12175 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597015478

12 - Promoções de Vendas na Internet

LADEIRA, Wagner; SANTINI, Fernando Grupo Gen PDF Criptografado

12

PROMOÇÕES DE VENDAS NA

INTERNET

O QUE VEREMOS NESTE CAPÍTULO

�� Demonstrar detalhadamente as promoções no ambiente da internet.

�� Discutir maneiras de se fazer e por que é importante executar de forma planejada e organizada essas ações.

�� Discutir o efeito da pressão do tempo das promoções imediatas realizadas por sites ou plataformas na internet.

�� Explicar por que muitas empresas estão utilizando promoções na internet para coletar dados e informações que dizem respeito aos hábitos de consumo dos clientes.

�� Conceituar ferramentas importantes para a realização de promoções na internet, como: hotsites, aplicativos móveis, totens ou tablets, urnas eletrônicas e displays.

A internet revolucionou o modo como as pessoas passaram a consumir produtos e serviços. Uma das razões disso ocorrer é o fato de dinamizar o processo de busca de informações a respeito de uma oferta. Basta um simples “click” e diversos dados a respeito de produtos ou serviços são disponibilizados em questões de segundos. Nesse sentido, não demorou muito para as campanhas de promoções de vendas serem também exploradas nesse contexto.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547210250

8.3 Livros obrigatórios

Alvísio L. Greco, Lauro R. Arend Editora Saraiva PDF Criptografado

8.3 Livros obrigatórios

As empresas organizadas sob o regime de sociedade por ações, por cotas de responsabilidade limitada, em nome coletivo ou mesmo firma individual, de modo geral, por exigência das legislações mercantil, tributária, trabalhista e previdenciária, são obrigadas a usar e manter uma série de livros específicos. De acordo com as finalidades, podemos dividir os livros em três grupos: fiscais, contábeis e sociais.

Perante as legislações comercial e empresarial, as pessoas jurídicas, tendo em vista os interesses societários e creditícios da empresa, estão obrigadas a manter a escrituração contábil a partir do registro em contas do Razão.

8.3.1. Livros fiscais

Livros fiscais são os exigidos pelos fiscos Federal, Estadual e Municipal, sendo:

• Registro de Entradas de Mercadorias;

• Registro de Saídas de Mercadorias;

• Registro de Impressão de Documentos Fiscais;

• Registro de Inventário;

• Registro de Apuração de IPI;

Ver todos os capítulos
Medium 9788582605172

Capítulo 2. Inovação social

John Bessant, Joe Tidd Grupo A PDF Criptografado

Capítulo

2

Inovação social

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Depois de ler este capítulo, você compreenderá:

●●

●●

●●

●●

o empreendedorismo social e a inovação social; o empreendedorismo social como um processo organizado e disciplinado, em vez de uma intervenção bem-intencionada, porém desfocada; as dificuldades em administrar o que é tanto um processo incerto e de risco quanto uma inovação “convencional” e economicamente motivada; os principais temas necessários para administrar esse processo de forma eficaz.

INOVAÇÃO EM AÇÃO 2.1

Grameen Bank e o desenvolvimento das microfinanças

Um dos maiores problemas das pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza é a dificuldade de acesso a serviços bancários e financeiros. Em consequência, elas são sempre dependentes de agiotas e outras fontes não oficiais, e quase sempre pagam taxas exorbitantes ao tomarem empréstimos. Isso lhes impossibilita poupar e investir, e estabelece uma barreira que as impede de escapar dessa espiral mediante a criação de novos empreendimentos. Ciente desse problema, Muhammad Yunus,

Ver todos os capítulos
Medium 9788547230005

4.6. DÉFICIT PÚBLICO

SAMPAIO, LUIZA Editora Saraiva PDF Criptografado

4

Identidades Macroeconômicas Fundamentais. Estrutura Básica para as Contas...

JJ 4.6. DÉFICIT

137

PÚBLICO

Pela Conta de Capital, pode­‑se determinar o déficit público. Sabendo­‑se que:

Investimento Bruto Total (I) = Poupança Bruta Total (S)

Como:

I = Investimento público (Ipub) + Investimento privado (Ipriv)

S = Poupança privada (Spriv) + Poupança pública (Spub) + Poupança externa (Sext)

Então: Investimento público (Ipub) + Investimento privado (Ipriv) = Poupança privada (Spriv) + Poupança pública (Spub) + Poupança externa (Sext)

Isolando-se o Investimento público (Ipub) e Poupança pública (Spub), tem-se:

Ipub + Ipriv = Spub + Spriv + Sext

Ipub – Spub = Spriv – Ipriv + Sext

Como: Déficit Público (DP) = Ipub – Spub, então:

DP = Spriv – Ipriv + Sext

JJ 4.7. Questões

1. (APO — ESAF — 2002) Considere os seguintes dados, em unidades monetárias num deter‑ minado período de tempo:

— poupança líquida do setor privado: 100

Ver todos os capítulos
Medium 9788520432600

6. Modelo de planejamento de eventos: fase de execução, monitoramento e gestão

Cheryl Mallen Editora Manole PDF Criptografado

6

Modelo de planejamento de eventos: fase de execução, monitoramento e gestão

Lorne J. Adams, Brock University

Este capítulo enfatiza a responsabilidade do gerente de eventos de fazer o plano operacional funcionar no momento mais importante: o evento em si. Embora muita gente conheça detalhes do plano operacional, ninguém o conhece tão bem quanto você. Esse é o motivo pelo qual vão recorrer a você para facilitar o trabalho das pessoas que executam o plano e monitoram as atividades, bem como para gerenciar e dirigir os imprevistos que surgirem.

O modo como você administra tudo isso determina não só o sucesso do evento, mas também o seu sucesso como gerente.

Muito será exigido de você durante o desdobramento do evento: entender o seu papel e a si mesmo é um ponto crítico para o sucesso do evento.

Você não pode ser um observador desapaixonado: estará completamente imerso no evento e em tudo que o envolve. Você também trará o seu conjunto exclusivo de habilidades e capacidades, predisposições e tendências com você – que fazem tanto parte do evento como as pessoas e sistemas que você está tentando controlar.

107

Ver todos os capítulos
Medium 9788522498680

5 Política Brasileira de Exportação

José Lopes Vazquez Grupo Gen PDF Criptografado

5

Política Brasileira de Exportação

D

o ponto de vista da economia nacional, o principal motivo para exportar é obter recursos para pagamento das importações necessárias a sua vida econômica.

O exportador, além de o país obter divisas, absorve tecnologia e alcança maior produtividade.

A exportação é a atividade que proporciona a abertura do país para o mundo. É uma forma de se confrontar com os demais parceiros e, principalmente, frequentar a melhor escola de administração, já que, lidando com diferentes países, o país exportador assimila técnicas e conceitos a que não teria acesso em seu mercado interno.

Para melhorarmos nossa posição no ranking dos países exportadores, nossa política de comércio exterior deve atentar para vários fatores:

• �trabalhar a imagem do Brasil no exterior;

• �ampliar a integração regional, tendo, porém, uma postura de efetiva cooperação;

• �inserir a política de comércio exterior no contexto da política econômica, agrícola, industrial, educacional. Por que não um “Ministério de Comércio Exterior”?;

Ver todos os capítulos
Medium 9788536517001

16.2 Preenchimento do Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho (TRCT)

Mardele Eugênia Teixeira Rezende, Marilene Luzia da Silva Editora Saraiva PDF Criptografado

»»

»»

»»

»»

»»

»»

»»

trato de Trabalho (TQRCT), aprovados pela Portaria MTE nº 1.621/2010, são os documentos exigidos no processo de assistência e homologação das verbas rescisórias (para empregados com mais de um ano de serviço, a homologação da rescisão deve ser feita na

Superintendência Regional do Trabalho e Emprego ou no Sindicato da Categoria). O correto preenchimento dos documentos anteriores é imprescindível para evitar transtornos no processo de saque da conta vinculada do FGTS, quando for o caso; indicar a data da saída na GFIP do FGTS, classificando o motivo do desligamento; aviso prévio da empresa para o empregado ou vice-versa; extrato do FGTS (CEF); atestado médico demissional (NR-7); elaboração do Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) para entrega ao trabalhador desligado; seguro-desemprego; entregar e colher assinatura do empregado (parte destacável); sindicância, inquérito em caso de falta grave.

16.2 �Preenchimento do Termo de Rescisão do

Ver todos os capítulos
Medium 9788536508955

4.6 Considerações sobre a implantação do planejamento estratégico

Nádia dos Santos, Sanmya Feitosa Tajra Editora Saraiva PDF Criptografado

4.6 �Considerações sobre a implantação do planejamento estratégico

Vale ressaltar que a implantação de um planejamento estratégico deve ter como premissas as seguintes questões:

»»

A alta direção deve estar envolvida e disposta à implementação de um instrumento formal de controle de ações da organização, ou seja, as próprias ações da alta direção também serão controladas e avaliadas, visando verificar se o andamento de suas atividades está adequado ou não, conforme o previsto.

»»

O planejamento estratégico serve como instrumento de avaliação vertical, de cima para baixo e de baixo para cima, além dos níveis horizontais de uma hierarquia, que também serão avaliados. O compromisso de todos passa a ser exposto e todos avaliam todos.

»»

Apesar de o planejamento definir as ações a médio e longo prazos, esse instrumento deve ser flexível, adaptando-se aos novos acontecimentos internos e externos à organização.

»»

A elaboração de um planejamento estratégico deve ter a participação de todos aqueles que possuem níveis de comando, considerando sempre o tamanho da organização. Deve-se evitar a implantação de um planejamento de forma autoritária, pois dificilmente consegue-se o apoio necessário para uma adequada obtenção de resultados. Também vale dizer que a ferramenta em si do planejamento estratégico é um instrumento inerente a uma administração participativa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522484645

Parte I – 3 Gestão Financeira de Estoques e Logística

Alberto Borges Matias Grupo Gen PDF Criptografado

3

Gestão Financeira de Estoques e Logística

Objetivos do capítulo

• Apresentar a importância da gestão de estoques para o capital de giro.

• Mostrar as principais questões envolvidas na gestão de estoques.

• Apresentar modelos que auxiliam na gestão de estoques.

• Mostrar como a logística e a gestão da cadeia de suprimentos podem contribuir para a gestão do capital de giro.

3.1 Introdução

Como visto, a gestão do capital de giro aborda os elementos de giro da empresa, que são representados pelo ativo e passivo circulantes. A gestão do ativo circu-

lante compreende o gerenciamento de caixa, de crédito e de estoque. Estabelecer um nível adequado de estoque

é importante para a gestão do capital de giro, uma vez que o estoque implica em custos e riscos para a empresa e, dessa forma, influencia a rentabilidade do negócio.

Maior volume de estoque frequentemente implica em maior necessidade de capital de giro. Por outro lado, volume ínfimo de estoque pode prejudicar o atingimento de metas de vendas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565837866

Capítulo 12

Rogério Garcia Bañolas Grupo A PDF Criptografado

30

RO G É R I O G A R C I A B AÑ O L A S

Depois de mais um tempo debatendo, o grupo chegou a um consenso: tempo longo para entregar os livros ao cliente. Esse era exatamente o problema que Jorge queria que fosse tratado. Na verdade, essa escolha havia sido conduzida por Ricardo, que sabia que o grupo sempre percebe manipulações. E manipulações são entendidas como engodo pelo grupo. Pessoas que se sentem enganadas não se engajam. Teria de deixar o grupo escolher um problema mais incômodo e ligado às pessoas se quisesse que a motivação e o aprendizado fossem genuínos.

Ricardo sabia que os defeitos, o retrabalho e a demora na definição das características do livro aumentavam o tempo de entrega, que por sua vez gerava uma série de incômodos para todos.

12

O grupo estava diante de uma questão importante: a ligação dos problemas da gráfica com os efeitos indesejáveis. A conexão emocional com o problema é crucial para o interesse, participação do grupo na solução.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580550962

Capítulo 8 - A mão invisível em ação

Robert H. Frank, Ben S. Bernanke Grupo A PDF Criptografado

C A PÍ T U L O 8

A M ÃO INVISÍVEL

E M AÇ ÃO

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Após ler este capítulo, você conseguirá:

1. Definir e explicar as diferenças entre lucro contábil e lucro econômico.

2. Mostrar como o lucro econômico e a perda econômica afetam a alocação de recursos nas indústrias.

3. Explicar a diferença entre lucro econômico e renda econômica.

4. Utilizar a teoria da mão invisível para analisar eventos no dia a dia.

5. Entender e explicar a relação entre o equilíbrio de mercado e o ótimo social.

N

o início da década de 1970, o mercado de culinária étnica em Ithaca, Nova

York, oferecia poucas opções: a cidade tinha um restaurante japonês, dois gregos, quatro italianos e três chineses. Mas agora, mais de 30 anos depois, e essencialmente com a mesma população, Ithaca tem um restaurante cingalês, dois indianos, um francês, um espanhol, seis tailandeses, dois coreanos, dois vietnamitas, quatro mexicanos, três gregos, sete italianos, dois caribenhos, dois japoneses e nove chineses. Em outros mercados da cidade, porém, o leque de escolhas disponíveis diminuiu. Por exemplo, diversas empresas ofereciam serviços de atendimento por telefone em 1972, mas somente uma presta esse serviço hoje.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597015317

Capítulo 7 - Custos

GOOLSBEE, Austan; LEVITT, Steven; SYVERSON, Chad Grupo Gen PDF Criptografado

C A P Í T U L O

7

Custos

7.1 Custos que importam para a tomada de decisão: custos de oportunidade

7.2 Custos que não importam para a tomada de decisão: custos irrecuperáveis

(ou custos afundados)

7.3 Custos e curvas de custo

7.4 Custo médio e custo marginal

7.5 Curvas de custo de curto prazo e de longo prazo

7.6 Economias no processo de produção

7.7 Conclusão

goolsbee_MIOLO_p3.indd 259

A Ryanair é uma das companhias aéreas de maior porte e com mais rápido crescimento no mundo. Começou a voar em 1985 e, depois de um período conturbado com problemas financeiros em 1990, encontrou sua chave para o sucesso construindo uma estrutura de custos tão baixa que seus clientes europeus, acostumados a companhias aéreas nacionais caras e deselegantes, começaram a voar com a Ryanair por todo o continente. O tráfego aéreo total de passageiros da Ryanair cresceu em um fator de

22 entre 1997, quando inaugurou rotas fora da Irlanda e do Reino Unido, e 2013. Nos cinco anos de 2008 a 2013 somente, o número de passageiros que a Ryanair conduziu cresceu em 23 milhões. Colocado em perspectiva, esse número adicional de passageiros equivale a cerca de um terço de todo o tráfego de companhias aéreas em 2013 no congestionado aeroporto de Heathrow, em Londres.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551884

Apêndice

Gordon M. Wardlaw, Anne M. Smith Grupo A PDF Criptografado

APÊNDICE A Soluções dos estudos de casos

SOLUÇÕES DOS ESTUDOS DE CASOS

Capítulo 1: Hábitos alimentares na faculdade

1. O aspecto mais positivo da dieta de Andy é que ela contém boas fontes de proteína animal, ricas também em zinco e ferro. Alternar o hambúrguer e batatas fritas com pizza ou tacos é uma boa escolha.

2.a. No entanto, a dieta de Andy tem poucos derivados lácteos, frutas e legumes.

A consequência disso é uma baixa ingestão de cálcio, de várias vitaminas e de substâncias fitoquímicas (derivadas de plantas), conforme discutido no Capítulo 1. Sua dieta também tem pouca fibra, porque os restaurantes que servem fast food usam basicamente produtos à base de cereais refinados e não integrais, e há poucas opções de frutas e legumes no cardápio. A maioria das bebidas

é refrigerante cheio de açúcar. Muitos itens oferecidos, especialmente batatas fritas e nuggets de frango, são bastante gordurosos.

2.b. A maioria das porções grandes ou gigantes é de alimentos ricos em gorduras

Ver todos os capítulos
Medium 9788547220846

9.6 Destinações do Lucro Líquido do Exercício

Osni Moura Ribeiro Editora Saraiva PDF Criptografado

por ações ficaram obrigadas a dar destinação total ao lucro líquido apurado no final de cada exercício social.

ATIVIDADES TEÓRICAS 3

1.

Responda:

1.1 O que são participações?

1.2 O que são debêntures?

1.3 O que são partes beneficiárias?

1.4 Segundo estabelece o art. 191o da Lei n. 6.404/1976, o que é lucro líquido do exercício?

1.5 Ajude o contador Mário Celso a compensar o prejuízo. Ao apurar o resultado do exercício de uma das empresas de sua clientela, o contador Mário Celso percebeu que o mesmo correspondeu a prejuízo de $ 30.000. Considerando que no Patrimônio Líquido constavam as contas Capital, $ 60.000; Reserva Legal, $ 5.000 e Reserva para Investimentos,

$ 28.000. Faça o lançamento contábil relativo à compensação.

2.

Classifique as afirmativas em falsas (F) ou verdadeiras (V):

2.1 ( ) �A base de cálculo das participações é o resultado do exercício, antes das deduções da CSLL e do IR.

2.2 ( ) �A base de cálculo das participações é o resultado do exercício após a dedução do

Ver todos os capítulos
Medium 9788597017106

21 - Auditoria dos Passivos

ATTIE, William Grupo Gen PDF Criptografado

21

Auditoria dos Passivos

21.1 OBJETIVO DE AUDITORIA

A auditoria dos passivos tem a finalidade de: a) b) c) d)

determinar se são pertencentes à empresa; determinar se foram utilizados os princípios e as práticas usuais de contabilidade; determinar a existência de ativos dados em garantia ou vinculações aos passivos; e determinar se estão corretamente classificados no balanço patrimonial e se as divulgações cabíveis foram expostas por notas explicativas.

21.2 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE CONTABILIDADE

21.2.1 Provisões, passivos contingentes e ativos contingentes

A Resolução CFC no 1.180/09 foi atualizada pela NBC TG 25 (R1), que aprova Provisões,

Passivos Contingentes e Ativos Contingentes

I – Objetivo

O objetivo desta Norma é estabelecer que sejam aplicados critérios de reconhecimento e bases de mensuração apropriados a provisões e a passivos e ativos contingentes e que seja divulgada informação suficiente nas notas explicativas para permitir que os usuários entendam a sua natureza, oportunidade e valor.

Ver todos os capítulos

Carregar mais