110 capítulos
Medium 9788582713471

Capítulo 23. Agressividade no esporte

Robert S. Weinberg, Daniel Gould Grupo A PDF Criptografado

Agressividade no esporte

23

Após ler este capítulo, você deverá ser capaz de:

1.

2.

3.

4.

5.

Definir agressidade

Identificar as causas da agressividade

Examinar as considerações especiais relativas a agressividade e esporte

Explicar a relação agressividade-desempenho

Deduzir implicações das pesquisas para ajudar a controlar a agressividade

Quem consegue esquecer a tão comentada

briga entre os times de basquetebol da NBA Detroit Pistons e Indiana Pacers, que envolveu inúmeros jogadores e torcedores e resultou na suspensão de Ron Artest, jogador do Pacers, por 140 jogos, em razão da invasão das arquibancadas para brigar com torcedores violentos do Pistons? Ou quando o jogador de hóquei no gelo do Vancouver Canucks Todd Bertuzzi acertou o novato

Steve Moore com um soco na cabeça e o empurrou de cara no gelo. Moore fraturou uma vértebra do pescoço e sofreu uma concussão neste ato violento, que acabou encerrando sua carreira no hóquei, enquanto Bertuzzi foi suspenso da liga e condenado nos tribunais canadenses por seu papel na agressão. Em outro incidente no hóquei no gelo, uma discussão acalorada se instalou quando um jovem técnico local foi flagrado conduzindo um treino em que seus jogadores formavam duplas e treinavam tirando seus capacetes e luvas e brigando a socos até que um sangrasse. Ainda mais inacreditável que o treino foi a reação de alguns membros da equipe de hóquei no gelo que não achavam as atitudes do técnico inadequadas!

Ver todos os capítulos
Medium 9788582713013

Capítulo 6 - Desenvolvimento Motor Inicial

Kathleen M. Haywood, Nancy Getchell Grupo A PDF Criptografado

6

Desenvolvimento

Motor Inicial

Restrições fundamentais do indivíduo

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Descrever os diferentes tipos de movimento que ocorrem na infância.

Descrever os marcos referenciais motores.

Examinar o desenvolvimento postural e o equilíbrio em bebês.

Explicar a relação entre os movimentos iniciais e posteriores do bebê.

Explicar como os movimentos iniciais são moldados por uma variedade de restrições.

Identificar a tendência da crescente influência de fatores externos e da decrescente influência de fatores genéticos à medida que o indivíduo avança em idade.

• Listar os reflexos do bebê e suas reações posturais.

100

Desenvolvimento Motor Inicial

Desenvolvimento motor no mundo real

Intervenções inovadoras na primeira infância: bebês dirigindo robôs

As crianças que nascem com graves incapacidades motoras, como aquelas associadas à paralisia cerebral, apresentam maior risco de retardos de desenvolvimento associados à mobilidade na cognição, linguagem e socialização. Nas idades de 1 a 5 anos, é fundamental fornecer mobilidade diária, uma vez que o aprendizado significativo, o desenvolvimento do cérebro e do comportamento dependem da mobilidade nesse período.Um projeto da Fundação Nacional de Ciência, carinhosamente chamado de “Bebês Dirigindo Robôs e Carros de Corrida”, começou na Universidade de Delaware, quando Sunil Agrawal, um professor do Departamento de Engenharia Mecânica, abordou o professor Cole Galloway do Departamento de Fisioterapia. Galloway explica, “Dr. Agrawal me disse:

Ver todos os capítulos
Medium 9788536317960

Capítulo 17: Aapectos sobre a relevãncia do campo do lazer na adolescência

Dante De Rose Jr. Grupo A PDF Criptografado

Esporte e atividade física na infância e na adolescência

ASPECTOS SOBRE A

RELEVÂNCIA DO CAMPO DO

LAZER NA ADOLESCÊNCIA

235

17

Ricardo Ricci Uvinha

A relação entre adolescência e lazer pode sugerir que tal público seria privilegiado no acesso a atividades de tempo livre, já que parece não existir melhor momento para a diversão e a transgressão de uma ampla gama de obrigações impostas pela sociedade moderna. Contudo, entende-se que tais reflexões devem ser vistas academicamente com o devido cuidado, a fim de que não se assuma um discurso reducionista quanto ao adolescente e seu papel na sociedade, ao atrelá-lo unicamente a uma concepção funcionalista de lazer pautada em um conteúdo romântico, hedonístico e irremediavelmente suscetível às amarras moralistas do complexo meio social em que está inserido.

Elementos como isolamento social, horizontes limitados, dificuldades em estabelecer um estilo próprio e um sentimento negativo com relação à vida são comumente reportados por adolescentes e tornam-se um grande desafio para os educadores e para os responsáveis por políticas públicas para tal grupo. Mostra-se necessário identificar de forma mais atenta a qual adolescência nos referimos, reconhecendo a significativa dificuldade em pensá-la de forma unívoca enquanto fase de vida com início, meio e fim estabelecidos, já que esta se concebe nos mais distintos ambientes, dada a complexidade da atual sociedade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565852098

Capítulo 12 - Medidas Psicológicas em Esporte e Exercício

James R. Morrow Jr., Allen W. Jackson, James G. Disch, Dale P. Mood Grupo A PDF Criptografado

12

Medidas Psicológicas em Esporte e

Exercício

Robert S. Weinberg, Miami University

Objetivos

Tópicos

Psicologia do esporte: aumento do desempenho e saúde mental

Medidas traço e estado

Medidas gerais versus específicas ao esporte

Cuidados na utilização de testes psicológicos

Medida quantitativa versus qualitativa

Métodos quantitativos

Métodos qualitativos

Escalas usadas em psicologia do esporte e do exercício

Ansiedade competitiva

Atitudes

Escalas psicológicas gerais usadas no esporte e no exercício

Inventário de automotivação

Perfil dos estados de humor

Teste de estilo interpessoal e de atenção

Estágios de mudanças do comportamento para atividade física e exercício

ESTUDE

Morrow_12.indd 335

Após estudar este capítulo, você será capaz de:

336

337

339

341

343

344

346

348

348

356

364

Ver todos os capítulos
Medium 9788536317960

Capítulo 3: Oesporte, a criança e o adolescente: consensos e divergências

Dante De Rose Jr. Grupo A PDF Criptografado

Esporte e atividade física na infância e na adolescência

O ESPORTE, A CRIANÇA E O

ADOLESCENTE: CONSENSOS

E DIVERGÊNCIAS

45

3

Osvaldo Luiz Ferraz

A opinião dos adultos sobre a prática esportiva de crianças e de adolescentes é unânime, ou seja, os pais não se opõem a que seus filhos pratiquem esporte. Além disso, devido à valorização da atividade física para a qualidade de vida, a tendência em considerar a prática esportiva tão importante quanto as atividades intelectuais tem crescido bastante nos últimos anos. Pesquisas têm demonstrado que os pais consideram a prática de esportes benéfica para a saúde e favorável ao rendimento escolar.

Os argumentos que sustentam essa posição relacionam-se à aquisição de regras de conduta, de normas de comportamento e de valores sociais que fundamentam nossa cultura. Pressupõe-se que atitudes de perseverança, de disciplina e de cooperação exigidas na prática esportiva contribuam para a formação da personalidade. Outro aspecto mencionado é o de que a competitividade adquirida no esporte pode ser transferida para a competitividade inerente à vida social, sobretudo profissional, preparando a criança e o adolescente para enfrentar a vida mais adequadamente (Tani;

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos