885 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788547214951

C A P Í T U L O 8 - SEÇÃO DE ESTUDOS OU TESTES PRELIMINARES

SORDI, José Osvaldo De Editora Saraiva PDF Criptografado

CAPÍTULO 8

SEÇÃO DE ESTUDOS

OU TESTES

PRELIMINARES

“Estatísticas não substituem o julgamento.”

HENRY CLAY

desenvolvimento proj_pesquisa - miolo.indd 117

26/01/17 18:12

OBJETIVO DE APRENDIZAGEM

Após a leitura deste capítulo, você:

Saberá como utilizar as coletas de dados já realizadas para tornar mais proveitosa a sessão de discussão e qualificação do projeto de pesquisa.

desenvolvimento proj_pesquisa - miolo.indd 118

26/01/17 18:12

Se a pesquisa a executar, descrita no projeto de pesquisa, apresentar método quantitativo, recomenda-se denominar esta seção do documento de projeto de pesquisa como

“Testes preliminares” ou, então, de “Estudos preliminares”.

Tudo que se escreve nessa seção pode estar presente no texto do projeto de pesquisa, em seção de mesmo nome, e, principalmente, nos slides a serem utilizados para apresentação e discussão do projeto de pesquisa, evento descrito no Capítulo 10.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547208301

2.5 Empresa sustentável

BARBIERI, José Carlos Editora Saraiva PDF Criptografado

capítulo 2  Responsabilidade social e sustentabilidade empresarial

representa essas três dimensões por meio de círculos que se interceptam, representação que já se tornou bastante conhecida. A redução a essas três dimensões não implica perda ou abandono das outras dimensões citadas, mas uma concentração no que é específico da atuação das organizações. Assim, uma organização ou uma empresa sustentável seria, portanto, aquela que orienta as suas atividades para alcançar resultados positivos nessas três dimensões da sustentabilidade que lhe são específicas.

Figura 2.5  Dimensões da sustentabilidade organizacional

Dimensão econômica

Desenvolvimento sustentável

Dimensão social

Dimensão ambiental

Fonte: Elaborado pelos autores.

2.5 Empresa sustentável

Contribuir para o desenvolvimento sustentável é o objetivo dessa empresa, e a responsabilidade social, o meio para tornar a sua contribuição efetiva21, como representado na Figura 2.6. Como se vê, as responsabilidades econômica, social e ambiental nessa figura equivalem, respectivamente, às dimensões da sustentabilidade econômica, social e ambiental da Figura 2.6.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547210250

3.3 Unidades do capital social

GRECO, Alvisio; AREND, Lauro Editora Saraiva PDF Criptografado

3.3

Unidades do capital social

A denominação das unidades do capital social e a responsabilidade dos seus detentores estão diretamente relacionadas ao modelo de organização jurídica da empresa, conforme expresso a seguir.

3.3.1 Nas sociedades anônimas

A companhia ou sociedade anônima terá o capital dividido em ações, e a responsabilidade dos acionistas (proprietários das ações) será limitada ao preço de emissão das ações subscritas ou adquiridas.

ANOTE

Ações são títulos representativos das cotas-partes em que se divide o capital social, constituindo unitariamente a menor parte em que é dividido esse capital.

O proprietário de uma ação torna-se acionista da companhia e terá uma parcela de participação no controle, no ativo, nos lucros e no passivo desta.

3.3.2 Nas sociedades de responsabilidade limitada

Possui apenas uma categoria de sócios, a de responsabilidade limitada ao capital social, que é dividido em partes iguais, denominadas cotas, e os proprietários (sócios) são chamados de cotistas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547217976

18.13 Redução das alíquotas da contribuiçãoprevidenciária — Serviços de TI e call center

CREPALDI, Silvio Editora Saraiva PDF Criptografado

As pessoas jurídicas que tenham projeto protocolizado e aprovado, a partir de 2000 até 31 de dezembro de 2013, para instalação, ampliação, modernização ou diversificação, enquadrado em setores da economia considerados, em ato do Poder Executivo, prioritários para o desenvolvimento regional nas áreas de atuação da Sudam e da Sudene, terão direito

à redução de 75% do imposto sobre a renda e adicional, calculados com base no lucro da exploração (MP n. 2.199-14, de 24 de agosto de 2001, art. 1º, caput).

Considera-se instalação de empreendimento, para efeito do direito à redução referida no decreto, o estabelecimento de nova unidade produtora, com a utilização de maquinários e equipamentos novos, para o desenvolvimento da atividade a ser explorada em setores da economia considerados prioritários para o desenvolvimento regional na área de atuação da Sudam e da Sudene, quando a pessoa jurídica não possuir instalações idênticas ou similares no local em que o empreendimento será instalado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547215781

1.1 significado da expressão design thinking

CAVALCANTI, Carolina Costa; FILATRO, Andrea Editora Saraiva PDF Criptografado

1

Este capítulo inicial apresenta, em linhas gerais, o conceito de design thinking

(DT), recuperando a origem da expressão, suas características gerais e principais vertentes de pesquisa e prática.

Situa o conceito nas áreas de educação presencial, a distância e corporativa.

1.1  significado da expressão design thinking

N

as palavras de Tim Brown,1 um dos maiores defensores do design thinking, esta é uma abordagem que usa a sensibilidade e os métodos dos designers para conciliar as necessidades das pessoas com o que é tecnologicamente exequível, visando converter oportunidades que agregam valor em soluções para um contexto específico. Literalmente, o autor afirma que:

O Design Thinking começa com habilidades que os designers têm aprendido ao longo de várias décadas na busca por estabelecer a correspondência entre as necessidades humanas com os recursos técnicos disponíveis considerando as restrições práticas dos negócios. Ao integrar o desejável do ponto de vista humano ao tecnológico e economicamente viável, os designers têm conse­guido criar os produtos (processos, serviços e estratégias) que usufruímos hoje.2

Ver todos os capítulos
Medium 9788547208240

3 . 2 R O T E I R O D E I M P L E M E N TAÇÃO

PMI Editora Saraiva PDF Criptografado

3. 2 RO T E I R O D E I MPLEMENTAÇÃO

Após ter completado a fase de descoberta e análise e de ter uma compreensão das lacunas a serem resolvidas, a próxima fase trata da identificação e alinhamento das iniciativas e do desenvolvimento de um roteiro de implementação do GOP.

3.2.1 Identificar e priorizar as iniciativas

Este passo utiliza, primariamente, a análise das lacunas e, caso necessário, consulta a revisão do estado atual ou a visão de alto nível do estado futuro, desenvolvidas na fase anterior, para identificar uma lista de iniciativas que tratem as lacunas identificadas.

No processo de desenvolvimento da lista de iniciativas do GOP, deve-se montar uma forte conexão com as métricas e os objetivos estratégicos da organização.

Essas métricas suprem a equipe de implementação com informações que ajudarão na seleção e priorização das alternativas de maneira a garantir o alinhamento com o business case.

As iniciativas resultantes da análise das lacunas são revisadas por uma equipe de partes interessadas e são priorizadas com base em sua importância estratégica e dificuldade de implantação, sempre levando em consideração as necessidades atuais da organização, ajustes, estado futuro desejado, questões relacionadas ao compartilhamento de recursos com outros projetos e iniciativas internas, cronogramas do negócio e alinhamento estratégico. Esse processo é essencialmente uma aplicação de gerenciamento de programa e, sendo assim, é importante certificar-se de seguir as práticas da organização para o gerenciamento de programas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547212551

7.2 Golpe de 1943 e ascensão de Perón

DAMAS, Roberto Dumas Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 7  •  Crise da Argentina (2002) 

223

continuação

1870

1913

1938

1950

1965

1980

Japão

726

1.272

2.444

1.523

5.097

10.461,0

Nova Zelândia

1.884

3.119

6.101

8.798

9.072,0

Suécia

1.070

2.566

4.405

5.742

9.397

12.664,0

Estados Unidos

1.749

4.307

5.260

8.191

11.052

14.938,0

Argentina PIB per capita (% dos

Estados Unidos

PIB per capita)

81,9%

63,6%

59,1%

44,0%

30,0%

40,0%

Fonte: Balze, F. B. Remaking the Argentine economy. New York: Council of Foreign Relations Press, 1995.; Argentina:

Perónism and After (2004). Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2016.

No entanto, o estouro da Segunda Guerra Mundial teve impacto na situação econômica do país. Após 1941, a entrada dos Estados Unidos na guerra levou os norte-americanos a buscar um eixo de alianças junto aos países ocidentais, utilizando políticas mercantis preferenciais como instrumento de persuasão. Dado que a elite agrária e os oligarcas do país dominavam a política na Argentina, juntamente com a classe de imigrantes vindos da Itália, o país buscou a neutralidade no período, principalmente em relação ao governo fascista de Mussolini. Essa escolha pela neutralidade limitou enormemente as possibilidades de comércio internacional com outros países da aliança. Como uma nação exportadora, a economia argentina sentiu fortemente o impacto.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547214982

referências para o capítulo

ZANINI, Marco Túlio Editora Saraiva PDF Criptografado

fundamental. Os gestores de RH precisam garantir que a identidade da marca corporativa possa liderar, desde o processo de seleção e recrutamento, a escolha dos colaboradores. Uma empresa com uma marca-cultura-inovadora informal e descolada deve recrutar, manter e promover indivíduos que tenham tais características em seu

DNA e comportamentos. Além disso, deve garantir que os valores da marca corporativa sejam comunicados e internalizados por todos e, de tempos e tempos, atualizados e reforçados a fim de garantir uma consciência una em toda a empresa.

Diante do exposto, para que o ativo marca atue como uma espiral virtuosa de valor, é necessário que as marcas de produto estejam alinhadas com a marca corporativa e que esta esteja, também, alinhada

à cultura organizacional. Nesse modelo de atuação, a marca corporativa e a cultura organizacional se retroalimentam, fortalecendo os laços mútuos de adequação, consistência e unicidade. referências para o capítulo

AAKER, D. Estratégia de portfólio de marcas. Porto Alegre: Bookman, 2007.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547210229

13.8 SOCIEDADES

VISCONTI, Paulo; NEVES, Silvério das Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 13

Aspectos contábeis, fiscais e societários do Código Civil

457

A sentença que decretar ou homologar a separação judicial do empresário e o ato de reconciliação não podem ser opostos a terceiros, antes de arquivados e averbados no Registro Público de Empresas Mercantis.

13.8 ` SOCIEDADES

Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha, entre si, dos resultados.

A atividade pode restringir-se à realização de um ou mais negócios determinados.

Salvo as exceções expressas, considera-se empresária a sociedade que tem por objeto o exercício de atividade própria de empresário sujeito a registro (consulte Subitem 13.7.1); e, simples, as demais (Subitem 13.8.3). Independentemente de seu objeto, considera-se empresária a sociedade por ações; e, simples, a cooperativa.

13.8.1 Constituição

A sociedade empresária deve constituir-se segundo um dos tipos de sociedades previstas nos

Ver todos os capítulos
Medium 9788547201166

Capítulo 11 - Serviços de alimentos e bebidas

CASTELLI, Geraldo Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 11

Serviços de alimentos e bebidas

11.1 Área de alimentos e bebidas

11.1.1 Estrutura funcional

A área de alimentos e bebidas — AeB —, dentro da estrutura organizacional e funcional do hotel, é a mais complexa. Isso porque as despesas com mão de obra em geral são, aproximadamente, 2,5 vezes maiores que no setor de hospedagem, e a receita é quatro vezes menor, comparativamente com o mesmo setor. Diante dessa situação, muitos hotéis têm optado pela terceirização da área alimentar — decisão nem sempre feliz para os negócios e para a imagem do estabelecimento. A terceirização pode ser uma excelente solução desde que inspirada no conceito de parceria.

Em hotéis de grande porte, a área de AeB é administrada por um gerente e, em hotéis de menor porte, por um maître ou por seu proprietário.

O agrupamento dos setores, como cozinha, restaurante, bar, copa e banquetes, sob a direção única do gerente de alimentos e bebidas, oferece as seguintes vantagens, segundo Marin:1

Ver todos os capítulos
Medium 9788547208301

6.7 Dificuldades e objeções

BARBIERI, José Carlos Editora Saraiva PDF Criptografado

capítulo 6  Instrumentos gerenciais

• identificar e gerenciar os riscos de compliance, ou seja, o efeito da incerteza sobre os objetivos de compliance;

• assegurar que o SGC seja revisto periodicamente30.

6.7 Dificuldades e objeções

Os instrumentos de gestão apresentados neste capítulo são aplicáveis à organização como um todo ou a uma de suas unidades. Para implementá-los são necessários outros instrumentos de gestão específicos de aplicação localizada ou segmentada, tais como avaliação de impactos ambientais, códigos de ética, auditorias internas, métodos de verificação e medição de não conformidades, criação de indicadores de desempenho apropriados à empresa em cada uma das dimensões da sustentabilidade, entre outros. A caixa de ferramentas para dar suporte à política de responsabilidade social orientada pelo desenvolvimento sustentável é variada e não cessa de crescer, o que revela a importância crescente desse tema para as empresas, que por sua vez reflete demandas da sociedade nesse sentido.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547217945

13.1 Orientações sobre grafia correta

GOLD, Miriam Editora Saraiva PDF Criptografado

CAPÍTULO 13

Grafia: usos e significados

Na língua portuguesa, assim como em várias outras em que há a componente fala‑ da e a componente escrita, os fonemas distinguem­‑se das letras. Ou seja, a forma acústica distingue­‑se da letra, sinal representativo do sistema sonoro na escrita.

Como os fonemas não são letras, a identidade perfeita entre estas e as formas acústicas não existe, bem como inexiste a possibilidade de uma ortografia absolu‑ tamente coerente ou ideal. Há situações similares de pronúncia, mas díspares na grafia, e vice­‑versa, tornando complexo o sistema ortográfico das línguas.

13.1 Orientações sobre grafia correta

Há várias situações em nossa língua escrita em que ocorrem dúvidas quanto ao uso da grafia da palavra. A fim de evitá­‑los, apresentamos a seguir os Quadros 13.1 a 13.4 para dirimir as dúvidas.

Primeiramente, há uma relação dos principais problemas com palavras e ex‑ pressões (os usos mais recorrentes), depois abordaremos as formas verbais, o uso dos porquês e, por fim, o uso dos pronomes e das formas de tratamento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547201166

Capítulo 2 - Gestão ambiental

CASTELLI, Geraldo Editora Saraiva PDF Criptografado

Capítulo 2

Gestão ambiental

2.1 A arte de gerenciar o hotel em sintonia com o meio ambiente

A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e) Princípios. e Desenvolvimento, realizada na cidade do Rio de Janeif) Aspectos legais. ro, em 1992, também conhecida como ECO-92 ou RIOg) Sistema de gestão ambiental.

-92, foi um dos marcos para a questão ambiental. Desse evento surgiu um importante documento denominado

2.1.1 Sintonia e paradoxos

Agenda 21, registrando a preocupação e o compromisso

A questão ambiental é sempre assunto atual, tanto no endas nações em favor do equilíbrio ambiental e da justiça sino, em todos os níveis, como no gerenciamento de orgasocial. Esse compromisso abrange instituições públicas e nizações, em especial as hoteleiras, foco da presente aborprivadas, com todos os seus cidadãos. Daí a importância dagem. Afinal, o que essas empresas que compõem o trade de incorporar a questão ambiental como uma das atriturístico têm a ver e estão fazendo com o ambiente dentro buições da gestão das organizações, do qual estão inseridas? O que os dirihotéis inclusive. gentes dessas organizações estão proUma das dimensões da questão

Ver todos os capítulos
Medium 9788547208301

3.4 Relativismo moral

BARBIERI, José Carlos Editora Saraiva PDF Criptografado

capítulo 3  Ética e ética empresarial

Por exemplo, é típico dos códigos específicos para os compradores organizacionais estabelecer como norma de conduta correta a recusa de presentes oferecidos pelas empresas fornecedoras e pelas que pretendem ser. Tal disposição não

é assunto de nenhuma lei. Esses códigos também podem conter disposições reguladas por lei, que nesse caso funcionam como um reforço para destacar a sua importância. Por isso, é usual incluir questões que também têm tratamento legal, tal como não exigir dos fornecedores mais do que foi expressamente acordado entre as partes. Não haveria necessidade de incluir tal proibição, pois existem dispositivos legais que já o fazem. Nesse caso, o que o código procura sinalizar é que tal disposição legal é tão importante que merece ser considerada como pertencente aos dois domínios, o legal e o moral.

3.4 Relativismo moral

Como mencionado, não é a teoria que cria a moral, mas sim o desenrolar da vida dos povos, de modo que diferentes povos criam diferentes normas de comporta­ mento moral que se modificam ao longo do tempo. Quem nunca ouviu expressões do tipo: “no meu tempo era bem diferente”? Além disso, em dado momento, diferentes constituintes de uma sociedade elaboram normas e padrões morais diferentes, pelo simples fato de que a sociedade não é homogênea. A moral orienta a conduta humana por meio de um esforço consciente e, por isso, apela para a razão. Essas duas questões estão no centro do que se denomina relativismo moral. O relativismo moral considera que as normas morais de todos os grupos sociais, por serem criadas por esses grupos em dado momento e segundo as circunstâncias que lhes são específicas, são todas válidas e corretas, não cabendo juízos de valor que as comparem, mesmo quando são contraditórias.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547213381

8.4 EFEITOS DE REDE

DRANOVE, David; MARCIANO, Sonia Editora Saraiva PDF Criptografado

CAPÍTULO 8

Como manter a vantagem competitiva de sua empresa

Administradores devem ser hábeis para atingir equilíbrio entre estabilidade e mudança. A codificação de regras de trabalho desenvolvida por meio de experiência anterior faz sentido quando a tecnologia de produção está em fase de estabilização e as habilidades da força de trabalho estão diminuindo. Mas ainda vale a pena dar a funcionários de alta competência a liberdade de experimentar novas ideias em ambientes mais variados.

8.3.6 Custos de mudança

Custos de mudança são outra fonte importante de vantagem sustentável. Quando os produtos são commodities virtuais, introduzir custos de mudança é um modo atraente de abrandar a concorrência e gerar lucros. Telecomunicações é, fundamentalmente, um negócio de commodities, no entanto, as maiores operadores de telefonia no Brasil (Vivo/Telefônica, Oi, Tim, Claro/

Net) obtiveram longos períodos de dominância, primeiro em serviços de longa distância, e posteriormente nos de telefonia celular e dados. Uma parcela do sucesso sustentado pode ser creditada a barreiras à entrada tradicionais: regulamentações do governo, largura de banda limitada (que é uma variante de canais de distribuição limitados) e custos fixos altos. Mas as operadoras que atuam hoje no mercado também se beneficiaram dos substanciais custos de mudança do consumidor em muitas de suas linhas de produto.

Ver todos os capítulos

Carregar mais