347 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788520441459

10. Comunicação estratégica para empresas familiares

MATOS, Gustavo Gomes de Editora Manole PDF Criptografado

10. Comunicação estratégica para empresas familiares

Profissionalização da gestão se consolida com o reconhecimento da função estratégica da comunicação

“A comunicação é um processo amplo, que abrange todas as pessoas de uma organização e está balizada por relacionamentos intensos e permanentes com os públicos internos e externos e dos públicos internos entre si.”

Wilson da Costa Bueno

Para fixar com exatidão a imagem de uma empresa, é necessário adequá-la aos novos tempos caracterizados por uma sociedade cada vez mais crítica e engajada. Nesse contexto, a comunicação passou a fazer parte do próprio negócio, agregando valores a produtos e serviços.

No caso da empresa familiar, o processo de profissionalização se consolidará pelo reconhecimento da função estratégica da comunicação como instrumento de gestão corporativa, de integração do corpo funcional e de fidelização dos clientes externos. As lideranças que se identificam com a cultura do diálogo conseguem superar desafios e metas pela concretização de um ambiente organizacional de coesão e corresponsabilização por resultados. E, ainda, pela capacidade de ouvir e compreender as reais necessidades dos clientes e as tendências do mercado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788522478415

10 Cultura e Personalidade

Marina de Andrade Marconi, Zélia Maria Neves Presotto Grupo Gen PDF Criptografado

Cultura e Personalidade

10

10.1 Introdução

A temática referente às inter-relações de cultura e personalidade constitui um dos mais novos campos da Antropologia. Alguns estudiosos, de tendências mais radicais, acreditam mesmo que se possa dispensar a contribuição da psicologia no desenvolver dos estudos antropológicos. Crêem ainda que os antropólogos com orientação psicológica tenham uma ótica diferente ao explicar ou reinterpretar valores, padrões e instituições, que os distingue dos objetivos puramente antropológicos.

Esse posicionamento é contrariado pelas modernas tendências, que consideram a dimensão psicológica como um componente essencial da existência humana. Buscar na psicologia o que se passa na mente do indivíduo, como ele pensa e sente, é básico na ordenação das relações entre os homens e entre as instituições culturais que configuram a cultura de que participa.

Dessa forma, a Antropologia deve interessar-se também pela individualidade e como esta se adapta e dinamiza o processo social. Para tanto, deve levar em conta os aspectos instintivos e os racionais que determinam a relação indivíduo-sociedade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021875

10 Cultura Imaterial

MARCONI, Marina de Andrade; PRESOTTO, Zélia Maria Neves Grupo Gen ePub Criptografado

Associada aos hábitos, comportamentos e costumes de determinado grupo social está a cultura imaterial ou patrimônio cultural imaterial.

Este representa os elementos intangíveis de uma cultura. Sendo assim, ele é formado por elementos abstratos que estão intimamente relacionados com as tradições, práticas, comportamentos, técnicas e crenças de determinado grupo social. Diferente do patrimônio material, este tipo de cultura é transmitido de geração em geração.

Vale notar que a cultura imaterial está em constante transformação, uma vez que seus elementos são recriados coletivamente. Isso faz com que o patrimônio intangível seja muito vulnerável.

Por esse motivo, muitos programas e projetos vêm sendo desenvolvidos no Brasil e no mundo com o intuito de levantar e registrar essas práticas.

Em outubro de 2003, na cidade de Paris, França, ocorreu a “Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial”. Esse evento representou um grande avanço para o entendimento e importância desse conceito:

Ver todos os capítulos
Medium 9788536317113

10. Entrando no campo

Uwe Flick Grupo A PDF Criptografado

Introdução à pesquisa qualitativa

10

Entrando no campo

As expectativas dos pesquisadores qualitativos e o problema do acesso, 109

As definições de papéis ao entrar em um campo aberto, 110

O acesso a instituições, 111

O acesso a indivíduos, 112

Estranheza e familiaridade, 114

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Após a leitura deste capítulo, você deverá ser capaz de:

desenvolver uma sensibilidade a esse passo-chave no processo de pesquisa. compreender que você, enquanto pesquisador, precisará situar-se no campo. aprender as estratégias que as instituições usam para lidar com pesquisadores e,

às vezes, impedi-los de entrar. compreender a dialética de estranheza e familiaridade neste contexto.

AS EXPECTATIVAS DOS

PESQUISADORES QUALITATIVOS

E O PROBLEMA DO ACESSO

A questão do acesso ao campo em estudo é mais crucial na pesquisa qualitativa do que na quantitativa. Aqui, o contato buscado pelos pesquisadores é o mais próximo ou mais intenso, o que, em resumo, pode ser demonstrado em termos das expectativas associadas a alguns dos métodos qualitativos atuais. Por exemplo, a realização de entrevistas abertas exige um maior envolvimento entre o entrevistado e o pesquisador do que aquele necessário na simples entrega de um questionário. Na gravação de conversas cotidianas, esperase dos participantes certo grau de revela-

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018639

10 - Estratificação social

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade Grupo Gen PDF Criptografado

10

C_Fernandes | iStockphoto

Estratificação social

10.1 Conceito e tipos

Os indivíduos e grupos de uma sociedade diferenciam-se entre si em decorrência de vários fatores, formando uma hierarquia de posições, estratos ou camadas mais ou menos dura-

LakatosMarconi.indb 153

12/13/18 11:11 AM

154

Capítulo 10

douros. Esse fato, observado em todas as sociedades, significa que nelas indivíduos e grupos não possuem a mesma posição e os mesmos privilégios, mas, sob esse aspecto, diferem entre si. Portanto, inexistem sociedades igualitárias puras. A essa diferenciação de indivíduos e grupos em camadas hierarquicamente sobrepostas é que denominamos estratificação.

A estratificação social indica a existência de diferenças, de desigualdades entre pessoas de uma determinada sociedade. Ela indica a existência de grupos de pessoas que ocupam posições diferentes. Assim, a estratificação social é a separação da sociedade em grupos de indivíduos que apresentam características parecidas, por exemplo: negros, brancos, católicos, protestantes, homem, mulher, pobres, ricos etc.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018639

10 - Estratificação social

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade Grupo Gen PDF Criptografado

10

C_Fernandes | iStockphoto

Estratificação social

10.1 Conceito e tipos

Os indivíduos e grupos de uma sociedade diferenciam-se entre si em decorrência de vários fatores, formando uma hierarquia de posições, estratos ou camadas mais ou menos dura-

LakatosMarconi.indb 153

12/13/18 11:11 AM

154

Capítulo 10

douros. Esse fato, observado em todas as sociedades, significa que nelas indivíduos e grupos não possuem a mesma posição e os mesmos privilégios, mas, sob esse aspecto, diferem entre si. Portanto, inexistem sociedades igualitárias puras. A essa diferenciação de indivíduos e grupos em camadas hierarquicamente sobrepostas é que denominamos estratificação.

A estratificação social indica a existência de diferenças, de desigualdades entre pessoas de uma determinada sociedade. Ela indica a existência de grupos de pessoas que ocupam posições diferentes. Assim, a estratificação social é a separação da sociedade em grupos de indivíduos que apresentam características parecidas, por exemplo: negros, brancos, católicos, protestantes, homem, mulher, pobres, ricos etc.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536317113

11. Amostragem

Uwe Flick Grupo A PDF Criptografado

Introdução à pesquisa qualitativa

11

Amostragem

As decisões relativas à amostragem no processo de pesquisa, 117

A determinação a priori da estrutura da amostra, 118

A definição gradual da estrutura da amostra no processo de pesquisa: amostragem teórica, 120

A seleção gradual como princípio geral na pesquisa qualitativa, 122

Conceitos recentes da seleção gradual, 124

Extensão ou profundidade como objetivos da amostragem, 126

A constituição dos casos na amostra, 126

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Após a leitura deste capítulo, você deverá ser capaz de:

entender o papel e a importância da amostragem na pesquisa qualitativa. identificar as diferenças entre amostragem teórica e estatística. distinguir as diferentes formas de amostragem na pesquisa qualitativa. compreender o modo como um caso é constituído na pesquisa qualitativa.

AS DECISÕES RELATIVAS

À AMOSTRAGEM NO

PROCESSO DE PESQUISA

Ver todos os capítulos
Medium 9788522478415

11 As Artes

Marina de Andrade Marconi, Zélia Maria Neves Presotto Grupo Gen PDF Criptografado

As Artes

11

A arte é uma das características universais da cultura. Acha-se presente em todos os agrupamentos humanos, mesmo os mais simples e isolados. Em todas as épocas e em todos os tempos, o homem empenhou-se na busca da beleza, usando sua imaginação criadora na expectativa de satisfazer a sua necessidade de expressão estética.

As atividades artísticas distinguem-se dos demais aspectos da cultura pelo seu componente estético, que proporciona satisfação e prazer não só ao artista produtor da obra de arte, mas também aos que a observam e apreciam. Nas inúmeras e variadas expressões artísticas elaboradas através dos tempos, acham-se objetivadas todas as emoções humanas: alegrias, tristezas, aspirações, ideais, angústias e frustrações.

A universalidade e a antigüidade da arte despertaram entre os antropólogos o interesse em relacionar arte e antropologia. Sua preocupação volta-se particularmente para as relações existentes entre a arte e os demais aspectos da cultura e da sociedade, para o condicionamento e controle dos impulsos e atividades estéticas. Só no século XX começaram a apresentar o resultado dos seus estudos nesse campo, em trabalhos mais consistentes e menos descritivos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021875

11 Cultura e Personalidade

MARCONI, Marina de Andrade; PRESOTTO, Zélia Maria Neves Grupo Gen ePub Criptografado

Analisadas como fenômenos abrangentes, cultura e personalidade se constituem em respostas a necessidades globais: a primeira é a resposta às necessidades da sociedade que a produziu, a segunda é a resposta às necessidades da pessoa na qual se produziu. Estamos, portanto, diante de dois fenômenos que, embora possuam dinâmicas e leis próprias, guardam certa semelhança por terem como finalidade possibilitar o adequado funcionamento de outros dois fenômenos: a sociedade no caso da cultura e a pessoa humana no caso da personalidade (OLIVEN, 2009).

A temática referente às inter-relações de cultura e personalidade constitui um dos mais novos campos da Antropologia. Alguns estudiosos, de tendências mais radicais, acreditam mesmo que se possa dispensar a contribuição da Psicologia no desenvolver dos estudos antropológicos. Creem ainda que os antropólogos com orientação psicológica tenham uma ótica diferente ao explicar ou reinterpretar valores, padrões e instituições, que os distingue dos objetivos puramente antropológicos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520441459

11. Linha aberta para o empreendedorismo

MATOS, Gustavo Gomes de Editora Manole PDF Criptografado

11. Linha aberta para o empreendedorismo

O segredo do sucesso em tempos de crise

“Aventurar-se causa ansiedade, mas deixar de arriscar-se é perder a si mesmo...

E aventurar-se no sentido mais elevado é precisamente tomar consciência de si próprio.”

Søren Aabye Kierkegaard

Nos contatos com grandes empreendedores que se tornaram empresários bem-sucedidos, pude reparar que todos tinham em comum o domínio da arte da comunicação. É bom ficar claro desde o início que essa qualidade não é destacada pela capacidade de eloquência ou retórica, mas pela habilidade de saber relacionar-se e transmitir ideias com clareza, objetividade e simplicidade.

Todo bom empreendedor chama a atenção pela sua aptidão em entusiasmar as pessoas com ideias e projetos que tem. Quase sempre, os empreendedores são persuasivos e convincentes pelo carisma de abertura para o diálogo e pela atitude de comunicação

O empreendedor comunicativo é capaz de estabelecer ampla rede de relacionamentos profissionais e de articulação de novos negócios. Sua competência em dialogar, expressar opiniões e ideias e estabelecer relacionamentos favorece a superação de conflitos, a busca de entendimentos em processos de negociação e a capacidade de integrar pessoas e equipes em torno de metas e objetivos comuns. Podemos enumerar algumas das competências, ligadas à comunicação, dos empreendedores de sucesso:

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018639

11 - Mobilidade social

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade Grupo Gen PDF Criptografado

11

JohnnyGreig | iStockphoto

Mobilidade social

11.1 Conceito

De acordo com Oliveira (2010), a mobilidade social designa o movimento dos indivíduos ou das unidades familiares no interior do sistema de categorias socioprofissionais ou do sistema de classes sociais. A mobilidade social é condição indispensável à estrutura social no capitalismo, pois é justamente a partir da possibilidade de os indivíduos ou grupos de indivíduos se

LakatosMarconi.indb 181

12/13/18 11:11 AM

182

Capítulo 11

ascenderem nas categorias socioprofissionais que está a legitimidade dos princípios afirmados na revolução burguesa: liberdade, igualdade e fraternidade. A mobilidade social pode ser entendida como um movimento dentro da estrutura social, podendo apresentar-se de duas maneiras: como movimentos interclasse e entre classes.

Segundo Nico (2015) a temática das desigualdades sociais – bloco temático que se tem aproximado da mobilidade social – beneficia já de um conjunto de indicadores reconhecidos e usados pelos produtores de estatísticas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597018639

11 - Mobilidade social

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade Grupo Gen PDF Criptografado

11

JohnnyGreig | iStockphoto

Mobilidade social

11.1 Conceito

De acordo com Oliveira (2010), a mobilidade social designa o movimento dos indivíduos ou das unidades familiares no interior do sistema de categorias socioprofissionais ou do sistema de classes sociais. A mobilidade social é condição indispensável à estrutura social no capitalismo, pois é justamente a partir da possibilidade de os indivíduos ou grupos de indivíduos se

LakatosMarconi.indb 181

12/13/18 11:11 AM

182

Capítulo 11

ascenderem nas categorias socioprofissionais que está a legitimidade dos princípios afirmados na revolução burguesa: liberdade, igualdade e fraternidade. A mobilidade social pode ser entendida como um movimento dentro da estrutura social, podendo apresentar-se de duas maneiras: como movimentos interclasse e entre classes.

Segundo Nico (2015) a temática das desigualdades sociais – bloco temático que se tem aproximado da mobilidade social – beneficia já de um conjunto de indicadores reconhecidos e usados pelos produtores de estatísticas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520441459

12. Administração sem burocratização

MATOS, Gustavo Gomes de Editora Manole PDF Criptografado

12. Administração sem burocratização

É preciso atenção para o controle não gerar burocracia

“Na burocracia, as pessoas tendem a ser reduzidas a um número, a um código, a uma descrição sumária num formulário padronizado. A burocracia tem um ideal: transformar todos em ninguém.”

Francisco Gomes de Matos

Um paradoxo tem importunado muitas empresas: em busca de certificações de excelência em gestão, elas têm ressuscitado o dinossauro da burocracia. O foco em regras e procedimentos padrões, como engrenagens de uma máquina para a obtenção de certificações, tem favorecido o desenvolvimento de projetos de comunicação apenas como mais um quesito a ser cumprido nessa odisseia.

A desmesurada busca de projetos e processos “em conformidade” tem isolado empresas e profissionais em uma mentalidade avessa à riqueza do relacionamento humano concretizada no diálogo, na troca de ideias, sentimentos e emoções. Essas são as mais poderosas fontes de qualidade, produtividade e competitividade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597021875

12 As Artes

MARCONI, Marina de Andrade; PRESOTTO, Zélia Maria Neves Grupo Gen ePub Criptografado

A palavra “arte” é derivada da palavra latina ars ou artis, que corresponde ao vocábulo grego tékne. O grande filósofo Aristóteles se referia à palavra “arte” como poiésis, cujo significado é semelhante a tékne, ou seja, produção, criação ou fabricação de algo. Arte no sentido geral significa técnica ou habilidade, é produzir ou fazer alguma coisa (DOS SANTOS, 2014).

O mundo da arte pode ser observado, compreendido e apreciado através do conhecimento que o ser humano desenvolve sua imaginação e criação, adquirindo conhecimento, modificando sua realidade, aprendendo a conviver com seus semelhantes e respeitando as diferenças (AZEVEDO JUNIOR, 2007).

A arte é uma das características universais da cultura. Acha-se presente em todos os agrupamentos humanos, mesmo os mais simples e isolados. Em todas as épocas e em todos os tempos, o homem empenhou-se na busca da beleza, usando sua imaginação criadora na expectativa de satisfazer a sua necessidade de expressão estética.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536317113

12. Como planejar a pesquisa qualitativa: uma visão geral

Uwe Flick Grupo A PDF Criptografado

Introdução à pesquisa qualitativa

12

Como planejar a pesquisa qualitativa: uma visão geral

Como planejar e construir os planos na pesquisa qualitativa, 129

Estratégias de atalho, 133

Os planos básicos na pesquisa qualitativa, 135

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Após a leitura deste capítulo, você deverá ser capaz de:

conhecer os componentes básicos que influenciam a construção de um plano de pesquisa. reconhecer os planos básicos mais importantes na pesquisa qualitativa. compreender que, em seu próprio estudo, poderá combinar alguns desses planos básicos. aprender, a partir de um exemplo, como funciona esse processo.

COMO PLANEJAR E

CONSTRUIR OS PLANOS

NA PESQUISA QUALITATIVA

Em termos gerais, a expressão-chave

“plano de pesquisa” refere-se às questões sobre como planejar um estudo. Os capítulos anteriores forneceram informações acerca de tópicos relativos à entrada no campo ou à amostragem e, sobretudo, à formulação de uma questão de pesquisa.

Ver todos os capítulos

Carregar mais