863 capítulos
Medium 9788563308047

Relações de Energia em Reações Química

Raymond Chang Grupo A PDF Criptografado

Relações de Energia em

Reações Química

6.1

6.2

6.3

Natureza da Energia e Tipos de Energia 169

Variações de Energia em Reações

Químicas 170

Introdução à Termodinâmica 171

Primeira Lei da Termodinâmica • Trabalho e Calor

6.4

Entalpia de Reações Químicas 177

Entalpia • Entalpia de Reações • Equações Termoquímicas

• Comparações entre ⌬H e ⌬E

6.5

Calorimetria 182

Calor Específico e Capacidade Calorífica • Calorimetria a Volume Constante • Calorimetria a Pressão Constante

6.6

Entalpia Padrão de Formação e de

Reação 188

O Método Direto • O Método Indireto

Incêndio Florestal – uma reação exotérmica indesejável.

Conceitos Essenciais

Energia As diversas formas de energia são, ao menos em princípio, interconvertíveis.

Primeira Lei da Termodinâmica A primeira lei da termodinâmica, que se baseia na lei da conservação da energia, relaciona a variação de energia interna de um sistema com o calor transferido e o trabalho realizado. Essa lei também pode ser expressa de modo a mostrar a relação entre a variação de energia interna e a variação de entalpia para um determinado processo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582713631

Capítulo 2. Introdução à química

Gerard J. Tortora, Bryan Derrickson Grupo A PDF Criptografado

C A P Í T U L O

2

INTRODUÇÃO À

QUÍMICA

M

uitas substâncias comuns que ingerimos – como água, açúcar, sal, proteínas, amidos, gorduras – desempenham funções fundamentais para nos manter vivos. Neste capítulo, você aprenderá como essas substâncias funcionam no organismo. Como o corpo é composto de substâncias químicas, e como todas as atividades corporais têm uma natureza química,

é importante que

OLHANDO PARA TRÁS PARA AVANÇAR... você se familiarize com a linguagem e com as ideias básicas

Níveis de organização e sistemas do corpo (Seção 1.2) da química para entender a anatomia e a fisiologia humanas.

2.1 Introdução à química

OBJETIVOS

• Definir elemento químico, átomo, íon, molécula e composto.

• Explicar como se formam as ligações químicas.

• Descrever o que acontece em uma reação química e explicar por que é importante para o corpo humano.

Química é a ciência da estrutura e das interações da matéria, que é qualquer coisa que ocupa espaço e tem massa.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577806522

3 - Como Variar Tudo ao Mesmo Tempo

Benício Barros Neto, Ieda Spacino Scarminio, Roy Edward Bruns Grupo A PDF Criptografado

Capítulo

Como Variar Tudo ao

Mesmo Tempo

3

Um dos problemas mais comuns para quem faz experimentos é determinar a influência de uma ou mais variáveis sobre uma outra variável de interesse. Por exemplo, nosso velho amigo da titulação, ao estudar uma certa reação química, pode querer saber como o rendimento seria afetado se ele, digamos, variasse a temperatura ou usasse um catalisador diferente. No linguajar estatístico, dizemos que ele está interessado em descobrir como a resposta (o rendimento da reação) depende dos fatores temperatura e catalisador. Podemos abordar esse problema como um caso particular da situação mostrada esquematicamente na Figura 3.1. Um certo número de fatores,

F1, F2,…, Fk, atuando sobre o sistema em estudo, produz as respostas R1, R2,…, Rj.

O sistema atua como uma função − desconhecida, em princípio, senão não precisaríamos de experimentos − que opera sobre as variáveis de entrada (os fatores) e produz como saída as respostas observadas. O objetivo da pessoa que realiza os experimentos

Ver todos os capítulos
Medium 9788521630906

CAPÍTULO 16 - EXTRAÇÃO E LAVAGEM: MICROESCALA

James W. Zubrick Grupo Gen PDF Criptografado

EXTRAÇÃO E LAVAGEM: Microescala

capítulo

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35

■  

� roteja-se contra a elevação da

P pressão de vapor nas pipetas; seu produto pode explodir.

Em microescala, em vez de um funil de separação você utiliza um vial cônico e algumas pipetas

Pasteur. Primeiramente, você mistura seu solvente de extração com seu produto; depois, separa os dois líquidos. E se não observar nenhuma distinção com a pipeta e o bulbo invertidos, é porque NÃO

é para fazer isso!

MISTURA

1. Coloque o material a ser extraído em um vial cônico de tamanho adequado. Esse vial deverá ter no mínimo duas vezes o volume do líquido que você deseja extrair. Normalmente, esse vial cônico é o de reação para o experimento, então a escolha é fácil de fazer (sua parte).

2. Adicione um solvente apropriado (não — repetindo — não o líquido de extração), assim o volume da mistura fica com cerca de 1 mL. (E se ele já for de cerca de 1 mL?)

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308047

Apêndice 1 Unidades para a Constante dos Gases

Raymond Chang Grupo A PDF Criptografado

Apêndice 1

Unidades para a Constante dos Gases

Neste apêndice, veremos como a constante dos gases perfeitos, R, pode ser expressa em unidades J/K и mol. A primeira etapa é relacionar as unidades atm e pascal. Assim, press a˜ o ϭ

força

área

ϭ

massa ϫ aceleração

área

ϭ

volume ϫ densidade ϫ aceleração

área

ϭ comprimento ϫ densidade ϫ aceleração

Por definição, a unidade atmosfera padrão é a pressão exercida por uma coluna de mercúrio com, exatamente, 76 cm de altura, de densidade 13,5951 g/cm3, colocada em um lugar onde a aceleração da gravidade é igual a 980,665 cm/s2. Porém, para expressar a pressão em N/m2 é necessário escrever densidade do mercúrio ϭ 1,35951 ϫ 104 kg/ m3 aceleração da gravidade ϭ 9,80665 m/s2

A unidade atmosfera padrão é dada por

1 atm ϭ ͑0,76 m Hg͒͑1,35951 ϫ 104 kg/m3͒͑9,80665 m/s2͒

ϭ 101,325 kg m/m2 и s2

ϭ 101,325 N/m2

ϭ 101,325 Pa

Na Seção 5.4, vimos que a constante dos gases perfeitos, R, é 0,082057 L и atm/K и mol.

Usando os fatores de conversão

1 L ϭ 1 ϫ 10Ϫ3 m3

1 atm ϭ 101,325 N/m2 escrevemos

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos