123 capítulos
Medium 9788597021554

9 Outras Ações para o Desenvolvimento Sustentável

José Roberto Kassai, Nelson Carvalho, José Rubens Kassai Grupo Gen ePub Criptografado

Elencamos neste capítulo outros temas e ações importantes em torno do desenvolvimento sustentável. Apesar de merecerem abordagens mais profundas ou capítulos individuais, optamos neste momento em fazer uma explanação breve.1

A primeira grande reunião da ONU para discutir as questões ambientais e sociais em nível global, hoje conhecida como a “Conferência de Estocolmo-72”, foi realizada entre os dias 5 e 16 de junho de 1972 na capital da Suécia e, embora não tenha sido possível estabelecer acordos concretos, houve dois destaques: foi concebido um documento político chamado “Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano”2 e se constituiu uma Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (WCED – sigla do inglês World Commission on Environment and Development).

No início da década de 1980, essa Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente, chefiada pela primeira-ministra da Noruega, Gro Harlem Brundtland, retomou os debates sobre as questões ambientais e, em 1987, concluiu o que hoje conhecemos como Relatório Brundtland ou “Nosso Futuro Comum” (BRUNDTLAND/ONU, 1987) e propôs um novo conceito sobre Desenvolvimento Sustentável:

Ver todos os capítulos
Medium 9788520453032

20. Planejamento sucessório e tributário

Sousa, Almir Ferreira de ...[et al.] Editora Manole PDF Criptografado

CAPÍTULO 20

Planejamento sucessório e tributário

Livia De Carli Germano

Mário Shingaki

Neste capítulo, os autores apresentam noções básicas sobre planejamento sucessório e tributação de investimentos realizados por pessoas físicas.

INTRODUÇÃO

O presente capítulo busca transmitir noções básicas sobre planejamento sucessório e tributação de investimentos realizados por pessoas físicas em suas diversas formas (aplicações financeiras, operações com imóveis, planos de previdência, etc.), sendo assim um ponto de partida para planejadores financeiros e mesmo para indivíduos que pretendem estruturar seu patrimônio e sua sucessão. Visa, ainda, a levar planejadores financeiros a uma reflexão, na medida em que, se por um lado a carga tributária pode dilapidar parte desse patrimônio, por outro é possível a adoção de medidas lícitas para a redução dos tributos.

Afinal, se planejar é antecipar a ocorrência de eventos pela avaliação de suas consequências, a produção de renda e a transferência de patrimônio são os principais eventos que ensejam dúvidas quanto à possibilidade de adotar medidas capazes de reduzir o impacto tributário.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021431

2 Sistema Financeiro

Juliano Pinheiro Grupo Gen ePub Criptografado

2.1 Conceitos e funções

2.2 Sistema financeiro internacional

2.2.1 Investidores internacionais

2.2.2 Centros financeiros globais

2.3 Sistema financeiro brasileiro

2.3.1 Órgãos normativos

2.3.2 Entidades supervisoras

2.3.2.1 Banco Central do Brasil (Bacen)

2.3.2.2 Comissão de Valores Mobiliários (CVM)

2.3.2.3 Superintendência de Seguros Privados (SUSEP)

2.3.2.4 Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc)

2.3.3 Instituições financeiras

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019933

Apêndice I – Correção de balanços pelas variações do poder aquisitivo da moeda

Sérgio de Iudícibus, Eliseu Martins Grupo Gen ePub Criptografado

Outras informações:

■ Estoques formados, em média, no meio do ano.

■ Edifício adquirido em 10-11-X1.

■ Aumento de Capital em 1o-1-X2, em dinheiro, no valor de 50.000.

A empresa tem por norma distribuir o lucro mensalmente.

Data

IGP (Índice Geral de Preços)

Fatores de Correção para31-12-X2

10-11-X1
30-6-X1
31-12-X1
30-6-X2
31-12-X2

10
120
130
145
160

16,00
1,33
1,23
1,10
1,00

Pede-se:

Traduzir os Balanços e a Demonstração do Resultado do Exercício para moeda de 31-12-X2.

a) Balanços da Cia. “A”

Observação: 1. Estoque inicial formado em meados de 8-X0 e estoque final, em fins de 11-X1. 2. Imobilizado adquirido em 30-4-X0.

b) Demonstração do Resultado do Exercício – X1

c) Índices Gerais de Preços

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021936

10 Ativo Imobilizado

Bruno Meirelles Salotti, Gerlando A. S. F. de Lima, Fernando Dal-Ri Murcia,Malacrida, Mara Jane C., Renê Coppe Pimentel Grupo Gen ePub Criptografado

A Telefônica Brasil, dona da marca Vivo, registrou lucro líquido de R$ 1,2 bilhão no balanço do quarto trimestre de 2016, crescimento de 9% em relação ao mesmo período de 2015. No ano, o lucro atingiu R$ 4,08 bilhões, alta de 22,6% na comparação anual.

(...)

A companhia atribuiu a evolução do lucro à menor depreciação, devido à reavaliação da vida útil de ativos imobilizados.”

Fonte: SANTANA, Ivone. Valor Econômico, 21 fev. 2017.

Beneficiada por uma série de fatores sem relação direta com suas operações, a empresa de engenharia e construção do grupo Techint no Brasil viu seu lucro líquido passar de R$ 572 mil, em 2015, para R$ 6,02 milhões, no ano passado. As ajudas vieram principalmente da venda de máquinas e equipamentos para outras empresas do grupo e de menos imposto pago.

(...) A linha de ‘outras receitas’ do balanço cresceu 275% – de R$ 2,72 milhões, passou para R$ 10,19 milhões. Desse total, R$ 9,1 milhões dizem respeito a venda de imobilizado, com R$ 8,1 milhões para outras companhias no mesmo grupo. É uma estratégia, segundo as notas explicativas do balanço, de ‘readequar e realocar máquinas e equipamentos estratégicos’ (...).”

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos