7845 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788597019278

ANEXO 2 - Templates para sonhos e metas

MARION, Arnaldo Grupo Gen PDF Criptografado

ANEXO 2

TEMPLATES PARA

SONHOS E METAS

1. CONECTOR DE PROSPERIDADE E PROPÓSITO

2. CINCO NÍVEIS PARA O SEU SONHO FINANCEIRO

marion_MIOLO.indd 165

09/11/2018 15:19

Coaching financeiro | Marion

1. Conector de prosperidade e propósito

Pense e responda. Como a prosperidade se conecta, aproxima, viabiliza, impulsiona, acelera, facilita, enriquece, amplia, engrandece:

Minha missão/chamado…

Minha paixão/vocação…

Minha visão de futuro…

As pessoas que eu amo…

Meu projeto de vida…

Minha humanidade….

Minha vida…

O mundo…

Outros…

2. Cinco níveis para o seu sonho financeiro

NÍVEL 1 – SEGURANÇA FINANCEIRA

••

••

••

••

Faça o cálculo do montante necessário (Cifra de Riqueza) para cobrir os custos mensais de sua segurança financeira:

Tenha em mãos o seu levantamento de gastos mensais (Quadro 2.2a).

Com esses números, preencha o Quadro 3.2a e determine o quanto você precisa por mês para estar financeiramente seguro, estimando suas seis despesas básicas mensais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424070

Capítulo 1 - Breve Histórico dos Cruzeiros Marítimos

Ricardo Costa Neves do Amaral Manole PDF Criptografado

Capítulo 1

DOS

BREVE HISTÓRICO

CRUZEIROS MARÍTIMOS

Uma pequena visita às origens dessa fenomenal indústria do turismo talvez elucide muito de seu histórico e esboce um pouco daquilo que está por vir.

De modo geral, existe um grande desconhecimento do tema por parte do trade turístico e do corpo acadêmico de turismo e hotelaria. Na retrospectiva histórica, a primeira imagem é a dos antigos transatlânticos de luxo, que basicamente executavam o transporte de imigrantes em navios cargueiros adaptados ou ainda na forma mista de carga e transporte.

Diferenças de classe segregavam, de maneira gritante, os indivíduos de menor poder aquisitivo dos abastados passageiros da primeira classe, que viajavam com séquito próprio de serviçais e com bagagem imensa e desproporcional.

Essa imagem clássica foi alterada pelo surgimento do avião a jato, que passou a transportar de forma mais rápida e relativamente segura.

De modo similar ao descrito por Levitt (1960) em seu célebre texto

Ver todos os capítulos
Medium 9788536326474

8. Transferência de treinamento e impacto do treinamento em profundidade

da Silva Abbad, Gardênia Grupo A PDF Criptografado

8

Transferência de treinamento e impacto do treinamento em profundidade

Thaís Zerbini

Francisco Antonio Coelho Junior

Gardênia da silva Abbad

Luciana Mourão

Silvana Alvim

Elisabeth Loiola

A o final deste cap í t u lo, v o c ê dever á :

ü Discutir a importância da mensuração da transferência de treinamento em programas de TD&E e de

qualificação profissional.

Distinguir os conceitos de transferência de treinamento e de impacto, em profundidade e amplitude, do treinamento no trabalho.

Relatar o processo de construção e validação de instrumentos de impacto em profundidade e de transferência de treinamento.

Descrever procedimentos de aplicação de instrumentos de impacto em profundidade e de transfe‑ rência de treinamento em contextos de organizações e trabalho.

Analisar resultados provenientes da aplicação de instrumentos de impacto em profundidade e de transferência de treinamento.

ü

ü

ü

ü

Introdução

As organizações investem cada vez mais recursos em ações formais de Treinamento,

Desenvolvimento e Educação (TD&E) com a intenção de que os participantes, geralmente seus próprios empregados ou funcionários, aprendam e transfiram novos conhecimentos, habilidades e atitudes (CHAs) para o ambiente de trabalho. As organizações esperam, desse modo, que essas ações, daqui para a frente denominadas de “treinamentos” para facilitar a definição e utilização de termos neste capítulo, sejam capazes de produzir efeitos positivos sobre o desempenho posterior do egresso. Este capítulo

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018363

CAPÍTULO 10 – PROCESSOS FINANCEIROS

CRUZ, Tadeu Grupo Gen PDF Criptografado

C A P Í T UL O 10

10

PROCESSOS

FINANCEIROS

NOÇÕES DE CONTABILIDADE

De acordo com pesquisas arqueológicas, a contabilidade surgiu durante a pré-história, mais precisamente no período mesolítico, quando a humanidade começou a usar registros em fichas de barro que continham, por exemplo, símbolos de animais, materiais têxteis, recipientes, metais, entre outros, por meios de sinais pictográficos.

A palavra contabilidade deriva do latim, computare, que significa contar, computar, calcular.

A contabilidade é um instrumento que auxilia a tomada de decisão, pois sua dinâmica capta, registra, planeja, acompanha, resume, analisa, interpreta e controla todas as situações que afetam o patrimônio de vários grupos, conforme listado a seguir.

■■

■■

■■

■■

■■

Pessoas físicas: utilizam a contabilidade para controlar seus patrimônios e as finanças pessoais.

Governo: faz uso das informações contábeis para tributar e cobrar impostos, taxas e contribuições das pessoas físicas e jurídicas, bem como para projetar cenários econômicos por meio da coleta e geração de dados estatísticos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551044

19. Panorama da macroeconomia

Samuelson, Paul Grupo A PDF Criptografado

capítulo

19

panorama da macroeconomia

O propósito global da economia é a produção de bens ou serviços para consumo no presente ou no futuro. Penso que o ônus da prova tem de recair sempre sobre aqueles que produzem menos em vez de mais, sobre aqueles que deixam homens, máquinas ou terra desocupados e que podiam ser usados. É impressionante como podem ser encontradas tantas razões para justificar esses desperdícios: receio de inflação, déficits da balança de pagamentos, orçamentos desequilibrados, dívida externa excessiva, perda de confiança no dólar.

James Tobin

National Economic Policy

Existe uma grande oferta de empregos ou estes são di­ fíceis de encontrar? Os salários reais e os padrões de vida estão crescendo rapidamente ou os consumidores estão lutando para sobreviver quando a inflação reduz o salário real? Está ocorrendo um período de exube­ rância financeira com os preços das ações subindo rapi­ damente? Ou o banco central está utilizando a política monetária para combater os efeitos da queda dos pre­

Ver todos os capítulos
Medium 9788597017236

9 - Receitas Financeiras

ANDRADE FILHO, Edmar Oliveira Grupo Gen PDF Criptografado

9

9.1

RECEITAS FINANCEIRAS

IMPUTAÇÃO AOS RESULTADOS

Receitas financeiras são aquelas que derivam da remuneração do capital empregado na aquisição de títulos de renda, públicos ou privados, ou para concessão de crédito sob a forma de empréstimos. De acordo com o art. 373 do RIR/99, o valor correspondente aos juros, o desconto, o lucro na operação de reporte e os rendimentos de aplicações financeiras de renda fixa, ganhos pelo contribuinte, serão incluídos no lucro operacional e, quando derivados de operações ou títulos com vencimento posterior ao encerramento do período de apuração, poderão ser rateados pelos períodos a que competirem. A regra compreende, também, os juros sobre o capital social, pago ou creditado por empresa na qual o contribuinte for sócio ou acionista. Juro, segundo a definição que se encontra no Parecer Normativo CST no 11/84, é o preço do crédito, o rendimento certo do capital empregado; corresponde a qualquer modalidade de compensação pelo uso ou detenção de capital alheio.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597016086

31 - Desafios e perspectivas da Administração Pública contemporânea

MATIAS-PEREIRA, José Grupo Gen PDF Criptografado

31

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CONTEMPORÂNEA

“Desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que satisfaz às necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades.”

Our Common Future, ONU, Comissão Brundtland, 1987

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Observa-se que o sistema capitalista se encontra em processo de transformação, notadamente nos campos da globalização, de abertura comercial, conflitos bélicos e religiosos, aumento do terrorismo e intensificação dos fluxos migratórios para os países desenvolvidos. Essas profundas mudanças estão contribuindo para o surgimento de líderes políticos com perfis populistas e discursos protecionistas, contrários à globalização, ao livre comércio, ao meio ambiente e à migração.1 Essas alterações, que estão ocorrendo num ambiente cada vez mais complexo e repleto de desafios – com destaque para as guerras, conflitos religiosos, migração, terro-

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018356

12 - Implantação do Sistema MRP II

CORRÊA, Henrique Luiz; GIANESI, Irineu Gustavo Nogueira; CAON, Mauro Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO

12

Implantação do

Sistema MRP II

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Ao final deste capítulo, o leitor deverá ser capaz de:

■■ Entender o que significa implantação de um sistema

MRP II.

■■ Identificar as fases do processo de implantação.

■■ Detalhar os pressupostos para uma implantação bem-sucedida.

■■ Descrever a estruturação de uma equipe de implantação de sistema MRP II.

■■ Compreender as macroatividades necessárias para a gestão do projeto de implantação de um sistema

MRP II.

12.1 INTRODUÇÃO

A implantação de um sistema MRP II numa empresa é frequentemente confundida com um simples processo de instalação de um novo software. Esse equívoco encontra justificativas em vários aspectos:

CORREA-GIANESI-CAON.indb 421

14/09/2018 17:12:07

422  |  PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

■■

■■

■■

■■

n

Corrêa – Gianesi – Caon

parte preponderante do processo será a escolha e instalação de um aplicativo desenvolvido por uma fornecedora de software (como SAP ou Oracle); os maiores gastos em investimento tangíveis dar-se-ão na aquisição e instalação de um software (e possível necessidade adicional de hardware); o “produto“ material, que geralmente a empresa recebe do fornecedor do sistema

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018318

2 - Conhecimentos Técnicos

BARBOSA FILHO, Antonio Nunes Grupo Gen PDF Criptografado

2

Conhecimentos

Técnicos

••

Ergonomia: considerações iniciais

O que é ergonomia? É o termo designativo da aplicação multidisciplinar de conhecimentos que trata de uma série de cuidados que envolve o homem e as particularidades inerentes a cada tarefa que realiza na condição de trabalho, observadas as características e limitações individuais. Para tanto, esse trabalho deve ser entendido em sua forma mais ampla, não apenas relacionado ao esforço físico, mas em todas as suas dimensões. Só assim serão plenamente atingidos os objetivos de potencializar os resultados desse trabalho e de minimizar os esforços, o desgaste e os possíveis danos à integridade da saúde humana provenientes dessa condição.

Ainda pouco conhecida do público em geral, a ergonomia vem assumindo papel de destaque crescente na concepção de modernos ambientes de trabalho, que envolvem a relação do homem com as diversas tecnologias presentes nesses ambientes e as necessidades de qualidade, de produtividade e de redução de custos inerentes à produção.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521606338

Capítulo 10 - Uma Transição Política Complicada

CARNEIRO, Dionisio Dias; WU, Thomas Grupo Gen PDF Criptografado

C a p í t u l o

1 0

Uma Transição Política Complicada

Carneiro e Wu 0010 rev2.indd 173

5/13/11 11:26 AM

Carneiro e Wu 0010 rev2.indd 174

5/13/11 11:26 AM

O

clima pré-eleitoral de 2002 testou a resistência do regime de política macroeconômica adotado a partir de 1999. Quando, em abril, o Banco Central do Brasil resolveu interromper a queda dos juros, por a taxa de inflação esperada para o final do ano estar ainda muito acima da meta e a taxa de desemprego ter crescido ao longo de todo o primeiro trimestre, o efeito foi o fim da paciência dos políticos governistas, que viam nessa atitude do Banco Central um convite à crítica oposicionista, em pleno clima pré-eleitoral. A política macroeconômica, que era vista como um impedimento a uma retomada forte do crescimento, passou a ocupar o centro dos debates eleitorais. Se adicionarmos, a esta insatisfação, a falta de confiança da maioria dos empresários e dos economistas no regime de câmbio flexível e na abertura financeira, poderemos entender por que os pilares macroeconômicos da estabilização sofreram o ataque de todos os candidatos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522497836

14 Indicadores Quantitativos e Qualitativos

FERRONATO, Airto João Grupo Gen PDF Criptografado

14

Indicadores

Quantitativos e Qualitativos

O

capítulo apresentará dois grandes eixos. O primeiro estará representado por três seções e tratará dos indicadores quantitativos financeiros: geração de caixa, geração de lucros e geração de retorno. O segundo eixo, representado por igual número de seções, fará uma reflexão sobre os indicadores qualitativos não financeiros: valores sociais, valores éticos e valores empresariais.

14.1 Geração de caixa

Atualmente, em especial para as pequenas empresas, o enfoque das disponibilidades medidas em termos de liquidez e capital de giro vem sendo progressivamente ampliado.

O monitoramento do fluxo de caixa encontra-se no coração da administração do capital de giro. Dinheiro está sendo constantemente bombeado através da empresa saudável.1 Também explicamos que um fluxo adequado de caixa permite à pequena empresa assumir alguns tropeços inesperados sem hesitação.

Visto pelo mesmo ângulo, a geração de caixa está diretamente associada à quantidade de dinheiro que ela consegue gerar com suas operações, à quanti-

Ver todos os capítulos
Medium 9788597014334

4 - Suspensão e interrupção do contrato de trabalho: Faltas Licenças Férias

GARCIA, Roni Genicolo Grupo Gen PDF Criptografado

4

Suspensão e interrupção do contrato de trabalho:

Faltas. Licenças. Férias

4 .1  �

S u s p e n são e i n t e r r up ção

O empregado poderá ficar com o contrato suspenso ou interrompido, assegurando-se as vantagens da categoria por ocasião de sua volta ao trabalho (CLT, art. 471).

O afastamento do empregado por exigências do serviço militar ou outro encargo público não constituirá motivo para a alteração ou extinção (dissolução do vínculo) do contrato de trabalho por parte do empregador, desde que este seja notificado pelo empregado, no prazo de 30 dias (após a cessação do motivo de afastamento), de seu interesse no retorno ao serviço (CLT, art. 472, caput e § 1º).

4 .2  �

S u s p e n são do c o nt r ato d e t r aba lh o

Embora permaneça intacta a cláusula de vínculo entre empregado e empregador

(não há rescisão contratual), as demais cláusulas contratuais cessam de viger totalmente na suspensão do contrato de trabalho.

Durante a causa suspensiva, o trabalho não é prestado nem é devido o salário. O período da suspensão do contrato de trabalho não é computado como tempo de serviço.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308146

Capítulo Quatro. A teoria do comportamento individual

Michael R. Baye Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO QUATRO

A teoria do comportamento individual

Manchete

Objetivos didáticos

Ao final deste capítulo, você poderá:

Empresa de embalagens utiliza pagamento de horas extras para amenizar o efeito de diminuição no número de trabalhadores

• Responder à manchete.

A Boxes Ltd. produz recipientes de papel ondulado em uma pequena fábrica em Sunrise Beach,

Texas. Sunrise Beach é uma comunidade de aposentados com uma população idosa, e ao longo da última década o número de habitantes economicamente ativos diminuiu. No meio da década de 2000, essa redução comprometeu a necessidade da Boxes Ltd. de contratar trabalhadores para atender a sua demanda crescente e suas metas de produção. Isso apesar do fato de pagar $10 por hora – praticamente 30% mais do que a média local – a seus trabalhadores.

No último ano, a Boxes Ltd. contratou um novo gerente que instituiu um plano de pagamento de horas extras na empresa. Pelo novo plano, os trabalhadores recebem $10 por hora pelas primeiras oito horas trabalhadas a cada dia, e $15 para cada hora trabalhada além das oito horas em um dia. Esse plano resolveu o problema da organização, dado que os níveis de produção e lucro cresceram 20% este ano.

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103113

Capítulo 10 - Ética e Responsabilidade Social

LANGRAFE, Taiguara Editora Empreende PDF Criptografado

Capítulo 10

Ética e

Responsabilidade

Social

ADM_.indb 107

03/08/2018 17:15:09

| 108 |  

ADMINISTRAÇÃO

10. �Ética e

Responsabilidade

Social

ADM_.indb 108

03/08/2018 17:15:09

• Conceituar a ética e sua abrangência nas organizações.

• Conceituar a responsabilidade social das organizações.

Ouça a síntese deste capítulo em menos de 5 minutos.

Professor, acesse www.empreende.com.br para obter material complementar com sugestões de atividades e suas aplicações.

1. Ética

Os constantes escândalos de corrupção, níveis de violência assustadores e tantos outros desvios de comportamento envolvendo agentes públicos, privados e cidadãos de todo tipo e origem evidenciam uma grave crise de valores em nossa sociedade. Essa crise é caracterizada pelo desrespeito

às leis e regras sociais, e tem origem na dificuldade de os indivíduos internalizarem normas morais, valores e padrões de conduta éticos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597003901

7 - O PAPEL DE EDUCADOR CORPORATIVO

GIL, Antonio Carlos Grupo Gen PDF Criptografado

7

O Papel de Educador

Corporativo

Objetivos

Após estudar cuidadosamente este capítulo, você será capaz de:

•• reconhecer a emergência do papel de educador corporativo;

•• distinguir as etapas do desenvolvimento histórico da educação corporativa;

•• caracterizar os desafios atuais da educação corporativa;

•• descrever os procedimentos utilizados no diagnóstico de necessidades de treinamento;

•• reconhecer fatores capazes de provocar desempenhos deficientes no trabalho;

•• identificar os componentes dos planos e projetos de treinamento;

•• redigir objetivos de treinamento;

•• reconhecer características dos conteúdos adequados;

•• identificar fatores que contribuem para facilitar ou dificultar a aprendizagem;

•• decidir acerca da aplicabilidade das estratégias de treinamento;

•• identificar recursos auxiliares do treinamento;

•• distinguir procedimentos para avaliação de reação, aprendizagem, comportamento no cargo e produto final.

Ver todos os capítulos

Carregar mais