245 capítulos
Medium 9788582602171

Áreas do design de serviços

Marc Stickdorn, Jakob Schneider Grupo A PDF Criptografado

Quem são os designers de serviços?

ÁREAS DO DESIGN DE SERVIÇOS

O design thinking de serviços, como abordagem interdisciplinar, inclui e conecta diversas áreas de atividade. Os artigos apresentados nas próximas páginas fornecem um panorama abrangente de como diferentes disciplinas de design e gestão incorporam o design thinking de serviços e de como essas disciplinas facilitam o design de serviços.

A seleção de disciplinas está longe de ser uma listagem completa.

Na verdade, muitas outras poderiam ser incluídas aqui, como Engenharia, TI, Arquitetura e Psicologia, apenas para citar algumas.

No entanto, estes exemplos ilustram bem a faixa de aplicação do design thinking de serviços.

Stickdorn_052-117.indd 56

17/06/14 14:17

56 / 57

Fundamentos

Áreas do design de serviços

Introdução

SATU MIETINNEN, FINLÂNDIA

Design de produtos

JAKOB SCHNEIDER, ALEMANHA

Design gráfico

SIMON CLATWORTHY, NORUEGA

Ver todos os capítulos
Medium 9788577807154

A equipe de criação

Ken Burtenshaw; Nik Mahon; Caroline Barfoot Grupo A PDF Criptografado

Quem é a equipe de criação?

A equipe de criação

A equipe de criação da agência é responsável pela criação de ideias e conceitos publicitários a partir do briefing criativo fornecido pela equipe de atendimento. Tradicionalmente, a equipe consistia em uma dupla (a dupla de criação): um diretor de arte e um redator, modelo desenvolvido na década de 1960, em Nova York, pela agência Doyle Dane Bernbach que logo se tornou padrão no mundo da publicidade.

Na agência de publicidade moderna, os membros da equipe de criação precisam ser pessoas de ideias, resolvendo os problemas de publicidade do cliente. Isso é realizado com a compreensão completa do comportamento do consumidor e dos diversos canais de mídia disponíveis para o anunciante a fim de se alcançar públicos-alvo fragmentados.

O conceito criativo está na base de toda campanha publicitária de sucesso. O trabalho de criar um conceito original e a grande variedade de ideias que vêm com o conceito está nas mãos da equipe de criação. As melhores equipes são ao mesmo tempo originais e ágeis quando se trata de gerar ideias. Em outras palavras, não basta ter uma ideia original apenas... é preciso ter muitas!

Ver todos os capítulos
Medium 9788582600733

A evolução dos meios de representação do design

Ericson Straub; Marcelo Castilho; Paulo Biondan; Hélio de Queiroz Grupo A PDF Criptografado

A evolução dos meios de representação do design

O ato da representação visual faz parte da evolução do homem. Mais do que apenas a caracterização de crenças, o desenho tem um papel fundamental como elemento de comunicação entre os povos. Tem sido assim desde a evolução das antigas formas de escrita, que nasceram da necessidade de registro e de transmissão do conhecimento adquirido, estabelecendo uma ligação entre o emissor e o receptor e permitindo o compartilhamento de códigos comuns ao longo das gerações.

A representação no design – apesar de utilizar alguns códigos específicos que, muitas vezes, diferenciam-se de outras formas de representação visual – tem um papel similar ao da escrita porque também parte da necessidade de comunicar uma ideia. Desde a Antiguidade, o ato da representação tem uma estreita ligação com as artes, mas foi somente no final da Idade Média, quando arquitetos e projetistas começaram a ser chamados pela Igreja para projetar e renovar catedrais e edifícios, que surgiu a real necessidade de se estabelecer um diálogo efetivo entre o projetista, o cliente e os operários que deveriam executar a obra. Filippo Brunelleschi, um dos mais importantes arquitetos daquele período, foi um dos primeiros a desenvolver seus projetos com base na transferência de ideias para o papel, tendo sido responsável pelo projeto da cúpula da Igreja Santa Maria Del Fiore, em Florença, na Itália.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577807154

A função do briefing

Ken Burtenshaw; Nik Mahon; Caroline Barfoot Grupo A PDF Criptografado

O que o briefing oferece

A função do briefing

Um bom briefing criativo deve ser escrito de modo a estimular a criatividade e promover ideias originais. Alguns briefings sugerem caminhos que a equipe de criação pode querer explorar, enquanto outros contêm “pontos de partida criativos” ou pequenas informações para analisar o problema. O briefing criativo permite que a agência verifique a integridade estratégica de suas ideias e avalie se todos os requisitos definidos no briefing do cliente estão sendo atendidos. No entanto, seja lá como o briefing criativo for estruturado, ele deve satisfazer cinco critérios principais:

Um diálogo de abertura

O briefing criativo é o ponto em que o processo estratégico termina e o processo criativo começa. Assim, ele deve abrir um diálogo com a equipe de criação que, além de oferecer informações básicas importantes, também estimulará debates e exploração de rotas alternativas.

As equipes de atendimento e planejamento da agência transformam o briefing do cliente em um briefing criativo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520435649

A lingerie desde a antiguidade até o século XIX

SCOTT, Lesley Editora Manole PDF Criptografado

A lingerie desde a antiguidade até o século XIX

Imagens da antiguidade mostram as mulheres vestindo roupas semelhantes à lingerie. A estatueta da deusa minoica das serpentes veste com orgulho uma roupa que parece um espartilho, enquanto as “Garotas de biquíni” da Roma antiga usam roupas desconfortavelmente apertadas com o propósito evidente de sustentar os seios. Na era medieval, as roupas íntimas costumavam esconder e achatar o corpo, em vez de realçá-lo. Os espartilhos que serviam para sustentar e reduzir medidas atingiram extremos na corte francesa de Catarina de Médici, no século XVI, época em que se considerava ideal uma cintura de 33 cm. No mesmo período, as saias foram ampliadas para dar ênfase ao pequeno tamanho da cintura; no final do século XVIII, uma série de roupas íntimas complexas era necessária para sustentar as saias da moda.

13

IW Lingerie 012-051 Ch1 UK.indd 13

25/4/13 8:26 AM

A estatueta da deusa minoica das serpentes, 1600 a.C., veste uma espécie de espartilho

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos