609 capítulos
Medium 9788536317113

12. Como planejar a pesquisa qualitativa: uma visão geral

Uwe Flick Grupo A PDF Criptografado

Introdução à pesquisa qualitativa

12

Como planejar a pesquisa qualitativa: uma visão geral

Como planejar e construir os planos na pesquisa qualitativa, 129

Estratégias de atalho, 133

Os planos básicos na pesquisa qualitativa, 135

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Após a leitura deste capítulo, você deverá ser capaz de:

conhecer os componentes básicos que influenciam a construção de um plano de pesquisa. reconhecer os planos básicos mais importantes na pesquisa qualitativa. compreender que, em seu próprio estudo, poderá combinar alguns desses planos básicos. aprender, a partir de um exemplo, como funciona esse processo.

COMO PLANEJAR E

CONSTRUIR OS PLANOS

NA PESQUISA QUALITATIVA

Em termos gerais, a expressão-chave

“plano de pesquisa” refere-se às questões sobre como planejar um estudo. Os capítulos anteriores forneceram informações acerca de tópicos relativos à entrada no campo ou à amostragem e, sobretudo, à formulação de uma questão de pesquisa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018639

Glossário

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade Grupo Gen PDF Criptografado

Glossário

AÇÃO SOCIAL. De forma ampla, pode ser conceituada como um esforço organizado, visando alterar as instituições estabelecidas. De forma particular, é conceituada pelos autores que utilizam a abordagem da ação na análise sociológica da sociedade, os principais representantes são Max Weber e Talcott Parsons. Para Weber, a ação social seria a conduta humana, pública ou não, a que o agente atribui significado subjetivo; portanto, é uma espécie de conduta que envolve significado para o próprio agente. Por sua vez, Parsons tem como ponto de partida a natureza da própria ação; toda ação é dirigida para a consecução de objetivos. Um indivíduo (ator), esforçando-se para atingir determinado objetivo, tem de possuir algumas ideias e informações sobre os “objetos” que são relevantes para a sua consecução, além de ter alguns sentimentos a respeito deles, no que concerne a suas necessidades; e, finalmente, tem de fazer escolhas. Outro aspecto é a necessidade de possuir certos padrões de avaliação e seleção. Todos esses elementos ou aspectos de motivação e avaliação podem tornar-se sociais por intermédio do processo de interação (veja

Ver todos os capítulos
Medium 9788580555707

Capítulo 6 - Desigualdade Racial e Étnica

Richard T. Schaefer Grupo A PDF Criptografado

c

t u p í l

6

o

a

DESIGUALDADE RACIAL E ÉTNICA

PRIVILÉGIOS DOS DOMINANTES

CONSTRUÇÃO SOCIAL DA RAÇA

E DA ETNIA

IMIGRAÇÃO E GRUPOS ÉTNICOS NOVOS

PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS SOBRE

RAÇA E ETNIA

PADRÕES DE PRECONCEITO E DE

DISCRIMINAÇÃO

Em 1900, discursando em Londres para a entidade antiescravagista Anti-Slavery

Union, o pensador W. E. B. Du Bois previu que a “linha de cor” seria o principal problema do século XX. Du Bois, um negro nascido livre em 1868, presenciara preconceito e discriminação pelos Estados Unidos afora. A previsão revelou-se profética. Passado mais de um século, a raça e a etnia ainda têm enorme peso no país (Du Bois, [1900] 1969).

Desde 1900, porém, a linha de cor diluiu-se bastante. O casamento inter-racial deixou de ser proibido pela lei e pelo costume. Assim, Geetha Lakshmi-narayanan, nascida em Ann Arbor, Estado de Michigan, é, ao mesmo tempo, branca e indiana. Frequentemente confundida como filipina ou latina, ela já se acostumou a ser questionada sem rodeios,

Ver todos os capítulos
Medium 9788536317113

25. As análises de narrativa e a hermenêutica

Uwe Flick Grupo A PDF Criptografado

Introdução à pesquisa qualitativa

25

As análises de narrativa e a hermenêutica

A análise de narrativas, 307

A hermenêutica objetiva, 311

A hermenêutica das ciências sociais e a sociologia hermenêutica do conhecimento, 315

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Após a leitura deste capítulo, você deverá ser capaz de:

identificar o modo como a abordagem narrativa é utilizada na análise das histórias de vida e outras formas de dados biográficos. compreender o princípio da análise sequencial como princípio orientador das análises narrativa e hermenêutica. explicar o significado da hermenêutica objetiva. compreender a hermenêutica das ciências sociais como uma abordagem avançada e alternativa.

A ANÁLISE DE NARRATIVAS

As análises de narrativa partem de uma forma específica de ordem sequencial.

Pondera-se, primeiramente, se o enunciado individual a ser interpretado faz parte de uma narrativa, para depois analisá-lo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521635406

Capítulo 7 - Formação de uma taxa de lucro uniforme (ou média)

MARX, Karl Grupo Gen PDF Criptografado

capítulo

7

Formação de uma Taxa de Lucro Uniforme

(ou Média)*

Retornemos agora à questão da influência exercida sobre a taxa de lucro pela diferença existente entre o capital fixo e o capital circu‑ lante. Em nosso quadro havíamos admitido que todo o capital cons‑ tante aparece imediatamente no valor do produto (que é então intei‑ ramente capital circulante). Isso pode acontecer, mas não é regra. É preciso levar em conta que geralmente é apenas uma parte do capi‑ tal constante que se consome, o resto permanece intacto. Conforme o que permaneça intacto seja maior ou menor, as mais‑valias geradas

– contanto que permaneçam iguais as outras circunstâncias – por capitais de iguais importâncias devem naturalmente ser diferentes.

Consideremos o quadro seguinte (supondo sempre que a mais‑valia

é de 100%, isto é, que a força de trabalho produza além de seu pró‑ prio valor uma mais‑valia exatamente igual a este):

* Vol. III, 1a parte, Cap. 9.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos