172 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788520424971

39. Turismo Religioso e Sustentabilidade

Arlindo Philippi Jr Editora Manole PDF Criptografado

Turismo Religioso e

Sustentabilidade

39

João Edson Fagundes

Filósofo, Fundação Itajaiense de Turismo

INTRODUÇÃO

Diferentemente de outros segmentos, o turismo dito religioso vem crescendo intensamente em todo o mundo e adquirindo características de mercado, sem perder seu lado místico, principalmente quando as diversas peregrinações aos lugares santos da Europa, da Ásia e do Oriente Médio são integradas a um pacote turístico organizado por operadoras. Pode-se afirmar que a visitação a diversos templos, mesquitas e santuários não sofre o problema da sazonalidade, tampouco dos períodos promocionais. A religião torna-se produto turístico e é oferecida a milhares de pessoas em todo o mundo, independentemente de suas motivações estarem ligadas à fé ou ao lazer.

Ainda, a busca pelo sagrado, pelo alento e por milagres, manifestada nas peregrinações e romarias, por meio de muitas celebrações, atos penitenciais e pela devoção, continua bem enraizada em milhares de pessoas, principalmente as de baixa renda, que lotam igrejas e santuários por todo o mundo, independentemente da oferta turística e da infra-estrutura existentes. Pode-se acrescentar a visitação a locais onde a natureza torna-se um verdadeiro “santuário” que inspira reflexão, meditação, levando o indivíduo a estabelecer um contato com o sobrenatural e com a prática de sessões esotéricas, como o movimento new age, em que também a experiência é essencialmente religiosa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429372

1. Educação para uma práxis solidária e um envelhecimento ativo

RUSCHMANN, Doris van de Meene; SOLHA, Karina Toledo Editora Manole PDF Criptografado

1 Educação para uma práxis solidária e um envelhecimento ativo

Kátia Simone Ploner

Introdução

A educação para pessoas de mais idade pode ter vários objetivos: ocupa‑

ção do tempo livre, suprimento de carências educacionais ou educação para transformação, tanto dos que desejam um envelhecimento saudável, quan‑ to da sociedade. Uma possibilidade real de transformação de idosos e so‑ ciedade se dá quando acontece a atuação voluntária, pois nessa interação há trocas de informações, valores, serviços, sentimentos, reconhecimentos que promovem uma nova perspectiva sobre o que é envelhecer.

A transformação nunca se realiza apenas em um sentido, de acordo com a Psicologia Social Crítica, pois o indivíduo é transformado pela so‑ ciedade e promove uma transformação por meio desse envolvimento. Para

Guareschi (2004), relação significa mutualidade, uma via de mão dupla.

Assim, os idosos e a sociedade estão sendo transformados pelo processo educacional.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429501

19. Turismo e suas interações nas transformações do espaço rural

SANTOS, Eurico de Oliveira; SOUZA, Marcelino de Editora Manole PDF Criptografado

19

Turismo

e suas interações nas

transformações do espaço rural

Christian Eduardo Henríquez Zuñiga

Talita Cristina Zechner

Carlos Alberto Cioce Sampaio

Valdinho Pellin

Introdução1

As discussões relacionadas à apropriação da natureza e as significativas transformações do espaço rural têm ganhado espaço nos últimos tempos. Nesse sentido, este capítulo visa mostrar como tais interfaces são construídas. Muitas vezes, essas reflexões encontram-se imbricadas na temática do que se convencionou chamar de desenvolvimento sustentável, contudo ainda não existe consenso. A questão de apropriação do território estendeu-se e passa a ser considerada também pelos teóricos e planejadores do fenômeno turístico. Este estudo irá analisar o fenômeno turístico e suas intervenções no processo de transformação do espaço rural.

Para tanto, a princípio, os critérios usualmente adotados para distinguir espaço urbano e espaço rural serão esclarecidos. Depois, será mostrada uma

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429372

10. A pessoa idosa no ambiente natural

RUSCHMANN, Doris van de Meene; SOLHA, Karina Toledo Editora Manole PDF Criptografado

10 A pessoa idosa no ambiente natural

Paulo dos Santos Pires

Marcelo Valente Ramos

Introdução

No bojo da presente obra, a abordagem a seguir, basicamente, pretende mostrar de que forma esse segmento social, na condição de sujeito‑turista, pode apreciar, conhecer e interagir com o ambiente natural, representado pelos ecossistemas naturais do Brasil ainda não modificados ou com poucas alterações decorrentes das atividades humanas. Trata‑se de uma abordagem com viés técnico e operacional na perspectiva do planejamento do turismo, tendo como pano de fundo, de um lado, a natureza, seus atributos, ocorrên‑ cias e manifestações, e, de outro, o contato e a integração da pessoa idosa, na condição de turista, com esse cenário.

Uma vez identificada a abordagem do conteúdo deste texto e estabele‑ cidos os devidos recortes para seu alcance, deve-se reconhecer a sua inser‑

ção em um amplo contexto disciplinar, a partir do qual o próprio título que sugere, instiga, para que seja descortinado em distintas abordagens, no

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429372

8. A produção científica sobre turismo e idoso no Brasil

RUSCHMANN, Doris van de Meene; SOLHA, Karina Toledo Editora Manole PDF Criptografado

8 A produção científica sobre turismo e idoso no Brasil

Karina Toledo Solha

Bruna de Castro Mendes

Lívia Morais Garcia Lima

Introdução

De acordo com a última projeção da população do Brasil realizada pelo

IBGE, o país está na quinta posição no ranking dos mais populosos (2008).

Nesse mesmo estudo estima‑se que uma queda ainda mais acentuada do número de filhos por mulher deve levar ao crescimento negativo e ao enve‑ lhecimento da população brasileira. Hoje, o país já faz parte do grupo dos dez países com maior percentual de idosos, junto da China, Índia, Estados

Unidos, Japão, Rússia, Alemanha, Itália, França e Espanha (Bacha et al.,

2006).

Certamente, a mudança na estrutura etária da população brasileira traz muitos desafios, mas também oportunidades, pois não se trata apenas do crescimento do número de pessoas idosas (Debert, 1999), mas de uma mu‑ dança no comportamento de todos os segmentos da sociedade.

Se por um lado as consequências inerentes ao processo de envelheci‑ mento da população, como as apontadas por Veras et al. ao estudar o cres‑ cimento da população idosa no Brasil alertando para “a potencial gravidade dessa situação a longo prazo”, indicavam a necessidade urgente de se en‑ contrar caminhos que gerassem uma melhor distribuição dos serviços pú‑

171

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424971

3. Papel dos Órgãos Públicos no Incentivo à Adoção do Ecodesign

Arlindo Philippi Jr Editora Manole PDF Criptografado

Papel dos Órgãos

Públicos no Incentivo à

Adoção do Ecodesign

3

Joaquim Rondon da Rocha Azevedo

Arquiteto, JHS Construtora

INTRODUÇÃO

A valorização dos recursos naturais propiciada pelo crescimento do ecoturismo e, de maneira geral, pelo turismo de base natural provocou uma série de mudanças na maneira de conceber, planejar, implantar e operar produtos e destinos turísticos.

As mudanças em relação ao modelo tradicional de turismo percorrem todos os aspectos da atividade, desde a infra-estrutura até o marketing, passando pela formação de recursos humanos, formatação de atrativos e roteiros, alimentos e bebidas etc.

No que diz respeito à infra-estrutura e ao desenvolvimento físico, a disciplina que melhor reflete os princípios de respeito e valorização dos recursos naturais e culturais é o ecodesign. Também conhecido como design sustentável ou “design para o meio ambiente” (design for environment, DfE), o ecodesign sintetiza uma abordagem diferenciada do planejamento de instalações de infra-estrutura, equipamentos e produtos, cujas diretrizes fundamentais são a minimização dos impactos negativos e a potencialização dos recursos locais e renováveis.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424971

8. Planejamento e Gestão Sustentável do Turismo: Contexto Social, Métodos e Enfoques

Arlindo Philippi Jr Editora Manole PDF Criptografado

Planejamento e Gestão

Sustentável do Turismo:

Contexto Social,

8

Métodos e Enfoques

Francisco Antonio dos Anjos

Geógrafo, Univali

Sara Joana Gadotti dos Anjos

Administradora, Univali

Gregório Jean Varvakis Rados

Engenheiro Mecânico, UFSC

INTRODUÇÃO

O turismo apresenta-se neste início de século como uma importante atividade social e econômica, não apenas no Brasil mas em diversos países do mundo, colocando-se entre os fenômenos socioeconômicos mais representativos destes novos tempos (Pearce, 2002). A importância e a abrangência de tal fenômeno estão ligadas diretamente às condições impetradas pela nova ordem emergente, que passou a ser conhecida como revolução pós-industrial, resultante de uma nova conjuntura internacional, de mudanças culturais e de crescimento econômico de setores ligados à informática, serviços e meio ambiente (Trigo, 1999).

O segmento vem ganhando importância mundial devido ao grande impacto que exerce na vida das pessoas e nos seus locais de vivência. A busca pela sustentabilidade e a participação da comunidade local se apresentam como novos desafios para o desenvolvimento de propostas para o planejamento do turismo. Tal desafio está ligado ao princípio de que o desenvolvimento turístico deve se basear no equilíbrio entre a conservação ambiental e cultural, a viabilidade econômica e a justiça social.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429501

17. Inovação no planejamento do turismo e da hospitalidade no espaço rural

SANTOS, Eurico de Oliveira; SOUZA, Marcelino de Editora Manole PDF Criptografado

17

Inovação

no planejamento

do turismo e da hospitalidade no espaço rural

Rosislene de Fátima Fontana

Introdução

A qualidade de vida constitui-se, dia após dia, em um tema de inquietação em todos os segmentos da comunidade. A sociedade de consumo, cada vez mais em evidência com o fenômeno da globalização, em sua constante busca pelo novo, pelo diferente, pelo exótico, recorre ao lazer em busca do equilíbrio físico e psíquico, tão afetados com o cotidiano estressante, principalmente nas grandes metrópoles. Lazer esse que pode ser contemplado de diversas formas, em diferentes espaços físicos e temporais.

Importante lembrar que fatores como condições socioeconômicas e tempo livre são limitantes para a prática do lazer.

Enquanto alguns indivíduos ao menos possuem condições de se sentar no banco de uma praça, outros são capazes de desfrutar do mais sofisticado empreendimento de lazer criado para proporcionar ao homem tudo o que ele sonhar e tiver condições financeiras de adquirir.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431993

21. Gerenciamento da cadeia de suprimentos e relacionamento nas agências de viagens

BENI, Mario Carlos Editora Manole PDF Criptografado

21

Gerenciamento da cadeia de suprimentos e relacionamento nas agências de viagens

C A R LO S A L B E R TO TO M E L I N

Introdução

Este capítulo aborda de uma maneira sistemática as agências de viagens e a importância do uso do gerenciamento da cadeia de suprimentos e do marketing de relacionamento como forças competitivas na gestão dessas organizações. É notório que o processo de globalização ocasiona uma concorrência mundial, demandando organizações mais competitivas, cuja oferta de produtos e serviços baseia‑se no binômio qualidade e preço acessível.

Por outro lado, os hábitos e costumes dos consumidores mudam constante‑ mente, forçando as empresas a terem flexibilidade para adaptar seus produtos e serviços às exigências e necessidades do seu principal patrimônio, o consumidor.

É nesse cenário que as agências de viagens procuram estabelecer diferenciais com‑ petitivos para sua sobrevivência num mundo globalizado e competitivo, em que o conhecimento profundo do mercado pode fazer a diferença. O “cliente” é realmen‑ te reconhecido como indispensável no planejamento das ações estratégicas das or‑ ganizações. Investir no seu conhecimento é investir no futuro da empresa. E para que isso ocorra, o gerenciamento da cadeia de suprimentos e o marketing de rela‑ cionamento desempenham papel fundamental, tendo em vista que possibilitam às organizações conhecerem seus clientes e traçarem ações estratégicas para sua ma‑ nutenção e consequente fidelização.

397

Ver todos os capítulos
Medium 9788520415061

3. A filosofia da “hospitabilidade”

Conrad Lashley Manole PDF Criptografado

CAPÍTULO

3

A filosofia da

“hospitabilidade”

Elizabeth Telfer

Departamento de Filosofia,

Universidade de Glasgow

Assuntos-chave:

• Como ser hospitaleiro

• O bom hospedeiro

• Tipos de hóspedes

• A “hospitabilidade” como uma virtude moral

Em busca da hospitalidade

A “hospitabilidade” é o nome que se dá à característica das pessoas hospitaleiras. Evidentemente, tem a ver com a hospitalidade; assim, vamos começar por ela. Em seu significado básico, pode-se definir o termo hospitalidade do seguinte modo: é a oferta de alimentos e bebidas e, ocasionalmente, acomodação para pessoas que não são membros regulares da casa. Geralmente, aqueles que concedem hospitalidade, os anfitriões, oferecem tais coisas em suas próprias casas, partilhando seu próprio sustento com seus hóspedes. Essa idéia pode se desdobrar em vários sentidos: por exemplo, uma empresa proporciona hospitalidade se fornece alimentos e bebidas aos visitantes. Mas, a idéia central do conceito envolve a partilha da própria casa e a provisão de terceiros.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520427095

Capítulo 14 - Potencial turístico do Brasil

NEIMAN, Zysman; RABINOVICI, Andréa Editora Manole PDF Criptografado

14 Potencial turístico do Brasil

Maria Carolina Ruas Vernalha

Zysman Neiman

Introdução

Um dos atrativos principais do turismo é a paisagem da localidade a ser visitada, o poder de atração visual que esta pode exercer sobre as pessoas, acentuando seu imaginário e atraindo-as ao contato presencial. O apelo imagético que tanto atrai o visitante reflete a ideia de “paraíso” que a natureza representa, um local perfeito, edênico e distante de sua realidade. Dessa forma, o turismo apresenta-se como uma oportunidade de resgate do “paraíso perdido” pela civilização, o local ideal e remoto, mas que agora pode ser re-encontrado por meio de uma experiência pessoal e

única. O indivíduo se aproxima de tudo o que lhe falta nas cidades, na casa e no trabalho: a “sensação do novo” ao percorrer uma trilha em meio a animais e plantas desconhecidos, a emoção de nadar

Potencial turístico do Brasil

em um rio e a ilusória sensação de “volta às suas raízes”, sem obrigações, prazos e regras, tudo remete ao prazer que a viagem proporciona.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520436561

Apresentação

Marlene Matias Manole PDF Criptografado

apresentaÇão

E

sta obra é resultado de pesquisas e estudos realizados nos últimos anos para complementar conteúdos que seriam utilizados em treinamentos e cursos de formação de recepcionista de eventos, assim como de observações efetuadas in loco durante a participação em eventos.

Após essas pesquisas e vivências, percebi que o profissional de recepção em eventos, além da formação técnica, que lhe fornece conhecimentos para desempenhar as funções pertinentes ao cargo, precisa de uma formação complementar sobre temas como cerimonial e protocolo, alimentos e bebidas, conhecimentos gerais e outros, que estão ligados diretamente com a atividade eventos e indiretamente com a sua função.

Diante do exposto, resolvi organizar este livro para disponibilizar e compartilhar os conteúdos que, acredito, são de suma importância para os profissionais de recepção em eventos e também para aqueles que desejam ingressar nessa atividade.

A obra está dividida em quatro partes, sendo a primeira destinada aos fundamentos básicos sobre eventos, na qual são apresentados temas como: origem e evolução dos eventos, conceitos, tipologia, noções de planejamento e organização de eventos, estrutura organizacional dos eventos, destacando seus componentes, os locais onde os eventos acontecem, o mercado de eventos e a legislação federal vigente do setor.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431993

4. Turismo e políticas públicas no Brasil

BENI, Mario Carlos Editora Manole PDF Criptografado

4

Turismo e políticas públicas no Brasil

CÍNTIA MÖLLER ARAUJO

G I S E L A TA S C H N E R

Introdução

No campo das Ciências Sociais Aplicadas, o turismo é uma área de recente desenvolvimento como objeto de estudo acadêmico. Por conta dessa juventude, de sua natureza interdisciplinar e das imediatas demandas práticas de seus profissio‑ nais, a pesquisa acadêmica enfrenta obstáculos de diversos tipos, desde certos pre‑ conceitos – que veem o turismo como tema frívolo – até problemas de subteoriza‑

ção. O turismo é uma área de estudo sobre a qual faltam consensos em algumas questões básicas e que ainda carece de formulações e de contribuições científicas, embora já se identifique uma ampla gama de estudos. No Brasil, a situação desses estudos é mais complexa que em países avançados, e é muito mais limitado o reper‑ tório existente de estudos e pesquisas sistematizados/estruturados, prevalecendo, em contrapartida, certo caráter pioneiro. Na verdade, tais pesquisas dotam o cam‑ po do turismo de uma profusão de objetos de estudo empíricos, os quais se expan‑ dem horizontalmente, mas, ao mesmo tempo, evidenciam a necessidade de se pro‑ mover um fortalecimento vertical da produção científica, principalmente no âmbito analítico.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429501

14. Inteligência comercial para os produtos de turismo nos espaços rural e natural

SANTOS, Eurico de Oliveira; SOUZA, Marcelino de Editora Manole PDF Criptografado

14

Inteligência

comercial para os

produtos de turismo nos espaços rural e natural

Adonis Zimmermann

Introdução

Nos anos de 1990, o turismo rural passou pelas mais variadas discussões quanto à definição, ao conceito, à formatação do produto, de sua segmentação, dos benefícios sociais, ambientais etc., mas muito pouco se falou sobre sua comercialização, sobre a inteligência comercial desses produtos. Conclui-se que esse assunto não despertava o devido interesse, tendo em vista que, até pouco tempo, a oferta de produtos turísticos no espaço rural era bem inferior à demanda. Essa condição se modifica rapidamente, com uma constante ampliação e inovação da oferta.

Durante essas duas décadas de atividades profissionais no segmento turístico, tivemos a oportunidade de desenvolver e monitorar inúmeros empreendimentos turísticos nos espaços rural e natural, com a oferta das mais variadas atividades turísticas, criando um verdadeiro mix de produtos, o que proporcionou ao segmento uma clara revitalização do produto, gerada pela evolução da sua demanda.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424971

25. Redes de Empresas e Instituições de Suporte ao Turismo: Teoria e Prática

Arlindo Philippi Jr Editora Manole PDF Criptografado

574

GESTÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE NO TURISMO

REFERÊNCIAS

BUHALIS, D. Strategic use of information technologies in the tourism industry.

Tourism Management, v. 19, n. 5, 1998.

______. Distribution channels in the changing travel industry. The International

Journal of Tourism Research, v. 2, n. 5, 2000.

CARROL, B; SIGUAW, J. The evolution of electronic distribution: effects on hotels and intermediaries. Cornell Hotel and Restaurant Administration Quarterly, v. 44, n. 4, 2003.

CARVALHO A.N.; MORATELLI, R.F.; CANCELLIER, E.L.P.L. As relações existentes entre agências de turismo e empreendimentos turísticos hoteleiros – um estudo de caso em resort de praia. In: III SEMINÁRIO DE TURISMO DO MERCOSUL, 2005. Anais.

Caxias do Sul, 2005.

COUGHLAN, A.N. et al. Canais de marketing e distribuição. 6.ed. Porto Alegre:

Bookman, 2002.

GEE, C.Y.; FAYOS-SOLÁ, E. Turismo internacional: uma perspectiva global. 2.ed.

Porto Alegre: Bookman, 2003.

Ver todos os capítulos

Carregar mais