584 capítulos
Medium 9788520416808

10. As perguntas dos antigos e as dos modernos

Ghiraldelli Jr., Paulo Editora Manole PDF Criptografado

10

As perguntas dos antigos e as dos modernos

O

s gregos antigos, querendo explicar racionalmente o mundo, inauguram a filosofia, e o fazem por meio da pergunta “O que é a realidade?”. Na resposta a tal pergunta, elaboram duas coisas: primeiro, atentam diretamente para o mundo, e segundo, criam a distinção entre aparência e essência. Querem saber o que é o essencialmente real, isto é, o que passam a chamar de “explicação verdadeira do mundo”, o que se apresenta em oposição a outras formas de descrever o mundo, formas que são consideradas, na melhor das hipóteses, “mera aparência” e, na pior, já de modo pejorativo, “ilusão”, “erro” – o “inessencial”.

Para a pergunta “O que é o real?”, aqueles antigos que dizem estar de posse de explicações racionais – os filósofos – fornecem dupla resposta: uma é a dos pensadores jônicos, que os manuais denominam de “os primeiros físicos”; outra vem dos pensadores eleatas, que os manuais apontam como pensadores “mais propriamente filosóficos”. A resposta da escola jônica diz: “O real é a phýsis”, e assim inaugura a filosofia como cosmologia. A resposta da escola eleática diz: “O real é o ser”, e assim a filosofia se põe

Ver todos os capítulos
Medium 9788536317113

10. Entrando no campo

Uwe Flick Grupo A PDF Criptografado

Introdução à pesquisa qualitativa

10

Entrando no campo

As expectativas dos pesquisadores qualitativos e o problema do acesso, 109

As definições de papéis ao entrar em um campo aberto, 110

O acesso a instituições, 111

O acesso a indivíduos, 112

Estranheza e familiaridade, 114

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Após a leitura deste capítulo, você deverá ser capaz de:

desenvolver uma sensibilidade a esse passo-chave no processo de pesquisa. compreender que você, enquanto pesquisador, precisará situar-se no campo. aprender as estratégias que as instituições usam para lidar com pesquisadores e,

às vezes, impedi-los de entrar. compreender a dialética de estranheza e familiaridade neste contexto.

AS EXPECTATIVAS DOS

PESQUISADORES QUALITATIVOS

E O PROBLEMA DO ACESSO

A questão do acesso ao campo em estudo é mais crucial na pesquisa qualitativa do que na quantitativa. Aqui, o contato buscado pelos pesquisadores é o mais próximo ou mais intenso, o que, em resumo, pode ser demonstrado em termos das expectativas associadas a alguns dos métodos qualitativos atuais. Por exemplo, a realização de entrevistas abertas exige um maior envolvimento entre o entrevistado e o pesquisador do que aquele necessário na simples entrega de um questionário. Na gravação de conversas cotidianas, esperase dos participantes certo grau de revela-

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018639

10 - Estratificação social

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade Grupo Gen PDF Criptografado

10

C_Fernandes | iStockphoto

Estratificação social

10.1 Conceito e tipos

Os indivíduos e grupos de uma sociedade diferenciam-se entre si em decorrência de vários fatores, formando uma hierarquia de posições, estratos ou camadas mais ou menos dura-

LakatosMarconi.indb 153

12/13/18 11:11 AM

154

Capítulo 10

douros. Esse fato, observado em todas as sociedades, significa que nelas indivíduos e grupos não possuem a mesma posição e os mesmos privilégios, mas, sob esse aspecto, diferem entre si. Portanto, inexistem sociedades igualitárias puras. A essa diferenciação de indivíduos e grupos em camadas hierarquicamente sobrepostas é que denominamos estratificação.

A estratificação social indica a existência de diferenças, de desigualdades entre pessoas de uma determinada sociedade. Ela indica a existência de grupos de pessoas que ocupam posições diferentes. Assim, a estratificação social é a separação da sociedade em grupos de indivíduos que apresentam características parecidas, por exemplo: negros, brancos, católicos, protestantes, homem, mulher, pobres, ricos etc.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520435762

10. Músculo e nervo

Martin H. Maurer Editora Manole PDF Criptografado

122_173_physiologie_RAFA_10 - 14 Physiologie 10/3/14 4:47 PM Page 118

118

Fisiologia humana ilustrada

A musculatura transmite uma resposta à estimulação para o meio ambiente por meio de movimentos. Nesse processo, o músculo transforma energia química em trabalho e calor. Do ponto de vista morfológico, pode-se diferenciar entre músculo esquelético, músculo cardíaco (musculatura estriada transversal) e músculo liso. Esses três tipos de músculo também apresentam peculiaridades no mecanismo de contração.

10

10.1 Inervação muscular: placa motora terminal

Uma unidade motora consiste de uma fibra nervosa e de todas as fibras musculares por ela inervadas (Fig. 10.1). O tamanho de uma unidade motora reflete sua função: enquanto nos músculos oculares extrínsecos uma fibra nervosa inerva dez fibras musculares, na musculatura glútea são muito mais de mil fibras musculares inervadas.

!

Atenção: Quanto menor a unidade motora (ou seja, quanto menos fibras musculares são inervadas por um motoneurônio), mais bem dosada pode ser a regulagem do movimento muscular. Unidades motoras muito pequenas são encontradas, por exemplo, na musculatura ocular e na musculatura dos dedos das mãos. As maiores unidades motoras, por sua vez, são encontradas na coxa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520438084

10. Manuseio do choque no POI de transplante e cirurgia cardiovascular

Mguel Antonio Moretti Editora Manole PDF Criptografado

capítulo

MANUSEIO DO CHOQUE NO POI DE

TRANSPLANTE E CIRURGIA CARDIOVASCULAR

10

André Guerra de Almeida

INTRODUÇÃO

O transplante de fígado (transplante hepático ortotópico) tornou-se um tratamento amplamente aceito para uma variedade de doenças hepáticas, como cirrose viral e alcoólica, doença maligna hepática, insuficiência hepática aguda e muitas anormalidades metabólicas.

Esses pacientes são geralmente tão desafiadores quanto aqueles com sepse avançada, com várias semelhanças importantes: instabilidade hemodinâmica distributiva, insuficiência respiratória, insuficiência adrenal, insuficiência renal etc.

O período pós-operatório imediato é um momento crucial, pois torna-se necessário um acompanhamento rigoroso para manutensão da função cardiorrespiratória, avaliação frequente do desempenho do enxerto, o reconhecimento oportuno de complicações inesperadas e tratamento imediato do choque que pode levar rapidamente à disfunção de múltiplos órgãos extra-hepáticos e ao insucesso do transplante.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos