269 capítulos
Medium 9788521629856

PARTE V - 9. Um Jogo Absorvente: Notas sobre a Briga de Galos Balinesa

GEERTZ, Clifford Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 9

Um Jogo Absorvente: Notas sobre a Briga de Galos Balinesa

185

Um Jogo Absorvente:

Notas sobre a Briga de Galos Balinesa

A Invasão

Em princípios de abril de 1958, minha mulher e eu chegamos a uma aldeia balinesa, atacados de malária e muito abalados, e nessa aldeia pretendíamos estudar como antropólogos. Um lugar pequeno, com cerca de quinhentos habitantes e relativamente afastado, a aldeia constituía seu próprio mundo. Nós éramos invasores, profissionais é verdade, mas os aldeões nos trataram como parece que só os balineses tratam as pessoas que não fazem parte de sua vida e que, no entanto, os assediam: como se nós não estivéssemos lá. Para eles, e até certo ponto para nós mesmos, éramos não pessoas, espectros, criaturas invisíveis.

Acomodamo-nos com uma família extensa (as acomodações já haviam sido reservadas anteriormente através do governo provincial) e que pertencia a uma das quatro maiores facções da vida da aldeia. Exceto por nosso senhorio e pelo chefe da aldeia, do qual ele era primo e cunhado, todos os demais nos ignoravam de uma forma que só os balineses conhecem. Enquanto caminhávamos sem destino, incertos, ansiosos, dispostos a agradar, as pessoas pareciam olhar através de nós, focalizando o olhar a alguma distância, sobre uma pedra ou uma árvore, mais reais do que nós. Praticamente ninguém nos cumprimentava, mas também ninguém nos ameaçava ou dizia algo desagradável, o que seria até mais agradável do que ser ignorado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554373

Capítulo 10 - Abuso infantil

Denise L. McLurkin Grupo A PDF Criptografado

10

Abuso infantil

Que menino!

“Meninos!” Sopro o apito e, então, grito para o grupo de alunos do 3o ano perto do escorregador, “Por favor, saiam do caminho para que Justin possa descer com segurança”. Shawn, um dos meus alunos do 2o ano do ano passado, faz sinal positivo e grita: “Sem problema, Sra. Merritt”. Então, abre um grande sorriso e ele e seus amigos se afastam para o lado do escorregador.

Enquanto observo as crianças durante a supervisão do pátio, cuido para não ficar de costas para os brinquedos. Lembro-me de quando ainda não tinha me formado e uma de minhas amigas, Morgan, também professora em formação, não conseguiu evitar que uma criança pulasse de cima do escorregador e quebrasse o braço e a perna porque ela estava de costas falando com outros alunos. Quando chegou o momento de preencher o relatório oficial, ela não podia relatar nada, pois não havia visto nada. Mas não me entenda mal. Sei que professores não têm olhos nas costas, mas Morgan ainda tem problemas e se sente culpada por causa desse

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554373

Capítulo 20 - Automutilação

Denise L. McLurkin Grupo A PDF Criptografado

20

Automutilação

Preciso ir ao banheiro

“Sra. Anderson”, Juliet entra na sala sorrindo após o almoço. “Você leu meu diário ontem à noite?” Olho para Juliet e digo, “Li, sim. Parabéns por conseguir o solo na apresentação de dança”. Juliet irradia orgulho. Ela tem falado para todo mundo o quanto gosta de dançar. Está fazendo aulas de sapateado, jazz, balé e hip-hop. É uma menina alta e magra, tem a aparência típica de uma bailarina. Às vezes, quando tem ensaio ou apresentação logo após a aula, ela vem para a escola com coque no cabelo.

No primeiro dia de aula, quando nos apresentamos e contamos à turma nossos sonhos para o futuro, Juliet nos disse que queria entrar na Julliard, em Nova York, e ser bailarina da Companhia de Dança Alvin Ailey e dançarina no Radio City Music Hall.

Ela disse que quando for “velha... com 20 e poucos anos”, tentará uma carreira de dançarina na Broadway. “Então, ainda que agora seja um trabalho duro, sei que irá valer a pena.” Devo admitir que é uma jovenzinha decidida, talentosa e confiante. Essas características provavelmente a levarão longe.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536317113

13. Entrevistas

Uwe Flick Grupo A PDF Criptografado

13

Entrevistas

A entrevista focalizada, 143

A entrevista semipadronizada, 148

A entrevista centrada no problema, 154

A entrevista com especialistas, 158

A entrevista etnográfica, 159

A condução das entrevistas: os problemas de mediação e direcionamento, 160

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Após a leitura deste capítulo, você deverá ser capaz de:

✓ entender os vários tipos de entrevistas.

✓ reconhecer os princípios e as ciladas da realização de entrevistas.

✓ elaborar um guia de entrevista.

✓ selecionar, entre as diferentes versões, a técnica de entrevista apropriada.

Por muito tempo, nos Estados Unidos, e particularmente em épocas anteriores da pesquisa qualitativa, a discussão metodológica girou em torno da observação como método principal para a coleta de dados.

As entrevistas abertas predominam na região de língua alemã (por exemplo, Hopf,

2004a) e agora atraem mais atenção também nas áreas anglo-saxônicas (ver, por exemplo, Gubrium e Holstein, 2001). As entrevistas semi-estruturadas, em particular, têm atraído interesse e passaram a ser amplamente utilizadas. Este interesse está associado à expectativa de que é mais provável que os pontos de vista dos sujeitos entrevistados sejam expressos em uma situação de entrevista com um planejamento aberto do que em uma entrevista pa-

Ver todos os capítulos
Medium 9788580555707

Capítulo 10 - População, Comunidade, Saúde e Meio Ambiente

Richard T. Schaefer Grupo A PDF Criptografado

c

POPULAÇÃO, COMUNIDADE,

SAÚDE E MEIO AMBIENTE

t u p í l

10

o

a

DEMOGRAFIA: O ESTUDO DAS

POPULAÇÕES

COMO SURGIRAM AS COMUNIDADES?

A URBANIZAÇÃO E SUAS

CONSEQUÊNCIAS

SAÚDE E DOENÇA: PERSPECTIVAS

SOCIOLÓGICAS

EPIDEMIOLOGIA SOCIAL

MEIO AMBIENTE: O MUNDO E O NOSSO

LUGAR NO MUNDO

Em meados de julho de 2010, três meses após o começo do vazamento de óleo no Golfo do México, a National Commission on the BP Deepwater Horizon Oil Spill and Offshore

Drilling (comissão encarregada de analisar o vazamento de óleo da plataforma offshore

Deepwater Horizon, da British Petroleum) reuniu-se pela primeira vez em Nova Orleans.

Os acontecimentos no Golfo do México ainda estavam em curso quando os membros da comissão deram início às suas deliberações. No litoral, pequenos empresários e trabalhadores da indústria pesqueira e da indústria de turismo enfrentavam as consequências do vazamento para a sua própria sobrevivência e para a região como um todo. Os trabalhadores da indústria petrolífera, ainda sob o impacto de uma moratória decretada pelo

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos