24 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536310824

Capítulo 8 - REFLEXÕES SOBRE ESTUDOS EMPÍRICOS

Dalgalarrondo, Paulo Grupo A PDF Criptografado

8

REFLEXÕES SOBRE

ESTUDOS EMPÍRICOS

Neste capítulo, serão feitas, inicialmente, reflexões sobre trabalhos empíricos realizados pelo grupo de pesquisa coordenado por mim, na UNICAMP, grupo esse que investigou, nos últimos 15 anos, diversas relações entre saúde, transtorno mental e religião. Alguns trabalhos empíricos desse grupo estão disponíveis no endereço eletrônico: www.artmed.com.br. Posteriormente (Capítulos 9, 10 e 11), busco refletir de forma um pouco mais ampla sobre o campo de investigação “religião e saúde mental”, tanto a partir de alguns autores já apresentados na Parte I deste livro como em relação ao panorama sociocultural contemporâneo.

LIMITAÇÕES DE ESTUDOS EMPÍRICOS SOBRE RELIGIÃO E SAÚDE MENTAL

Cabe aqui assinalar algumas das principais limitações dos estudos científicos empreendidos na linha de pesquisa “religião e saúde mental”, particularmente dos nossos próprios estudos. Assim como em outras pesquisas nessa área, em nossas investigações buscamos identificar algumas relações específicas entre religião, saúde e transtornos mentais, porém, ao executar os recortes que constituíram os objetos empíricos, estabeleceu-se determinado contorno para a religião e para o sofrimento mental, assim como se definiram amostras e instrumentos de coleta de dados. Todo esse processo, deve-se reconhecer, estabelece limites, determina um alcance específico e reduz necessariamente a abrangência dos resultados e das interpretações.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536310824

Capítulo 3 - A PSICOLOGIA DA RELIGIÃO

Dalgalarrondo, Paulo Grupo A PDF Criptografado

3

A PSICOLOGIA DA RELIGIÃO

Não apenas no interior da psicanálise ou por ela inspirados, diversos autores têm buscado a análise psicológica da religião lançando mão de outros referenciais teóricos. Não há espaço, aqui, para cobrir a vasta literatura concernente. Em nosso meio, a psicologia da religião foi revista recentemente de forma cuidadosa por

Edênio Valle (1998).

Pode-se divisar, entretanto, dois grandes campos, o da psicologia européia, mais marcado pelas correntes fenomenológicas e existenciais, e o da psicologia norteamericana, de forte extração empírica. Esta última, desde o início, deu maior ênfase

às possíveis “dimensões da experiência religiosa”, à conversão e às “atitudes” dos sujeitos envolvidos, muitas vezes com perspectivas relacionadas à psicologia social.

Na Europa, a tradição hermenêutica, fenomenológica e psicanalítica influenciou autores como Girgensohn (1930) e Külpe, na Alemanha; Vergote (1966), na

Bélgica; Penido, na França; e Fizzotti (1992), na Itália. Eles enfatizaram perspectivas originais com base em métodos introspectivos, na psicanálise e na especificidade psicológica da vida religiosa (Quadro 3.1). Apesar das importantes contribuições européias, a psicologia da religião desenvolveu-se de forma mais vigorosa no meio anglo-saxão, em particular nos Estados Unidos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551907

Capítulo 10 - O sistema-mundo e o colonialismo

Conrad Phillip Kottak Grupo A PDF Criptografado

10

O SISTEMA-MUNDO

E O COLONIALISMO

O sistema-mundo

O surgimento do sistema-mundo

Industrialização

Causas da Revolução Industrial

Efeitos socioeconômicos da industrialização

Estratificação industrial

Colonialismo

Colonialismo britânico

Colonialismo francês

Colonialismo e identidade

Estudos pós-coloniais

Embora o trabalho de campo em pequenas comunidades tenha sido a marca registrada da antropologia, é impossível encontrar grupos isolados hoje. É provável que nunca tenham existido sociedades verdadeiramente isoladas. Por milhares de anos, os grupos humanos têm estado em contato uns com os outros. As sociedades locais sempre participaram de um sistema maior, que hoje tem dimensões globais – que chamamos de sistema-mundo moderno, ou seja, um mundo no qual as nações são econômica e politicamente interdependentes.

O SISTEMA-MUNDO

O sistema-mundo e as relações entre os países que o compõem são moldados pela

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551907

Capítulo 7 - Famílias, parentesco e casamento

Conrad Phillip Kottak Grupo A PDF Criptografado

7

FAMÍLIAS, PARENTESCO E CASAMENTO

Famílias

Famílias nucleares e extensivas

Industrialismo e organização familiar

Alterações no parentesco norte-americano

Aplicando a antropologia à cultura popular: famílias televisivas

A família entre os forrageiros

Descendência

Grupos de descendência

Linhagens, clãs e regras de residência

Casamento

Exogamia e incesto

O incesto é uma realidade

Endogamia

Direitos conjugais e o casamento entre pessoas do mesmo sexo

O casamento em diferentes culturas

Dote e preço ou riqueza da noiva

Alianças duradouras

Divórcio

Casamentos plurais

Poliginia

Poliandria

Antropologia hoje: cinco esposas e

55 filhos

Embora ainda seja uma espécie de ideal em nossa cultura, a família nuclear (pais e filhos) responde atualmente por menos de um quarto de todos os lares nos Estados

Unidos. Expressões tradicionais no país, como “amor e casamento”, “casamento e família” e “mamãe e papai”, já não se aplicam à maioria dos lares norte-americanos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536310824

Capítulo 2 - FORMADORES DO CAMPO TEÓRICO

Dalgalarrondo, Paulo Grupo A PDF Criptografado

Religião, psicopatologia e saúde mental

29

2

FORMADORES DO

CAMPO TEÓRICO

Quem morre vai descansar na paz de Deus.

Quem vive é arrastado pela guerra de Deus.

Deus é assim: cruel, misericordioso, duplo.

Seus prêmios chegam tarde, em forma imperceptível.

Deus, como entendê-lo?

Ele também não entende suas criaturas,

Condenadas previamente sem apelação a sofrimento e morte.

Carlos Drummond de Andrade,

“Deus e suas criaturas” (In: Corpo)

OLHANDO PARA A SOCIEDADE E PARA A CULTURA

Em um passado longínquo

Nas várias sociedades humanas, a visão dominante sobre a religião e suas conseqüências para a vida dos homens tendeu, ao longo da história, a ser aquela adotada pelas hierarquias, sejam elas religiosas, políticas ou sociais. As versões oficiais e dominantes tenderam a ser quase sempre apologéticas. Os sacerdotes, teólogos e pensadores afirmam os dogmas, a certeza da existência e centralidade dos deuses e suas leis inexoráveis; a salvação e a felicidade (sejam elas terrenas ou celestiais) só sendo possíveis pela adoção das crenças e pela obediência às leis. Em particular, nas tradições cristã, islâmica e judaica, desde o final da Antigüidade, vários pensadores sutis e profundos, como Santo Agostinho, Anselmo, Abelardo,

Ver todos os capítulos
Medium 9788536310824

Capítulo 1 - INTRODUÇÃO

Dalgalarrondo, Paulo Grupo A PDF Criptografado

1

INTRODUÇÃO

Se ao menos eu tivesse uma religião qualquer!

Por exemplo, por aquele manipanso

Que havia em casa, lá nessa, trazido de África,

Era feiíssimo, era grotesco,

Mas havia nele a divindade de tudo em que se crê.

Se eu pudesse crer em um manipanso qualquer –

Júpiter, Jeová, a Humanidade –

Qualquer serviria,

Pois o que é tudo senão o que pensamos de tudo?

Fernando Pessoa (In: Poesias de Álvaro de Campos)

A primeira parte deste livro visa revisar criticamente a literatura sobre religião na sua interface com disciplinas como psicopatologia, psicologia e antropologia. Isso servirá de moldura teórica a uma reflexão sobre investigações empíricas desenvolvida na segunda parte do livro. Assim, praticamente toda a análise e reflexão deste livro tem em comum o tema da religião, articulada com distintos aspectos da saúde mental e de diferentes transtornos mentais.

Procede, portanto, indagar logo de início o que é, enfim, esta invenção humana1 chamada religião. Como se deve conceber hoje e em nosso meio a experiência religiosa? E, afinal, por que relacionar religião e psicopatologia? Que conexões existiriam entre a religião e os transtornos mentais? Existiriam relações necessárias ou, se não necessárias, importantes entre a religião e o campo da saúde mental?

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551907

Capítulo 8 - Gênero

Conrad Phillip Kottak Grupo A PDF Criptografado

8

GÊNERO

Sexo e gênero

Padrões de gênero recorrentes

Papéis de gênero e estratificação por gênero

Redução de estratificação por gênero – sociedades matrilineares-matrilocais

Matriarcado

Maior estratificação de gênero – sociedades patrilinearespatrilocais

Por estudar biologia, sociedade e cultura, os antropólogos estão em uma posição única para comentar a questão da natureza (predisposições biológicas) e da criação (ambiente) como determinantes do comportamento humano. As atitudes, os valores e o comportamento humanos são limitados não apenas por nossas predisposições genéticas – as quais, muitas vezes, são difíceis de identificar – mas também por nossas experiências durante a enculturação. Nossos atributos como adultos são determinados tanto por nossos genes quanto por nosso ambiente durante o crescimento e o desenvolvimento.

SEXO E GÊNERO

Na discussão sobre papéis de sexo/gênero e sexualidade humanos surgem questões relacionadas a natureza e criação. Homens e

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551907

Capítulo 12 - Aplicando a antropologia

Conrad Phillip Kottak Grupo A PDF Criptografado

12

APLICANDO A ANTROPOLOGIA

O papel do antropólogo aplicado

As primeiras aplicações

Antropologia acadêmica e aplicada

Antropologia aplicada hoje

Antropologia do desenvolvimento

Equidade

Estratégias para a inovação

Inovação exagerada

Aplicando a antropologia à cultura popular: Coca-Cola

Como vimos no Capítulo 1, a antropologia aplicada é a utilização de dados, perspectivas, teoria e métodos antropológicos para identificar, avaliar e resolver problemas contemporâneos (ver Ervin, 2005). Os antropólogos aplicados ajudam a tornar a antropologia relevante e útil para o mundo além dela própria. Os antropólogos médicos, por exemplo, têm atuado como intérpretes culturais em programas de saúde pública, ajudando esses programas a corresponderem à cultura local.

Os antropólogos do desenvolvimento trabalham em agências internacionais de desenvolvimento, ou com elas, como o Banco

Mundial e a U. S. Agency for International

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551907

Capítulo 5 - Ganhando a vida

Conrad Phillip Kottak Grupo A PDF Criptografado

5

GANHANDO A VIDA

Estratégias adaptativas

Forrageio

Estratégias adaptativas baseadas na produção de alimentos

Horticultura

Agricultura

A intensificação agrícola: homem e meio ambiente

Pastoreio

Sistemas econômicos

A produção nas sociedades não industriais

Meios de produção

No mundo globalizado de hoje, as comunidades e as sociedades estão sendo incorporadas, em ritmo acelerado, a sistemas maiores. A origem (cerca de 10 mil anos atrás) e a difusão da produção de alimentos (cultivo de plantas e domesticação animal) levaram

à formação de sistemas sociais e políticos maiores e mais poderosos. A produção de alimentos gerou mudanças importantes na vida humana. O ritmo da transformação cultural aumentou muito. Este capítulo oferece um quadro para a compreensão de várias estratégias adaptativas humanas e sistemas econômicos.

ESTRATÉGIAS ADAPTATIVAS

O antropólogo Yehudi Cohen (1974) usou a expressão estratégia adaptativa para descre-

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551907

Capítulo 3 - Fazendo antropologia

Conrad Phillip Kottak Grupo A PDF Criptografado

3

FAZENDO ANTROPOLOGIA

Métodos de pesquisa em antropologia cultural

Etnografia: a estratégia distintiva da antropologia

Aplicando a antropologia à cultura popular: Bones

Técnicas etnográficas

Observação e observação participante

Conversação, entrevistas e roteiros de entrevista

O método genealógico

Interlocutores culturais-chave

Histórias de vida

“Você tem feito escavações ultimamente?”

Pergunte ao seu professor quantas vezes ele ouviu essa pergunta. Em seguida, pergunte quantas vezes ele de fato participou de uma escavação. Lembre-se de que a antropologia tem quatro subcampos, dos quais apenas dois (arqueologia e antropologia biológica) exigem muita escavação, pelo menos no solo. É claro que os antropólogos culturais “desenterram” informações sobre estilos de vida variados, como fazem os antropólogos linguistas com as características da linguagem. Tradicionalmente, os antropólogos culturais têm executado uma variante sobre o tema de Jornada nas estrelas ao procurar, quando não

Ver todos os capítulos
Medium 9788536310824

Capítulo 4 - RELIGIÃO E RELIGIOSIDADE NO BRASIL

Dalgalarrondo, Paulo Grupo A PDF Criptografado

4

RELIGIÃO E

RELIGIOSIDADE NO BRASIL

E se Deus é canhoto

E criou com a mão esquerda?

Isso explica, talvez, as coisas deste mundo.

Carlos Drummond de Andrade,

Hipótese (In: Corpo)

AS MATRIZES RELIGIOSAS BRASILEIRAS

Tanto historiadores, como Alphonse Dupront (1978), e antropólogos, como

Marshall Sahlins (1990), concordam que a religião, seu ethos e visão de mundo tendem a estabelecer linhas de acentuda permanência histórica. Dupront (1978) argumenta que a experiência religiosa tem, na linha do tempo, no longo prazo, uma grande estabilidade nas visões de mundo que configura. Para Sahlins (1990), a religião dos povos situa-se nas “estruturas históricas de longa duração”. Assim, observar a constituição do campo religioso brasileiro em sua historicidade possivelmente permita algum insight de como ele se configura nos dias atuais.

Desde seu início, com a descoberta pelos portugueses, até cinco décadas atrás, o Brasil se identificou como um país praticamente de exclusividade católica. Pierucci

(2005) lembra bem que o ato fundador dessa nação foi uma mitificada “primeira missa” celebrada pelo franciscano frei Henrique de Coimbra, em Porto Seguro, no dia 26 de abril de 1500.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551907

Capítulo 4 - Linguagem e comunicação

Conrad Phillip Kottak Grupo A PDF Criptografado

4

LÍNGUA E COMUNICAÇÃO

Língua

Comunicação de primatas não humanos

Sistemas de chamamento

Língua de sinais

A origem da língua

Comunicação não verbal

Aplicando a antropologia à cultura popular: Facebook e

Twitter

A estrutura da língua

Sons da fala

Os norte-americanos têm certos estereótipos sobre como falam as pessoas de diversas regiões. Alguns desses estereótipos, difundidos pelos meios de comunicação de massa, são mais generalizados do que outros. A maioria das pessoas acha que sabe imitar o

“sotaque sulista” dos Estados Unidos. Estereotipam a fala de Nova York (a pronúncia de coffee, p. ex.), de Boston (“I pahked the kah in Hahvahd Yahd”) e do Canadá (“oot” para “out”).

Às vezes se pensa que o Meio-Oeste dos Estados Unidos não tem sotaque. Essa crença vem do fato de que os dialetos dessa região não têm muitas variantes linguísticas estigmatizadas – padrões de fala que as pessoas em outras regiões reconhecem e menosprezam, como não pronunciar o ‘r’ e dizer ‘d’ em lugar de ‘th’, como em dem, dese e dere (em vez de them, these e there).

Ver todos os capítulos
Medium 9788580551907

Capítulo 13 - O papel da antropologia em um mundo globalizado

Conrad Phillip Kottak Grupo A PDF Criptografado

13

O PAPEL DA ANTROPOLOGIA

EM UM MUNDO GLOBALIZADO

Globalização: seus significados e sua natureza

Mudança climática global

Antropologia ambiental

Ataques globais à autonomia local

Desmatamento

Contato interétnico

Imperialismo cultural

Fazendo e refazendo cultura

Indigenizando a cultura popular

Este capítulo aplica uma perspectiva antropológica a questões globais contemporâneas. Começamos examinando diferentes significados do termo globalização. O fato de que certos riscos agora têm implicações globais leva a uma discussão das mudanças climáticas, ou seja, do aquecimento global.

A seguir, retomamos questões de desenvolvimento, dessa vez, junto com uma filosofia de intervenção que pretende impor a moralidade ecológica global sem a devida atenção à variação e à autonomia culturais.

Também se examina a ameaça que o desmatamento representa para a biodiversidade global. A segunda metade deste capítulo passa da ecologia aos fluxos contemporâneos de pessoas, tecnologia, finanças, informações, imagens e ideologia, que contribuem para uma cultura global de consumo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536310824

Capítulo 6 - PESQUISAS EPIDEMIOLÓGICAS EM SAÚDE FÍSICA E MENTAL E RELIGI ÃO

Dalgalarrondo, Paulo Grupo A PDF Criptografado

Religião, psicopatologia e saúde mental

177

6

PESQUISAS EPIDEMIOLÓGICAS

EM SAÚDE FÍSICA

E MENTAL E RELIGIÃO

SAÚDE FÍSICA E RELIGIÃO

A relação entre saúde física e religião tem sido estudada de forma sistemática desde o início do século XX (Levin; Larsen, 1997). Um volume consistente de pesquisas, segundo Jeffrey Levin e Harold Vanderpool (1987) tornou evidente uma crescente área de investigação; eles propuseram, então, denominá-la “epidemiologia da religião”. Nas últimas três décadas, Jeffrey Levin tem se tornado o principal expoente desse campo, publicando não só estudos empíricos com dados originais, mas também análises críticas em relação ao uso do constructo religião em epidemiologia, sobretudo no periódico Social Science and Medicine, caracterizado pelo rigor e pela abertura crítica.

Em 1987, Levin e Schiller revisaram mais de 200 estudos que envolviam a relação entre dimensões da religião e a saúde em geral, estudos esses que apareceram na literatura médica no século XX. Depois disso, muitas outras revisões foram publicadas sobre as relações entre religião e taxas de mortalidade e morbidade específicas. De modo geral, tem-se encontrado associações estatísticas significativas entre maior envolvimento e crenças religiosas e menor freqüência de condições como doença cardiovascular, hipertensão, doença cerebrovascular, câncer e doenças gastrintestinais, assim como associações com indicadores gerais do estado de saúde (boa saúde auto-relatada, sintomas gerais, disfunções e incapacidades, longevidade, etc.).

Ver todos os capítulos
Medium 9788536310824

Capítulo 10 - RELIGIÃO COMO SISTEMA PRIVILEGIADO DE CONSTITUIÇÃO DE SENTIDO E RESSIGNIFICAÇÃO DO SOFRIMENTO

Dalgalarrondo, Paulo Grupo A PDF Criptografado

247

10

Religião, psicopatologia e saúde mental

RELIGIÃO COMO SISTEMA

PRIVILEGIADO DE CONSTITUIÇÃO

DE SENTIDO E RESSIGNIFICAÇÃO

DO SOFRIMENTO

Aprendemos com uma longa tradição155 retomada para a modernidade por autores como Schleiermacher, Weber, Ricoeur e Gadamer,156 e desenvolvida para os fenômenos religiosos por contemporâneos como Geertz (e, em certa medida, Berger), que a religião se inscreve no longo e interminável capítulo da história humana de dar sentido à existência bruta, de tornar o texto da vida pelo menos legível e passível de tradução para a experiência cotidiana. Entre nós, Carlos Rodrigues Brandão fala, nessa linha, de “sistemas religiosos de sentido” como referência a este universo multiforme e cada vez mais plural que é a religiosidade no Brasil.

Assim, de diferentes formas, a tradição hermenêutica tem influenciado bastante o horizonte teórico no qual se busca compreender a experiência religiosa. A hermenêutica, no sentido tradicional, referia-se à arte da tradução e da interpretação de textos (sagrados primeiro, profanos depois) de outra língua, de outro contexto histórico-social (ou de um corpus geral para situações específicas, como no caso da hermenêutica jurídica), trazendo-os à luz, à compreensão. Para a hermenêutica tradicional colocou-se a questão da tradução, e traduzir um texto exige a

Ver todos os capítulos

Carregar mais