3616 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536319926

z

José Pacheco Grupo A PDF Criptografado

z sociólogos. Numa carta dirigida aos professores da Escola da

Ponte, uma socióloga dizia:

– Nunca consegui entender algo que ainda agora, quando penso nela, me intriga. Nas reuniões de que participei, os professores diziam, cara a cara, tudo o que pensavam dos seus pares, de modo enérgico, por vezes, rude. E, quando me parecia que a reunião iria terminar numa briga e confusão total, os professores terminavam a reunião e iam tomar chá, comer bolachas e contar anedotas.

Essa jovem socióloga talvez não tivesse compreendido algo fundamental naquela escola. Partilhar um bolinho e dois dedos de conversa com os mesmos parceiros que, há minutos, haviam nos criticado, é sinal de franqueza, autenticidade.

Ainda que se reconheça que nem tudo foi transparência, ainda que (em algumas situações) tivéssemos colocado a máscara, fomos capazes da transcendência de que cada um foi capaz.

Talvez a maior ruptura com o modelo tradicional concretizada na Escola da Ponte tivesse sido acabar com a solidão do professor. Na Escola da Ponte, ninguém está sozinho.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536319926

x

José Pacheco Grupo A PDF Criptografado

x

Todas as manhãs, Arnaldo já chega cansado de duas horas de trabalho. Antes de ir para a escola, Rui foi ao agricultor buscar o leite, levou os irmãos menores à creche, deu os recados da Dona Alice, arrumou a casa toda. Carlos falta quase todas as tardes. O pai o manda distribuir por toda a vila as folhas que dão notícia dos falecimentos da véspera, ou tem que carregar os enfeites dos funerais.

O tempo amarelou as folhas dos cadernos onde as crianças deixaram ficar pedaços de vida. Aos 9 anos, Fernando disse o que queria ser quando fosse grande, escreveu os projetos do seu futuro para sempre destruídos num estúpido acidente na moto que ele comprou com os primeiros salários de tecelão. Outros não chegaram a se tornar adultos por se deixarem envolver nas teias que a droga tece. Houve também quem abandonasse a escola e optasse pelas lições que a escola da vida oferece. Outros ainda dizem agora “querer mudar de vida”.

E os pais:

O senhor professor, que me diz? Eu acho que Jorge já tem idade para ir com o tio para as feiras. Se o coloco no ciclo, só ganha vícios e más companhias.

Ver todos os capítulos
Medium 9789724423326

Vozes singulares

Rui Bebiano Editora Almedina PDF Criptografado

oposições e novos horizontes

Vozes singulares

O direito universal ao dissenso, à resistência, mesmo à possibilidade de projetar alternativas experimentais e inovadoras ao sistema capitalista, intimamente associadas à construção do movimento dos países não-alinhados, ao então chamado «terceiro-mundismo», às novas independências e às novas lideranças, criou condições para a reformulação do próprio conceito de revolução, tal como este vinha sendo pensado e colocado em prática pelo marxismo «clássico», ou, como por vezes na época se afirmava, pela «Velha Esquerda». O filósofo e escritor conservador britânico, Roger Scruton coloca este tempo na génese do que chama uma nonsense machine, conceção sobre a retoma de conceitos que o curso da história aparentemente ultrapassara, mas que se mostraram capazes de uma sobrevida, retomada posteriormente por autores como Lacan,

Deleuze e Guattari, Said ou, ainda, Badiou e Žižek.417 A sua leitura particularmente crítica, destinada a rejeitar o que considerava ser uma nova

Ver todos os capítulos
Medium 9788577807154

Visualizando o conceito

Ken Burtenshaw Grupo A PDF Criptografado

Esboços e rafes

Visualizando o conceito

O trabalho em pequena escala, utilizando esboços e rafes, é um bom ponto de partida. Os esboços, também conhecidos como thumbnails, são, como a palavra inglesa indica, pequenos desenhos feitos à mão representando suas ideias, em geral acompanhados por uma explicação por escrito. Você pode produzir um rafe maior, mas não utilize um formato maior do que A5, pois você vai gastar um tempo desnecessário acrescentando detalhes. Concentre-se na ação e limite as informações secundárias apenas ao necessário. Nas primeiras fases do processo de geração de ideias, é preciso colocar a ideia no papel com rapidez e o mínimo de esforço. Não perca tempo pensando em ângulos de câmera e layouts: pare, pendure o visual na parede e passe para a próxima. Pendurar as ideias na parede é um bom jeito de praticar, pois permite que você reflita sobre elas durante o dia. Além disso, outras pessoas terão a oportunidade de vê-las e oferecer críticas.

É importante visualizar sua ideia no papel para que o diretor de criação e a equipe de planejamento possam compreender seu conceito de modo simples e fácil. Se você não é bom desenhista, não se preocupe: é a qualidade da ideia que importa; mesmo desenhando bonequinhos com palitinhos ou descrevendo o conceito em palavras. Com o tempo, você desenvolverá técnicas de visualização melhores. Lembre-se, uma boa ideia sempre se destaca, independentemente do meio utilizado para expressá-la.

Ver todos os capítulos
Medium 9789724423326

Violência e alcance do Gulag

Rui Bebiano Editora Almedina PDF Criptografado

edificação, violência, centralismo

ou que pudessem dispor, ainda que apenas num futuro imprevisível, da hipótese de lhe atribuírem uma outra orientação ou uma diferente base social, contrárias à afirmação do socialismo e à construção de uma sociedade efetivamente igualitária, a caminho da desejada perfetibilidade humana.

Violência e alcance do Gulag

Foi ainda Norman Cohn, que durante décadas estudou os movimentos e as ideias de caráter apocalíptico e milenarista que ocorreram durante o período medieval, quem escreveu que «a partir de 1917 houve uma constante repetição, e numa escala cada vez maior», dos desejos e das metas presentes já nas inúmeras revoltas daqueles tempos, que exprimiam em regra «quimeras de uma luta final de extermínio contra os grandes, e de um mundo perfeito de onde o egoísmo fosse para sempre banido»159. Regressa-se aqui à já referida ideia de reposição justa de uma injustiça tomada como expressão de uma decadência que deverá ser definitivamente abolida.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536324555

Valorização da cultura oral e formação do leitor

Juracy Assmann Saraiva Grupo A PDF Criptografado

17

VALORIZAÇÃO DA CULTURA

ORAL E FORMAÇÃO DO LEITOR

Preservação da cultura regional em um mundo globalizado

A cultura, expressa em manifestações que abrangem os conhecimentos, as crenças, os valores, os costumes, as artes, a tecnologia, assume formas diversas no tempo e no espaço. Sua diversidade configura-se pela natureza peculiar e plural das identidades e das expressões dos grupos, sociedades e povos que constituem a humanidade. Todavia, ainda que sejam bens coletivos, cujos traços singulares devem ser valorizados e preservados, as manifestações culturais sofrem, atualmente, os efeitos da homogeneização, como se fizessem parte de uma única cultura, ou como se estivessem em vias de tornar-se uma só, devido ao processo da globalização.

Constituído pela expansão dos meios de comunicação e de informação, o processo de globalização afeta as relações espaço-temporais, permitindo que acontecimentos sejam divulgados no momento mesmo em que ocorrem e que pessoas interajam auditiva e visualmente, apesar de terem um oceano entre si. As novas tecnologias criam condições favoráveis para que se amplie e se intensifique a interação entre culturas, pois tornam próximo o que estava distante e familiar o que era estranho e inusitado. Entretanto, por estarem a serviço do poder econômico, elas representam também um obstáculo à preservação da diversidade cultural de comunidades, regiões e países, visto que, em nome do consumo, tendem a massificar os produtos culturais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536320809

Validação de escalas: correlação

Rafael Perera Grupo A PDF Criptografado

Validação de escalas: correlação

Questão: uma medida de gravidade relatada pelos pais é equivalente àquela relatada por profissionais da saúde? Quais são as características necessárias para que uma escala seja válida?

Shepperd et al. J Clin Epidemiol 2004;57(8):809-14.

Foram coletados dados sobre crianças com uma infecção respiratória do trato superior para determinar a gravidade da doença, conforme avaliação feita por enfermeiros, médicos e pais. Isso foi feito com o uso de uma escala análoga visual. Uma escala que mede a gravidade funcional e a sobrecarga dos pais, chamada CARIFS (Canadian Acute Respiratory Illness and Flu Scale), também foi usada como desfecho e foi comparada com as outras medidas de gravidade.

Foram usadas correlações para determinar se a medida de gravidade feita pelos pais era equivalente à gravidade medida por um profissional da saúde. A consistência interna do escore CARIFS foi avaliada pelo uso da estatística alfa de Cronbach.

Escala análoga visual (EAV)

Ver todos os capítulos
Medium 9788536319926

v

José Pacheco Grupo A PDF Criptografado

v admissão de professores; e repudiar a ideia de que se pode aprender sem esforço, memória, ou compreensão de automatismos. Mas acrescentaria que fariam melhor se defendessem a prática de uma avaliação rigorosa, que dispensasse as escolas dos inúteis e caros rituais de exame.

Se não desistem da sua cruzada de volta à mesmice de onde nunca saímos, retomo o assunto. Nos últimos 20 anos, foram muitos os textos que dediquei a ele. Neles demonstrei a inutilidade dos exames. Farei, desta vez, pelo lado da psicologia… e do bom senso.

Adélia sabia a matéria na ponta da língua. Fez a memorização das fórmulas e repetiu ladainhas em voz baixa, na crença de que a memória não a traísse. Saiu vitoriosa da luta travada contra uma pilha de livros: decorou-os, um por um.

Mas acabou derrotada por uma... ampulheta.

Abdicou da novela das oito e – supremo sacrifício! – o namorado se foi, no fim da segunda semana de clausura.

Quem diria que se intimidaria por um diabólico aparelho de medir o tempo? Infelizmente, a presença de uma ampulheta na sala de exame jogou por terra todo o investimento.

Ver todos os capítulos
Medium 9789724423326

Utopia e distopia

Rui Bebiano Editora Almedina PDF Criptografado

artistas, intelectuais e política

Utopia e distopia

Todavia, desde cedo, à realidade do regime fixado e expandido pelo

Partido Comunista sob a orientação de José Estaline, encontravam-se associados testemunhos críticos informados, ou obras que se serviam de notícias entretanto chegadas à Europa para produzir a seu respeito reflexões de natureza cética ou mesmo abertamente crítica. Quando hoje os lemos de uma forma já distanciada, percebemos que, pelo menos em boa parte, não se tratava de textos anticomunistas, ou conotados com os fascismos, como tantas vezes se fez crer a partir de Moscovo. Embora esse tipo de textos também existisse, e não fossem poucos. Muitos dos primeiros escritos dessa natureza foram antes alertas, ou depoimentos desencantados, capazes de questionar o modelo que o estalinismo, o mais propriamente soviético, mas também o «internacional» – que incluía, como se viu, a atividade dos militantes e compagnons de route associados à quase totalidade dos partidos comunistas –, haviam definido como justo e inquestionável, sem a concorrência de qualquer versão crítica ou alternativa. Vale a pena observar alguns desses casos de alerta.

Ver todos os capítulos
Medium 9788573074260

Uma proposta de Materiais Curriculares para a Escola

Antoni Zabala Grupo A PDF Criptografado

A PRÁTICA EDUCATIVA / 187

3. Verificar que seqüências de atividades são propostas para cada um dos conteúdos.

Revisar cada uma das atividades propostas, atribuindo a cada uma delas os conteúdos que são trabalhados. Assim podemos reconhecer a série de atividades propostas para a aprendizagem de cada conteúdo e determinar a conveniência de sua progressão e ordem.

4. Analisar cada uma das seqüências de atividades propostas para comprovar se cumprem os requisitos da aprendizagem significativa em relação aos conteúdos estabelecidos.

Tendo presentes as características dos conteúdos, é preciso ver se as atividades propostas e as seqüências levam em conta as condições que podem fazer com que a aprendizagem seja o mais significativa possível e, ainda, que ofereçam meios que permitam o acompanhamento do progresso realizado pelos alunos.

5. Estabelecer o grau de adaptação ao contexto em que serão utilizados.

Pode acontecer que o resultado da análise dos pontos anteriores tenha sido positivo mas que, seja pelos temas tratados ou pelas estratégias utilizadas, o material esteja muito longe das características, das maneiras de trabalhar e dos meios de um contexto educacional concreto.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502635883

UMA PALAVRA FINAL

Andrea Cristina Filatro, Sabrina M. Cairo Bileski Editora Saraiva PDF Criptografado

UMA PALAVRA FINAL

E

screver este livro representou um grande desafio para nós. Estamos certas de que ler o conteúdo aqui disponibilizado também foi um desafio para você, caro leitor. Ao longo do processo, quanto mais nos dedicamos a pensar nas teorias e nas práticas relacionadas à produção de conteúdos educacionais, mais nos surpreendemos com a amplitude e a profundidade de cada dimensão aqui tratada e ainda mais com as possibilidades de interface entre essas dimensões.

E, como se isso não fosse desafiador o bastante, ainda temos uma realidade em acelerada transformação: o ritmo das inovações tecnológicas nos assombra; a multiplicação de suportes de mídia nos intriga; as novas configurações organizacionais nos provocam; a exuberância das teorias educacionais nos sobrecarrega.

A sensação é de que, mal dominamos uma novidade, outra logo já trata de nos desestabilizar. Learning analytics (análise da aprendizagem), aprendizagem ubíqua, gamificação, aprendizagem adaptativa, flipped learning (sala de aula invertida), xMOOC, cMOOC... vão surgindo como gremlins e povoando artigos, livros, publicações em redes sociais, palestras, discussões...

Ver todos os capítulos
Medium 9788577807154

Uma imagem vale mil palavras

Ken Burtenshaw Grupo A PDF Criptografado

Uma imagem vale mil palavras

Campanhas publicitárias baseadas apenas em imagens não são novidade. A publicidade de cigarro da Benson & Hedges na década de 1970 e os cartazes da Benetton no começo dos anos

1990 demonstram como o gênero pode ter sucesso. A imagem

é ainda mais relevante no mercado globalizado de hoje, no qual as marcas precisam transcender limites culturais.

Atualmente, a linguagem não é mais uma barreira, pois o visual se encarrega de comunicar a mensagem.

The cream of Manchester: Alvo. Sorvete derretido. Medidor de combustível. (esta página e página ao lado)

Essa premiada campanha da Boddingtons usa apenas uma margem e um logotipo em seus anúncios na imprensa e em cartazes. É difícil criar uma campanha com tanta longevidade sem uma ideia central forte como essa.

Cliente: Boddingtons Cream of Manchester / Agência: Bartle Bogle Hegarty

UK / Dupla de Criação: Jo Moore e Simon Robinson / Fotógrafo: David Gill /

Modelagem: Gavin Lindsay

Ver todos os capítulos
Medium 9789724423326

Uma história de fraturas

Rui Bebiano Editora Almedina PDF Criptografado

NO LABIRINTO DE OUTUBRO

A intervenção do partido leninista alcançou assim um peso instrumental, e também simbólico, em ligação estreita com uma perspetiva da construção do socialismo e das suas regras próprias. As diferentes formas, materializadas ou não na tomada do poder, que os destacamentos comunistas foram tomando por todo o mundo, adaptadas mais ou menos naturalmente, ainda que quase sempre de forma imaginativa, a realidades distintas, mantiveram durante muito tempo o modelo da

Revolução de Outubro e o zénite da intervenção histórica do bolchevismo como figurino, desenhado de acordo com as caraterísticas aqui inventariadas. Ele serviu de incentivo para a prossecução do seu próprio destino, mas ao mesmo tempo foi deparando com possibilidades, objetivos e alternativas, resultantes da intervenção humana ou adaptados a diferentes tempos e circunstâncias históricas.

É, por este motivo, preciso confrontar a dimensão monumental do paradigma aqui considerado com as intervenções e os sucessivos momentos nos quais ele foi confrontado com outras hipóteses e com diferentes experiências.

Ver todos os capítulos
Medium 9788584290376

Uma forma visual de apresentar ideias

Claudio de Moura Castro Grupo A PDF Criptografado

74

F. Mapas mentais: o poder dos desenhos

Nos últimos anos, foram desenvolvidos métodos gráficos para mostrar teorias ou sequências de pensamentos. Esses métodos foram chamados de mapas conceituais ou mapas mentais.

Trata-se de uma estratégia para a organização visual das ideias, por meio de palavras-chave, cores, imagens, símbolos e figuras.

Tudo acontece em torno de um desenho que tem, ao centro, uma ideia, um conceito. Vale a pena aprender a manejar mapas conceituais, pois favorecem o aprendizado e melhoram a criatividade e a produtividade pessoal, tanto na escola quanto no trabalho. Quem aprendeu a usar, fica viciado.

Uma forma visual de apresentar ideias

No fundo, os mapas conceituais são desenhos criados para ajudar a compreender alguma ideia. Na verdade, não passam das mesmas ideias e palavras, apresentadas fora da disciplina linear do texto tradicional e, se desejado, enriquecidas com imagens.

A justificativa teórica dos mapas mentais nos levaria a teorias da cognição, algo complicadas. No entanto, podemos viver sem elas, pois a utilidade dos desenhos usados

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848619

Uma conclusão um tanto provisório

Philippe Perrenoud Grupo A PDF Criptografado

Uma conclusão um tanto provisória

Competências, outros saberes ou ferramentas para aprender?

Diante da impossibilidade de ensinar tudo, os bem-intencionados não deixarão de retomar uma proposta sedutora: não é necessário abordar todos os saberes potencialmente úteis para tê-los, imediatamente, à disposição no dia em que for preciso mobilizá-los; bastaria ser capaz de se apropriar desses saberes no momento oportuno e em função das necessidades.

Desta forma, mesmo sem ter um conhecimento prévio do direito, seria possível aprendê-lo para enfrentar uma determinada situação, como um conflito entre vizinhos, um divórcio, uma questão de herança, um contrato de trabalho ou um processo penal. Então, seriam rapidamente aprendidos os princípios e as regras do direito úteis para que a pessoa pudesse “se virar”, o que poderia se limitar a uma consulta a um advogado ou a um notário, sem ter que depender totalmente desses profissionais para compreender os elementos em jogo e as possíveis decisões.

Ver todos os capítulos

Carregar mais