473 capítulos
Medium 9788521611295

Capítulo 23 - A Criança e o Sexo

Donald Woods Winnicott Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO 23

A Criança e o Sexo

A

inda há bem pouco tempo, pensava-se ser mau ligar sexo com “inocência” infantil. Atualmente, o que é preciso é uma descrição meticulosa. Como ainda se desconhece muita coisa, ao estudioso recomenda-se que prossiga nas investigações

à sua própria maneira e se quiser ler em vez de realizar observações deixai-o ler as descrições feitas por inúmeros e diferentes autores, não olhando para este ou para aquele como o porta-voz da verdade. Este capítulo não constitui a venda em varejo de um conjunto de teorias compradas por atacado;

é uma tentativa para articular em poucas palavras uma descrição pessoal da sexualidade infantil, baseada em meu treino e experiência como pediatra e psicanalista. O tema é vasto e não pode confinar-se aos limites de um capítulo sem sofrer alguma deformação.

Ao examinarmos qualquer aspecto da psicologia infantil, será útil recordar que todos nós fomos crianças. Em cada observador adulto alberga-se toda a memória de sua infância e adolescência, tanto a fantasia como a realidade, segundo como tenha sido apreciada na época. Muito foi esquecido, mas nada está perdido. Que melhor exemplo poderia dirigir a atenção para os vastos recursos do inconsciente!

Ver todos os capítulos
Medium 9788527726320

16 - Grupos Operativos no Enfrentamento da Síndrome de Fibromialgia

Andréa G. Portnoi Grupo Gen PDF Criptografado

16

Grupos Operativos no Enfrentamento da

Síndrome de Fibromialgia

Andréa G. Portnoi

A síndrome de fibromialgia

A síndrome de fibromialgia (SFM) se caracteriza por dores musculoesqueléticas generalizadas, rigidez articular e dor à palpação em locais anatômicos conhecidos como pontos dolorosos,1 além de outros sintomas como transtornos do sono, fadiga e sofrimento psíquico.2 Embora sua incidência independa de sexo, idade e nível socioeconômico e cultural, ela tende a ocorrer principalmente em mulheres (89%) entre os 20 e

60 anos de idade.3

Apesar dos inúmeros estudos e pesquisas que vêm sendo realizados, a etiologia e a fisiopatologia da SFM não estão determinadas, o que torna tanto os tratamentos farmacológicos quanto os não farmacológicos essencialmente paliativos. Como as hipóteses psicogênicas também não estão confirmadas,4,5 a maioria das intervenções psicológicas se propõe a melhorar o funcionamento do indivíduo e auxiliá-lo na adaptação à sua condição.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597019032

9. Tudo muda, menos as pessoas

BERGAMINI, Cecília Whitaker Grupo Gen PDF Criptografado

9

Tudo muda, menos as pessoas

“Nada é mais difícil do que mudar a si mesmo”

(Senge, P., Scharmer, C. O., Jaworski,

J., Flowers, B. S., 2007, p. 205).

Tudo muda, menos as pessoas

Alguns programas de treinamento e desenvolvimento de pessoal deram aos executivos organizacionais a falsa noção sobre o pressuposto de que as pessoas poderiam mudar sua maneira de se comportar para se adaptarem às exigências da organização.

Na realidade, isso não ocorreu: mesmo depois da utilização de um vasto arsenal de programas para esse fim, as pessoas continuaram sendo cada vez mais elas mesmas.

Demorou bastante tempo para que essa evidência fosse aceita como válida por um certo número de pessoas. Psicólogos defensores da teoria de Skinner até hoje não rezam por essa cartilha e continuam pesquisando métodos que viabilizem a mudança comportamental. Muitos desses métodos envolvem punição do comportamento por reforço negativo quando for indesejável. Quando o comportamento

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731546

85 - Terapia Cognitiva para Casais

Roberta Payá Grupo Gen PDF Criptografado

85

Terapia Cognitiva para Casais

Ana Maria Martins Serra

Introdução

Dificuldades conjugais constituem problemas que podem variar em gravidade e, se extremas, podem ter efeitos devastadores sobre a qualidade do ambiente familiar, a qualidade de vida dos membros da família e, nos casais com filhos, o desenvolvimento de crianças e adolescentes. Casais em crise representam, portanto, uma fonte de grande preocupação para profissionais de saú­de e uma ­área de difícil abordagem, dada a validade insatisfatória dos modelos tradicionais de tratamento. Estes, sobretudo em decorrência de sua habitual longa duração, frequentemente não atendem ao caráter emergencial das crises domésticas.1 Nesse contexto, a terapia cognitiva, de tempo curto e limitado, representa um recurso valioso e inovador que pode ampliar a eficácia dos programas de tratamento.2

Várias abordagens psicoterápicas propõem a cognição como um construto mediador entre o real e as respostas emocionais e comportamentais dos in­di­ví­duos. A aplicação de princípios cognitivos à psicoterapia com casais em dificuldades teve início na década de 1960, quando Albert

Ver todos os capítulos
Medium 9788527730686

2 - Neuroimagem Estrutural e Funcional

Eliane Correa Miotto, Mara Cristina Souza de Lucia, Milberto Scaff Grupo Gen PDF Criptografado

2

Neuroimagem Estrutural e Funcional

Maria da Graça Morais Martin, Gabriela Grinberg,

Claudia da Costa Leite

Introdução

Nas últimas décadas, os métodos de diagnóstico por imagem apresentaram grande desenvolvimento, e novas técnicas de imagem foram incorporadas ao arsenal diagnóstico.

Quando se estuda o sistema nervoso central (SNC), os principais métodos de imagem utilizados são os que possibilitam a aquisição de imagens seccionais como a tomografia computadorizada (TC) e a ressonância magnética (RM). A anatomia normal e as alterações morfológicas e funcionais do SNC podem ser demonstradas com grande riqueza de detalhes e de modo não invasivo.

Este capítulo concentra-se nas alterações de imagem encontradas nas doenças descritas neste livro, e outras informações clínicas podem ser obtidas nos demais capítulos.

Tomografia computadorizada

A tomografia computadorizada torna possível a obtenção de imagens seccionais do encéfalo. De modo simplificado, o aparelho de TC é composto de uma ampola de raios X que gira ao redor do paciente. Em posição oposta a esta ampola existe uma série de detectores; neles é medida a atenuação sofrida pelo feixe de raios X ao ser aplicado ao paciente. O sinal gerado pelos detectores é processado por um computador e, após uma série de cálculos, constrói-se uma imagem que é transmitida para o monitor. Essa imagem

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos