2251 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788580554960

Capítulo 7 - Entrevista de seleção

Charles J. Stewart, William B. Cash Jr. Grupo A PDF Criptografado

7

CAPÍTULO

Recrutar e selecionar é caro e complexo.

cap7_stewart.indd 173

Entrevista de seleção

O recrutamento e a seleção de funcionários é uma tarefa fundamental para qualquer empresa, pois o futuro desta dependerá de escolhas eficientes. De acordo com Tom Peters, atualmente “o talento está no comando”, de modo que a gestão deve saber atrair e reter novos talentos.1 Outros estudiosos corroboram o ponto de vista de Peters, como William Lewis segundo o qual encontrar um talento a um custo razoável e desenvolvê-lo é a principal diferença entre sucesso e fracasso.2 Certa vez, um gerente sênior disse aos autores deste livro: “Qualquer um pode comprar tecnologia, mas o elemento imprescindível na concorrência global são as pessoas!”.

A tarefa de recrutar e selecionar pessoas de alta qualidade não é fácil. É um trabalho duro. Em uma única entrevista, “Não é possível obter todas as informações necessárias sobre um candidato”, afirmou um executivo em conversa com os autores deste livro. O processo envolve múltiplos contatos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582603451

Capítulo 2 - Três métodos universais de gestão da qualidade

Joseph M. Juran, Joseph A. DeFeo Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 2

Três métodos universais de gestão da qualidade

Este capítulo aborda os conceitos fundamentais que definem a gestão voltada para a qualidade. Ele estabelece distinções fundamentais entre programas contemporâneos diferentes, embora similares, para melhorar seu desempenho, e ainda identifica os processos-chave ou universais pelos quais a qualidade é administrada e integrada ao tecido estratégico das organizações. A seguir também será demonstrado que, embora a gestão voltada para a qualidade seja um conceito atemporal, ela passou por frequentes revoluções em reação à procissão infindável de mudanças e crises enfrentadas por nossas sociedades.

O conceito dos universais

Enquanto estudava álgebra e geometria, o Dr. Juran se deparou com duas ideias abrangentes, que acabou colocando em prática mais tarde. Uma era o conceito dos universais, e a outra era a distinção entre teoria e fato.

Seu curso de álgebra colocou-o pela primeira vez diante do uso de símbolos para criar modelos generalizados. Ele sabia que 3 crianças + 4 crianças = 7 crianças, e que 3 grãos de feijão + 4 grãos de feijão = 7 grãos de feijão. Agora, ao usar um símbolo como x, ele podia generalizar o problema da soma de 3 + 4 e escrevê-lo como um universal:

Ver todos os capítulos
Medium 9788577260669

29. Estruturando políticas corporativas financeiras: diagnóstico de problemas e avaliaçãode estratégias

Bruner, Robert F. Grupo A PDF Criptografado

CasO

29

Estruturando políticas corporativas financeiras: diagnóstico de problemas e avaliação de estratégias

Este texto delineia um modo de pensar diagnóstico e prescritivo sobre as políticas corporativas financeiras. O sucesso do diagnóstico e da prescrição dependem primordialmente da criatividade ponderada e de julgamento cuidadoso; assim não são apresentadas soluções prontas. Em vez disso, são discutidos os elementos dos bons processos e apresentadas três etapas básicas nesse processo:

Descrição: A habilidade para descrever as políticas financeiras da empresa (as quais foram escolhidas explicitamente ou por falta de outra alternativa) é um fundamento essencial para o diagnóstico e a prescrição. A Parte I desta nota define a “estrutura financeira” e discute os elementos do projeto pelos quais um diretor financeiro deve realizar as escolhas. Esta seção ilustra a complexidade das políticas financeiras da empresa.

Diagnóstico: Investiga-se uma “boa” estrutura financeira por meio da triangulação das perspectivas de benchmark; depois, comparam-se as estruturas financeiras reais e ideais, buscando oportunidades de melhoria. A Parte II é uma visão panorâmica dos três benchmarks pelos quais o analista consegue diagnosticar os problemas e as oportunidades: (1) as expectativas dos investidores; (2) as políticas e o comportamento da concorrência; e (3) os objetivos internos e as motivações da administração em si. Outras perspectivas também podem existir. As Partes III, IV e V discutem detalhadamente a estimativa e aplicação dos três benchmarks. Essas seções enfatizam o dever de casa artesanal e a economia de esforço, focando-se nas principais considerações, questões e na informação. O propósito é derivar insights

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308320

19 O problema da identificação

Gujarati, Damodar N. Grupo A PDF Criptografado

Capítulo

19

O problema da identificação

Neste capítulo, consideramos a natureza e o significado do problema da identificação. O ponto central do problema de identificaçao é o seguinte: retomar o modelo de oferta e demanda introduzido na Seção 18.2. Suponha que tenhamos dados apenas da série temporal Q e P e nenhuma informação adicional (como renda do consumidor, preço vigente no período prévio e condições climáticas). O problema da identificação consiste em procurar uma resposta para esta pergunta: oferecidos apenas os dados de P e Q, como saberemos se estamos estimando a função demanda ou a função oferta?

Como alternativa, se pensarmos que estamos ajustando uma função demanda, como garantiremos que ela é, de fato, a função demanda que estimamos e não outra coisa qualquer?

Um momento de reflexão revelará que uma resposta à pergunta anterior é necessária antes que alguém resolva estimar os parâmetros de nossa função demanda. Neste capítulo, demonstraremos como o problema da identificação é resolvido. Primeiro, introduziremos algumas poucas notações e definições e, então, ilustraremos o problema da identificação com vários exemplos. Isso será seguido de regras que podem ser utilizadas para descobrir se uma equação em um modelo de equação simultânea está identificada, isto é, se corresponde à relação que realmente estamos estimando, seja ela a função demanda ou função oferta ou ainda outra coisa qualquer.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577805686

2 Contextualização da Liderança: da Pós-Globalização à Organização Network

Antônio Celso Mendes Webber Grupo A PDF Criptografado

28

Afinal, Onde Estão os Líderes?

As empresas então, na sua grande maioria, seguiam o modelo mundial, procurando consolidar e sedimentar sua ação em mercados relativamente protegidos. Também entre elas erguia-se uma espécie de cortina de ferro, um Muro de Berlim. Como reflexo desse sistema protecionista adotado em

âmbito mundial e, por extensão, empresarial, as pessoas também procuravam construir e solidificar sua posição dentro das organizações, devidamente protegidas por “muros” muito bem definidos pelas estruturas do poder hierárquico (vertical) e do conhecimento específico (horizontal).

Gosto de visualizar esse quadro em mutação mediante os esquemas ilustrativos, representados pelas Figuras 2.1 e 2.2.

O marco da bipolarização da liderança entre os Estados Unidos e a ex-URSS era, como vimos, o Muro de Berlim. Com sua queda, iniciou-se uma reordenação da liderança mundial. O mundo passava a se reestruturar por inter-

Contextualização da liderança pós-globalização

2007

1990

Mudanças

Globalização

Ver todos os capítulos
Medium 9788580552249

Capítulo 6 - Avaliação por Fluxos de Caixa Descontados

Stephen A. Ross; Randolph W. Westerfield; Bradford D. Jordan; Roberto Lamb Grupo A PDF Criptografado

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

O objetivo deste capítulo é que, ao seu final, você compreenda:

OA1 Como determinar os valores presente e futuro de investimentos com vários fluxos de caixa.

OA2 Como calcular os pagamentos e as taxas de juros de empréstimos.

6

PARTE III

Avaliação por Fluxos de Caixa Descontados

OA4 Como as taxas de juros são cotadas (da maneira certa e errada).

A ASSINATURA DE CONTRATOS DE

ATLETAS FAMOSOS é normalmente acompanhada de grande alarde, mas os números às vezes enganam. Por exemplo, em 2007, o apanhador Jorge Posada assinou com os New

York Yankees um contrato com valor anunciado de $52,4 milhões. Nada mal, especialmente para alguém que ganha a vida usando as “ferramentas da ignorância” (jargão esportivo para o equipamento usado pelo apanhador no beisebol). Outro exemplo é o contrato assinado pelo armador Tony Romo do Dallas Cowboys, que apresentou um valor declarado de aproximadamente $67,5 milhões.

Parece que Jorge e Tony se deram muito bem, mas aí surgiu Alex Rodriguez (ou A-Rod,

Ver todos os capítulos
Medium 9788582600573

Capítulo 2 - A abordagem de custo

James P. Catty Grupo A PDF Criptografado

2

A abordagem de custo

YEA-MOW CHEN

TAIWAN

STEPHEN L. BARRECA

ESTADOS UNIDOS

INTRODUÇÃO

A abordagem de custo ao valor é uma das três abordagens geralmente aceitas à estimativa do valor justo de um ativo ou propriedade física; sua base teórica é o custo de reprodução. O método da comparação de vendas da abordagem de mercado afirma que, se uma duplicata exata (reprodução) do objeto, independentemente de idade, condição e utilidade, está disponível no mercado aberto, então o preço de compra da propriedade duplicada representa o custo de reprodução e o valor justo do objeto. Em outras palavras, o custo de reprodução de uma propriedade na data-base da avaliação fornece uma medida contra a qual os preços de

1 propriedades similares podem ser julgados.

O conceito fundamental é o princípio da substituição, segundo o qual um comprador prudente não pagaria mais por um ativo do que o custo de adquirir um item semelhante com desejabilidade e utilidade semelhantes sem atrasos indevidos. Assim, o custo de reprodução de uma propriedade semelhante representa um limite superior (ou máximo) do valor de mer2 cado do ativo ou propriedade sendo avaliado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582601938

Capítulo 2 - Infraestrutura e tecnologia portuária

Pablo Rojas Grupo A PDF Criptografado

capítulo 2

Infraestrutura e tecnologia portuária

Neste capítulo, serão tratados os principais aspectos pertinentes à infraestrutura portuária e

à tecnologia utilizada pelos portos em suas operações. Os portos são essenciais à cadeia de suprimentos global e possuem um importante papel na integração da economia mundial.

A globalização da economia transformou os portos, de meros locais de movimentação, armazenamento e transbordo de cargas, em um componente fundamental da matriz de transporte do país. Para atender seus clientes com qualidade e eficiência, os portos, públicos ou privados, estão investindo fortemente na melhoria de sua infraestrutura e na modernização de seus equipamentos e de suas tecnologias.

Objetivos de aprendizagem

Conhecer o funcionamento de um porto e como está organizado o sistema portuário brasileiro.

Classificar os tipos de portos.

Saber as normas de segurança internacional de acordo com o ISPS Code.

Reconhecer a situação atual da infraestrutura portuária brasileira e a sua importância para o comércio exterior do país.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308153

Capítulo 11: Crescimento econômico e comércio internacional

Dennis R. Appleyard, Alfred J. Field Jr, Steven L. Cobb, André Fernandes Lima Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

11

CRESCIMENTO

ECONÔMICO E

COMÉRCIO

INTERNACIONAL

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Entender como as diferentes formas de crescimento podem afetar o comércio.

■ Compreender como a origem do crescimento afeta a natureza da produção

e do comércio.

■ Examinar como o crescimento e o comércio afetam o bem-estar nos

países pequenos.

■ Entender como o crescimento pode ter efeitos mais diversos sobre o bem-estar

em um país grande do que em um país pequeno.

202

Econ Internacional_cap11_P.indd 202

30.04.10 10:43:43

CAPÍTULO 11

CRESCIMENTO ECONÔMICO E COMÉRCIO INTERNACIONAL

203

INTRODUÇÃO

China – Um polo de crescimento regional

Há um frequente equívoco de que o crescimento da China ocorre às custas de seus muitos parceiros comerciais. Isso vem incitando retaliações de políticas comerciais por parte de muitos dos parceiros comerciais, entre os quais os Estados Unidos. Uma visão geral útil do papel chinês no crescimento e desenvolvimento regional é proporcionada por Phillip Day.1 Ele corretamente indica que mesmo que as exportações de outros países asiáticos para os Estados Unidos tenham caído, enquanto as da China cresceram, as exportações totais de todos aqueles outros países estão crescendo de um modo complementar por meio do aumento do comércio entre eles. A razão é que a China já é o maior importador dos produtos da Coreia do Sul e de Taiwan, assim como um importante importador do Japão (se as exportações de Hong Kong forem consideradas). Interessante que, à medida que a China cresce, ela se coloca em um ponto intermediário da cadeia de oferta, na qual importa componentes de alta tecnologia do Leste

Ver todos os capítulos
Medium 9788536301921

10. Estudos de caso

Audy, Jorge Luis Nicolas Grupo A PDF Criptografado

ESTUDOS DE CASO

133

10

Estudos de Caso

Este capítulo apresenta dois estudos de caso de referência dos modelos PESIAO (Figura 7.2, Capítulo 7) e MOAE (Figura 8.1, Capítulo 8). O primeiro caso apresenta o processo de planejamento de sistemas de informação de um centro médico, abordando aspectos de aprendizagem na sua condução. O segundo caso apresenta os elementos promotores de alinhamento durante as etapas de formulação e implementação do processo de PE em uma indústria do setor automotivo.

Busca-se demonstrar, com exemplos práticos, a aplicação das abordagens sugeridas neste livro e o uso adequado dos elementos de aprendizagem organizacional e de alinhamento estratégico durante a condução do processo de PE dentro das organizações. Vale ressaltar que os resultados foram obtidos pelos autores durante observações dentro dessas organizações. Os entrevistados são executivos de alto nível com conhecimento e experiência em processos de PE e em gestão. Por questões de sigilo, algumas informações apresentam-se limitadas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308153

Capítulo 12: Movimentos internacionais de fator

Dennis R. Appleyard, Alfred J. Field Jr, Steven L. Cobb, André Fernandes Lima Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

12

MOVIMENTOS

INTERNACIONAIS

DE FATOR

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

■ Aprender sobre os diferentes tipos de investimento estrangeiro e os efeitos dos

movimentos de capitais sobre o bem-estar.

■ Compreender os determinantes do investimento estrangeiro direto e os custos

e benefícios associados.

■ Entender os motivos para a migração de trabalho e seus efeitos nos

países participantes.

■ Avaliar o tamanho e a importância das remessas internacionais.

224

Econ Internacional_cap12_M.indd 224

29.04.10 11:01:03

CAPÍTULO 12

MOVIMENTOS INTERNACIONAIS DE FATOR

225

INTRODUÇÃO

Neste capítulo, nos afastamos do comércio internacional de bens e serviços para examinar os movimentos internacionais dos fatores de produção – capital e trabalho. A literatura teórica há muito considera que os fatores de produção são móveis dentro dos países, mas tradicionalmente também considera que os fatores de produção não se movem entre os países. Essa segunda suposição é claramente falsa no mundo atual, pois constantemente somos informados de movimentos de investimento e trabalho de um país para outro. Basta notar, por exemplo, que a alegada ameaça da dominação da economia canadense por empresas norte-americanas que operam dentro do Canadá foi questão presente nas eleições parlamentares canadenses, ou que continuam as controvérsias sobre o efeito dos fluxos de capitais dos Estados Unidos para o México sobre os trabalhadores norte-americanos após a implementação, em 1994, do Tratado Norte-Americano de Livre-Comércio (NAFTA). Além disso, a constante preocupação nos

Ver todos os capítulos
Medium 9788536317724

Capítulo 13. Ciclo piruvato-malato e a produção de NADPH

J. G. Salway Grupo A PDF Criptografado

Ciclo piruvato-malato e a produção de NADPH

13

Ciclo piruvato-malato

tato é reduzido por malato deidrogenase citosólica e forma malato. Esse malato, ao ser decarboxilado oxidativamente pela enzima málica (malato deidrogenase, decarboxilante) leva à formação de NADPH, CO2 e piruvato, completando, assim, o ciclo.

O ciclo piruvato-malato tem duas funções principais associadas à lipogênese: transporta unidades de acetil-CoA da mitocôndria para o citosol e gera NADPH em reação catalisada pela enzima málica.

Contribuições relativas da via da pentose fosfato e do ciclo piruvato-malato para a provisão de NADPH destinado à síntese de ácidos graxos

Mapa 13.1: Ciclo piruvato-malato

A síntese de ácidos graxos ocorre no citosol. Entretanto, a fonte de carbono, ou seja, acetil-CoA, é produzida pela piruvato deidrogenase na mitocôndria.

O transporte da acetil-CoA a partir da mitocôndria para o interior do citosol envolve o ciclo piruvato-malato.

As principais fases são:

Ver todos os capítulos
Medium 9788582603048

Capítulo 12 - Digital: uma ferramenta crítica de construção de marca

David Aaker Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 12

Digital: uma ferramenta crítica de construção de marca

É divertido fazer o impossível.

— Walt Disney

A capacidade digital envolve sites, blogs, mídias sociais, vídeos online, o mundo dos smartphones e muito mais. Ela se tornou uma necessidade para organizações que desejam construir ou fortalecer sua marca e criar programas de marca revolucionários. O digital é uma força especialmente poderosa para as marcas e sua construção, pois ele:

• Engaja. Os programas digitais, especialmente aqueles que envolvem uma comunidade, costumam estimular comentários e recomendações. Um público engajado fica mais suscetível a escutar, aprender, acreditar e mudar comportamentos em relação àqueles que têm apenas exposição passiva a anúncios ou veem o nome do patrocinador em um evento. A exposição passiva é uma estratégia difícil para a comunicação e a mudança de atitudes.

• Permite que o conteúdo seja rico e profundo. As mídias sociais não são limitantes em termos de conteúdo. Um site contém uma quantidade enorme de informações e um vídeo de quatro minutos pode contar uma história de forma profunda.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577805747

Capítulo 25 - Moeda, Bancos e o Federal Reserve System

R. Glenn Hubbard ; Anthony O’Brien Grupo A PDF Criptografado

PARTE

X

Capítulo

25

Moeda, Bancos e o

Federal Reserve System

Os problemas financeiros do

McDonald’s na

Argentina

O Big Mac do McDonald’s é um dos produtos mais amplamente disponíveis no mundo. Os 30.000 restaurantes em

119 países servem 50 milhões de clientes por dia. Apesar de alguns restaurantes

McDonald’s serem de propriedade da própria empresa, muitos são franquias.

Uma franquia é um negócio com o direito legal de vender um bem ou serviço em determinada área. Quando uma empresa usa franquias, os empreendedores locais podem comprar e dirigir as lojas em sua área. Quando o McDonald’s começou a se expandir para outros países no final da década de 60, ele dependia do sistema de franquia. As franquias em outros países eram capazes de adaptar os restaurantes ao gosto dos clientes locais. Por exemplo, apesar de todos os

200 restaurantes do McDonald’s na Argentina oferecerem Big Macs e batatas fritas, eles também oferecem cafés especiais e outros alimentos que não estavam disponíveis nos McDonald’s dos

Ver todos os capítulos
Medium 9788580553291

Capítulo 3 - Estratégia em serviços

James A. Fitzsimmons , Mona J. Fitzsimmons Grupo A PDF Criptografado

Capítulo

3

Estratégia em serviços

Objetivos de aprendizagem

Ao final deste capítulo, você deverá estar apto a:

1. Discutir de forma crítica o ambiente competitivo em serviços.

2. Formular uma visão estratégica de serviços.

3. Descrever como funciona a competição em serviços usando as três estratégias genéricas de serviços.

4. Realizar a análise SWOT (Strengths, Weaknesses, Opportunities, and Threats, ou Forças, Fraquezas,

Oportunidades e Ameaças) e o modelo das Cinco Forças.

5. Explicar o que significam qualificadores, ganhadores e perdedores em serviços.

6. Discutir o papel competitivo das informações nos serviços.

7. Explicar o conceito de cadeia virtual de valor e o seu papel na inovação em serviços.

8. Identificar limites potenciais no uso de informações como parte de uma estratégia competitiva.

9. Categorizar uma empresa de serviços de acordo com seu estágio de competitividade.

Da mesma forma que a tecnologia de máquinas transformou a economia baseada na agricultura em uma economia baseada na indústria, a tecnologia da informação está transformando a nossa economia industrial em uma economia de serviços. A disponibilidade de computadores e tecnologias de comunicação global criou indústrias para reunir, processar e transmitir informações. Hoje, todas as pessoas no globo conseguem se comunicar instantaneamente, e essa revolução está mudando a sociedade mundial de muitas maneiras. Consideremos o impacto da indústria emergente de satélites privados que fornecem dados e informações para treinamento pessoal, lançamento de produtos, conferência de crédito, cobranças, transações financeiras e telecomunicações em geral.

Ver todos os capítulos

Carregar mais