173 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788577807826

2. A HISTÓRIA DO DESIGN: RETRATOS DE EMPREENDEDORES

Mozota, Brigitte Borja de Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 2

A HISTÓRIA DO DESIGN: RETRATOS DE

EMPREENDEDORES

A história do design revela a diversidade nas formas criadas pelos designers e a variedade de suas opiniões sobre o papel do artefato em nossa sociedade. Explorar as diferentes fases da história do design ajuda-nos a compreender os valores básicos dessa nova disciplina, valores que uma empresa pode desejar integrar em seu sistema de gestão. Este capítulo descreve os diferentes períodos da história do design e discute como a história pode ser útil para a compreensão dos elos entre design e sociedade como um todo.

MARCOS FUNDAMENTAIS NA HISTÓRIA DO DESIGN

Precursores (1850-1907)

A pré-história do design começa na Inglaterra, com o conceito de padronização da produção, que dissociou a concepção de um objeto da sua fabricação. Até aquela

época, essas duas operações estavam incorporadas na habilidade de uma pessoa: o artífice.

Exemplos: A cerâmica Wedgwood em meados do século XVIII, a cadeira Thonet Bistrot, de 1830, e o

Palácio de Cristal, em Londres, em

Ver todos os capítulos
Medium 9788577806188

3. FILMANDO E CAPTURANDO CONTEÚDO DE VÍDEO

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

54 ADOBE PREMIERE PRO CS4

Classroom in a Book

Introdução

O propósito deste livro é ajudá-lo a utilizar o Adobe Premiere Pro para criar vídeos com uma aparência profissional. Para isso você precisa iniciar com um material bruto de alta qualidade. Esta lição dá dicas de como filmar bons vídeos e de como transferi-los para o Adobe Premiere Pro.

Dicas para filmar vídeos incríveis

Com a câmera de vídeo preferida em mãos, está na hora de aventurar-se e produzir vídeos. Se for iniciante em videografia, essas dicas o ajudarão a criar vídeos melhores. Se for experiente, pense nessa lista de princípios como uma maneira de sair da rotina e tornar as coisas um pouco mais interessantes.

· Faça uma tomada de fechamento.

· Faça uma tomada de abertura.

· Filme bastante.

· Siga a regra dos terços.

· Mantenha suas tomadas estáveis.

· Siga a ação.

· Filme sobre trilhos (trucking shots).

· Encontre ângulos incomuns.

· Incline-se para frente ou para trás.

· Utilize tomadas distantes e tomadas próximas.

· Filme uma ação repetitiva em uma sequência (matched action).

Ver todos os capítulos
Medium 9788577808540

7 USANDO TEXTOS

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

LIÇÃO 7

Usando Textos

O Stage já inclui alguns elementos de design simples para dividir o espaço, com diversos recursos desenvolvidos e armazenados no painel Library.

4 Escolha File > Save As. Nomeie o arquivo 07_workingcopy.fla e salve na pasta 07Start. Salvar uma cópia de trabalho garante que o arquivo inicial de origem esteja disponível se você quiser voltar ao ponto de partida outra vez.

Entenda o texto TLF

O Flash Professional CS5 apresenta uma maneira diferente e muito mais poderosa de trabalhar com texto em comparação a versões anteriores. O Flash utiliza um recurso chamado Text Layout Format (TLF). Quando você escolhe a ferra) no painel Tools para acrescentar textos ao Stage, você precisa menta Text ( escolher TLF Text ou Classic Text.

Escolha TLF Text quando quiser utilizar controles mais sofisticados para a formatação de texto, como várias colunas ou texto como contorno de um objeto.

Você vai aprender a usar diversos recursos exclusivos para TLF Text nesta lição.

Escolha Classic Text quando você não precisa desse grau de controle de layout ou se precisa acessar uma versão mais antiga do Flash Player.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520435007

Endereços

CESNIK, Fábio de Sá Editora Manole PDF Criptografado

Endereços

DIRIGENTES DO MINISTÉRIO

DA CULTURA E SEUS ÓRGÃOS

COLEGIADOS, FUNDAÇÕES E AUTARQUIAS

Ministério da Cultura – MinC

Esplanada dos Ministérios, Bloco B, sala

401 – CEP: 70068-900

Brasília – Distrito Federal

Tel. Geral: (61) 2024-2000

Ministra de Estado da Cultura

Ana de Hollanda

Tels.: (61) 2024-2460/ 2464

Fax: (61) 3225-9162

Chefe de gabinete

Maristela Rangel Pinto

Tels.: (61) 2024-2472/2024-2474

Fax: (61) 2024-2482

E-mails: maristela.rangel@cultura.gov.br e cgm@cultura.gov.br

Agenda da ministra

Tânia Rodrigues

Tel.: (61) 2024-2470

Fax: (61) 2024-2482

E-mail: agendaministra@cultura.gov.br

Assessora da chefe de gabinete da ministra

Sonia Maria Sousa Pinto

Tel.: (61) 2024-2481

Fax: (61) 2024-2482

E-mail: sonia.sousapinto@cultura.gov.br

Assessora especial

Morgana Eneile

Tel.: (61) 2024-2262/2481

347

Ver todos os capítulos
Medium 9788577807826

3. DESIGN E DESEMPENHO EMPRESARIAL

Mozota, Brigitte Borja de Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 3

DESIGN E DESEMPENHO EMPRESARIAL

O governo pode desempenhar um papel pró-ativo no estabelecimento de um sistema que sustente o desenvolvimento do design na economia. Na maioria dos países, o governo estimula o design por meio de ajuda financeira, sistemas de formação profissional de qualidade, educação e parcerias entre escolas de design e indústrias.

O PAPEL DO GOVERNO NA PROMOÇÃO DO DESIGN

Pode-se identificar a existência de promoção nacional de estruturas de design em países do mundo inteiro. O Centro Internacional de Design em Nagoya, Japão, estabelecido em 1992, é financiado pelo governo e por 103 corporações japonesas e desenvolve concursos internacionais. A Grã-Bretanha e a Dinamarca possuem centros de design ativos que organizam exposições, editam publicações ou financiam pesquisas.

A Coreia e Taiwan também têm políticas nacionais de design.

O British Design Council realizou uma pesquisa nacional em 2001 para descobrir como o design, a inovação e a criatividade contribuíram em diversas empresas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577806188

19. UTILIZANDO O PHOTOSHOP E O AFTER EFFECTS EM PROJETOS DE VÍDEO

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

358 ADOBE PREMIERE PRO CS4

Classroom in a Book

Introdução

O Adobe Premiere Pro é uma ferramenta poderosa que também faz parte do

Adobe Creative Suite 4 Production Premium. Você pode comprar o Adobe

Premiere Pro separadamente e utilizar todos os recursos internos, ou comprá-lo como parte do Production Premium, onde ele faz parte de uma poderosa combinação de componentes integrados.

Quem trabalha com imagens gráficas impressas ou faz retoques de fotos provavelmente já utilizou o Adobe Photoshop. Considerado a força motriz do design gráfico, o Photoshop é uma ferramenta versátil e com uma importância cada vez maior no setor de produção de vídeo. Nesta lição, você vai aprender a utilizar os recursos de integração entre o Photoshop e o Adobe Premiere Pro.

O Adobe After Effects é o padrão no setor de produção de vídeo como uma ferramenta de animação de texto e de imagens gráficas em movimento. Nesta lição, você vai explorar a integração única entre o Adobe Premiere Pro e o After Effects para técnicas otimizadoras de tempo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577806188

18. GERENCIANDO PROJETOS

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

342 ADOBE PREMIERE PRO CS4

Classroom in a Book

Introdução

Se for do tipo que “faz tudo”, monitorar projetos provavelmente é algo muito fácil para você. Mas depois de começar a incorporar outras pessoas ao mix de produção, é necessário descobrir maneiras de gerenciar seus conteúdos. O Adobe

Premiere Pro CS4 tem uma ferramenta de gerenciamento de projetos eficiente, chamada Project Manager, que reduz o tamanho de armazenamento de um projeto e consolida os arquivos associados a ele.

O recurso Clip Notes no Adobe Premiere Pro simplifica um fluxo de trabalho colaborativo facilitando o feedback de clientes e colegas. É possível embutir uma sequência renderizada como um arquivo de vídeo dentro de um arquivo PDF ou armazená-la em um servidor e adicionar um link a esse arquivo no arquivo PDF.

Nos dois casos, um revisor pode abrir o arquivo PDF, reproduzir o filme e inserir comentários diretamente no arquivo PDF. Mais tarde você pode ler esses comentários de dentro da Timeline.

O Project Manager permite salvar ou consolidar um projeto para arquivamento fácil, e seus recursos de importação permitem compartilhar projetos completos ou partes de projetos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577801107

3. Criando e Editando Símbolos

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

90 ADOBE FLASH CS3 PROFESSIONAL

Classroom in a Book

2 Feche o arquivo 03End.swf.

3 Dê um clique duplo no arquivo 03Start.fla na pasta Lesson03/03Start para abrir o arquivo

de projeto inicial no Flash.

4 Escolha File > Save As. Atribua ao arquivo o nome 03_workingcopy.fla e salve-o na pas-

ta 03Start. Salvar uma cópia de trabalho assegura que o arquivo original inicial esteja disponível se você desejar começar novamente.

Importe arquivos do Illustrator

Como vimos na Lição 2, você pode desenhar objetos no Flash utilizando as ferramentas

Rectangle, Oval e Line. Entretanto, para desenhos complexos, talvez você prefira criar o trabalho artístico em outro aplicativo. O Adobe Flash CS3 suporta arquivos do Adobe Illustrator nativos, assim você pode criar um trabalho artístico original no Illustrator e então importá-lo para o Flash.

Ao importar um arquivo Illustrator, você pode escolher quais camadas no arquivo importar e como o Flash deve tratar essas camadas. Você importará um arquivo Illustrator para servir como o componente principal de uma interface de DVD.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582601570

Capítulo 8 - O significado dos símbolos

Kubba, Sam A. A. Grupo A PDF Criptografado

Introdução

Os desenhos de um projeto – como empregados pela indústria da construção de edificações – são geralmente utilizados para mostrar como um edifício, objeto ou sistema deve ser construído, implementado, modificado ou consertado. Uma das principais funções dos símbolos gráficos nos projetos executivos é se referir a outros desenhos no jogo de plantas. Por exemplo, um círculo desenhado em torno de uma área de um desenho com uma ampliação indicará que essa parte do desenho foi desenhada em uma escala maior para fornecer mais informações sobre o que é possível na escala preexistente (Figura 8.1). Na preparação dos projetos executivos para a indústria da construção civil, arquitetos e engenheiros elaboraram um sistema de abreviaturas, símbolos e notas padronizadas para simplificar o trabalho daqueles que estão preparando os desenhos e para manter a dimensão e a maior parte dos documentos da construção com um tamanho mínimo aceitável e compreensível. Projetar simples componentes da edificação sem o uso de símbolos seria, na verdade, uma tarefa muito cansativa. Visualizar e ler projetos executivos, portanto, exige um conhecimento dos símbolos e abreviaturas usados na indústria da construção e do seu uso propriamente dito na representação de materiais e outros componentes e de suas localizações (Figura

Ver todos os capítulos
Medium 9788582601570

Capítulo 4 - Dimensões

Kubba, Sam A. A. Grupo A PDF Criptografado

Introdução

Uma dimensão é um valor numérico expresso em uma unidade de medida apropriada. Em desenhos, é indicada junto a linhas, setas, símbolos e notas para determinar o tamanho e a especificação de um objeto. Na arquitetura e engenharia civil, as dimensões são frequentemente chamadas de cotas.

O dimensionamento é, portanto, um processo de incorporação de valores numéricos em um desenho para permitir a identificação das medidas de diferentes elementos e a localização de partes de uma edificação ou objeto. Os desenhos devem ser totalmente dimensionados, para que seja necessário o mínimo possível de cálculos e para que todas as partes possam ser executadas sem ser preciso transformar as escalas de um desenho a fim de determinar o tamanho real de um objeto.

Dimensões duplicadas devem, sempre que possível, ser evitadas, a menos que isso ofereça mais clareza. A Figura 4.1 apresenta exemplos de diferentes tipos de dimensão.

As distâncias podem ser indicadas com uma das seguintes formas padronizadas de dimensão: linear ou ordenada. Dimensões lineares são utilizadas para apresentar e medir o comprimento ao longo do eixo X ou Y. Como o nome sugere, só podem ser alinhadas ao longo de tais eixos e costumam ser empregadas para indicar comprimentos (Figura 4.1A). Junto às dimensões lineares, há duas linhas paralelas chamadas linhas auxiliares, que cobrem a distância entre dois elementos e são apresentadas em cada um deles (Figura 4.2A). A linha de cota consiste em uma linha perpendicular às linhas auxiliares. Ela é traçada entre as linhas auxiliares e termina nestas, geralmente com setas, traços ou pontos. (Para exemplos de diferentes pontos de extremidade, veja as Figuras 4.2A,

Ver todos os capítulos
Medium 9788577801145

9. Integrando Ajax com Spry

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

212 ADOBE DREAMWEAVER CS3

Classroom in a Book

O termo-chave no acrônimo Ajax é assíncrono, que literalmente significa “não ao mesmo tempo”. Em geral, a visualização de páginas na Web é um processo muito linear. Por exemplo, digamos que você esteja revisando informações sobre um site de uma determinada empresa. Eis o que acontece em um site padrão:

1 Você visita uma página com seu navegador.

2 A página inicial é enviada a partir de um servidor Web remoto.

3 Seu navegador renderiza a página.

4 Você clica em um link na página para aprender mais.

5 O navegador solicita uma nova página com informações adicionais do servidor da Web

remoto.

6 O servidor da Web envia a nova página.

7 Seu navegador carrega a página contendo os novos detalhes e exibe uma página inteira-

mente nova.

Eis como a mesma operação funcionaria com uma página baseada em Ajax:

1 Você visita uma página com seu navegador.

2 A página inicial é enviada a partir de um servidor Web remoto.

3 Seu navegador renderiza a página e, simultaneamente, carrega todos os dados relaciona-

Ver todos os capítulos
Medium 9788577805594

5. TRABALHANDO COM NAVEGAÇÃO

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

120 ADOBE DREAMWEAVER CS4

Classroom in a Book

Visualize seu arquivo final

Para ver a versão final do arquivo que será utilizado na primeira parte desta lição, vamos visualizar a página concluída no navegador.

1 Abra o Adobe Dreamweaver CS4.

2 Se necessário, pressione F8 para abrir o painel Files e escolha DW CIB na lista de sites.

3 No painel Files, expanda a pasta lesson05.

4 Selecione o arquivo about-finished.html e pressione F12 (Windows) ou

Option+F12 (Mac).

5 Quando a página abrir no seu navegador principal, clique em Greece na barra de navegação da nota lateral. Quando o menu pop-up abrir, clique em

Santorini. Clique no botão Back do navegador para voltar a about-finished. html. Clique nos nomes nos painéis com abas para ver as informações sobre as pessoas. Se você tiver um cliente de correio instalado em seu sistema, clique em um dos links de email para os trabalhadores específicos. Quando a janela de mensagem de correio eletrônico abrir, feche-a.

A página inclui links para páginas dentro do mesmo site, bem como links externos e de email.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582601570

Capítulo 5 - Tipos de vistas

Kubba, Sam A. A. Grupo A PDF Criptografado

capítulo 5

Tipos de vistas

Já vimos que os desenhos são fundamentais para que exista comunicação adequada no setor da construção, por isso saber interpretá-los é indispensável. Este capítulo traz os princípios de projeção ortogonal (ou ortográfica), responsável por mostrar como o objeto é visto de todos os lados. Vamos aprender que uma única vista é quase sempre insuficiente para mostrar todos os detalhes do objeto de forma precisa. Além disso, você entenderá a importância de conhecer os símbolos de projeção e seus significados, assim como as notas, observações e outras informações possíveis. As vistas auxiliares, as diversas projeções e perspectivas também compõem este capítulo.

Objetivos deste capítulo

Comparar desenhos com duas e três vistas e vista única.

Interpretar adequadamente esses desenhos de acordo com as projeções ortogonais.

Identificar os símbolos de projeção.

Reconhecer as diferentes características entre projeções e desenhos.

Definir os princípios da perspectiva.

Kubba_05.indd 65

Ver todos os capítulos
Medium 9788577801480

10. Trabalhando com Pincéis

Adobe Creative Team Grupo A PDF Criptografado

10 Trabalhando com Pincéis

Nesta lição, você aprenderá a:

• Utilizar os quatro tipos de pincel: Art, Calligraphic, Pattern e Scatter

• Alterar a cor do pincel e ajustar as suas configurações

• Criar novos pincéis partindo de arte-final no Adobe Illustrator

• Aplicar pincéis a paths criados com ferramentas de desenho

• Utilizar o efeito Scribble na arte-final e no texto

Introdução

Os pincéis do Adobe Illustrator CS3 permitem aplicar a arte-final aos paths para decorá-los com padrões, figuras, texturas ou traços angulares.

Você pode modificar os pincéis fornecidos no Adobe Illustrator CS3 e criar seus próprios pincéis. Pincéis aparecem no painel Brushes.

Você aplica pincéis a paths utilizando a ferramenta Paintbrush ou as ferramentas de desenho. Para aplicar pincéis utilizando a ferramenta Paintbrush, você escolhe um pincel no painel Brushes e desenha na arte-final.

O pincel é aplicado diretamente aos paths enquanto você desenha. Para aplicar pincéis utilizando uma ferramenta de desenho, você desenha na arte-final, seleciona um path e então escolhe um pincel no painel Brushes.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432273

6. Um pouco de história

NACCACHE, Andréa Editora Manole PDF Criptografado

223

UM POUCO

DE HISTÓRIA

224

DESIGN

UMA RESPOSTA À

“ARTE DE SALÃO”

Humberto lembra da escola de Walter Gropius, a Bauhaus, quando pensa no alcance popular da criação.

A Bauhaus foi o instituto de arquitetura e design criado por Gropius na cidade alemã de

Weimar, no início do século 20, com o desejo de que muitas das coisas que pareciam ser luxo se tornassem “normais entre as pessoas em um futuro próximo”. Design acessível.

Naquela época, despontavam endereços de arquitetura moderna ao redor do planeta. As formas geométricas, os materiais de escolha e outras características da Bauhaus – cimento, vidro, madeira sem adornos, ângulos retos, amplos ambientes abertos – deixavam para trás os detalhes rebuscados, os cantos em rococó, as marchetarias coloridas e os veludos e sedas decorativos, que vestiam objetos e compunham estilos com nomes em homenagem aos reis da França.

A chegada da modernidade ao design aconteceu no curso da Revolução Industrial e contou com o trabalho de duas figuras distintas: de um lado, o artesão-artista e, de outro, o artesão-máquina, operário de fábrica.

Ver todos os capítulos

Carregar mais