1663 capítulos
Medium 9788530965785

Capítulo 16 – Identificação e avaliação dos riscos de distorção relevante

VELTER, Francisco; MISSAGIA, Luiz Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 16

Identificação e avaliação dos riscos de distorção relevante

16.1.  �Introdução

O objetivo do auditor na Identificação e Avaliação dos Riscos de Distorção Relevante por meio do Entendimento da Entidade e do seu Ambiente é identificar e avaliar os riscos de distorção relevante independentemente se causada por fraude ou erro, nos níveis de demonstração contábil e afirmações, por meio do entendimento da entidade e do seu ambiente, inclusive do controle interno da entidade, proporcionando assim uma base para o planejamento e a implementação das respostas aos riscos identificados de distorção relevante.

16.2.  �Requisitos

16.2.1.  �Procedimentos de avaliação de risco e atividades relacionadas

O auditor deve aplicar procedimentos de avaliação de riscos para fornecer uma base para a identificação e avaliação de riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis e nas afirmações. Os procedimentos de avaliação de riscos por si só, porém, não fornecem evidências de auditoria apropriada e suficiente para suportar a opinião da auditoria.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530975166

14. DURAÇÃO DO TRABALHO – DESCANSOS

RESENDE, Ricardo Grupo Gen PDF Criptografado

14

DURAÇÃO DO TRABALHO – DESCANSOS

Marcadores: DURAÇÃO DO TRABALHO; DESCANSOS TRABALHISTAS; INTERVALOS;

PERÍODOS DE REPOUSO; INTERVALO INTERJORNADAS; INTERVALO INTRAJORNADA;

DESCANSO SEMANAL REMUNERADO; REPOUSO SEMANAL REMUNERADO; FERIADOS.

Material de estudo:

ü Legislação básica: CLT, art. 4º, 66-72, 382-386, 396, 412, 413; Lei nº 605/1949; Lei nº

10.101/2000, art. 6º, 6º-A; Lei Complementar nº 150/2015, arts. 2º, 10, 13, 15, 16.

ü Legislação para estudo avançado: CLT, art. 229-231, 234, 235, 235-C-235-F, 238-240,

243, 245, 253, 298, 307, 308.

ü Jurisprudência: Súm. 27, 110, 113, 118, 146, 172, 346, 351, 437, 438, 446, TST; OJ

SDI-1 178, 355, 394, 410, TST.

ü Doutrina (+)

Estratégia de estudo sugerida:

O assunto deste capítulo é recorrente em provas de concursos públicos, razão pela qual recomendo bastante cuidado ao candidato. Conhecer a literalidade dos dispositivos legais, bem como dos verbetes de jurisprudência respectivos,

Ver todos os capítulos
Medium 9788530956783

COERÊNCIA DA GRADE DE CORREÇÃO

FONTENELE, Francisco; DANTAS, Alessandro Grupo Gen PDF Criptografado

COERÊNCIA DA GRADE

DE CORREÇÃO

1. A GrADe De CorreÇÃo DA ProVA DiSCUrSiVA DeVe

Ser CorreLAtA Com o QUe Foi PeDiDo NA ProVA

QUANto Ao CoNteÚDo e PoNtUAÇÃo

É um direito que se extrai dos princípios da vinculação ao instrumento convocatório, da moralidade, da segurança jurídica, da razoabilidade e que encontra base na jurisprudência.

Os critérios de correção são os parâmetros de valoração do desempenho dos candidatos e por isso a Banca Examinadora tem o dever de estabelecê-los da forma mais objetiva possível e de modo a evitar interferências subjetivas dos examinadores.

É indispensável que a Banca Examinadora adote critérios de correção objetivos para que seja cumprida a obrigatoriedade de motivação dos atos administrativos e, sobretudo, para que o candidato tenha condições de exercer plenamente o contraditório e a ampla defesa quando utilizar o recurso administrativo para impugnar a correção da prova discursiva.

Mas isso não é tudo! A adoção de critérios objetivos permite assegurar o respeito aos princípios da isonomia, impessoalidade, segurança jurídica, moralidade e da eficiência, pois candidatos que demonstrarem o mesmo desempenho na prova não poderão receber notas diferenciadas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530970062

PARTE III – H. RECLAMAÇÃO

LIMA, Leo Vinicius Pires de Grupo Gen PDF Criptografado

H. Reclamação

Pratica_Administrativo_4ed.indb 321

26/02/2016 16:15:22

Pratica_Administrativo_4ed.indb 322

26/02/2016 16:15:22

(arts. 988 a 993, CPC/2015, 102, I, l, da CF)

1. Definição. Reclamação é o instrumento processual cujo objetivo é garantir com que as decisões de um tribunal sejam observadas pelos julgadores de hierarquia inferior. Volta-se, assim, a garantir a competência hierárquica dos tribunais.

Quanto a sua natureza, há entendimentos de que a reclamação é ação judicial autônoma e ou de que seria medida judicial sui generis.

A reclamação não é recurso. Por isso, o regime recursal não se aplica à reclamação. Assim, para evitar o trânsito em julgado da decisão, deverá ser apresentado recurso.

Porém, a apresentação de recurso não inviabiliza a apresentação de reclamação contra a mesma decisão, já que terão as medidas objetivos jurídicos diferentes (apesar de, na prática, serem meios de afastar a decisão desfavorável a uma das partes).

Ver todos os capítulos
Medium 9788530982522

Parte I – Capítulo 1 – A Estrutura da Redação: Começo, Meio e Fim

RAMAL, Andrea Grupo Gen PDF Criptografado

Parte I – Como escrever uma redação excelente

5

Capítulo 1 – A Estrutura da Redação:

Começo, Meio e Fim

Repare na sequência de falas da ilustração. De certa forma,

é um exemplo de discurso argumentativo. Nele, o jovem fez o seguinte:

1

2- 3- 4

5

Apresentou a situação-problema

Expôs argumentos mostrando conhecer os aspectos positivos e negativos

Fez uma proposta baseada na avaliação dos argumentos

Redacao_Excelente_3ed.indb 5

06/09/2018 10:38:19

6

REDAÇÃO EXCELENTE | Para Enem e Vestibulares

É claro que essa é uma situação simples, do cotidiano. Na prova de redação, você precisará argumentar e defender posições sobre temas mais complexos.

Sua tarefa é exatamente essa: defender um ponto de vista sobre um assunto, usando argumentos – razões, evidências, exemplos, provas –, construindo um raciocínio coerente e consistente para influenciar o leitor.

Sabe aquelas pessoas que começam a falar de um assunto e não param, uma coisa emenda na outra, entra uma história no meio, de alguém que você nem conhece, e por aí vai?

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos