275 capítulos
Medium 9788580551457

Parte 6 - Conteúdo complementar

Philip R. Cateora, Mary C. Gilly, John L. Graham Grupo A PDF Criptografado

580  Parte 6  Conteúdo complementar

A primeira etapa do processo de planejamento é a realização de uma análise preliminar do país. O profissional de marketing precisa de informações básicas para avaliar o potencial do mercado de um determinado país, identificar problemas que poderiam isentar esse país de uma análise mais aprofundada, identificar fatores do ambiente que necessitem de um estudo mais detalhado, avaliar os componentes do marketing mix para uma possível adaptação e desenvolver um plano de marketing estratégico. As informações coletadas na análise preli‑ minar são utilizadas como base para elaborar a agenda de um país.

Muitas empresas, de grande ou pequeno porte, têm uma agenda para cada país em que atuam comercialmente. Essa agenda contém informações das quais o empresário deve estar a par ao tomar decisões a respeito do mercado de um país específico. À medida que as infor‑ mações são coletadas, essa agenda é atualizada pelo gerente de país ou gerente de produto.

Sempre que for preciso tomar uma decisão de marketing acerca de um país, a agenda é o primeiro banco de dados a ser consultado. Lançamento de novos produtos, mudanças nos programas de publicidade e propaganda e outras decisões sobre o programa de marketing têm essa agenda como ponto de partida. Ela também serve para informar rapidamente um novo funcionário que estiver assumindo a responsabilidade pelo mercado de um país específico.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582602171

Design thinking de serviços na prática

Marc Stickdorn, Jakob Schneider Grupo A PDF Criptografado

Design de serviços aplicado

DESIGN THINKING DE

SERVIÇOS NA PRÁTICA

AGÊNCIA NL E DESIGNTHINKERS

Arne van Oosterom sobre design de serviços para um órgão governamental

MYPOLICE E SNOOK

Sarah Drummond e Lauren Currie sobre design de serviços para uma empresa de capital aberto

HELLO CHANGE E FUNKY PROJECTS

Beatriz Belmonte e Asier Pérez sobre design de serviços para um processo de seleção

UPMC E UNIVERSIDADE CARNEGIE MELLON

Jamin Hegeman sobre design de serviços para um hospital

SEB E TRANSFORMATOR

Erik Widmark sobre design de serviços para um banco

Os cinco casos apresentados aqui exemplificam diferentes processos e abordagens do design de serviços na prática. Propositalmente, os exemplos abrangem tanto serviços privados quanto públicos, projetos internos e externos de uma empresa, bem como empreendimentos de empresas de pequeno até grande porte, para demonstrar as diversas possibilidades no campo de atuação do design thinking de serviços. Com qual destes casos seu processo se parece?

Ver todos os capítulos
Medium 9788582605134

Estudos de caso - Ansible

Alina Wheeler Grupo A PDF Criptografado

Estudos de caso

Ansible

Acreditamos que a complexidade mata a inovação. A Ansible foi criada para a dar a todos na área de TI um jeito simples de automatizar tarefas prosaicas, pois assim poderão se concentrar no trabalho mais importante da inovação.

A abordagem da Ansible à automatização dos fluxos de trabalho na TI, que é simples, sem agentes e poderosa, tornou-a um dos projetos de software de código aberto mais populares do mundo, com mais de 2.250 colaboradores e milhares de downloads por dia. A tecnologia da Ansible é usada nas maiores organizações de TI do mundo para acelerar a inovação tecnológica. Sediada em Durham, no estado americano da Carolina do Norte, a Ansible é parte da Red Hat, a maior fornecedora mundial de soluções de software de código aberto.

Metas

Dar vida e energizar uma comunidade aberta.

Usar o design para comunicar a simplicidade da tecnologia.

Diferenciar-se de uma concorrência ampla de software de gestão de TI legado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582605134

Processo - Fase 5 – Gestão de ativos

Alina Wheeler Grupo A PDF Criptografado

Fase 5 – Gestão de ativos

Visão geral

A gestão dos ativos de marca requer uma liderança esclarecida e um comprometimento de longo prazo para fazer tudo o que for possível a fim de construir a marca. Essa determinação deve vir do topo, mas a marca deve antes ativar os seus funcionários. E isso é só o início.

5

gestão de ativos

Estamos animados em usar nossa nova marca para contar melhor a nossa história.

Joe Hart

CEO

Dale Carnegie

Sabíamos que, no instante em que compartilhássemos nossa nova marca, ela não seria mais nossa.

Seria de todo mundo.

Michelle Bonterre

Diretora de marca

Dale Carnegie

192

O lançamento da marca Dale

Carnegie foi orquestrado cuidadosamente, para provocar entusiasmo e gerar confiança durante o congresso internacional bianual da organização. Os participantes começaram a tuitar e mandar mensagens assim que o diretor de marca começou a apresentar o novo sistema de identidade visual e o novo monograma, centrados na ideia unificadora de transformação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577808748

Observando os tipos

Gavin Ambrose, Paul Harris Grupo A PDF Criptografado

BDT_001-176

1/4/06

8:25 AM

Page 10

Observando os tipos

Cliente: Royal Academy of Arts

Design: Why Not Associates

Resumo tipográfico:

Logotipo com contraformas preenchidas, especialmente desenvolvido para o material promocional da exposição

(WK)

Job:01-76355 Title:Basic Design-Typography

175# Dtp:119 Page:10

BDT_001-176

3/31/06

10:13 PM

Page 11

10 11

Observando os tipos

Dentro de seu amplo espectro, a tipografia contém uma rica terminologia especializada, à qual designers e tipógrafos recorrem quando examinam ou descrevem as faces de tipos e suas características. Embora cada termo tenha um significado específico, algumas definições sofreram distorções ao longo do tempo ou foram alteradas pelo uso comum, o que pode causar confusão. Por exemplo, muitas pessoas se referem, equivocadamente, a “oblíquas” como “itálicas” somente porque ambas são inclinadas.

Muitos desses termos, tais como “entrelinha” e “quadratim”, têm origem na indústria da impressão com tipos de metal. Até o explosivo impacto da tecnologia da informação, ocorrido recentemente, essa indústria era o alicerce da tipografia. Alguns outros termos – incluindo denominações para partes de um caractere – datam de épocas ainda mais remotas, tendo sua origem na cantaria.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos