consultas médicas para discussão dos casos e verificação de exames recentes. Após avaliação do estado nutricional, é necessário que o nutricionista assuma uma postura de educador ao passar o conteúdo de adaptações dietéticas para melhora da saúde.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431252

Escolar

LOPEZ, Fabio Ancona; CAMPOS JR., Dioclécio Editora Manole PDF Criptografado

Escolar

Escolar

Escolar

6 a 10 anos

Capítulos

1- Vacinação .......................................................................................122

2- Consultas pediátricas....................................................................124

3- Alimentação...................................................................................128

4- Crescimento e desenvolvimento .................................................133

5- Visão, audição e cuidados com os dentes...................................152

6- Comportamento.............................................................................159

7- Ambiente .......................................................................................164

8- Brincadeiras, brinquedos, lazer e esporte .................................167

9- Alertas de segurança.....................................................................175

10- Necessidades especiais...............................................................178

Ver todos os capítulos
Medium 9788520426555

À espera do bebê

LOPEZ, Fabio Ancona; CAMPOS JR., Dioclécio Editora Manole PDF Criptografado

À espera do bebê

À espera do bebê

XVII

Adoção.indd 17

7/7/11 2:24:32 PM

XVIII

Adoção.indd 18

7/7/11 2:24:32 PM

À espera do bebê

À espera do bebê

Capítulos

1- A gravidez ..........................................................................................XXIV

2- �Leis que protegem a gestante e a nutriz ...........................................LIV

3- Filhos adotivos ......................................................................................LXI

4- Teste de paternidade ......................................................................... LXIX

XIX

Adoção.indd 19

7/7/11 2:24:33 PM

XX

Adoção.indd 20

7/7/11 2:24:34 PM

À espera do bebê

À espera do bebê

Conteúdo

A gravidez ............................................................................................................... XXIV

Vínculo pais-filho na gravidez ................................................................. XXIV

Ver todos os capítulos
Medium 9788520439081

Seção 9 – Consulta adicional

WAKSMAN, Renata Dejtiar; SCHVARTSMAN, Cláudio Editora Manole PDF Criptografado

Seção 9

CONSULTA ADICIONAL

Coordenador

Cláudio Schvartsman

465

60

Livros e sites de interesse

Eduardo Juan Troster

Carlos Augusto Cardim de Oliveira

Renata Dejtiar Waksman

LIVROS RECOMENDADOS

Em língua portuguesa

Título do livro

Autoria

Observações

Estudo de gêmeos

Bernardo Beiguelman

Livro eletrônico publicado em formato PDF

Gêmeos, trigêmeos ou o que mais vier – O guia da mãe 24 horas

Sara Gonçalves

-

Criando gêmeos e múltiplos em idade escolar

Christina Baglivi Tinglof

-

Criando filhos gêmeos

Patrícia Maxwell Malmstrom e

Janet Poland

-

Conversando sobre gêmeos

Maria Elizabeth Barreto Tavares

Viotto

-

Gêmeos - Harlequin Special Ed.84

Rebecca Winters

eBook Kindle

467

Gêmeos e Múltiplos

Em língua inglesa

Título do livro

Autoria

Observações

Twins: from conception to five years

Ver todos os capítulos

Carregar mais