8423 capítulos
Medium 9788580554311

32.5 Orçamento internacional de capital

Stephen A. Ross , Randolph W. Westerfield , Jeffrey Jaffe , Roberto Lamb Grupo A PDF Criptografado

1120

Parte VIII

Tópicos Especiais

32.5 Orçamento internacional de capital

Este exemplo aborda a possível decisão de uma empresa brasileira que é proprietária de uma empresa com sede nos EUA (há muitas empresas brasileiras nessa situação). Alguns dos investimentos da empresa brasileira podem ser realizados por suas subsidiárias no exterior.

Suponhamos o exemplo de uma empresa de nome Kihlstrom Equipment, uma empresa com sede nos EUA de propriedade de uma empresa brasileira com atuação internacional, que está avaliando um investimento na Europa. As exportações de brocas da Kihlstrom aumentaram tanto, que a controladora brasileira está pensando em construir um centro de distribuição na

França. O projeto custará € 2 milhões para ser lançado. Os fluxos de caixa devem ser de € 0,9 milhão por ano nos próximos três anos.

Suponha que a taxa de câmbio à vista atual para o euro em relação ao dólar seja de € 0,5.

Lembre-se de que é a quantidade de euros que pode ser adquirida com um dólar, de modo que um euro vale US$ 1/0,5 ⫽ US$ 2. Suponha também que a taxa sem risco nos EUA seja de 5% e que a taxa sem risco na zona do euro seja de 7%. Essas são a taxa de câmbio e as duas taxas de juros observadas nos mercados financeiros, não são taxas estimadas.9 Considere que o custo médio ponderado de capital (CMPC) em dólares da Kihlstrom para investimentos desse tipo

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554311

32.2 Mercados de câmbio e taxas de câmbio

Stephen A. Ross , Randolph W. Westerfield , Jeffrey Jaffe , Roberto Lamb Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 32

Finanças Corporativas Internacionais

1107

Por exemplo, se a Petrobras emitir títulos em dólares para venda nos Estados Unidos, estará emitindo títulos Yankee; se emitir títulos em ienes para venda no Japão, estará emitindo títulos

Samurai. Em parte por causa de regulamentações e dos requisitos de divulgação mais rígidos, o mercado de títulos estrangeiros não cresceu com o mesmo vigor que o mercado de eurobônus.

32.2 Mercados de câmbio e taxas de câmbio

Sem dúvida, o mercado de câmbio é o maior mercado financeiro do mundo. É o mercado no qual a moeda de um país é trocada pela de outro. A maioria dos negócios ocorre com apenas algumas moedas: o dólar norte-americano (US$ ), a libra esterlina britânica (£), o iene japonês

(¥) e o euro (€). O real também tem sido muito negociado em operações de arbitragem (carry trades), especialmente quando a variação das taxas de câmbio do real frente a outras moedas é elevada. O Quadro 32.1 relaciona algumas das moedas mais comuns e seus símbolos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554311

32.6 Risco da taxa de câmbio

Stephen A. Ross , Randolph W. Westerfield , Jeffrey Jaffe , Roberto Lamb Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 32

Finanças Corporativas Internacionais

não dependeria da sua localização: se nesse país ou em outro país. Na prática, manter títulos estrangeiros envolve despesas substanciais. Essas despesas incluem impostos, custos para obtenção de informações e custos de transação. Isso implica que, embora os investidores de um país possam ter liberdade para manter títulos estrangeiros, eles não serão completamente diversificados por meio de investimentos no exterior.

As empresas podem concluir que investimentos internacionais envolvem inerentemente mais riscos políticos do que os investimentos nacionais. O risco extra poderia neutralizar os ganhos da diversificação internacional. Elas poderiam, então, aumentar a taxa de desconto para considerar o risco de expropriação e o risco de controle de remessas de lucros pelas autoridades monetárias do país onde é realizado o investimento.

Essas considerações são, sem dúvida, válidas para grandes empresas norte-americanas, com acesso fácil a fontes de financiamento, tecnologias, processos, pessoas, conhecimento e a força do mercado norte-americano. Já uma empresa brasileira que se internacionaliza pode ter acesso a recursos externos mais competitivos por meio de seus empreendimentos no exterior.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554311

32.8 Captação de recursos e gestão do caixa no exterior

Stephen A. Ross , Randolph W. Westerfield , Jeffrey Jaffe , Roberto Lamb Grupo A PDF Criptografado

1128

Parte VIII

Tópicos Especiais

solidada em relação a uma moeda estrangeira. Por esse motivo, é provável que a administração do risco da taxa de câmbio seja mais bem conduzida de maneira centralizada.

32.7

Risco político

Um último elemento de risco no investimento no exterior é o risco político. Ele se refere às variações no valor que surgem como consequência de atos políticos. Esse não é um problema enfrentado exclusivamente por empresas com atuação internacional. Por exemplo, as alterações em leis e regulamentos fiscais, como benefícios fiscais de redução temporária de impostos, podem beneficiar algumas empresas e prejudicar outras, de modo que o risco político existe tanto no ambiente internacional quanto no ambiente nacional.

Entretanto, alguns países têm maior risco político do que outros. Quando as empresas têm operações nesses países com maior risco, o risco político extra pode levar as empresas a exigir maiores retornos sobre os investimentos no exterior para compensar a possibilidade de bloqueio de fundos, de interrupção das operações básicas e de anulação dos contratos. No caso mais extremo, a possibilidade de confisco total pode ser uma preocupação em países com ambientes políticos relativamente instáveis.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554311

32.4 Paridade de taxa de juros, taxas a termo não viesadas e o efeito Fisher Internacional

Stephen A. Ross , Randolph W. Westerfield , Jeffrey Jaffe , Roberto Lamb Grupo A PDF Criptografado

1116

Parte VIII

Tópicos Especiais

O que acontece às taxas de câmbio quando o valor das moedas flutua dependerá de como as taxas de câmbio são cotadas. Como estamos cotando as taxas como unidades de outras moedas por dólar, a taxa de câmbio para qualquer moeda se movimenta na mesma direção da valorização ou desvalorização do dólar: ela aumenta à medida que o dólar se fortalece e cai à medida que o dólar enfraquece.

A PPC relativa nos diz que a taxa de câmbio do real frente ao dólar aumentará se a taxa de inflação dos Estados Unidos for menor do que a do Brasil. Isso acontece porque o valor do real

(assim como de qualquer outra moeda estrangeira com inflação maior do que a nos Estados

Unidos) é depreciado pela inflação interna e, portanto, enfraquece em relação ao dólar.

32.4 Paridade de taxa de juros, taxas a termo não viesadas e o efeito Fisher Internacional

A próxima questão que precisamos abordar é a relação entre as taxas de câmbio à vista, as taxas de câmbio a termo e as taxas de juros. Para começar, precisamos de algumas notações adicionais:

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos