6 capítulos
Medium 9788536702216

Capítulo 4 - Sistema muscular

Paulo Henrique Ferreira Caria Grupo A PDF Criptografado

4

Sistema Muscular

Paulo Henrique Ferreira Caria

Felippe Bevilacqua Prado

Miologia (do grego mio, músculo, e logia, estudo) é a área da anatomia que estuda os músculos e seus anexos. A miologia é estudada pela anatomia descritiva e aborda parâmetros como situação, localização, número, direção, forma, tipo de inserção e mecanismo de inserção dos músculos. A miologia também estuda as relações dos músculos com outras estruturas, como os vasos e nervos, incorporando informações sobre sua topografia.

OBJETIVOS

DE APRENDIZAGEM

O sistema muscular é formado por músculos voluntários ou estriado esquelético, que correspondem à maioria dos músculos do corpo humano, e por músculos involuntários (músculo estriado cardíaco e músculo liso). Os músculos esqueléticos são chamados de voluntários porque agem sob o controle consciente do sistema nervoso somático, diferentemente dos involuntários (musculatura lisa, visceral e cardíaca), cujo controle é do sistema nervoso autônomo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580555806

Capítulo 4. Poríferos e placozoários

Jan A. Pechenik, Paulo Luiz de Oliveira Grupo A PDF Criptografado

4

Poríferos e placozoários

As esponjas e os placozoários são discutidos juntos neste capítulo principalmente por constituírem os mais simples dos animais multicelulares (metazoários). Os dois grupos podem não estar intimamente relacionados.

Filo Porifera

Característica diagnóstica:1  Colares de microvilosidades envolvem flagelos, com unidades surgindo de células isoladas ou de sincícios.

Introdução

“Os planos corporais das esponjas são tão diferentes dos de outros animais que fica difícil comparar mesmo características básicas, ainda que sua estrutura molecular ... mostre que elas têm um complemento de genes e rotas gênicas muito similares aos encontrados em outros animais”.

Sally Leys, Universidade de Alberta

Pelo menos 98% das aproximadamente 8 mil espécies de esponjas conhecidas são marinhas; menos de 2% vivem em

água doce. Não há esponjas terrestres. Como os placozoários – e diferentemente da maioria de qualquer outro metazoário –, as esponjas não têm nervos e uma musculatura convencional. Todas as esponjas se alimentam de partículas suspensas na água. As esponjas são seres geralmente amorfos, assimétricos (embora existam algumas exceções muito bonitas) e não possuem órgãos reprodutivos, digestórios, respiratórios, sensoriais ou excretores especializados. Além disso, nenhuma esponja adulta tem qualquer estrutura que corresponda a superfícies anterior, posterior ou oral. Por outro lado, mais de 20 tipos celulares morfologicamente distintos podem ser reconhecidos em esponjas individuais, embora as células sejam funcionalmente independentes, de modo que no laboratório uma esponja inteira pode ser dissociada em suas células constituintes, sem impacto a longo

Ver todos os capítulos
Medium 9788582604021

Capítulo 4 - Produção de petróleo e gás

Marcelo Antunes Gauto; Daniela de Melo Apoluceno; Messias Candido Amaral; Paulo Cezar Auríquio Grupo A PDF Criptografado

105

Marcelo Gauto

CAPÍTULO 4

Produção de petróleo e gás

Após o longo esforço do processo exploratório, do estudo da bacia, das avaliações técnico-comerciais e da declaração de comercialidade de um campo de petróleo, a fase seguinte é a de desenvolvimento, quando são construídas as instalações necessárias para a produção do óleo descoberto. A definição do tipo de estrutura de produção a ser instalada depende de uma série de variáveis, tais como a taxa de produção esperada, os métodos de escoamento a serem adotados, a quantidade e o posicionamento dos poços, etc., bem como envolve equipes multidisciplinares, abrangendo geólogos, geofísicos, engenheiros de petróleo, sondadores, produtores e engenheiros de reservatório. Neste capítulo, discutiremos quais são os componentes que fazem parte da estrutura necessária para que um campo de petróleo se torne produtor e como os fluidos gerados são escoados e separados nas unidades de produção.

Objetivos de aprendizagem

Ver todos os capítulos
Medium 9788582604014

Capítulo 4 - Produção de petróleo e gás

Marcelo Antunes Gauto; Daniela de Melo Apoluceno; Messias Candido Amaral; Paulo Cezar Auríquio Grupo A PDF Criptografado

105

Marcelo Gauto

CAPÍTULO 4

Produção de petróleo e gás

Após o longo esforço do processo exploratório, do estudo da bacia, das avaliações técnico-comerciais e da declaração de comercialidade de um campo de petróleo, a fase seguinte é a de desenvolvimento, quando são construídas as instalações necessárias para a produção do óleo descoberto. A definição do tipo de estrutura de produção a ser instalada depende de uma série de variáveis, tais como a taxa de produção esperada, os métodos de escoamento a serem adotados, a quantidade e o posicionamento dos poços, etc., bem como envolve equipes multidisciplinares, abrangendo geólogos, geofísicos, engenheiros de petróleo, sondadores, produtores e engenheiros de reservatório. Neste capítulo, discutiremos quais são os componentes que fazem parte da estrutura necessária para que um campo de petróleo se torne produtor e como os fluidos gerados são escoados e separados nas unidades de produção.

Objetivos de aprendizagem

Ver todos os capítulos
Medium 9788582604014

Capítulo 4 - Produção de petróleo e gás

Marcelo Antunes Gauto; Daniela de Melo Apoluceno; Messias Candido Amaral; Paulo Cezar Auríquio Grupo A PDF Criptografado

105

Marcelo Gauto

CAPÍTULO 4

Produção de petróleo e gás

Após o longo esforço do processo exploratório, do estudo da bacia, das avaliações técnico-comerciais e da declaração de comercialidade de um campo de petróleo, a fase seguinte é a de desenvolvimento, quando são construídas as instalações necessárias para a produção do óleo descoberto. A definição do tipo de estrutura de produção a ser instalada depende de uma série de variáveis, tais como a taxa de produção esperada, os métodos de escoamento a serem adotados, a quantidade e o posicionamento dos poços, etc., bem como envolve equipes multidisciplinares, abrangendo geólogos, geofísicos, engenheiros de petróleo, sondadores, produtores e engenheiros de reservatório. Neste capítulo, discutiremos quais são os componentes que fazem parte da estrutura necessária para que um campo de petróleo se torne produtor e como os fluidos gerados são escoados e separados nas unidades de produção.

Objetivos de aprendizagem

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos