213 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788582602171

Design gráfico: Explicações visuais

Marc Stickdorn, Jakob Schneider Grupo A PDF Criptografado

Quem são os designers de serviços?

DESIGN GRÁFICO:

EXPLICAÇÕES VISUAIS

JAKOB SCHNEIDER

É praticamente impossível algum produto ou serviço ser disponibilizado no mercado sem apresentar um elemento de design gráfico. Sistemas de sinalização, interfaces de usuário, pictogramas, embalagens, formulários ou manuais são todos projetados graficamente. Para serem bem-sucedidas, essas ofertas precisam ser bem projetadas, em termos de impacto gráfico, bem como no modo como estão estruturadas as informações nelas contidas.

A percepção de mundo de um indivíduo nunca dependeu tanto de impulsos visuais quanto atualmente. Ao mesmo tempo, as pessoas precisam lidar com uma infinidade de fontes de informação que são, cada vez mais, distribuídas por meio de mídias digitais. Assim, é necessário desenvolver sistemas mentais de filtragem, ou mecanismos de percepção através dos quais os indivíduos possam continuar a tomar decisões acertadas sobre as informações e estímulos visuais que lhes são diariamente apresentados.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551457

Capítulo 6 - Ambiente político: preocupação fundamental

Philip R. Cateora; Marcy C. Gilly; John L. Graham Grupo A PDF Criptografado

Capítulo

6

Ambiente político preocupação fundamental

SUMÁRIO

■■ Barganha política

■■ Subornos políticos

■■ Perspectiva global

■■ Estímulo governamental

Comércio mundial enlouquece com a guerra das bananas

objetivos de aprendizagem

■■ Soberania das nações

■■ Estabilidade das políticas governamentais

OA1

O que significa soberania das nações e como isso pode afetar a estabilidade das políticas governamentais

OA2

De que forma os diferentes tipos de governo, os partidos políticos, o nacionalismo, o medo/ animosidade direcionados e as disputas comerciais podem afetar o ambiente para marketing no estrangeiro

OA3

Riscos políticos dos negócios globais e fatores que influem na estabilidade

OA4

Importância do sistema político para o marketing internacional e seus efeitos sobre os investimentos no exterior

OA5

Impacto dos ativistas sociais e políticos, da violência e do terrorismo sobre os negócios internacionais

OA6

Como avaliar e diminuir as consequências da vulnerabilidade política

OA7

Como e por que os governos estimulam o investimento no exterior

Ver todos os capítulos
Medium 9788582600955

Desenho: expressão de uma cultura

Marcelo Castilho; Ericson Straub; Hélio de Queiroz; Paulo Biondan Grupo A PDF Criptografado

Desenho: expressão de uma cultura

Ari Rocha

A imagem precedeu a palavra. O grafismo paleolítico

situações, ideias e fatos que compõem a realidade.

encontrado em cavernas é considerado a origem do

Essas referências simbólicas são somente uma repre-

desenho. Essa manifestação de arte rupestre surgiu

sentação do mundo real, uma interpretação que guar-

antes mesmo que o homem utilizasse palavras ou

da relação com aquilo que cada indivíduo consegue

produzisse inscrições e símbolos que pudessem ser

entender dos fatos que vivencia, de acordo com sua

efetivamente reconhecidos como uma linguagem

cultura e nível intelectual. É válido, portanto, conside-

verbal articulada, cujo significado fosse estruturado de

rar que a história possa contar somente a “versão dos

forma sistemática e compreendido, mesmo que por um

vencedores”, que muitas vezes não corresponde aos

grupo restrito.

fatos verdadeiramente acontecidos, pelo menos em toda a sua magnitude.

Ver todos os capítulos
Medium 9788540701403

Capítulo 11 - O raio X das métricas de marketing

Paul W. Farris; Neil T. Bendle; Phillip E. Pfeifer; David J. Reibstein Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 11

O raio X das métricas de marketing

11.1

O raio X das métricas de marketing

Nosso objetivo neste capítulo é dar alguns exemplos de como as métricas de marketing podem incrementar e complementar as métricas financeiras tradicionais quando utilizadas para avaliar o desempenho da empresa e da marca. Em especial, as métricas de marketing podem servir como bons indicadores de problemas, de oportunidades e de um futuro desempenho financeiro. Assim como o aparelho de raio X (agora a ressonância magnética) destina-se a oferecer uma visão mais aprofundada de nosso corpo, as métricas de marketing podem mostrar problemas (e oportunidades) que, de outra forma, passariam despercebidos.

Invista onde suas métricas estão

A Tabela 11.1 mostra uma síntese de informações financeiras comuns para duas empresas hipotéticas, a Boom e a Cruise. Dados da declaração de renda de cinco anos oferecem a base para comparação das empresas em diversas dimensões.

Em que empresa você apostaria as economias de seu avô?

Ver todos os capítulos
Medium 9788577809011

Introdução

Barry Purves Grupo A PDF Criptografado

ava s-m pre_P1-11:prelims 20/11/2009 9:36 PM Page 6

Title: Basic Animation-Stop Motion

Client: AVA Book Pte Ltd Size: 160mmx230mm

Introdução

Afinal, o que é stop-motion exatamente? Hoje, a resposta a essa pergunta com certeza seria um pouco imprecisa, pois a maioria das técnicas de animação tem alguns elementos e princípios que se sobrepõem. De modo geral, porém, stop-motion poderia ser definido como a técnica de criar a ilusão de movimento ou desempenho por meio da gravação, quadro a quadro, da manipulação de um objeto sólido, boneco ou imagem de recorte em um cenário físico espacial.

Se alguma dessas coisas despertam seu interesse, então estamos no caminho certo.

She-Bop 1988 animadora

Joanna Priestley

Joanna Priestley utiliza sua animação para conduzir o espectador por transformações ousadas, quase xamanistas.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 OK

N

U260426 dalimmac 19.11.2009 175#

MY

C K

1

DALIM

Ver todos os capítulos
Medium 9788577809752

Capítulo 18 - Análise Discriminante e Análise Logit

Naresh K. Malhotra Grupo A PDF Criptografado

Capítulo

18

Muitas vezes, você mediu diferentes grupos de entrevistados com muitas variáveis métricas.

A análise discriminante constitui uma maneira

útil de responder as perguntas: Os grupos são diferentes? Em que variáveis são mais diferentes? Posso prever a que grupo uma pessoa pertence usando essas variáveis?

Jamie Baker-Prewitt, vice-presidente sênior/diretora,

Ciências de Decisão, Burke, Inc.

Objetivos

Após a leitura deste capítulo, o aluno conseguirá:

1. Definir o conceito de análise discriminante, seus objetivos e suas aplicações na pesquisa de marketing.

2. Delinear os procedimentos para a realização da análise discriminante, entre eles a formulação do problema, a estimação dos coeficientes da função discriminante, a determinação da significância, a interpretação e a validação.

3. Discutir a análise discriminante múltipla e a distinção entre análise discriminante de dois grupos e múltipla.

4. Explicar a análise discriminante passo a passo e descrever o procedimento Mahalanobis.

5. Descrever o modelo logit binário e suas vantagens em relação à análise discriminante e de regressão.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577809011

Conclusão

Barry Purves Grupo A PDF Criptografado

ava s-m end_P186-192:endmatter 24/11/2009 4:26 PM Page 187

Title: Basic Animation-Stop Motion

Client: AVA Book Pte Ltd Size: 160mmx230mm

186 | 187

Conclusão

Contudo, se você encontrar prazer nas minúcias da profissão ou vibrar de alegria com os resultados de um boneco aparentemente se movendo sozinho, então logo poderá ficar encantado. Se você consegue valorizar alguns segundos de filme produzidos em um dia como uma conquista, então bem-vindo ao stop-motion. Você terá enorme satisfação com as atividades detalhistas da arte, desde colocar a mão na massa e tentar controlar o mínimo detalhe, até a própria repetição do processo.

Se você quer dar vida a personagens extraordinárias e muito verossímeis pelo contato íntimo de suas mãos, então o stop-motion certamente é sua praia.

Você precisará aceitar que o imprevisível acontecerá. Veja isso como uma característica positiva, não como uma

mudança em seu filme, mas como seu crescimento. Uma vez que aceite isso, o stop-motion poderá ser realmente viciante, pois você fez algo se mover aparentemente sozinho; na verdade, você criou vida. As pessoas que nunca tentaram fazer isso podem achar essa necessidade de dar vida

Ver todos os capítulos
Medium 9788577809752

Capítulo 19 - Análise Fatorial

Naresh K. Malhotra Grupo A PDF Criptografado

Capítulo

19

A análise fatorial permite olhar para grupos de variáveis que tendem a ser correlacionadas uma a outra e identificar dimensões subjacentes que explicam essas correlações.

William D. Neal, sócio sênior, SDR Consulting

Objetivos

Após a leitura deste capítulo, o aluno conseguirá:

1. Descrever o conceito de análise fatorial e explicar como essa análise difere da análise de variância, da regressão múltipla e da análise discriminante.

2. Discutir o procedimento para conduzir análise fatorial, incluindo a formulação do problema, a construção da matriz de correlação, a escolha de um método apropriado, a determinação do número de fatores, a rotação e a interpretação dos fatores.

3. Entender a distinção entre métodos de análise fatorial de componentes principais e de análise de fator comum.

4. Explicar a seleção de variáveis substitutas e suas aplicações, enfatizando sua utilização em análises subsequentes.

5. Descrever o procedimento para verificar o ajuste de um modelo de análise fatorial, utilizando as correlações observadas e reproduzidas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577809752

Capítulo 03 - Concepção de Pesquisa

Naresh K. Malhotra Grupo A PDF Criptografado

Capítulo

3

A concepção da pesquisa é o âmago de um projeto de pesquisa de marketing. Ela estabelece como o projeto de pesquisa de marketing será conduzido e orienta a coleta de dados, a análise e a preparação do relatório.

Seth Ginsburg, proprietário e consultor-chefe da Sethburg Communications

Objetivos

Após a leitura deste capítulo, o aluno conseguirá:

1. Definir concepção de pesquisa, classificar várias concepções de pesquisa e explicar as diferenças entre pesquisas exploratórias e conclusivas.

2. Comparar e contrastar as concepções básicas de pesquisa: exploratória, descritiva e causal.

3. Descrever as principais fontes de erros em uma concepção de pesquisa, incluindo o erro da amostragem aleatória e as várias fontes de erro não amostral.

4. Discutir aspectos gerenciais da coordenação de projetos de pesquisa, particularmente o orçamento e a programação.

5. Descrever os elementos de uma proposta de pesquisa de marketing e mostrar como ela trata as diversas etapas do processo de pesquisa de marketing.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577807154

Fotografia e ilustração

Ken Burtenshaw; Nik Mahon; Caroline Barfoot Grupo A PDF Criptografado

Fotografia versus ilustração

Fotografia e ilustração

A fotografia é considerada “real” e confere credibilidade à mensagem do anúncio. O público vê a foto como crível, pois pode representar o produto como é de verdade e no contexto de um ambiente “real”. No caso de produtos em embalagens, a fotografia também é útil para que o leitor tenha em mente a imagem do que irá procurar nas prateleiras do mercado.

Alguns anúncios mostram o produto como pack shot*, isolado da imagem principal ou em um inset**. A técnica permite que o diretor de arte mostre o produto em condição ideal.

Fotografar o produto o torna um fato. Utilizar o mesmo visual com ilustrações pode adentrar o reino da fantasia.

No entanto, não há dúvidas de que a ilustração é incrivelmente versátil e oferece ao diretor de arte diversas opções de estilos e gêneros, como cartum, fotorrealismo, aerógrafo, aquarela, colagem e gravura. A escolha de um estilo de desenho específico pode refletir perfeitamente os valores da marca ou produto anunciado e poderá ser utilizado nas diversas mídias que compõem a campanha.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577809752

Capítulo 24 - Pesquisa de Marketing Internacional

Naresh K. Malhotra Grupo A PDF Criptografado

Pesquisa de Marketing Internacional

Aspectos gerais

Este capítulo analisa o ambiente em que se realiza uma pesquisa de marketing internacional, enfocando o ambiente de marketing, governamental, jurídico, econômico, estrutural, informacional e tecnológico e sociocultural.1 Embora o estudo da implementação das seis etapas do processo de pesquisa de marketing em um contexto internacional já tenha sido feito em capítulos anteriores, apresentamos aqui detalhes adicionais sobre métodos de levantamento, técnicas de escalonamento e tradução de questionários. Identificamos os problemas éticos relevantes em pesquisa internacional e discutimos o uso da Internet e de computadores.

Pesquisa real

IBM: fazendo uma trilha global

A IBM (www.ibm.com), com receitas de US$ 103,63 bilhões em 2008, faz um estudo de acompanhamento internacional duas vezes por ano em 14 idiomas em 27 países na Europa, nas Américas do Norte e do Sul e na Ásia. O objetivo básico do estudo é capturar dados de tendência sobre a computação mainframe. Ela toma como amostra um de cada seis lugares nos quais o IBM Enterprise Server está em uso. Os indivíduos pesquisados são os responsáveis pelas decisões de compra da

Ver todos os capítulos
Medium 9788582602171

Storytelling

Marc Stickdorn, Jakob Schneider Grupo A PDF Criptografado

Quais são as ferramentas do design de serviços?

IMPLEMENTAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE CONCEITOS DE SERVIÇOS DENTRO DE ORGANIZAÇÕES

STORYTELLING

O que é?

Storytelling, ou narrativa, é um método de compartilhamento de insights e novos conceitos de serviços. É possível construir narrativas envolventes para todos os aspectos do serviço de uma empresa, desde a vida dos usuários até as experiências dos funcionários e a experiência do serviço que a empresa oferece.

Como é feito?

O storytelling situa serviços novos ou reformulados dentro de um contexto narrativo, usando insights e ideias-chave para contar histórias envolventes a partir de uma variedade de perspectivas. É comum usar uma combinação de storytelling e personas para expressar insights profundamente relevantes sobre as experiências dos usuários. Técnicas narrativas também podem demonstrar com eficácia como as inovações nos novos serviços afetam todos os departamentos do provedor de serviços.

Por que é utilizado?

Ver todos os capítulos
Medium 9788582602171

Storyboard

Marc Stickdorn, Jakob Schneider Grupo A PDF Criptografado

Quais são as ferramentas do design de serviços?

CRIAÇÃO E REFLEXÃO

VISUALIZAÇÃO DE CONCEITOS E USOS IMAGINADOS PARA NOVOS SERVIÇOS

STORYBOARD

O que é?

Um storyboard é uma série de desenhos ou imagens que permitem visualizar uma sequência de eventos específica. Pode retratar uma situação comum em que um serviço é usado, ou auxiliar na implementação hipotética de um novo protótipo de serviço.

Como é feito?

247

275

276

Os storyboards podem ser construídos de diversas maneiras. A mais comum delas

é o formato de história em quadrinhos, no qual um designer cria uma série de ilustrações que conta a história da situação em questão. Aqui, o designer deverá buscar incluir o máximo possível de detalhes contextuais, de modo que qualquer pessoa que visualize o storyboard poderá rapidamente entender o que está acontecendo. O seu objetivo é gerar insights sobre a experiência do usuário que está sendo retratada.

É possível usar cenários da vida real ou imaginários, sendo que, no caso de cenários reais, a documentação é feita com fotografias em vez de ilustrações.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582602171

Os 5 princípios do design thinking de serviços

Marc Stickdorn, Jakob Schneider Grupo A PDF Criptografado

O que é design de serviços?

OS 5 PRINCÍPIOS DO

DESIGN THINKING DE SERVIÇOS

MARC STICKDORN

1. CENTRADO NO USUÁRIO

Os serviços devem ser testados através do olhar do cliente.

2. COCRIATIVO

Todos os stakeholders devem ser incluídos no processo de design de serviços.

3. SEQUENCIAL

O serviço deve ser visualizado como uma sequência de ações inter-relacionadas.

4. EVIDENTE

Serviços intangíveis devem ser visualizados como artefatos físicos.

5. HOLÍSTICO

Todo o ambiente de um serviço deve ser levado em consideração.

Uma abordagem dinâmica requer uma linguagem dinâmica

Uma vez que não existe uma definição comum de design de serviços, em vez de definir a disciplina, este livro delimita o modo de pensar necessário para o design de serviços. As próximas páginas buscam ilustrar o design thinking de serviços por meio de cinco princípios-base.

Stickdorn_026-051.indd 36

29/05/14 14:48

36 / 37

Ver todos os capítulos
Medium 9788577807154

Tipografia

Ken Burtenshaw; Nik Mahon; Caroline Barfoot Grupo A PDF Criptografado

Seleção de tipos

Tipografia

Com a atual proliferação de tipos, é essencial que o diretor de arte tome algumas decisões rápidas sobre o estilo de tipo relevante para o cliente. Pense na eficácia das escolhas abaixo:

Ye Olde Tea Shoppe

Byte Size Computers

O tipo cria uma primeira impressão difícil de alterar, não importa o quanto a campanha seja boa. Ele deve refletir a natureza da marca, produto ou serviço; assim, examinar o logotipo da marca pode oferecer informações cruciais sobre a direção que a tipografia deve adotar. Um tipo com “tom de voz” simpático também é importante para a comunicação do anúncio. Se o tom for incorreto, a chamada perde parte de seu impacto e significado.

Neste contexto, a tipografia pode ser descrita como a seleção e o uso de tipos para transmitir uma mensagem da melhor maneira possível. A compreensão da importância da tipografia para o sucesso de uma campanha é crucial para uma direção de arte eficaz; a legibilidade e a adequação do(s) tipo(s) escolhido(s) pode determinar o sucesso ou fracasso da comunicação da mensagem. A natureza do trabalho com tipos mudou radicalmente desde a introdução do PC na década de

Ver todos os capítulos

Carregar mais