183 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536531427

AGRADECIMENTO

Esmeralda Macedo Serpa, Vinicius Moraes Raszl, Guilherme Antônio Bim Copiano, Gilliard Sousa Ribeiro, Douglas Alexandre Dias, Ana Carolina Barbosa Angeli Editora Saraiva PDF Criptografado

AGRADECIMENTO

A. dro Jorge e

P s to e meus n m terem ista aos u q n o c mesmo se e ta u s q e

, o to t

ç e ura lma

Agrad a Serpa B e minha a ri o to rp ic o

V c a u ari ra que me

Serpa e M forças pa m ra e g ia consciênc

. erpa, harmonia einaldo S

R

, o

ã m sigam em ir ao meu

ça inespecial ja presen u a c rm e fo la e re d t ainda ou em es

Gratidão valorizar transform ra a e p s o ir t n e a e fez refl que este sência, m u a m o c u lado. tercalada em ao me u g acedo Serpa e s

M e a u ld q a s r o e m is s

E ma

Agradeço à Esmeralda Ma cedo Serpa por sua generos idade em partilhar todo o seu conhec imento, por sua confiança em mim e confiança no meu trabalho

. Aos professores Douglas

Alexandre

Dias, Giliard Sousa Ribeiro e Vinicius Moraes Raszl pe la parceria neste projeto. A Guilherme

Antonio Bim Copiano, carin hosamente, por estarmos juntos em mais este desafio. À minh a família, em especial ao pequeno Be nto, que em todos os mome ntos está ao meu lado. A meu pai, Cle mentino Humberto Ricci An geli, meu maior mestre na vida e na profissão, que me ensinou quase tudo o que sei sobre Hotelaria e que sempre acreditou na educação, me incentivando na busca pelo conhecimento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424070

Capítulo 5 - Tipos de Navio e de Turista

Ricardo Amaral Manole PDF Criptografado

Capítulo 5

TIPOS

DE

NAVIO

E DE

TURISTA

EMBARQUES EM PORTOS DISTANTES

Para o embarque em um ponto distante da residência do turista, operadores turísticos ou as próprias companhias de cruzeiro oferecem pacotes aeromarítimos (air/sea). As companhias de cruzeiro possuem um valor de tarifa aérea sempre menor e horários e transfers ideais em relação aos horários de saída e chegada do navio.

A MELHOR ÉPOCA PARA VIAJAR

As épocas de maior procura são próximas a feriados e férias escolares, em geral correspondentes a preços mais altos.

Contudo, a sazonalidade dos cruzeiros em relação aos preços não apresenta uma curva regular, pois depende de diversos fatores.

Um deles é a estação do ano. Quanto ao clima, sem dúvida o verão é a melhor época, pois o mar fica mais calmo e há sol na maioria dos dias. Sempre é importante lembrar que, durante o verão, as escalas dos navios vão apresentar destinos turísticos lotados e preços mais elevados.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520427095

Capítulo 5 - Ecoturismo e conservação dos recursos naturais

Zysman Neiman Editora Manole PDF Criptografado

5 Ecoturismo e conservação dos recursos naturais

Zysman Neiman

Raquel Formaggio Patricio

Introdução

Evitar a extinção dos ecossistemas naturais é um dos maiores desafios da humanidade neste século. Além das razões morais, existem as de ordem estética, religiosa, cultural, científica e econômica (Wallace, 2002). As estratégias para a construção de sociedades sustentáveis precisam considerar a necessidade de uma aliança entre conservação ambiental e desenvolvimento humano

(Silva e Junqueira, 2007).

Diversas políticas públicas têm sido desenvolvidas com o objetivo de proteger os recursos naturais, mas até este início de milênio apenas 5% do planeta está legalmente protegido. Nesse contexto, as unidades de conservação (UCs) têm se destacado como uma das políticas públicas mais importantes e são, segun-

Ecoturismo e conservação dos recursos naturais

do a International Union for the Conservation of the Nature (IUCN), o método mais eficaz de proteção da biodiversidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424971

4. Desenvolvimento Turístico e Sustentabilidade Ambiental

Arlindo Philippi Jr Editora Manole PDF Criptografado

Desenvolvimento

Turístico e

Sustentabilidade

Ambiental

4

Helena Ribeiro

Geógrafa, Faculdade de Saúde Pública da USP

Beatriz Veroneze Stigliano

Bacharel em Turismo, UFSCar

INTRODUÇÃO

Recentemente, o turismo vem recebendo espaço privilegiado na imprensa escrita, não nas páginas tradicionalmente dedicadas a amenidades, como Suplemento Turístico, Caderno de Viagens etc., mas dentro do Caderno de Economia de importantes periódicos do país. Também a comunidade acadêmica tem se debruçado sobre o tema que, até há pouco tempo, era visto por ela com um pouco de distanciamento. A criação do curso universitário de Turismo em universidades de renome é resultado do maior espaço que o turismo vem conquistando na academia, em análise crítica e aprofundada, sob olhar objetivo e por meio de métodos científicos.

Por trás dessa atenção da academia está o fato de que a atividade turística vem crescendo de modo bastante acelerado em todo o mundo, e no Brasil em particular.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520427095

Capítulo 15 - Ética e ecoturismo

Zysman Neiman Editora Manole PDF Criptografado

15 Ética e ecoturismo

Débora de Moura Mello Antunes

Andréa Rabinovici

Introdução

O turismo é uma atividade que vem crescendo de forma sig­ nificativa e que, na maioria dos casos, gera expectativas de so­ luções rápidas aos problemas econômicos e sociais que afligem especialmente as comunidades receptivas, mas, além delas, os demais agentes envolvidos com a atividade. Tais promessas reais ou ilusórias de resolução de problemas, a partir da implementa­

ção de atividades turísticas, muitas vezes incorre na realização de um turismo descuidado de suas premissas mais básicas, como as questões éticas, raramente lembradas.

Assim, quando a atividade turística é realizada de maneira desordenada, sem averiguação constante de impactos, sem res­ peito às normas de regulamentação e de segurança e sem a preo­ cupação com a dimensão socioambiental, cultural e ética, pode

Ética e ecoturismo

causar danos irreversíveis, potencializando obstáculos que culminarão em uma situação de conflitos e problemas, cada vez mais complexa e de dis­ tante solução.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536531427

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Esmeralda Macedo Serpa, Vinicius Moraes Raszl, Guilherme Antônio Bim Copiano, Gilliard Sousa Ribeiro, Douglas Alexandre Dias, Ana Carolina Barbosa Angeli Editora Saraiva PDF Criptografado

!

Para saber mais

Muitas redes hoteleiras e grandes operadoras turísticas têm investido ou adquirido empresas e startups ligadas a comunidades de hospedagem. É o caso da Expedia, que adquiriu o .

Acesso em: 01 fev. 2019.

Considerações finais

O desenvolvimento da atividade turística requer conhecimento regional, criatividade e inovação. Ao analisar o plano de metas (20182022) para o Brasil, observa-se quatro grandes diretrizes que estruturam o plano: fortalecimento da regionalização, melhoria da qualidade e competitividade, promoção da sustentabilidade e incentivo à inovação.

Inovar no turismo se faz necessário para manter, melhorar e oferecer produtos de qualidade e diferenciados. O Brasil é um país com grandes limites e com uma diversidade enorme entre as suas regiões. É preciso que exista integração entre as regiões, maior formação de rede

(cooperação entre os envolvidos diretos e indiretos) e ampla sensibilização das comunidades engajadas no desenvolvimento do turismo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429501

17. Inovação no planejamento do turismo e da hospitalidade no espaço rural

Eurico de Oliveira Santos Editora Manole PDF Criptografado

17

Inovação

no planejamento

do turismo e da hospitalidade no espaço rural

Rosislene de Fátima Fontana

Introdução

A qualidade de vida constitui-se, dia após dia, em um tema de inquietação em todos os segmentos da comunidade. A sociedade de consumo, cada vez mais em evidência com o fenômeno da globalização, em sua constante busca pelo novo, pelo diferente, pelo exótico, recorre ao lazer em busca do equilíbrio físico e psíquico, tão afetados com o cotidiano estressante, principalmente nas grandes metrópoles. Lazer esse que pode ser contemplado de diversas formas, em diferentes espaços físicos e temporais.

Importante lembrar que fatores como condições socioeconômicas e tempo livre são limitantes para a prática do lazer.

Enquanto alguns indivíduos ao menos possuem condições de se sentar no banco de uma praça, outros são capazes de desfrutar do mais sofisticado empreendimento de lazer criado para proporcionar ao homem tudo o que ele sonhar e tiver condições financeiras de adquirir.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520429372

5. Satisfação do consumidor de terceira idade: um estudo em meios de hospedagem

Doris Van de Meene Ruscmann Editora Manole PDF Criptografado

5 Satisfação do consumidor

de terceira idade: um estudo em meios de hospedagem

Cláudia Gomes Carvalho

Anete Alberton

Introdução

O tema Satisfação do Consumidor é de relevante interesse e importân‑ cia para o sucesso em vendas de bens ou serviços, pois influencia na leal‑ dade à marca por meio da recompra e comunicação boca a boca, resultando em maior participação no mercado e aumento da lucratividade.

Diante do crescimento demográfico do público da terceira idade, tanto as universidades como as empresas têm procurado reconhecer, mensurar e con‑ trolar os processos para conquistar esses consumidores, em busca de solu‑

ções para reduzir os efeitos da sazonalidade no trade turístico e de estratégias para manter e gerenciar o fluxo de turistas nos meses de baixa temporada.

Os levantamentos estatísticos no Brasil e outros países evidenciam a importância do segmento, configurada nos projetos implementados pelo

Instituto Brasileiro de Turismo, a partir de 1994, que culminou na cria‑

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424971

26. Atores e Práticas de Sustentabilidade Ambiental em Empreendimentos Hoteleiros

Arlindo Philippi Jr Editora Manole PDF Criptografado

Atores e Práticas de

Sustentabilidade

Ambiental em

Empreendimentos

Hoteleiros

26

Elenara Viera de Viera

Bacharel em Hotelaria, Univali

Valmir Emil Hoffmann

Economista, Univali

INTRODUÇÃO

As questões relativas ao cuidado e à preservação do meio ambiente são uma preocupação em muitas indústrias, inclusive naquelas voltadas

à hospitalidade (Kattara e Zeid, 2002), nas quais as visões para um futuro sustentável estão ligadas à idéia da prosperidade das organizações com a satisfação da população local e a redução dos impactos sobre o meio ambiente (Gladwin et al., 1995; Shrivastava, 1995a).

Mesmo assim, a maioria das pesquisas sobre impacto ambiental tem seu foco nas indústrias de manufatura, negligenciando as indústrias de serviços, pois “as empresas dessa área normalmente não têm uma chaminé para chamar a atenção” (Foster et al., 2000, p.187, grifo dos autores).

Nessa área, na qual o setor hoteleiro se enquadra, ressalta-se a necessidade de um estudo em virtude do crescimento desse setor no Brasil nos

últimos 10 anos, a uma média anual de 7%, mantendo uma média ocupacional, no período de 1998 a 2000, de 60,6% (Beni, 2003). Além disso, ressalta-se a importância da hotelaria, já que, segundo Dias (1990), de 60 a

Ver todos os capítulos
Medium 9788536531427

2.2 PATRIMÔNIO

Esmeralda Macedo Serpa, Vinicius Moraes Raszl, Guilherme Antônio Bim Copiano, Gilliard Sousa Ribeiro, Douglas Alexandre Dias, Ana Carolina Barbosa Angeli Editora Saraiva PDF Criptografado

Já Dias (2006, p. 39), de modo mais aprofundado, define o turismo cultural como:

[...] uma segmentação do mercado turístico que incorpora uma variedade de formas culturais, em que se incluem museus, galerias, eventos culturais, festivais, festas, arquitetura, sítios históricos, apresentações artísticas e outras, que identificadas com uma cultura em particular, fazem parte de um conjunto que identifica uma comunidade e que atraem os visitantes interessados em conhecer características singulares de outros povos.

Costa (2009, p. 190), por sua vez, afirma que o turismo cultural atualmente não implica apenas a oferta de espetáculos ou eventos, mas a vivência do patrimônio cultural representado por museus, sítios arqueológicos, monumentos históricos, apresentações folclóricas, gastronomia regional, festas religiosas e outros bens que disseminem o saber. Sua finalidade é que os visitantes e residentes interajam, e que as pessoas apreendam o significado de seu passado, por meio das visitas aos bens culturais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424971

31. Dimensionamento de Eventos Turísticos e Sustentabilidade

Arlindo Philippi Jr Editora Manole PDF Criptografado

Dimensionamento de Eventos Turísticos e Sustentabilidade

31

Flavia Mastrobuono

Bacharel em Turismo, Universidade Anhembi Morumbi

INTRODUÇÃO

A evolução dos meios de transportes em geral, principalmente dos aéreos, viabilizou a busca de novos mercados consumidores para o escoamento das produções industrializadas, bem como a possibilidade de atualização das empresas e de seus profissionais, propiciada pelo aprendizado de novas técnicas de administração, produção etc., disseminadas em reuniões e encontros em outros destinos. Segundo Fuster: no nosso tempo, a necessidade de expor e projetar a novos núcleos aquisitivos os produtos, assim como o conhecimento recíproco de técnicas de produção, orientação e lucro de especialidades, tem uma máxima expressão.

(Fuster, 1974, p.543)

O crescimento do número de deslocamentos realizados a partir de finalidades profissionais, mercadológicas e comerciais fomentou uma modalidade conhecida hoje como turismo de negócios. Os homens de negó-

Ver todos os capítulos
Medium 9788520424971

17. Visitação Sustentável em Unidades de Conservação

Arlindo Philippi Jr Editora Manole PDF Criptografado

Visitação Sustentável em Unidades de Conservação

17

Anna Júlia Passold

Engenheira Florestal, Instituto Ekos Brasil

Sônia Maria Sfair Kinker

Química, Secretaria do Meio Ambiente-PA

INTRODUÇÃO

A conservação da natureza e a proteção do meio ambiente deveriam acontecer independentemente de considerações econômicas, visto que são essenciais à manutenção da vida humana. Entretanto, levando-se em conta as altas taxas de destruição e de extinção dos recursos naturais, faz-se necessário imprimir um sentido de valor à conservação da biodiversidade, para que a sociedade como um todo, e cada pessoa em particular, sejam persuadidas de que esta redunda em benefício pessoal e geral para a humanidade (Ibama/GTZ, 1997).

Calcula-se que um terço da biodiversidade mundial esteja concentrada nos territórios brasileiros ainda melhor conservados, em ecossistemas

únicos como a Floresta Amazônica, a Mata Atlântica, os Cerrados, as áreas

úmidas e os ambientes marinhos, entre outros. Uma das estratégias para se alcançar os Objetivos Nacionais de Conservação (ou seja, a conservação da biodiversidade) é o estabelecimento de uma rede de unidades de conservação (UCs). Entende-se que é a forma mais eficiente de combate ao alarmante processo de extinção em massa de espécies vitais para o planeta, esse empobrecimento (irreversível) é resultado, sobretudo, do desordenado processo de ocupação da Terra pelo homem.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536531427

4.3 TURISMO DE BASE COMUNITÁRIA

Esmeralda Macedo Serpa, Vinicius Moraes Raszl, Guilherme Antônio Bim Copiano, Gilliard Sousa Ribeiro, Douglas Alexandre Dias, Ana Carolina Barbosa Angeli Editora Saraiva PDF Criptografado

APROFUNDE SEUS CONHECIMENTOS

Turismo tumular é o segmento turístico que tem como objetivo a exploração artística, arquitetônica e cultural dentro de cemitérios. Atualmente, muitos cemitérios tornaram-se museus a céu aberto que possuem patrimônios materiais e imateriais (vejam o conceito no Capítulo 2).

Verifique se em sua cidade o(s) cemitério(s) agregam valores históricos por causa de sua localidade, se abrigam obras de artes de renomados artistas ou se existem restos mortais de personalidades importantes para a história.

Na cidade de São Paulo, o Cemitério da Consolação oferece um serviço de visita guiada para conhecer as riquezas, as curiosidades e as belezas de sua arte tumular. Conheça mais, acessando o link disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2019.

4.3

TURISMO DE BASE COMUNITÁRIA

Outra forma de desenvolvimento sustentável e participativo da atividade turística que vem crescendo no Brasil

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431993

24. Educação e capacitação para o turismo em escolas comunitárias utilizando a Pedagogia da Alternância

Mario Carlos Beni Editora Manole PDF Criptografado

24

Educação e capacitação para o turismo em escolas comunitárias utilizando a Pedagogia da Alternância

LUDMILA DUTRA

Introdução

A tarefa de preparar pessoas para que assumam o papel de responsáveis pelo seu desenvolvimento e pela localidade onde vivem é buscada a cada dia pelas insti‑ tuições de ensino, preocupadas não em ofertar uma educação de quantidade, mas de qualidade, que tenham como premissa a realidade local e o desejo de progresso contínuo com a formação integral.

As escolas comunitárias1 que utilizam a Pedagogia da Alternância têm a preo‑ cupação, como parte do processo de ensino, de estimular a reflexão crítica sobre todos os atos dos indivíduos. Compreende que, para formar um cidadão ativo, ca‑ paz de mudar sua realidade, esta deve ser parte da construção do saber de uma so‑ ciedade, e não apenas receber desta conceitos e informações. Longe de ter a inten‑

ção de apresentar um modelo perfeito de educação, como a própria premissa do modelo prega, este é um experimento com a participação de todos os atores em uma ampla discussão.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431993

8. Instrumentalização de pesquisa em turismo

Mario Carlos Beni Editora Manole PDF Criptografado

8

Instrumentalização de pesquisa em turismo

CLÁUDIA RECH

Introdução

O turismo apresenta‑se como uma atividade economicamente viável para uma localidade, apontando significativo crescimento no setor terciário. Atualmente, es‑ sa área tem um papel impulsionador no desenvolvimento de um espaço geográfico, mobilizando pessoas em busca da apreciação de lugares que representem atrativos ao olhar do visitante. Por tudo isso, hoje, os estudos ligados ao fenômeno do turis‑ mo estão se ampliando, com enfoque de procedimentos conexos ao planejamento territorial e suas importantes aplicações práticas.

Os instrumentos de análise do planejamento turístico são compreendidos co‑ mo novos paradigmas para o desenvolvimento e para a diversificação econômica de uma destinação. Assim, por englobar aspectos sociais, culturais, econômicos e am‑ bientais, a atividade turística é analisada sob diversas óticas, abordando elementos que permitem entender o funcionamento sistêmico de sua estrutura e possibilitan‑ do a elaboração de reflexões acerca de suas tipologias e dos principais componen‑ tes que proporcionam o seu desenvolvimento.

Ver todos os capítulos

Carregar mais