967 capítulos
Medium 9788520440018

10. Articulação do tornozelo e do pé

STAUGAARD-JONES, Jo Ann  Editora Manole PDF Criptografado

Articulação do tornozelo e do pé

10

A construção da articulação do tornozelo/pé é a mais intrigante.

Os 26 ossos (7 tarsais, 5 metatarsais e 14 falanges), os 19 grandes músculos, muitos pequenos músculos intrínsecos da planta do pé e mais de 100 ligamentos compõem a estrutura principal de cada articulação do tornozelo e do pé.

A transferência de peso da tíbia para o tálus e então para o calcâneo (osso do calcanhar) é um incrível ato de equilíbrio em que se recebe o peso de todo o corpo e, em seguida, impulsiona-o adiante para o restante do pé.

Cap. 10ok.indd 177

13/8/15 11:23 AM

178

Exercício e movimento: abordagem anatômica

ARTICULAÇÃO DO TORNOZELO E DO PÉ

Articulações e ações da articulação do tornozelo e do pé

A articulação superior do tornozelo é o ponto de articulação entre a tíbia, a fíbula e o tálus.

Eles se encaixam firmemente; é uma articulação do tipo gínglimo, em que ocorrem as ações de flexão plantar e flexão dorsal. A articulação inferior, ou distal, do tornozelo é uma combinação das articulações talocalcânea e transversa do tarso. Os sete ossos tarsais estão localizados nessa área, e há diversos movimentos entre as várias articulações. A autora prefere simplificar as ações articulares da área utilizando os termos“pronação”e“supinação”(ver página 179).

Ver todos os capítulos
Medium 9788520436936

10. Atividade física e distúrbios posturais

GREGUOL, Márcia; COSTA, Roberto Fernandes da Editora Manole PDF Criptografado

10 capítulo

Atividade física e distúrbios posturais

Dr. Héldio Fortunato Gaspar de Freitas

Prof. Sérgio Rodrigues de Oliveira

Dr. Ricardo Moutte de Freitas

INTRODUÇÃO

Não se sabe ao certo a idade do homem sobre a Terra, porém sabe-se que os problemas posturais existem desde que o homem surgiu. Se a teoria da evolução do homem a partir dos quadrúpedes for verdadeira, passando pelos macacos, é possível notar que a coluna vertebral foi a estrutura mais sobrecarregada, e também pode-se dizer que, apesar de ela estar adaptada ao ortostatismo, do ponto de vista mecânico, o homem ainda é um quadrúpede metido a bípede. E é por esse motivo que os seres humanos não passam pela vida sem apresentarem ao menos um episódio doloroso com relação à postura.

Evolução

O feto ocupa um espaço exíguo no útero, com a coluna vertebral apresentando uma única curvatura de convexidade

328

Atividade Física Adaptada

posterior, ou seja, uma cifose. Após o nascimento e durante o primeiro ano de vida, com o desenvolvimento postural, por volta dos três meses, a criança começa a erguer a cabeça a partir do decúbito ventral, a seguir eleva o tronco com o apoio dos membros superiores; senta aos seis meses de idade; fica em quatro apoios aos nove meses, o que possibilita engatinhar; fica em posição ortostática e deambula com cerca 1 um ano de idade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527728720

10 - Atividades de Finalização e/ou de Sala de Aula

Sara Quenzer Matthiesen Grupo Gen PDF Criptografado

Atividades de Finalização e/ou de Sala de Aula

10

Fala-se muito em “volta à calma” quando o assunto é finalização de uma aula de Educação

Física. É nesse sentido que sugerimos que o próprio tema da aula de atletismo seja explorado também nesse momento. Talvez, seja oportuna a apreciação de imagens de atletas referenciando, em parte, aquilo que foi executado durante a aula propriamente dita ou a elaboração de perguntas e respostas visando inserir aspectos pouco abordados. Outra dinâmica

é construir com as crianças um cartaz envolvendo aspectos relacionados com o conteú­do específico da aula para divulgação, por exemplo, no mural da escola onde outras turmas terão acesso.

Para além disso, e dentre as inúmeras situações previsíveis, uma se faz recorrente no decorrer do curso: e quando chover, o que fazer? Ora, use e abuse de sua criatividade, aproveitando esse momento para ensinar algo mais sobre o atletismo aos seus alunos. Se tiver possibilidade de rea­li­zar algo prático em um lugar coberto, vá em frente e inspire-se nas sugestões a seguir. Caso não haja disponibilidade de espaço, utilize a própria sala de aula e desenvolva algumas atividades relacionadas com esse conteú­do.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520426999

10. Corpo Inteiro

GOLDENBERG, Lorne; TWIST, Peter Editora Manole PDF Criptografado

Corpo

Inteiro

Exercícios neste capítulo

Leg Press de Estabilização com Parceiro

Agachamento com Desenvolvimento por Cima da Cabeça

Rolamento com Agilidade

Avanço com Deslocamento e Rotação da Medicine Ball por Cima da Cabeça

Avanço Angulado com Rotação Horizontal da Medicine Ball

Flexão dos Membros Superiores com Deslocamento na Medicine Ball

Arremesso de Lateral a Frontal da Medicine Ball contra a Parede

Circuito com a Medicine Ball

Cortada de Machado com Flexão do Quadril

Rebote Lateral no Solo com a Medicine Ball por Cima da Cabeça

Salto e Arremesso com a Medicine Ball por Cima da Cabeça

Arremesso da Medicine Ball com Salto com os Dois Membros Inferiores e

Aterrissagem com um Membro Inferior

250

252

254

256

258

260

262

264

266

267

268

270

249

250

Treinamento de Força com Bola

LEG PRESS DE ESTABILIZAÇÃO

Ver todos os capítulos
Medium 9788520428955

10. Criando um programa de força e condicionamento

SALO, Dave; RIEWALD, Scott A. Editora Manole PDF Criptografado

10

Criando um programa de força e condicionamento

Agora que você já viu como a força e o condicionamento físico podem melhorar seu desempenho na Natação, vamos discutir como é possível estruturar seu treinamento no decorrer de uma temporada.Vários princípios de treinamento são subjacentes ao tipo de programa, porém na verdade o mais importante é ter um plano – conhecendo seus objetivos específicos ou os dos nadadores que você treina. Saiba o que quer e quando deseja fazê-lo.Você pode ter o objetivo de atingir dois picos de desempenho neste ano e querer que eles ocorram durante as provas dos campeonatos estaduais no verão e na primavera. Seus objetivos podem ser um pouco diferentes dos da equipe nacional, que são conseguir apenas um pico por ano no Pan Pacific ou no Campeonato Mundial ou então a cada quatro anos nos

Jogos Olímpicos. Quer você seja membro da equipe do seu país, um nadador máster, membro de um grupo de nadadores jovens ou um triatleta, um programa bem desenvolvido de força e condicionamento o ajudará a levar seu nível de desempenho para o próximo patamar. Independentemente de quais sejam suas aspirações, quanto mais você entende a ciência por trás da periodização e do desenvolvimento de um plano de treinamento, mais capaz você será de aprimorar a integração do treinamento de força ao seu nado.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos