746 capítulos
Medium 9788522454976

11 - Decifrando a cultura

SCHEIN, Edgar H Grupo Gen PDF Criptografado

11

DECIFRANDO A CULTURA

A

cultura organizacional pode ser estudada de várias formas. O método escolhido deve ser determinado de acordo com seu propósito. Avaliar apenas uma cultura é tão vago quanto avaliar apenas a personalidade ou o caráter de um indivíduo. Geralmente, imaginamos tal avaliação quando há algum problema a ser esclarecido ou algum propósito específico sobre o qual necessitamos de informação. E, como veremos, a forma de a avaliar e que ferramentas usar dependem muito de nosso propósito.

POR

QUE SE DESEJA DECIFRAR OU AVALIAR UMA CULTURA?

O propósito de decifrar ou avaliar uma cultura pode variar desde a pesquisa pura, em que o pesquisador tenta apresentar o retrato de uma cultura a colegas pesquisadores e outras partes interessadas, a ajudar uma organização a chegar a um acordo com sua própria cultura, porque seus líderes estão comprometidos com algum projeto de mudança. O pesquisador pode ser um outsider que coleta dados fornecidos por insiders para usar em suas pesquisas, ou para proporcionar a esses insiders informações sobre questões que estes estejam examinando. Seja qual for o caso, o pesquisador deve perceber que levantar dados válidos sobre um sistema humano complexo é intrinsecamente difícil; implica uma variedade de escolhas

Ver todos os capítulos
Medium 9788597007251

4. Comunicações interna e externa

FERREIRA, Patricia Itala; MALHEIROS, Gustavo Grupo Gen PDF Criptografado

4

Comunicações interna e externa

Esperamos que, ao término deste capítulo, você seja capaz de:

●●

Definir o que são comunicação interna e externa;

●●

Descrever ao menos uma forma de planejar, executar e avaliar processos de comunicação interna e externa nas organizações;

●●

Reconhecer como a comunicação empresarial colabora para a construção da credibilidade de uma organização.

Acontece às vezes que uma flecha lançada ao acaso atinge o alvo que o arqueiro não queria; muitas vezes uma palavra pronunciada sem desígnio lisonjeia ou magoa um coração infeliz dividido entre o prazer e o medo.

Walter Scott (1771-1832)

Muitos autores refletiram sobre a comunicação e seus impactos na vida das pessoas. Cuidar da nossa comunicação nos ajuda a compreender se o que falamos “lisonjeia ou magoa” nosso interlocutor. E não nos referimos apenas ao conteúdo, ou seja, àquilo que se expressa; tão importante quanto cuidar daquilo que se quer falar é cuidar de como se fala, ou seja, da forma como se comunica. Justamente por isso, começamos este capítulo com um trecho da obra de Walter Scott que nos mostra

Ver todos os capítulos
Medium 9788521623229

Capítulo 3 - Gráficos Cusum e MMEP

LOUZADA, Francisco; DINIZ, Carlos A.R.; FERREIRA, Paulo H.; FERREIRA, Edil L. Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 

3

Gráficos Cusum e Mmep

N

este capítulo são apresentados dois gráficos de controle alternativos aos Gráficos de Shewhart: o gráfico de somas acumuladas, Cusum, e o gráfico de médias móveis exponencialmente ponderadas, MMEP. As estatísticas utilizadas na determinação desses gráficos levam em consideração, em cada novo período de tempo, não apenas o valor atual da variável observada, mas também seus valores anteriores. Assim, são capazes de detectar mudanças mais sutis na média (ou até mesmo na variabilidade) do processo, aumentando a eficácia do monitoramento.

3.1

Gráfico de Somas Acumuladas – Cusum – para Controle da Média

O gráfico de somas acumuladas, Cusum, é um gráfico em que se observa o valor acumulado dos desvios da variável de interesse em relação a um valor estabelecido a priori. Esse valor pode ser escolhido de acordo com as especificações que o processo deva ser capaz de atender ou pode ser estimado a partir de um número grande de amostras coletadas previamente. A estatística observada no

Ver todos os capítulos
Medium 9788597007855

2. Teorias Clássicas

GIL, Antonio Carlos Grupo Gen PDF Criptografado

2

Teorias clássicas

Teorias clássicas são as que foram elaboradas pelos “pais fundadores” da Administração: Frederick W. Taylor e Henri Fayol. Também se inclui nessa categoria a teoria formulada por Max Weber, que, embora sem o objetivo expresso de conferir fundamentação à nova disciplina científica, fornece importantes elementos para a compreensão do funcionamento das organizações. Incluem-se, ainda, entre as teorias clássicas trabalhos desenvolvidos até meados da década de 1930 que constituem aprimoramentos dos trabalhos pioneiros e contribuíram significativamente para a difusão e consolidação da Ciência da Administração. Incluem-se, portanto, nessa categoria, os trabalhos elaborados por

Luther Gulick e Lindall F. Urwick, que, embora representando avanço em relação à teoria de Fayol, não divergem significativamente de suas propostas.

O que caracteriza as teorias clássicas é principalmente a ênfase nos aspectos internos e estruturais das organizações. Elas se fundamentam no pressuposto da racionalidade absoluta, ou seja, consideram o ser humano capaz de analisar racionalmente as diversas possibilidades de decisão e, consequentemente, capaz de criar e implantar os melhores sistemas administrativos. Uma característica importante dessas teorias é o seu caráter prescritivo, já que existiria – segundo a perspectiva de seus formuladores – uma maneira mais adequada de fazer com que as organizações funcionem bem.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522475018

Parte II - 3 - Teoria da administração científica

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de Grupo Gen PDF Criptografado

Teoria da administração científica 

69

3

Teoria da administração científica

“É preciso algo mais do que salários para manter bons empregados; e é preciso algo mais do que preços baixos para manter bons clientes.”

Autor desconhecido

70 

Teoria Geral da Administração  • Rebouças

Teoria da administração científica 

71

3.1 Introdução

Neste capítulo, são apresentados os principais aspectos que deram origem e consolidaram a Teoria da Administração Científica nas organizações.

Essa teoria, como a pioneira no estudo e estruturação da administração nas organizações, apresentou uma série de assuntos, sendo alguns até conflitantes, mas deve-se lembrar que havia, naquela época, forte questionamento e demanda do estudo estruturado da administração.

Ao longo dos anos – ver seções 3.2 e 3.3 –, várias das contribuições da Teoria da

Administração Científica evoluíram e são, até os dias atuais, utilizadas, com sucesso, pelas organizações.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos