62 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788566103113

Capítulo 7 - Modelos Orientais de Gestão

LANGRAFE, Taiguara Editora Empreende PDF Criptografado

Capítulo 7

Modelos

Orientais de

Gestão

ADM_.indb 79

03/08/2018 17:15:03

| 80 |  

ADMINISTRAÇÃO

7. �Modelos

Orientais de

Gestão

ADM_.indb 80

03/08/2018 17:15:03

• �Conceituar os modelos orientais de gestão.

• �Sintetizar as contribuições dos modelos orientais para a Administração.

• �Conhecer o Sistema Toyota de Produção.

Ouça a síntese deste capítulo em menos de 5 minutos.

Professor, acesse www.empreende.com.br para obter material complementar com sugestões de atividades e suas aplicações.

Modelos orientais de gestão

No Brasil, o campo da Administração foi influenciado, sobretudo, por duas escolas: a americana e a francesa. Em menor intensidade, a escola oriental, principalmente a japonesa, influenciou as indústrias brasileiras em torno da eficiência produtiva e dos ganhos de eficiência. Com a emergência das economias da Coreia do Sul e da China, a gestão proveniente desses países tende a voltar à agenda das escolas de Administração do país.

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103199

6. Planejamento e Controle da Produção Puxada e Empurrada

YUH CHING, Hong Editora Empreende PDF Criptografado

Capítulo 6

Planejamento e Controle da

Produção Puxada e Empurrada

ADMINISTRAÇÃO EM PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

| 80 |  

6. P

� lanejamento e Controle da

Produção Puxada e Empurrada

• Compreender o que são processos puxados e empurrados.

• Conhecer as principais atividades que fazem parte do planejamento e do controle da produção.

• Compreender o sistema Just-in-time Kanban de programação e controle da produção.

• Compreender o sistema MRP de programação e controle da produção.

Ouça a síntese deste capítulo em menos de 5 minutos.

Professor, acesse www.empreende.com.br para obter material complementar com sugestões de atividades e suas aplicações.

Planejamento e Controle da Produção (PCP)

Planejamento é o ato de planejar “hoje” algo que se pretende para o futuro, definir previamente ações para alcançar determinados objetivos. Controle é o ato de monitorar e fiscalizar a implementação do que foi planejado e lidar com as contingências e com as possíveis variações que venham a ocorrer.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536320342

Capítulo 8. Pensamento

Henry Gleitman, Daniel Reisberg, James Gross Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

8

REPRESENTAÇÕES ANALÓGICAS

REPRESENTAÇÕES SIMBÓLICAS

302

307

CONTROLE EXECUTIVO

332

CONSCIÊNCIA 333

O PROCESSO DE PENSAMENTO: RESOLVENDO

PROBLEMAS 310

COMENTÁRIOS FINAIS: OS DOMÍNIOS

DA COGNIÇÃO 338

O PROCESSO DE PENSAMENTO: RACIOCÍNIO E

TOMADA DE DECISÃO 320

RESUMO 340

P ENSAMENTO

E

m linguagem comum, a palavra pensar tem uma ampla variedade de significados. Ela pode ser sinônimo para

lembrar (como em “não consigo pensar o nome dela”) ou para crer (como em “eu pensava que as serpentes marinhas eram reais”). Também pode se referir a um estado vago de devaneio (como em “não estou pensando em nada em

particular”). Porém, pensar tem um significado mais restrito, que pode ser transmitido por palavras como raciocinar e refletir. Os psicólogos que estudam o pensamento se interessam principalmente por esse sentido da palavra, que chamam de pensamento direto – as atividades mentais que usamos sempre que tentamos resolver um problema, avaliamos a veracidade de uma afirmação, ou ponderamos os custos e benefícios de uma decisão importante.

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103199

7. Administração da Qualidade

YUH CHING, Hong Editora Empreende PDF Criptografado

Capítulo 7

Administração da Qualidade

ADMINISTRAÇÃO EM PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

| 94 |  

7. ��Administração da Qualidade

Ao final deste capítulo, o aluno deverá ser capaz de:

• Compreender as diferentes abordagens da qualidade.

• Diferenciar os modelos de gestão da qualidade.

• Compreender o processo de melhoria contínua por meio do ciclo PDCA.

• Construir cartas de controle estatístico do processo.

Ouça a síntese deste capítulo em menos de 5 minutos.

Professor, acesse www.empreende.com.br para obter material complementar com sugestões de atividades e suas aplicações.

O que é Qualidade?

Apesar de a qualidade ser muito falada e discutida no mundo dos negócios, percebe-se que o tema nem sempre é entendido por todos da mesma maneira. Há muitas interpretações possíveis quando se afirma que um produto ou serviço tem ou não qualidade. Diferentes empresas se referem a qualidade usando significados diferentes para o termo. Então, afinal, o que é qualidade? As cinco diferentes abordagens usadas para defini-la são:

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103113

Capítulo 3 - Escola das Relações Humanas

LANGRAFE, Taiguara Editora Empreende PDF Criptografado

Capítulo 3

Escola das

Relações

Humanas

ADM_.indb 31

03/08/2018 17:14:52

| 32 |  

ADMINISTRAÇÃO

3. �Escola das

Relações Humanas

ADM_.indb 32

03/08/2018 17:14:53

• Conceituar o comportamento humano sobre o desempenho das organizações.

• Conhecer as origens e a evolução dos estudos sobre as relações humanas na administração das organizações.

• Diferenciar os dois principais focos no estudo do comportamento nas organizações: o individual e o coletivo.

Ouça a síntese deste capítulo em menos de 5 minutos.

Professor, acesse www.empreende.com.br para obter material complementar com sugestões de atividades e suas aplicações.

Os estudiosos que impulsionaram a Administração Científica e a análise do processo administrativo, como Taylor,

Ford e Fayol, tinham um enfoque técnico para administração. Analisavam os métodos de trabalho, a organização da empresa e a eficiência na utilização dos recursos. Porém, a produtividade e o desempenho das organizações dependem também do comportamento das pessoas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103281

26. Modelo Inovador Uniamérica

SADAO, Edson Editora Empreende PDF Criptografado

Modelo Inovador

26 Uniamérica

Coordenador Fausto Fava de Almeida Camargo

Resumo

Ao conversar com alunos sobre os modos de ensinar e aprender, percebe-se que o ensino essencialmente transmissivo, centrado unicamente no conhecimento do professor, é motivo de muitas insatisfações. Reclamam de ficar horas ouvindo, da rigidez dos horários, do distanciamento do conteúdo proposto com a vida pessoal e profissional e dos recursos pedagógicos pouco atraentes. Ao conversar com professores, a recíproca também é verdadeira.

Mesmo diante de tantos avanços tecnológicos e científicos, o modelo de aula continua, predominantemente, oral e escrito, bem como os recursos utilizados. Têm se mantido intactos: muito giz, caderno e caneta. Quando mudam, ganham uma nova roupagem por meio da utilização dos instrumentos audiovisuais. Já os alunos aprendem a receber o conteúdo passivamente e cada vez mais esperam tudo produzido pelos professores.

Diante desse contexto, o problema/desafio percebido centrou-se nos questionamentos: como modificar os modos de aprender e ensinar para gerar resultados mais positivos? Como garantir que os alunos se apropriem do conhecimento e o relacionem com o cotidiano profissional?

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103199

3. Capacidade e Localização de Instalações

YUH CHING, Hong Editora Empreende PDF Criptografado

Capítulo 3

Capacidade e

Localização de

Instalações

ADMINISTRAÇÃO EM PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

| 38 |  

3. ��Capacidade e

Localização de

Instalações

• Conceituar capacidade produtiva.

Capacidade Produtiva

No caso dos sistemas de serviços, medir quantos clientes um dado sistema é capaz de atender por dia, por exemplo, é mais difícil devido à característica de heterogeneidade (variabilidade) intrínseca aos processos de prestação de serviços, uma vez que estes dependem de quem os executa, do próprio cliente e de onde são prestados. Nesses casos, a utilização de medidas da capacidade de entrada do sistema – fatores necessários para produzir um produto ou prestar um serviço – é mais comum, como o número de leitos disponíveis em um hospital, número de homens-hora em uma consultoria, número de lugares em um estádio de futebol, número de metros cúbicos em um armazém etc.

Capacidade produtiva é a quantidade máxima de produtos ou serviços que pode sair de um sistema em um determinado tempo. Assim, a medição da capacidade produtiva de um sistema é a quantificação do máximo que pode ser gerado pelo sistema em um dado período (hora, dia, mês, ano).

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103281

3. O Prêmio Angrad e os Projetos da Região Nordeste do Brasil

SADAO, Edson Editora Empreende PDF Criptografado

O Prêmio Angrad

3 e os Projetos da Região

Nordeste do Brasil

Profa. Doutoranda Ana Carolina Peixoto Medeiros

Instituto Federal de Pernambuco – IFPE

Profa. Dra. Fernanda Roda Cassundé

Universidade Federal do Vale do São Francisco – Univasp

A região Nordeste do Brasil é composta por nove estados da federação, sendo eles Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio

Grande do Norte e Sergipe. A população corresponde a cerca de 56,72 milhões de habitantes, sendo a segunda mais populosa do território brasileiro (IBGE,

2018). Existe uma irregularidade considerável em relação à distribuição demográfica dentro desse território em face da concentração da população nos grandes centros urbanos desses estados, sobretudo nas áreas do Agreste e da

Zona da Mata. Muitos apontam que a seca e a ausência de infraestrutura em regiões sertanejas e no meio-norte promovem a migração da população para as grandes cidades em busca de oportunidades de trabalho e sobrevivência.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536320342

Capítulo 15. Personalidade

Henry Gleitman, Daniel Reisberg, James Gross Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO

15

A ABORDAGEM DE TRAÇOS: DEFININDO NOSSAS

DIFERENÇAS 584

O PODER DA INTERPRETAÇÃO

A ABORDAGEM SOCIOCOGNITIVA: ENXERGANDO

615

AS PROFUNDEZAS

A ABORDAGEM PSICODINÂMICA: INVESTIGANDO

596

ABORDAGENS MÚLTIPLAS

A ABORDAGEM HUMANISTA: AVALIANDO

NOSSO POTENCIAL 611

RESUMO 622

COMENTÁRIOS FINAIS: A NECESSIDADE DE

621

P ERSONALIDADE

A

s pessoas diferem não apenas em sua inteligência, conforme discutimos no capítulo anterior, mas tam-

bém em seus desejos, sentimentos e comportamentos, em suas visões de si mesmas e dos outros, e em suas perspectivas sobre o mundo e o futuro. Todas essas maneiras em que as pessoas diferem se agrupam sob a categoria

geral da personalidade. Porém, o estudo da personalidade envolve mais que apenas catalogar as diferenças entre as pessoas, acarretando também explorar como as diferentes partes de cada pessoa se unem para tornar aquela pessoa quem ela é. Assim, a psicologia da personalidade examina como diferimos uns dos outros e o que motiva cada um de nós. Dessa forma, é tão ambiciosa que nenhuma abordagem única proporciona uma explicação completamente satisfatória de toda a personalidade. Neste capítulo, portanto, descrevemos várias abordagens diferentes à personalidade e mostramos como cada uma se concentra em uma parte diferente do quebra-cabeça de quem somos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103281

28. Projeto Unibem: o Uso de Metodologias Ativas na Integração Ensino e Extensão

SADAO, Edson Editora Empreende PDF Criptografado

Projeto Unibem: o Uso

28 de Metodologias Ativas na Integração Ensino e

Extensão

Coordenador Ayrton Santos de Queiroz

Resumo

Com vistas a melhor articular os processos de ensino-pesquisa-extensão e adotar metodologias ativas de ensino-aprendizagem, a direção da Escola de Negócios da Universidade do

Vale do Itajaí – Univali desenvolveu, no ano de 2015, o Projeto de Extensão Unibem. O projeto é voltado à inserção em sala de aula de situações-problema de organizações privadas, públicas ou sem fins lucrativos a fim de que os alunos estudem tais problemáticas e contribuam com a melhoria dos processos de gestão dessas organizações. A metodologia do projeto propicia aos acadêmicos um ensino prático e voltado para a realidade das organizações locais, além de contribuir com a melhoria da gestão desses parceiros. Apenas no ano de 2017 foram realizados

43 atendimentos a organizações que envolveram 997 alunos e 30 professores de sete cursos de graduação diferentes, dentre esses três Bacharelados em Administração, em atividades de extensão universitária. O objetivo deste artigo, descritivo, elaborado a partir de um relato de experiências, é apresentar a dinâmica de funcionamento do Projeto Unibem, bem como discutir os resultados quantitativos e qualitativos obtidos à luz da teoria sobre metodologias ativas e extensão universitária.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536320342

Apêndice. Estatística: Descrição, organização e interpretação de dados

Henry Gleitman, Daniel Reisberg, James Gross Grupo A PDF Criptografado

APÊNDICE

E STATÍSTICA :

D ESCRIÇÃO , O RGANIZAÇÃO

E I NTERPRETAÇÃO DE D ADOS

DESCREVENDO OS DADOS

700

ORGANIZANDO OS DADOS 702

DESCREVENDO A RELAÇÃO ENTRE DUAS

VARIÁVEIS: CORRELAÇÃO 710

INTERPRETANDO OS DADOS 713

RESUMO 724

No Capítulo 1, consideramos como os psicólogos coletam dados – como eles projetam um estudo ou um experimento, como garantem a validade externa e interna, e assim por diante. Porém, o que eles fazem depois de coletarem os dados? Neste apêndice, enfocaremos os métodos estatísticos que os pesquisadores usam para organizar e interpretar dados numéricos.

Vamos começar com um exemplo. Suponhamos que alguns pesquisadores desejem descobrir se os garotos de 3 anos são mais agressivos fisicamente do que as garotas da mesma idade. Para descobrir, os pesquisadores deverão primeiramente identificar uma medida adequada da agressividade física. Depois, deverão escolher os sujeitos para o estudo. Como os pesquisadores supostamente querem falar sobre crianças de 3 anos em geral, e não apenas sobre as de 3 anos que participaram do estudo, eles devem selecionar seus sujeitos de um modo adequado. Ainda mais importante, devem selecionar garotos e garotas que correspondam em todos os sentidos, com exceção do gênero, para que possam ter um grau razoável de certeza de que quaisquer diferenças que surjam entre os grupos possam ser atribuídas à diferença no sexo, em vez de outros fatores (como desenvolvimento intelectual, classe social, e assim por diante).

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103199

1. Administração da Produção e Operações: Uma Visão Estratégica

YUH CHING, Hong Editora Empreende PDF Criptografado

Capítulo 1

Administração da Produção e

Operações:

Uma Visão

Estratégica

ADMINISTRAÇÃO EM PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

| 12 |  

1. ��Administração da Produção e

Operações: Uma

Visão Estratégica

Ao final deste capítulo, o aluno deverá ser capaz de:

• Conceituar a administração da produção e operações.

• Identificar as principais decisões operacionais de uma empresa.

• Representar um processo produtivo por meio do modelo input-output.

• Compreender a estratégia operacional de uma empresa.

Ouça a síntese deste capítulo em menos de 5 minutos.

Professor, acesse www.empreende.com.br para obter material complementar com sugestões de atividades e suas aplicações.

Administração da Produção e Operações e as

Decisões Operacionais

A administração da produção e operações diz respeito à forma como as empresas produzem seus produtos e prestam seus serviços. Todo produto que compramos – uma cerveja, um carro ou uma residência – possui uma operação desenha-

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103281

10. Conecta UDF: DesenvolvendoHabilidades, GerandoDiferenciais

SADAO, Edson Editora Empreende PDF Criptografado

Conecta UDF:

10 Desenvolvendo

Habilidades, Gerando

Diferenciais

Coordenador Sandson Barbosa Azevedo

Resumo

O curso de Administração presencial do Centro Universitário UDF estava passando por uma diminuição de estudantes matriculados, decorrente do aumento de cursos tecnológicos, de cursos a distância, e da crise educacional do período.

De forma paralela, o mundo atual, em mudança exponencial, busca indivíduos que possuam competências empreendedoras, tais como liderança, mobilização de recursos, criatividade etc.

Esse movimento está ligado primeiramente à área de tecnologia, porém se retomou internamente o forte vínculo e referência com a Administração. Para atender a tal demanda, o UDF entendeu que seria necessário um ambiente inovador que facilitasse e estimulasse o desenvolvimento de competências empreendedoras e que não atendesse somente ao curso de

Administração, mas que fosse usado de forma interdisciplinar, disruptiva e criativa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103281

20. Simulação Empresarial

SADAO, Edson Editora Empreende PDF Criptografado

Simulação

20 Empresarial

Coordenadora Adriana Vieira Ferreira

Resumo

O objetivo deste projeto foi apresentar situações-problema ou oportunidades para projetar e estimular as competências administrativas por meio de desafios encontrados no mercado, que pudessem levar os alunos à reflexão quanto às análises estratégicas, aplicando ferramentas administrativas ensinadas no curso de Administração. Para isso, os discentes foram desafiados com perguntas situacionais, fazendo-os, por meio da reflexão, apontar soluções para as situações apresentadas em sala de aula. Como suporte nas decisões, as equipes contaram com um mentor para auxiliá-las, um administrador atuante no mercado, que contribuiu, por meio de sua experiência e de sua visão acerca das situações apresentadas. Essa contribuição do mentor foi disseminada para todas as equipes por meio de debates em sala de aula. Ao final do projeto, os alunos apresentaram uma empresa, criada por eles, evidenciando as estratégias de marketing, as análises mercadológicas, a distribuição de responsabilidades, a criação de metas, as análises financeiras, bem como os resultados das vendas de produtos reais. A equipe vencedora foi aquela que apresentou maior lucro líquido e os resultados foram apresentados utilizando planilhas financeiras. O projeto foi executado em classe e extraclasse, no decorrer de um semestre. Os resultados apresentados nesse projeto foram direcionados ao dinamismo e ao comprometimento dos discentes em relação aos desafios situacionais, com estímulo a críticas construtivas e significativas, em que os discentes tiveram a oportunidade de contribuir com suas ideias e sugestões por meio de estudos teóricos e vivenciais. Assim, percebeu-se o estímulo dos discentes em querer aplicar conceitos administrativos de forma dinâmica e contributiva para o aprendizado. Outro resultado apresentado foi o valor financeiro levantado de cerca de R$ 12.000,00 em cada aplicação do projeto. O valor foi destinado a uma instituição filantrópica, escolhida pelos próprios discentes, e entregue in loco, fomentando, assim, o olhar social.

Ver todos os capítulos
Medium 9788566103281

1. A Região Norte: Considerações sobre os Impactos Sociais e Econômicos dos Cursos de Administração

SADAO, Edson Editora Empreende PDF Criptografado

1

A Região Norte:

Considerações sobre os Impactos Sociais e

Econômicos dos Cursos de Administração

Prof. Dr. Edson Sadao Iizuka

A região Norte brasileira possui uma população total de 18,16 milhões de habitantes, correspondendo a aproximadamente 8% da população brasileira, e inclui os seguintes estados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. É uma região com uma densidade demográfica relativamente baixa: 4,71 habitantes por km² e possui como etnias principais: parda (67,2%), branca (23,2%), negra (6,5%), indígena (1,9%) e amarela (1,1%), de acordo com o Censo do IBGE de 2010. As cidades mais populosas são Manaus (2,01 milhões de habitantes), Belém (1,45 milhão de habitantes), Porto Velho (519,4 mil habitantes) e Macapá (474,7 mil habitantes). Trata-se de uma região com amplos espaços territoriais, com diversidade em sua fauna e flora, com rios extensos e volumosos (IBGE, 2018).

No âmbito educacional, a região Norte se caracteriza por predominante presença de instituições privadas no sistema de ensino superior em relação a instituições públicas, como mostra a Tabela 1.

Ver todos os capítulos

Carregar mais