2191 capítulos
Medium 9788577806423

Capítulo 19 - Gerenciamento baseado em diretiva (policy-based management)

Mike Hotek Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 19

Gerenciamento baseado em diretiva (policy-based management)

Neste capítulo, você vai aprender a:

■ Definir um gerenciamento baseado em diretiva (policy-based management)

■ Criar facets

■ Criar conditions (condições)

■ Criar policies (diretivas)

■ Destinar diretivas para instâncias

■ Verificar e impor diretivas

Neste capítulo, você aprenderá a definir e configurar a nova estrutura de diretivas (policies) relativa ao SQL Server 2008. Aprenderá a configurar regras a serem verificadas e agrupar essas regras em uma diretiva que pode ser destinada a uma ou mais instâncias do

SQL Server. Você também aprenderá a centralizar a validação e o cumprimento das suas diretivas.

Visão geral do gerenciamento baseado em diretivas

Antes do SQL Server 2008, o gerenciamento de configuração de um ambiente era executado por meio de uma documentação avulsa. As opções de configuração, convenções de nome e conjunto de recursos permitidos eram destacados em um ou mais documentos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788586804885

Capítulo 9 - Uso de Redes Telefônicas e a Cabo na Transmissão de Dados

Behrouz A. Forouzan Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 9

O Uso de Redes Telefônicas e a Cabo na Transmissão de Dados

As redes telefônicas foram criadas originalmente para a comunicação via sinais de voz. A necessidade de adicionalmente transmitir dados digitais resultou na invenção do modem discado.

Com o advento da Internet veio a necessidade de efetuar downloads e uploads em alta velocidade; o modem discado era simplesmente muito lento. Para tanto, as companhias telefônicas implementaram uma nova tecnologia, o DSL (Digital Subscriber Line). Embora os modems discados ainda existissem, a tecnologia DSL fornece acesso muito mais rápido à Internet utilizando a rede telefônica convencional. Neste capítulo, discutiremos a estrutura básica de uma rede telefônica.

Em seguida, veremos como os modems discados e a tecnologia DSL usam essas redes para acessar a Internet.

As redes de TV a cabo foram criadas, originalmente, para fornecer acesso para assinantes que tinham dificuldades em receber sinais de TV em conseqüência de obstáculos naturais, como montanhas. Mais tarde, a rede a cabo tornou-se popular perante um público que desejava um sinal de TV de melhor qualidade. Além disso, as redes a cabo permitiram a interligação de estações transmissoras e localidades remotas via conexões por microondas. A TV a cabo também encontrou um bom mercado como provedor de acesso à Internet, usando parte dos canais originalmente destinados a vídeo para a transmissão de dados digitais. Ao final, discutiremos a estrutura básica das redes de TV a cabo e como os cable modems são capazes de fornecer conexão de alta velocidade à Internet.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521636694

Apêndice A O Processo SPraxis – disciplinas gerenciais

Wilson de Pádua PAULA FILHO Grupo Gen ePub Criptografado

Este apêndice complementa a versão preferencial do Praxis, conhecida como SPraxis (de Simplificada ou Standard), focalizando suas disciplinas de caráter gerencial. Na Tabela A.1, essas são as disciplinas que formam os grupos de Gestão (que focaliza os projetos) e Ambiente (que focaliza os processos).

As disciplinas de caráter técnico, referentes aos grupos de Especificação e Solução, são tratadas no Apêndice A do primeiro volume. Este apêndice também trata de aspectos gerais aplicáveis a todas as disciplinas, e recomenda-se a consulta a ele, sempre que for necessário.

Tabela A.1 Disciplinas do Praxis

GRUPO

DISCIPLINA

SIGLA

OBJETIVO

Especificação

Requisitos

RQ

Obter o enunciado completo, claro e preciso dos requisitos de um produto de software.

Análise

Ver todos os capítulos
Medium 9788580555332

Capítulo 34 - Cronograma de projeto

Roger S. Pressman, Bruce R. Maxim Grupo A PDF Criptografado

34 Cronograma de projeto

Conceitos-chave acompanhamento . . . . . 767 caixa de tempo . . . . . . . . 768 caminho crítico . . . . . . . . 757 cronogramas princípios dos . . . . . . 758 projetos de

WebApps e aplicativos móveis . . 769 distribuição de esforço . . 760 gráfico de Gantt . . . . . . . 766 pessoas e esforço . . . . . . 759 rede de tarefas . . . . . . . . 764 subdivisão do trabalho . . 765 valor agregado . . . . . . . . . 772

No final da década de 1960, um jovem e entusiasmado engenheiro foi selecionado para “escrever” um programa para uma aplicação de manufatura automatizada. O motivo de ter sido escolhido era simples: ele era a única pessoa em seu grupo que havia participado de um seminário sobre programação de computadores. Conhecia em detalhes a linguagem Assembly e a FORTRAN, mas não sabia nada sobre engenharia de software e menos ainda sobre cronograma e acompanhamento de projeto.

Seu chefe lhe entregou os manuais certos e uma descrição do que precisava ser feito. Ele foi informado de que o projeto tinha de ficar pronto em dois meses.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577800575

Apêndice C: Índice para os arquivos

Andrew S. Tanenbaum, Albert S. Woodhull Grupo A PDF Criptografado

APÊNDICE C

ÍNDICE PARA OS ARQUIVOS

C

ÍNDICE PARA OS ARQUIVOS

Diretório Include

00000 include/ansi.h

00200 include/errno.h

00900 include/fcntl.h

00100 include/limits.h

00700 include/signal.h

00600 include/string.h

01000 include/termios.h

01300 include/timers.h

00400 include/unistd.h

04400 include/ibm/interrupt.h

04300 include/ibm/portio.h

04500 include/ibm/ports.h

03500 include/minix/callnr.h

03600 include/minix/com.h

02300 include/minix/config.h

02600 include/minix/const.h

04100 include/minix/devio.h

04200 include/minix/dmap.h

02200 include/minix/ioctl.h

03000 include/minix/ipc.h

02500 include/minix/sys_config.h

03200 include/minix/syslib.h

03400 include/minix/sysutil.h

02800 include/minix/type.h

01800 include/sys/dir.h

02100 include/sys/ioc_disk.h

02000 include/sys/ioctl.h

01600 include/sys/sigcontext.h

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos