345 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536532905

13.6 Inserção de portas em Parede cortina

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

13.4.2 Controle da interseção de montantes

Depois de inseridos os montantes, é possível modificar sua intersecção. Selecione um perfil e na aba Modificar |

Montantes de parede cortina surgem duas opções:

Tornar contínua: estende o montante até uma lateral, criando um montante contínuo.

Quebrar na união: corta o montante em uma interseção, criando montantes separados.

Figura 13.33 – Modificar | Montantes de parede cortina.

Selecione o montante a alterar e escolha uma das opções anteriores.

Figura 13.34 – Quebrar na união.

Figura 13.35 – Tornar contínua.

13.5  Painéis da Parede cortina

Os painéis da Parede cortina podem ser de qualquer tipo; não é necessário que sejam de vidro. As medidas do painel estão ligadas às medidas da parede e do eixo. Não podemos controlar a medida do painel independentemente do resto. Ao se mudar o eixo, a medida do painel também muda. É possível inserir portas e janelas nos painéis do tipo parede, e a posição de inserção é relativa à parede inteira, não ao painel. Ao se mudar o eixo, a posição da janela ou porta permanece inalterada. É possível aplicar no painel uma Parede cortina e também um eixo e subdividi-lo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532905

Introdução

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

Figura 4.25 – Visibilidade do arquivo importado.

Figura 4.26 – Aba Inserir > Gerenciar vínculos.

Na janela de diálogo Gerenciar vínculos, vínculos selecione a aba Formatos CAD e escolha o arquivo. Veja que aparecem todas as informações do arquivo associado e, na parte inferior da janela, os botões para gerenciar o arquivo.

Recarregar de: permite recarregar o arquivo de outra pasta. Se por acaso você o moveu de pasta, pode recarregá-lo.

Recarregar: recarrega o arquivo.

Descarregar: desassocia o arquivo sem remover a associação.

Importar: importa o arquivo para o Revit e ele fica inserido no projeto.

Remover: remove a associação totalmente.

Figura 4.27 – Janela Gerenciar vínculos.

58

Autodesk® Revit® Architecture 2020 – Conceitos e Aplicações

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532905

6.8 Rotacionar

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

Figura 6.36 – Movimentação pela cota provisória.

Figura 6.37 – Resultado depois de mover 1 m para a esquerda.

6.7 Copiar

Copia objetos previamente selecionados, como no comando anterior. Também se aplica a vários objetos e é apresentado na aba de edição correspondente de cada um. Primeiramente, selecione os objetos, depois escolha Copiar na aba Modificar | Paredes

Paredes, em seguida defina o ponto base da cópia e, com a cota provisória, indique o segundo ponto.

Figura 6.38 – Ferramenta Copiar

Figura 6.39 – Seleção dos objetos e definição do ponto base da cópia.

Figura 6.40 – Definição do ponto da cópia por meio da cota provisória.

Para gerar múltiplas cópias, selecione Múltiplo na barra de opções do comando. A opção Restringir limita os movimentos de forma perpendicular ou colinear ao objeto.

Figura 6.41 – Barra de opções da ferramenta Copiar.

6.8 Rotacionar

Rotaciona um ou mais objetos previamente selecionados. Selecione os objetos e clique no comando Rotacionar na aba Modificar | Paredes

Ver todos os capítulos
Medium 9788582603246

Capítulo 5 - Estabilidade Lateral

Francis D. K. Ching, Barry S. Onouye, Douglas Zuberbuhle Grupo A PDF Criptografado

5

Estabilidade Lateral

ESTABILIDADE LATERAL

Quando consideramos o sistema estrutural de uma edificação, costumamos pensar, primeiramente, em como os apoios verticais e os conjuntos de componentes horizontais são projetados para transferir as cargas mortas (o peso próprio) e as cargas acidentais

(cargas de serviço, sobrecargas) impostas pelo peso da construção e de sua ocupação. Igualmente crítica para a estabilidade de uma edificação, porém, é a sua resistência a uma combinação de condições ambientais (como vento, terremotos, pressão do solo e temperatura), capazes de desestabilizar os elementos de transmissão de cargas de gravidade. Dentre esses elementos, os esforços exercidos sobre a estrutura pelo vento e pelos terremotos constituem o foco deste capítulo. Os ventos e os terremotos submetem a estrutura a um carregamento dinâmico, geralmente com mudanças rápidas em termos de magnitude e ponto de aplicação.

Quando submetida a uma carga dinâmica, a estrutura desenvolve esforços de inércia em relação à sua massa. Além disso, sua deformação máxima nem sempre corresponde à magnitude máxima dos esforços aplicados. Apesar de sua natureza dinâmica, as cargas de vento e terremoto costumam ser tratadas como cargas estáticas equivalentes e que agem de maneira lateral.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532905

10.3 Sistemas de viga

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

10.3  Sistemas de viga

Um sistema de vigas permite que criemos uma composição de um mesmo tipo de viga ao longo de um percurso.

Depois de criado, ele poderá ser editado. Utilize um sistema de vigas para gerar pergolados ou outras estruturas que possuem vigas do mesmo tipo com distâncias iguais. O sistema de vigas deve ser criado sempre em uma vista de planta de um pavimento. Na aba Estrutura

Estrutura, selecione Sistema de Vigas.

Vigas

Figura 10.64 – Aba Estrutura – Viga > Sistema de Vigas.

Existem duas possibilidades de criação do sistema de vigas:

Automático: nessa opção, que é a padrão do Revit, selecionamos elementos como paredes ou vigas e o sistema é inserido com base nessa seleção. Na aba Estrutura

Estrutura, selecione Sistema de Vigas e, em seguida, veja que está ativado o sistema automático de vigas.

Figura 10.65 – Seleção de Sistema de vigas automático.

Em seguida, na barra de opções, escolha o tipo de viga e informe a distância entre elas em regra de layout. No projeto, selecione uma parede ou uma viga que já componha uma estrutura, como mostra a Figura 10.66.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532905

6.11 Fixar

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

6.11 Fixar

Essa opção trava a posição de um objeto para que ele não seja movido acidentalmente. Por exemplo, podemos usar Fixar em arquivos DWG inseridos no Revit para que eles não se movam acidentalmente.

Figura 6.69 – Ferramenta Fixar.

Ao selecionar o comando Fixar em uma parede, surge o ícone de um pino, conforme Figura 6.70.

Figura 6.70 – Parede com a ferramenta Fixar.

6.12 Escalar

Essa ferramenta atua em alguns objetos que podem ter suas dimensões alteradas conforme uma escala. Por exemplo, podemos duplicar o tamanho de uma parede em relação ao seu ponto médio. Com os parâmetros da barra de opções, selecione a parede, clique no seu ponto médio e ela é duplicada em relação ao meio. Como o Revit é um software paramétrico e já tem muitos objetos com diferentes dimensões nas famílias, só alguns elementos poderão ser escalados.

Figura 6.71 – Ferramenta Escalar.

Figura 6.72 – Barra de opções da ferramenta Escalar.

Figura 6.73 – Seleção da parede.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532905

14.1 Criação de terreno pela importação de curvas do AutoCAD

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

Figura 13.42 – Inserção de uma Porta-Parede cortina no painel.

No exemplo seguinte, a porta foi inserida em painéis definidos pelo eixo, com medidas de acordo com as da porta.

Figura 13.43 – Inserção de uma porta Parede cortina no painel com medidas definidas para ela.

Para remover uma porta do painel, selecione-o e, então, mude o tipo da parede do painel novamente para

Envidraçado ou para qualquer outro.

!

Observação

Se houver modificação no comprimento das paredes cortina definidas com base em outra parede cortina sem o eixo ou modificação dos perfis definidos separadamente dos eixos, como vimos, NÃO haverá repetição dos padrões do eixo com os perfis da sua nova extensão. A parte estendida será apenas a da última divisão. Somente as paredes cortina criadas com estilos que possuam a definição de eixo e perfil nas propriedades têm repetição no padrão do eixo.

Figura 13.44 – Parede cortina antes da alteração das medidas.

Figura 13.45 – Após mudar o comprimento, a última divisão sofre alteração.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532905

6.7 Copiar

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

Figura 6.36 – Movimentação pela cota provisória.

Figura 6.37 – Resultado depois de mover 1 m para a esquerda.

6.7 Copiar

Copia objetos previamente selecionados, como no comando anterior. Também se aplica a vários objetos e é apresentado na aba de edição correspondente de cada um. Primeiramente, selecione os objetos, depois escolha Copiar na aba Modificar | Paredes

Paredes, em seguida defina o ponto base da cópia e, com a cota provisória, indique o segundo ponto.

Figura 6.38 – Ferramenta Copiar

Figura 6.39 – Seleção dos objetos e definição do ponto base da cópia.

Figura 6.40 – Definição do ponto da cópia por meio da cota provisória.

Para gerar múltiplas cópias, selecione Múltiplo na barra de opções do comando. A opção Restringir limita os movimentos de forma perpendicular ou colinear ao objeto.

Figura 6.41 – Barra de opções da ferramenta Copiar.

6.8 Rotacionar

Rotaciona um ou mais objetos previamente selecionados. Selecione os objetos e clique no comando Rotacionar na aba Modificar | Paredes

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532905

Objetivos

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

11

Escadas e Guarda-corpos

Introdução

Neste capítulo, veremos como inserir escadas (retas, em L e em U) e guarda-corpo no projeto. Também abordaremos como alterar as propriedades e modificar a geometria das escadas. O guarda-corpo é gerado automaticamente com elas, apesar de ser um elemento separado. Também é possível inseri-lo em pisos para gerar guarda-corpo. Depois de inseridos, a escada e o guarda-corpo podem ser modificados, pois são elementos paramétricos. As escadas em edifícios podem ser repetidas para todos os pavimentos com os mesmos parâmetros.

Objetivos

  Aprender a inserir diversos tipos de escada no projeto.

  Alterar a escada.

  Criar escadas em múltiplos pavimentos de edifícios.

  Inserir guarda-corpo em pisos e alterar suas propriedades e percurso.

11.1 Criação de escadas

Aba Arquitetura > Circulação > Escada

A escada pode ser desenhada de duas formas:

Escada por componente: as partes da escada são independentes umas das outras e podem ser editadas para alterar o número de degraus, plataforma ou largura.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577805761

Capítulo 12 - O Românico, o Primeiro Estilo do Ocidente

José Ramón Alonso Pereira Grupo A PDF Criptografado

C APÍTULO

12

O Românico, o Primeiro

Estilo do Ocidente

A ideia de progresso no mundo ocidental

Os territórios ocidentais do antigo Império Romano são ocupados a partir dos séculos IV e V pelos reinos bárbaros do norte; a partir do século VIII precisam resistir à pressão dos árabes, que dominam a Espanha e passam para França e Itália; nos séculos IX e X são os vikings e os magiares que os perseguem no norte e no leste. Nas vésperas do ano 1000 parece que chega o fim da Europa, e um cronista do século X chega a exclamar desalentado: mundus senescit...

Porém, após a virada do milênio começa um movimento oposto de expansão. No final do século X há uma estabilização dos últimos povos invasores, que no século XIII entram em franca retirada em um processo geral de reconquista. No século XV, consolidam-se os primeiros estados modernos e começa a expansão rumo à América, seguida mais tarde do domínio de todo o planeta e pela conquista do espaço em um processo de expansão que não parou até hoje.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532905

9.3 Criação de aberturas em pisos

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

A Figura 9.39 exibe exemplos de pisos com hachuras definidas nos materiais.

Figura 9.38 – Piso definido com espessura 2 cm.

!

Figura 9.39 – Hachuras em pisos.

Importante

O piso pode ser composto de várias camadas, como a parede. Por exemplo, uma camada para a argamassa e outra para o acabamento. Para isso, basta clicar no botão Inserir na janela Editar montagem, montagem inserir novas camadas e definir o material e a espessura de cada uma delas.

9.3  Criação de aberturas em pisos

As aberturas em pisos são inseridas para criar uma passagem de escada, um mezanino etc. Elas são feitas após a criação do piso, de duas formas: pela edição da forma do piso; ou pela criação de um shaft, que permite criar um furo para vários pavimentos de uma só vez. A seguir, veremos as duas opções.

9.3.1  Abertura pela edição do piso

1. Selecione um piso.

Desenhar, escolha a ferramenta mais ade2. Na aba Modificar | Pisos > Modo selecione Editar limite e, no painel Desenhar quada para criar a forma da abertura do piso. Essa forma deve ser uma poligonal fechada e não pode ter linhas em sobreposição ou cruzadas. Para finalizar, clique em Concluir o modo de edição. edição

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532905

Introdução

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

As peças são derivadas de um elemento e sua visibilidade pode ser controlada, sendo possível visualizar as partes ou o elemento que as originou.

Por exemplo, se em uma vista 3D você criou partes de um elemento, em outra vista 3D a visibilidade será a do elemento que as originou, ou seja, as partes só são visíveis primeiramente na vista em que foram geradas.

Quando há uma vista na tela e nenhum comando em curso, a janela de diálogo Propriedades exibe as propriedades da vista (consulte o Capítulo 7).

Em uma vista 3D, com as partes de uma parede criadas, selecione Visibi­ lidade de peças na janela de diálogo Propriedades e veja as opções:

Mostrar peças: mostra somente as partes separadas do elemento.

Mostrar original: mostra somente o elemento original (nesse exemplo, a parede).

¤ Mostrar ambos: apresenta ambos, permitindo selecionar com o cursor tanto o elemento original como cada parte separadamente.

¤

¤

Podemos ainda alterar o material de cada uma das partes da divisão.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577805815

Introdução

Niura Martím Chivelet, Ignacio Fernandez Solla Grupo A PDF Criptografado

Introdução

A energia fotovoltaica é uma fonte de geração elétrica limpa e renovável que, por suas características, integra-se muito bem ao meio urbano. Os sistemas fotovoltaicos não produzem ruído nem incluem partes móveis e são facilmente manejáveis como elementos da construção. À larga experiência acumulada com o uso de sistemas fotovoltaicos se une a dos sistemas integrados às edificações, que dão aval à alta fidelidade dessas instalações. Há milhares de exemplos de sistemas fotovoltaicos integrados com sucesso em muitas edificações da Europa, do Japão e dos Estados Unidos.

A recente legislação que rege a conexão à rede elétrica na Espanha e garante a concessão de benefícios substanciais, junto com os financiamentos oferecidos pelas distintas prefeituras, tem alavancado o mercado fotovoltaico naquele país e acarretado a proliferação dos chamados “parques solares”. Mas esse crescimento não tem chegado aos sistemas fotovoltaicos integrados a edificações e cabe, portanto, nos perguntarmos por quê.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536532905

16.4 Tabela para volume de corte e aterro de terreno

Claudia Campos Netto Editora Saraiva PDF Criptografado

Vamos ver um exemplo. Para agrupar os valores ao criar ou editar uma tabela de janelas na aba Campos

Campos, selecione Combinar Parâmetros,

Parâmetros como mostra a Figura 16.16.

Combinado digite o nome que será o nome da

Na janela Combinar parâmetros no campo Nome do Parâmetro Combinado,

Coluna, por exemplo Medidas

Medidas. Em seguida, na coluna Parâmetros da tabela, tabela selecione os parâmetros que deseja inserir na mesma coluna e clique na seta verde para adicionar na coluna da direita. Em seguida, você pode adicionar um prefixo ou sufixo no parâmetro e ainda um separador para os campos. Neste exemplo, vamos adicionar o separador × para as medidas e o sufixo m para metros. Clique em OK duas vezes para inserir a tabela. O resultado deve ser semelhante à Figura 16.17.

Figura 16.16 – Configurar uma combinação de parâmetros

Figura 16.17 – Tabela com parâmetros combinados.

16.3 �Tabela para levantamento de materiais

Aba Vista > Criar > Tabela > Levantamento de material

Ver todos os capítulos
Medium 9788582604366

Capítulo 6 - Perspectivas Cônicas

Francis Ching Grupo A PDF Criptografado

6

Perspectivas Cônicas

Perspectiva pode referir-se a qualquer técnica gráfica para representar relações entre espaços e volumes em uma superfície plana, como a perspectiva de tamanho ou a paisagística. O termo perspectiva, entretanto, na maior parte das vezes, traz à mente o sistema de desenho de perspectivas cônicas. A perspectiva cônica é a uma técnica de representação de volumes e relações espaciais tridimensionais em uma superfície bidimensional por meio de linhas que convergem conforme retrocedem na profundidade do desenho. Se, por um lado, desenhos de vistas múltiplas e vistas paralelas apresentam vistas de uma realidade objetiva, perspectivas cônicas, por outro, oferecem visões sensoriais da realidade óptica. Elas representam o modo como objetos e espaço podem ser visualizados pelo observador, que olha em direção específica, a partir de um determinado ponto de partida no espaço.

108

PERSPECTIVAS CÔNICAS

As perspectivas cônicas são válidas apenas para a visão monocular. O desenho em perspectiva pressupõe que o observador veja com um único olho. Quase nunca vemos algo desta maneira. Mesmo com a cabeça em posição fixa, vemos por meio dos dois olhos que estão constantemente em movimento, examinando objetos e seu entorno, alternando ambientes sucessivamente. Assim, perspectivas cônicas podem apenas aproximar-se da maneira complexa como os olhos realmente funcionam.

Ver todos os capítulos

Carregar mais