971 capítulos
Medium 9788520435915

7. Treinamento de resistência aeróbia

Jay R. Hoffman Editora Manole PDF Criptografado

7

Treinamento de resistência aeróbia

Joel T. Cramer, PhD, CSCS*D, NSCA-CPT*D, FNSCA, FISSN, FACSM

Abbie E. Smith, PhD, CSCS*D, CISSN

Competições e exercícios de resistência aeróbia são populares e estão disponíveis para quase todos. A crença popular é que aqueles que treinam forte e bastante têm bom desempenho. Contudo, esse não é sempre o caso. Ainda que o treinamento seja obviamente importante, o desempenho não é ditado apenas pelo volume e a intensidade do treinamento. Alcançar o desempenho almejado em esportes de resistência aeróbia exige a compreensão de vários fatores, incluindo a fisiologia básica por trás desse tipo de desempenho, a economia de exercício, princípios do treinamento de resistência aeróbia, psicologia do desempenho e estilo de vida geral. Este capítulo, além de focar na elaboração de programas de treinamento de resistência aeróbia, também vai abordar e discutir esses fatores periféricos que se encontram ligados às variáveis básicas da elaboração de programas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520430941

PULL-OVER COM BARRA

Len Williams, Derek Groves, Glen Thurgood Editora Manole PDF Criptografado

102

TREINAMENTO DE FORÇA

PULLOVER COM BARRA

MÚSCULOSALVO

VARIAÇÃO

▪ Peitorais

Você pode executar esse exercício com pegadas próximas, utilizando uma barra W ou um único haltere. Em todas essas variações, você pode flexionar levemente os membros superiores ao executar o movimento para baixo. Isso permite uma grande amplitude de movimento e exige mais do tríceps braquial. De todo modo, certifiquese de que seus pés estejam em contato com o solo.

▪ Latíssimo do dorso

▪ Tríceps braquial

Esse é um excelente exercício para desenvolver o tórax e melhorar a postura da parte superior do corpo e é útil no treinamento para esportes de arremesso ou artes marciais. No entanto, você deve evitá-lo se tiver qualquer problema nos ombros.

Reto do abdome

Serrátil anterior

Variação com barra W

Peitorais

• Peitoral maior

• Peitoral menor

Variação com haltere

Latíssimo do dorso

Bíceps braquial

Braquiorradial

Ver todos os capítulos
Medium 9788520430491

5. A deficiência intelectual

Marcia Greguol Editora Manole PDF Criptografado

5

A DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

Embora com prevalência elevada entre a população, poucas condições despertam tantas dúvidas e negações como a deficiência intelectual. Talvez pela sua subjetividade e pela complexidade de seu diagnóstico, o fato é que, exceto em situações em que vem acompanhada de condições sindrômicas, a deficiência intelectual ainda é um grande desafio para pais e professores, especialmente pela falta de informações adequadas sobre as reais possibilidades dos indivíduos. Muitos mitos pairam sobre esta condição, como o de que aqueles com deficiência intelectual serão sempre incapazes ou “eternas crianças”. É importante que a sociedade se conscientize de que essas pessoas podem, por meio de técnicas adequadas, atingir níveis elevados de desempenho social, escolar, profissional e esportivo.

Compreende-se como deficiência intelectual um distúrbio significativo do desenvolvimento cognitivo, que tenha ocorrido antes dos 18 anos de idade e que gere prejuízos significativos no comportamento adaptativo. O comportamento adaptativo pode ser compreendido como um conjunto de domínios básicos para que se tenha garantida uma vida autônoma: comunicação, cuidados pessoais, desempenho familiar, habilidades sociais, independência na locomoção, saúde, segurança, desempenho escolar, lazer e desempenho no trabalho. Além do atraso cognitivo significativo, para ser considerado portador de deficiência intelectual, o indivíduo deve necessitar de apoio e supervisão constante em pelo menos dois desses domínios do comportamento adaptativo. Assim, os testes que avaliam o coeficiente intelectual não são mais os únicos determinantes para o diagnóstico da condição, nem tampouco vêm sendo aplicados com frequência.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520426999

2. Treinando com a Bola para o Fortalecimento

Lorne Goldenberg, Peter Twist Editora Manole PDF Criptografado

Treinando com a Bola para o

Fortalecimento

integração será o segredo para o sucesso dos programas de exercícios. Embora seja possível obter uma excelente série de exercícios apenas com os treinamentos com bola, ganhos ainda maiores poderão ser percebidos se o praticante compreender como integrar esses exercícios a outros, convencionais de musculação.

A maioria das rotinas de treinamento de força inclui diversos exercícios que variam de seis a dez movimentos. Contudo, essa variação dependerá do objetivo do programa, da fase do treinamento em que o praticante está e se completa ou não minicircuitos dentro de sua série de exercícios. A experiência sobre o assunto esclarece que, dependendo do objetivo, ao integrar o trabalho com bolas a um programa tradicional, cerca de 20 a 40% dos exercícios poderão ser realizados com uma bola.

A

Colocando o treinamento com bola em uma série de exercícios

Os treinamentos de força com bola são úteis para toda a população, uma vez que podem ser facilmente adaptados de modo a atender uma série de necessidades e metas. Bolas de tamanhos, densidades e pesos variados, mudanças de exercícios e uso de carga de estabilização dinâmica (DSL), assim como as características de deslocamento de carga, permitem que praticantes jovens e veteranos aproveitem os exercícios adequados segundo seus níveis de habilidade. No entanto, como, quando e o quanto esses exercícios devem ser usados pode variar muito, dependendo dos objeti9

Ver todos os capítulos
Medium 9788536305271

Rosca tríceps

Cláudia Silveira Lima, Ronei Silveira Pinto Grupo A PDF Criptografado

membros superiores

93

Testa

Em comparação com a fixa:

A intensidade do trabalho da cabeça longa do tríceps braquial é ↑.

A intensidade do trabalho da cabeça curta do tríceps braquial é ↓.

TRÍCEPS BRAQUIAL – CABEÇA LONGA

9 mV

TRÍCEPS BRAQUIAL – CABEÇA CURTA

2 mV

Considerações

A posição da radiulnar interfere no exercício?

A inserção do tríceps braquial localiza-se no olécrano da ulna, sendo que, durante os movimentos de supinação e pronação da radiulnar, a ulna não se movimenta. Conseqüentemente, a posição da radiulnar parece não afetar os aspectos mecânicos do movimento de extensão do cotovelo, bem como não interferir na produção de força desse músculo. No entanto, durante a execução da rosca tríceps ocorre a ativação dos músculos do antebraço como estabilizadores da articulação do punho ou, em algumas situações, como responsáveis pelos movimentos em amplitude reduzida de flexão (rosca pronada) ou extensão (rosca supinada) dessa articulação. O fato de a força dos extensores do punho ser substancialmente menor do que a dos seus antagonistas parece contribuir para a maior ativação do tríceps braquial durante a execução da rosca tríceps supinada.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos