10861 capítulos
Medium 9788597013791

5 - Demonstrações Financeiras a Serem Auditadas

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 5

Demonstrações Financeiras a

Serem Auditadas

5.1 Introdução

Conforme definido no Capítulo 1, o objetivo principal do auditor externo ou independente

é emitir uma opinião ou parecer sobre as demonstrações financeiras, observando se foram preparadas de acordo com os princípios fundamentais de contabilidade, se esses princípios foram aplicados com uniformidade nesse exercício social em comparação com o exercício social anterior e se todas as informações necessárias foram divulgadas, para que o leitor tenha um perfeito entendimento sobre essas demonstrações.

No Brasil, nestas últimas décadas, houve evolução muito grande nas demonstrações financeiras, principalmente em relação à forma de apresentação, à quantidade de informações divulgadas e à qualidade dessas informações. Essa mudança substancial nas demonstrações financeiras ocorreu em função da necessidade de os futuros aplicadores de recursos terem conhecimento mais profundo sobre a situação patrimonial e financeira, o resultado das operações e os fluxos de caixa da empresa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577807864

Capítulo 4 - Administração de Recursos Humanos

Stewart Clegg, Martin Kornberger, Tyrone Pitsis Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO QUATRO

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

Diversidade, Seleção, Retenção

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Ao final deste capítulo, você será capaz de:

� Demonstrar um entendimento de como a psicologia contribui para o comportamento organizacional

� Descrever as origens e o significado da administração de recursos humanos

� Entender os principais conceitos na administração de recursos humanos e como eles impactam na prática o desempenho organizacional

� Descrever e identificar técnicas hard e soft de práticas de recursos humanos e como estas técnicas afetam a política de recursos humanos

ANTES DE COMEÇAR . . .

Algumas palavras dos Irmãos Marx:

Não me interessa pertencer a um clube que aceita, como sócios, pessoas como eu (Groucho Marx)

INTRODUÇÃO

“Então, por que você quer trabalhar para nós?”

É muito provável que quase todos nós tenha-

� Compreender os principais métodos e

técnicas utilizados na administração de recursos humanos e como eles são usados no recrutamento, na seleção, na retenção e no treinamento de pessoas nas organizações

Ver todos os capítulos
Medium 9788521629238

Capítulo 7 – Gestão por Competências e Gestão do Conhecimento

Patricia Itala Ferreira Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 7

Gestão por Competências e

Gestão do Conhecimento

Ferreira P MBA 007.indd 147

09/05/15 04:31

Ferreira P MBA 007.indd 148

09/05/15 04:31

ESTUDO DE CASO

Patricia informou a Felipe que a explicação estava quase no fim. Resolveu utilizar os últimos comentários de Felipe para finalizar sua apresentação focando a Gestão do

Conhecimento. Felipe trouxe à tona aspectos relativos ao tema de forma intuitiva quando falou sobre a necessidade de haver um sistema integrado para dar suporte à implantação da gestão por competências. Além disso, existem outras interfaces entre a Gestão por Competências e a

Gestão do Conhecimento. Vamos entender mais sobre o assunto na sequência.

� O que é a gestão do conhecimento?

A implementação de modelos de Gestão por Competências e de Gestão do

Conhecimento conquista cada vez mais importância visto que trabalhadores sem a qualificação necessária prestam serviços de má qualidade. Assim, procura-se adotar a gestão por competências como alternativa para melhorar a qualidade e a eficiência dos serviços/produtos. A Gestão do Conhecimento aparece como aliada no processo porque proporciona formas de salvaguardar e disseminar o conhecimento e as práticas de uma determinada organização.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582603925

Capítulo 14 - Processos de Wiener e lema de Itô

John C. Hull Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

14

Processos de Wiener e lema de Itô

Q

ualquer variável cujo valor muda com o passar do tempo de uma maneira incerta segue um chamado processo estocástico. Os processos estocásticos podem ser classificados como de tempo discreto ou de tempo contínuo. Os processos estocásticos de tempo discreto são aqueles nos quais o valor da variável apenas pode mudar em pontos fixos no tempo, enquanto os processos estocásticos de tempo contínuo são aqueles nos quais a mudança pode ocorrer a qualquer momento. Os processos estocásticos também podem ser classificados entre os de variável contínua e os de variável discreta. Em um processo de variável contínua, a variável subjacente pode assumir qualquer valor dentro de uma determinada faixa, enquanto nos processos de variável discreta, apenas determinados valores discretos são possíveis.

Este capítulo desenvolve um processo de variável contínua e tempo contínuo para os preços de ações. Aprender sobre esse processo é o primeiro passo para entender o apreçamento de opções e de outros derivativos mais complexos. É preciso lembrar de que, na prática, não observamos os preços de ações seguindo processos de variável contínua e tempo contínuo. Os preços de ações se restringem a valores discretos (ex.: múltiplos de um centavo) e as mudanças somente podem ser observadas quando a bolsa está aberta para negociações. Ainda assim, o processo de variável contínua e tempo contínuo acaba sendo um modelo útil para diversos objetivos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520436356

20. Cicloturismo: mobilidade, estilo de vida e experiência

Alexandre Panosso Netto, Marilia Gomes dos Reis Ansarah Editora Manole PDF Criptografado

20. Cicloturismo: mobilidade, estilo de vida e experiência

Célia Serrano

Luis Felipe Cesar

Marcio Correa do Prado

INTROD UÇ ÃO

A questão da mobilidade está na ordem do dia, na desordem do dia a dia de quem vive em grandes cidades – e cada vez mais não apenas nelas – e na condição de existência subjetiva nas so­ ciedades contemporâneas. Nesse contexto, as bicicletas têm um papel de destaque, seja nos movimentos reivindicatórios por polí­ ticas públicas e infraestrutura urbana para a circulação e o trans­ porte, seja como instrumento de lazer e/ou veículo de turismo.

Apesar dos riscos e da ocorrência de acidentes, a utilização co­ tidiana da bicicleta é uma prática crescente no Brasil e no mundo.

Uma evidência disso se encontra em uma busca rápida na internet: em qualquer língua que se faça, tal pesquisa indica milhões de pági­ nas ativas relacionadas a bicicletas, ciclismo e cicloturismo e tudo o que isso envolve: venda de produtos, assistência técnica, clubes, as­ sociações e agências de turismo. Indica metodologias variadas para o desenvolvimento de ciclovias, circuitos e mesmo para o próprio redesenho das cidades visando ao melhor uso das bicicletas1.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos