732 capítulos
Medium 9788521631040

CAPÍTULO 18 - SISTEMAS DE CABEAMENTO PARA REDES DE COMPUTADORES DE DADOS E DE VOZ

BRITTIAN, L.W. Grupo Gen PDF Criptografado

18

SISTEMAS DE CABEAMENTO

PARA REDES DE

COMPUTADORES DE DADOS

E DE VOZ

INTRODUÇÃO

Este capítulo aborda os métodos de cabeamento pelos quais os computadores de mesa são configurados como máquinas independentes, como integrantes de uma rede cabeada e conectados a uma rede sem fio. O cabeamento da rede tetefônica também será revisto.

Há cerca de 40 tipos diferentes de conectores de engate rápido usados para interligar diversos tipos de cabos a computadores. Os mais comuns serão abordados. A maioria desses conectores tem “gênero”, isto é, estão disponíveis tanto na versão macho quanto na versão fêmea. Em muitos casos, há vários tipos de adaptadores de gênero e vários tipos de adaptadores de conversão de um tipo para outro.

TROCA EM COMPUTADORES DE CABOS COM OS

EQUIPAMENTOS ENERGIZADOS

Nos cabos de sinais, os computadores empregam tensões em torno de 5 V e correntes nas faixas de 250 a 500 mA. Com conectores USB e conectores para áudio de 3,5 mm, não haverá danos se os cabos forem conectados ou desconectados, caso os equipamentos estejam energizados. Essa prática é denominada troca a quente (hotswaping). Entretanto, é sempre mais seguro desligar o dispositivo pelo teclado do que simplesmente retirar o conector.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551532

Capíutlo 1: Análise Vetorial

Hayt Jr.; William Hart; John A. Buck Grupo A PDF Criptografado

1

Análise Vetorial

A

análise vetorial é um tópico matemático que é mais bem ensinado por matemáticos do que por engenheiros. A maioria dos estudantes iniciantes e avançados em engenharia não têm tempo (ou talvez a inclinação) para frequentar um curso de análise vetorial, apesar de ser provável que muitos conceitos e operações elementares com vetores tenham sido introduzidos nas disciplinas de cálculo. Esses conceitos e operações vetoriais fundamentais são abordados neste capítulo, e o tempo que será dedicado a eles vai depender do grau de conhecimento que cada leitor possui a respeito do tema.

O ponto de vista aqui é aquele do engenheiro ou do físico, e não do matemático, uma vez que as deduções matemáticas são somente indicadas, em vez de serem rigorosamente apresentadas. Desta forma, a interpretação física é enfatizada. É mais fácil para os engenheiros acompanharem um curso mais rigoroso e completo no departamento de matemática após serem apresentados a alguns cenários físicos e aplicações.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521622918

3. Muflas Terminais Primárias e Terminações

João Mamede Filho Grupo Gen PDF Criptografado

3

Muflas Terminais

Primárias e Terminações

3.1 INTRODUÇÃO

Mufla terminal primária ou terminação é um dispositivo destinado a restabelecer as condições de isolação da extremidade de um condutor isolado quando este é conectado a um condutor nu ou a um terminal para ligação de equipamento.

Há uma grande variedade de muflas ou terminações. Porém, as mais antigas são as muflas constituídas de um corpo de porcelana vitrificada com enchimento de composto elastomérico e fornecidas com kit que contém todos os materiais necessários a sua execução.

Esse tipo de mufla pode ser singelo ou trifásico. O primeiro destina-se às terminações dos cabos unipolares (muflas terminais singelas), enquanto o segundo tipo é utilizado em cabos tripolares (muflas terminais trifásicas). Podem ser utilizadas tanto ao tempo quanto em instalações abrigadas. A Figura 3.1 mostra a parte externa de uma mufla singela, enquanto a Figura 3.2 mostra os componentes interno e externo da mesma mufla.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582604199

Capítulo 9. Previsão de cargas

Amaury Pessoa Gebran, Flávio Adalberto Poloni Rizzato Grupo A PDF Criptografado

Nome Autor 1

CAPÍTULO 9

Previsão de cargas

Cada tipo de instalação elétrica possui particularidades e demandas diferentes. É preciso estar atento ao tipo de projeto em desenvolvimento no momento de avaliar as cargas necessárias. Neste capítulo, você compreenderá como é feita a previsão de cargas.

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

Identificar as normas que definem o valor de carga utilizado em cada tipo de tomada, bem como a potência a elas atribuídas.

Explicar os valores de cargas de iluminação definidos pela normatização e os equipamentos necessários para seu correto funcionamento.

Gebran_Cap_09__pb.indd 142

29/07/2016 15:42:18

143

CAPÍTULO 9 

  Previsão de cargas

Na previsão de cargas devem ser considerados todos os equipamentos que necessitem de alimentação de energia. Basicamente, em um projeto elétrico residencial, as cargas de maior consumo se resumem a tomadas, iluminação e algumas cargas especiais.

Para o caso de um projeto elétrico industrial, deve ser considerada a demanda de motores, iluminação e todas as demais.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580552041

Capítulo 4 - Programando com o MATLAB

William J. Palm III Grupo A PDF Criptografado

4

Programando com o MATLAB

O modo interativo do MATLAB é muito útil para a resolução de problemas simples, mas problemas mais complexos exigem um arquivo de script. Esse arquivo pode ser chamado de programa de computador, e o ato de escrevê-lo é chamado de programação. A Seção 4.1 apresenta uma abordagem geral e eficiente para o projeto e o desenvolvimento de programas.

A utilidade do MATLAB se torna muito maior com a presença de funções de tomada de decisão nos seus programas. Essas funções permitem a você escrever programas cujas operações dependem dos resultados de cálculos feitos pelo próprio programa. As Seções 4.2, 4.3 e 4.4 abordam essas funções de tomada de decisão.

O MATLAB também pode repetir cálculos um número específico de vezes ou até que alguma condição seja satisfeita. Essa funcionalidade permite aos engenheiros resolver problemas de grande complexidade ou que requerem muitos cálculos. Essas estruturas de “laço” são abordadas nas Seções 4.5 e 4.6.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos