3070 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788521632443

0 – Introdução

Luís Damas Grupo Gen PDF Criptografado

0 - Introdução

Sumário

ß Breve história da SQL ß Características da linguagem SQL ß Apresentação resumida dos vários sistemas utilizados ß Apresentação da forma e ordem em que os assuntos são abordados

0.1 Introdução

Bem-vindos ao mundo dos bancos de dados.

Desta vez iremos estudar e apresentar a linguagem SQL, um verdadeiro caso de sucesso no que diz respeito a acesso e manipulação de dados.

Este livro apresentará a maior parte das características da linguagem SQL. Para que você nunca se sinta perdido, todo o texto está repleto de exemplos explicados com o detalhe necessário para que você não deixe de compreendê-los.

0.2 Breve História da Linguagem SQL

A história da linguagem SQL começa em junho de 1970 com a publicação por E. F. Codd, no

ACM Journal1, de um artigo intitulado “A Relational Model of Data for Large Shared Data

Banks”.

O modelo proposto por Codd é hoje considerado o fundamento para qualquer Sistema de Gerência de Banco de Dados Relacional (SGBDR).

Ver todos os capítulos
Medium 9788536531397

10.10 Retirada de números de um texto

José Eduardo Chamon Editora Saraiva PDF Criptografado

10.10 Retirada de números de um texto

Neste exemplo, vamos retirar os números existentes em um determinado texto. Veja na Figura 10.67 um exemplo. A função vai se chamar retira_numeros e passaremos dois parâmetros (texto e ocorrência desejada):

Figura 10.67 – Tela.

Na coluna C, segue o exemplo do uso da fórmula. Na linha 2, temos apenas um valor, já na linha 8 temos três valores. Se no segundo parâmetro usarmos 0 (zero), todos os valores serão extraídos. Se usarmos 1, somente o primeiro; se usarmos 2, somente o segundo valor; e assim sucessivamente.

A leitura deve ser da esquerda para a direita, e os valores estarão separados por “–” (traço). Se você precisar separar esses valores depois, é possível realizar essa ação acessando o Menu, Texto para colunas.

Agora, monte uma tabela igual ao exemplo descrito na Figura 10.67, para retirar os números de um texto. Pressione + e, na área de programação, insira um módulo e digite os comandos descritos a seguir.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536531397

10.11 Criação de menu suspenso

José Eduardo Chamon Editora Saraiva PDF Criptografado

caracter for diferente dos especificados anteriormente, o programa colocará um traço, ou seja, informará que o número foi finalizado. Esse processo será repetido até o último caractere da linha.

Figura 10.70 – Bloco de programação.

Na sequência, verificaremos se o último caractere é um traço. Caso seja, ele será retirado, pois, ao criarmos um vetor cuja quebra será o traço, se o último caractere for o traço, ele criará uma linha em branco no vetor.

Figura 10.71 – Bloco de programação.

Em seguida, criaremos um vetor separado por ocorrência e moveremos para a variável vretorno a condição solicitada.

Figura 10.72 – Bloco de programação.

156

Excel com VBA na Prática

Exemplo da instrução

Figura 10.73 – Bloco de programação.

Figura 10.74 – Vetor carregado.

Para o segundo parâmetro (ocorrência), haverá o comportamento a seguir:

››

Se ocorrência for 0 (zero), o valor a ser retornado será o vretorno, que conterá 11-12-13.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536531397

10.12 Abertura de formulário em planilha Excel

José Eduardo Chamon Editora Saraiva PDF Criptografado

Figura 10.76 – Tela de programação.

Os comandos da Sub Meu_menu ativam os controles da barra de controle, isto é, aqueles comandos que aparecem quando você clica com o botão direito do mouse.

O funcionamento ocorre da seguinte forma: ao clicar no botão, um menu aparecerá e, ao escolher uma opção, executará a rotina_nr_1 ou rotina_nr_2.

Esse exemplo é bem simples, mas, com tudo o que já aprendemos, você poderá criar um menu com diversas opções para a planilha, deixando-a muito profissional.

Após finalizar a digitação dos comandos, volte para a tela do Excel e crie um botão.

Para isso, entre no Menu, Desenvolvedor, Inserir e clique no botão de comando do Controle de Formulário (e, não, do ActiveX, como temos feito).

158

Excel com VBA na Prática

Figura 10.77 – Botão de comando.

Ao criar esse botão, automaticamente aparecerá uma tela solicitando a atribuição de uma macro. Marque a opção Meu_menu.

Figura 10.78 – Atribuir macro.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536527864

10.1 Conteúdo das mídias sociais

Getúlio K. Akabane Editora Saraiva PDF Criptografado

��

Taxas de clique (CTR): clique criado por impressão.

��

Custo por clique (CPC): custo por clique por anúncio.

��

Custo por mil (CPM): custo por mil impressões de um anúncio.

��

Atribuição de primeiro clique: compra atribuída ao primeiro clique

de compra do

consumidor.

��

Segmentação geográfica: publicação segmentada de uma região específica.

��

Atribuição do último clique: compra atribuída ao último clique da compra do

con‑ sumidor.

��

ROI: relação entre receita e custo.

��

Retorno por visitante (RPV): receita gerada por visita.

��

Engajamento social: o volume de comentários, gostos e ações recebidos por inter‑ médio das mídias sociais.

��

Sentimento social: menções sociais se classificam de 1, sentimento negativo, a 10, sentimento positivo.

A mídia social também pode trazer consequências ao valor da marca e à influência digital da organização (especialmente a partir do monitoramento em tempo real e da comparação entre diferentes marcas). Isso se mede, por exemplo, pelo número de curtidas no Facebook ou de seguidores do Twitter (HODSON et al., 2011). Dados importantes (como criação de crescimento e receita com oportunidades de informação de grande volume com grande nú‑ mero de usuários) e expansão global (especialmente em regiões da Ásia e da África, onde as iniciativas móveis avançam muito mais rapidamente) são dois aspectos significativos relacio‑ nados ao crescimento de redes sociais bem­‑sucedidas, como Facebook, Twitter, LinkedIn e

Ver todos os capítulos
Medium 9788536531397

10.1 Criação de formulário do Excelpara alteração de dados

José Eduardo Chamon Editora Saraiva PDF Criptografado

10

CAPÍTULO

Diversos

Neste capítulo, vamos criar programas em VBA para você exercitar e já começar a colocá-los em prática no seu dia a dia.

10.1 Criação de formulário do Excel para alteração de dados

Neste exemplo, vamos desenvolver de forma simples e rápida a alteração de dados em sua planilha. Para que isso ocorra, vamos criar um procedimento simples no VBA.

Exemplo

Abra uma nova planilha.

Monte seus dados conforme a Figura 10.1. Com esses dados, vamos exemplificar três vendedores, cada um em uma UF. Sua função é alterar alguns dos valores descritos a seguir. Vendo assim, a tela parece meio poluída, mas vamos melhorá-la.

123

Ver todos os capítulos
Medium 9788536507842

10.1 Criptografia

Felipe Nery Rodrigues Machado Editora Saraiva PDF Criptografado

10

Criptografia e

Certificação Digital

Para começar

Agora estudaremos a importância da criptografia no contexto da segurança da informação. Seria plenamente possível a existência de um capítulo específico e extenso para discorrermos somente sobre as técnicas e algoritmos matemáticos de criptografia. No entanto, veremos apenas seus princípios básicos, o que já é extremamente atraente, e entenderemos como ela funciona e o que é a certificação digital e para que ela serve.

10.1 Criptografia

Afinal, o que é criptografia?

A criptografia hoje em dia se ocupa muito menos de sigilo do que uns trinta anos atrás, quando justificava plenamente a etimologia da palavra criptografia, que em grego significa escrita oculta. kryptós

“escondido”

gráphein

“escrita”

A criptografia é um método de transformar os dados originais, chamados de texto simples ou de texto puro, em algo aparentemente aleatório e ilegível, conhecido por texto cifrado. Ela é um dos principais mecanismos de segurança utilizado na proteção contra os riscos associados ao princípio da confidencialidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565837194

10.1 Definindo expressões regulares

David Flanagan Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 10

Comparação de padrões com expressões regulares

Uma expressão regular é um objeto que descreve um padrão de caracteres. A classe RegExp de

JavaScript representa as expressões regulares, e tanto String quanto RegExp definem métodos que utilizam expressões regulares para executar funções poderosas de comparação de padrões e de localização e substituição em texto. A gramática de expressões regulares de JavaScript é um subconjunto bastante completo da sintaxe de expressões regulares utilizadas por Perl 5; portanto, se você é um programador Perl experiente, já sabe como descrever padrões em JavaScript1.

Este capítulo começa definindo a sintaxe utilizada pelas expressões regulares para descrever padrões textuais. Em seguida, passa a descrever os métodos String e RegExp que utilizam expressões regulares.

10.1 Definindo expressões regulares

Em JavaScript, as expressões regulares são representadas por objetos RegExp. Os objetos RegExp podem ser criados com a construtora RegExp(), claro, mas são mais frequentemente criados com o uso de uma sintaxe literal especial. Assim como as strings literais são especificadas como caracteres entre aspas, as literais de expressão regular são especificadas como caracteres entre duas barras normais (/).

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532875

10.1 Informações no rodapé do perfil longitudinal

Marcus Cesar Cardoso Editora Saraiva PDF Criptografado

250

Autodesk® Civil 3D 2020 – Aplicações BIM para Projetos de Infraestrutura

O perfil longitudinal exibe as informações das elevações do terreno ao longo do traçado do alinhamento horizontal selecionado. Em sua composição está o gráfico do perfil (Profile View), os perfis de terrenos e greides projetados (Profiles) e o conjunto de informações apresentadas no rodapé do gráfico do perfil (Band Set). Pode-se ainda apresentar as projeções de objetos diretamente no gráfico do perfil (Projection), possibilitando a representação de estruturas projetadas ou a projeção de elementos do cadastro de interferências e furos de sondagens. Todas as informações e representações exibidas no perfil são controladas pelos estilos.

É possível criar vários gráficos de perfis longitudinais de um mesmo alinhamento ou exibir diversas superfícies em um único gráfico, para representar as camadas de solos presentes ao longo do alinhamento horizontal.

O gráfico do perfil longitudinal é utilizado em grande parte dos projetos de infraestrutura, e isso inclui os projetos de obras lineares para rodovias, de trilhos metroferroviários, canalização, saneamento, barramentos em ensecadeiras e barragens, entre outros. Seu uso é de grande amplitude, pois permite representar as condições existentes de terrenos, camadas de solos e estruturas existentes do cadastro de interferência, além de subsidiar o desenvolvimento de projetos para a definição de traçados verticais e posicionamento de dispositivos e tubulações.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532059

10.1 Introdução

Wilma Sirlange Sobral Editora Saraiva PDF Criptografado

VAMOS RECAPITULAR?

Neste capítulo, estudamos as estruturas sequenciais, paralelas e repetitivas.

AGORA É COM VOCÊ!

1. O que é estrutura sequencial? Exemplifique.

2. O que é estrutura paralela? Exemplifique.

3. O que é estrutura repetitiva? Exemplifique.

4. Quais elementos envolvem o Painel de Controle, de acordo com Cybis (2003)?

5. Entre as opções dos grupos de controle, quando devemos usar o grupo botões de rádio?

138

DESIGN DE INTERFACES - INTRODUÇÃO

10

TÉCNICAS PARA

DESENVOLVIMENTO DE

INTERFACES

PARA COMEÇAR

Neste capítulo, apresentaremos as técnicas utilizadas para orientar a concepção de interfaces, como brainstorming, card sorting e diagrama de afinidades. Veremos também as estratégias para a criação de interfaces para dispositivos móveis.

10.1 Introdução

Além dos tipos de protótipos anteriormente apresentados, existem outras técnicas desenvolvidas para orientar na concepção de interfaces. Essas técnicas têm o objetivo de auxiliar na implementação das especificações da interface e a usabilidade do sistema ainda na fase de análise contextual.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536530833

10.1 Introdução ao Desenho Paramétrico

Cláudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

160

Estudo Dirigido de AutoCAD 2019

EXERCÍCIOS

Inserção de cotas no desenho e finalização.

1. Abra o exercício capitulo7.dwg.

2. Posicione o desenho na tela de forma que consiga vê-lo por inteiro.

3. Antes de cotar, defina um estilo de arquitetura. Entre no comando

Dimstyle, selecione New, dê o nome de ARQUITETURA e clique em Continue.

4. Selecione a guia Symbols and Arrows e no campo

Arrowheads, na caixa de listagem, selecione Oblique. Observe a figura ao lado.

5. Na guia Fit, é preciso mudar a escala porque os limites do desenho foram alterados. No campo

Scale for dimension features, digite 0.04.

6. Clique em OK para sair. Note que o estilo ARQUITETURA foi criado. Selecione o botão Set Current e depois Close. Com o estilo criado, vamos cotar.

7. Com o comando Dimlinear cote as linhas conforme indica a figura, usando os comandos

Dimlinear e Dimcontinue.

8. Com o comando Save As salve o desenho como capitulo9.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536530833

10.1 Introdução ao Desenho Paramétrico

Cláudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

160

Estudo Dirigido de AutoCAD 2019

EXERCÍCIOS

Inserção de cotas no desenho e finalização.

1. Abra o exercício capitulo7.dwg.

2. Posicione o desenho na tela de forma que consiga vê-lo por inteiro.

3. Antes de cotar, defina um estilo de arquitetura. Entre no comando

Dimstyle, selecione New, dê o nome de ARQUITETURA e clique em Continue.

4. Selecione a guia Symbols and Arrows e no campo

Arrowheads, na caixa de listagem, selecione Oblique. Observe a figura ao lado.

5. Na guia Fit, é preciso mudar a escala porque os limites do desenho foram alterados. No campo

Scale for dimension features, digite 0.04.

6. Clique em OK para sair. Note que o estilo ARQUITETURA foi criado. Selecione o botão Set Current e depois Close. Com o estilo criado, vamos cotar.

7. Com o comando Dimlinear cote as linhas conforme indica a figura, usando os comandos

Dimlinear e Dimcontinue.

8. Com o comando Save As salve o desenho como capitulo9.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536506159

10.1 Mac OS: o princípio de tudo

William Pereira Alves Editora Saraiva PDF Criptografado

Mac OS e

Dispositivos

Móveis

10

Para começar

Neste capítulo, vamos:

Conhecer as principais características do sistema operacional Mac OS da Apple.

Aprender sobre os sistemas operacionais para dispositivos móveis, como smartphones e tablets.

10.1 Mac OS: o princípio de tudo

Conforme descrito no Capítulo 7, que aborda as interfaces gráficas, quando a Apple resolveu desenvolver o sucessor do seu bem­sucedido Apple II, teve como principal objetivo inovar no hardware e também no software, criando um novo sistema operacional com uma interface com usuário totalmente orientada por ícones e menus de opções. Nascia assim, a linha Macintosh, que vinha para substituir o Lisa, pioneiro no uso da nova metodologia de interação com o usuário. Na

Figura 10.1, é possível ver o primeiro modelo de Mac, como era (e ainda é) carinhosamente cha­ mado. Ele era equipado com microprocessador Motorola 68000, de 16 bits externos e 32 bits internos, o que significava a possibilidade de executar operações internas de 32 bits, mas se comunicava com os demais componentes do sistema em 16 bits. Vinha com um monitor integrado de 9 polegadas, monocromático com resolução de 512 × 342 pixels.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536527819

10.1 Problema

Sérgio Luiz Banin Editora Saraiva PDF Criptografado

10

Projeto 2: Controle de

Torneios Esportivos

Objetivos

O objetivo deste exercício de programação é didático, ou seja, o foco maior

é na lógica que leva à solução do problema e nos algoritmos implementados com o uso dessa lógica. Para desenvolver a solução serão utilizados praticamente todos os recursos vistos nos demais capítulos deste livro.

Os algoritmos são escritos de maneira mais tradicional, ou seja, menos pythonica. Essa opção foi escolhida porque o que se quer aqui é mostrar ao iniciante como desenvolver tais algoritmos. Para isso, é preciso escrevê-los de uma maneira mais fácil de ser compreendida, e as estruturas caracterizadas como pythonicas muitas vezes são difíceis de entender. Por outro lado, o programador que já tem experiência com outras linguagens não ficará na mão, pois muitos recursos de Python são amplamente utilizados e exemplificados.

O programa resultante está todo organizado na forma de funções. São utilizados objetos globais e locais. São amplamente utilizados strings e seus recursos de construção e formatação, tuplas, listas e dicionários. O SQLite3 será empregado como repositório dos dados do programa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536527819

10.2 A solução

Sérgio Luiz Banin Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 10 – Projeto 2: Controle de Torneios Esportivos

235

10.2  A solução

A solução desse projeto está implementada em um programa chamado

“torneio.py” e será descrita em três partes:

1. Modo de armazenamento dos dados do programa.

2. As telas e suas funcionalidades.

3. A implementação do programa, contendo a descrição do código desenvolvido.

10.2.1  Apresentação das telas do programa

Para iniciar, a apresentação do programa, será feita a partir da descrição das telas que este contém, dando uma visão geral de seu uso. São telas simples, construídas para serem visualizadas em modo console, ou seja, nada mais são do que telas em modo texto, formatadas exclusivamente com o uso do comando print.

A Figura 10.1 exibe a tela inicial, na qual é possível criar um novo torneio, escolher um torneio para gerenciar e sair do sistema. A escolha da opção é feita digitando-se a letra ou número que aparece entre parênteses à esquerda de cada opção. No caso de letras, pode-se digitar maiúsculas ou minúsculas que o resultado é o mesmo. E, se for digitado algo inválido, nada acontece.

Ver todos os capítulos

Carregar mais