160 capítulos
Medium 9788520429501

1. Turismo e desenvolvimento no espaço rural: abordagens conceituais e tipologias

Eurico de Oliveira Santos Editora Manole PDF Criptografado

1

Turismo

e desenvolvimento

no espaço rural: abordagens conceituais e tipologias

Olga Tulik

Introdução

Vários fatores contribuíram para o desenvolvimento do turismo no espaço rural. A maioria das experiências teve início em áreas economicamente deprimidas ou estagnadas que passaram por crises agrárias. Em alguns casos, a redução do fluxo do turismo internacional, determinado por causas circunstanciais que escapam ao objetivo deste capítulo, contribuiu para incentivar o turismo doméstico e a sobrecarga do litoral estimulou a procura por regiões do interior. Em alguns países da Europa, existem programas específicos para fomentar o desenvolvimento de áreas rurais economicamente deprimidas, nas quais se pratica o turismo.

No Brasil, depoimentos, relatos e pesquisas acadêmicas registram experiências de turismo rural em algumas localidades, anteriores à década de

1980, embora essa atividade não fosse ainda conhecida com esse rótulo.

Oliveira (2001) e Ishiy (2002) mostraram que hospedar turistas era prática comum em algumas fazendas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429501

12. Implantação e estruturação de empreendimentos de turismo no espaço rural: roteiro para elaboração de projetos

Eurico de Oliveira Santos Editora Manole PDF Criptografado

12

Implantação

e estruturação

de empreendimentos de turismo no espaço rural: roteiro para elaboração de projetos

Fábio Morais Hosken

Este capítulo objetiva ser um instrumento de orientação para a elaboração de projetos de empreendimentos de turismo rural. Irá auxiliar os consultores e profissionais nessa tarefa complexa que é formatar um documento que relate, da forma mais fiel, técnica e clara possível, um empreendimento turístico rural e/ou ecológico.

Nas disciplinas de planejamento turístico dos cursos de Turismo, será uma ferramenta à disposição, que pretende ser objetiva e prática, como um guia de elaboração, contendo o passo a passo para fazer um projeto completo.

As chances de o negócio dar certo são bem maiores quando se parte de um bom projeto, que procure definir tudo o que deve ser adaptado, construído, treinado, preparado, bem como os recursos necessários desde o início. Os riscos serão identificados, os pontos fortes, maximizados e reforçados, e os pontos fracos, corrigidos, eliminados ou transformados.

Para executar um trabalho desses, o profissional deverá ter conhecimentos sobre turismo, agropecuária e meio ambiente. A percepção sistêmica da propriedade é fundamental, ou seja, é preciso vê-la como um

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431993

23. Associativismo e cooperativismo como arranjos socioprodutivos de base comunitária – incubadora social

Mario Carlos Beni Editora Manole PDF Criptografado

23

Associativismo e cooperativismo como arranjos socioprodutivos de base comunitária – incubadora social

C A R L O S A L B E R T O C I O C E S A M PA I O

D A R I O L U I Z D I A S PA I X Ã O

Introdução

O associativismo, bem como sua derivação, o cooperativismo, mais do que ti‑ pologias organizacionais, podem ser compreendidos como modos coletivos de to‑ mada de decisão. Mesmo porque, caso não contenham componente ideológico, ou então uma racionalidade comunitária inspiradora, os grupos produtivos ficam fra‑ gilizados diante da lógica do mercado, isto é, a perspectiva instrumental acaba so‑ brepondo a substantiva, em vez de complementá‑la.

Não se quer dicotomizar entre economia de mercado e solidária, contudo, co‑ nhece‑se suas distinções, sem, no entanto, uma negar a outra. Tem‑se como pressu‑ posto que lógicas diferentes são possíveis de convivência, no entanto se opõem às hegemonias. Adota‑se, então, a ecossocioeconomia1 por entender que se deve atua­ lizar o debate quanto aos riscos do aquecimento global, avançando para as assime‑ trias que se apontam na economia solidária entre classes sociais (detentora ou não dos meios produtivos, como sugere o cooperativismo ideológico), mas também pa‑ ra as assimetrias entre modos de vidas tradicionais (bem como seus saberes) e ur‑ banos e, ainda, entre homem e natureza.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424971

4. Desenvolvimento Turístico e Sustentabilidade Ambiental

Arlindo Philippi Jr Editora Manole PDF Criptografado

Desenvolvimento

Turístico e

Sustentabilidade

Ambiental

4

Helena Ribeiro

Geógrafa, Faculdade de Saúde Pública da USP

Beatriz Veroneze Stigliano

Bacharel em Turismo, UFSCar

INTRODUÇÃO

Recentemente, o turismo vem recebendo espaço privilegiado na imprensa escrita, não nas páginas tradicionalmente dedicadas a amenidades, como Suplemento Turístico, Caderno de Viagens etc., mas dentro do Caderno de Economia de importantes periódicos do país. Também a comunidade acadêmica tem se debruçado sobre o tema que, até há pouco tempo, era visto por ela com um pouco de distanciamento. A criação do curso universitário de Turismo em universidades de renome é resultado do maior espaço que o turismo vem conquistando na academia, em análise crítica e aprofundada, sob olhar objetivo e por meio de métodos científicos.

Por trás dessa atenção da academia está o fato de que a atividade turística vem crescendo de modo bastante acelerado em todo o mundo, e no Brasil em particular.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424971

36. Sustentabilidade como Estratégia de Desenvolvimento: Ilha de Porto Belo, SC

Arlindo Philippi Jr Editora Manole PDF Criptografado

Sustentabilidade como Estratégia de

Desenvolvimento:

36

Ilha de Porto Belo, SC

Doris van de Meene Ruschmann

Bacharel em Turismo, Escola de Comunicações e Artes da USP e Univali

Rafaela Gonçalves Rosa

Bacharel em Turismo e Hotelaria, Empreendimento Ilha de Porto Belo

Priscilla Jacqueline Zimmermann Weidgenant

Bacharel em Turismo e Hotelaria, Univali

INTRODUÇÃO

Turismo é um fenômeno social, cultural e econômico que se constitui no deslocamento temporário de indivíduos ou grupos de pessoas, que, por motivos fundamentais de recreação, descanso, cultura, religião, saúde ou negócios, saem do seu local de residência habitual para outro, a fim de desenvolver atividades diferentes das rotineiras, gerando múltiplas interrelações de importância social, econômica e cultural.

O turismo contemporâneo é um grande “consumidor” da natureza e sua evolução, nas últimas décadas, ocorreu como conseqüência da “busca do verde” e da “fuga” dos tumultos dos grandes conglomerados urbanos por pessoas que tentam recuperar o equilíbrio psicofísico em contato com ambientes naturais, durante o seu tempo de lazer. Por isso, constitui um produto consolidado no mercado que encontra no ecoturismo um dos seus nichos mais significativos.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos