15 capítulos
Medium 9788582712474

Capítulo 3 - Resiliência em-si na Perspectiva da Teoria Histórico-Cultural: Rompendo com visões neoliberais

Renata Maria Coimbra, Normanda Araujo De Morais Grupo A PDF Criptografado

3

RESILIÊNCIA EM-SI NA

PERSPECTIVA DA TEORIA

HISTÓRICO-CULTURAL

Rompendo com visões neoliberais

Marcos Vinicius Francisco

Renata Maria Coimbra

Neste capítulo propomos a problematização do conceito resiliência, visando sua superação e difusão desenfreada em leituras na concepção neoliberal.1 Tal difusão vem sendo feita de maneira acrítica e assentada nas premissas da ideologia do capitalismo. Acreditamos que por meio do referencial presente na teoria histórico-cultural, de base epistemológica e filosófica marxista, será possível trazer contribuições para a reflexão crítica sobre a temática em questão.

Primeiramente, abordamos de maneira breve o surgimento do conceito de resiliência, bem como alguns de seus desdobramentos, ao longo de sua trajetória histórica. Em seguida, com o aporte da teoria histórico-cultural, elucidamos as contribuições de se assumir tal perspectiva como orientadora nos estudos sobre a resiliência em-si no contexto atual.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582712474

Capítulo 4 - O Conceito de Resiliência Aplicado ao Microssistema Familiar: Articulações com a teoria bioecológica do desenvolvimento humano

Renata Maria Coimbra, Normanda Araujo De Morais Grupo A PDF Criptografado

4

O CONCEITO DE

RESILIÊNCIA APLICADO

AO MICROSSISTEMA FAMILIAR

Articulações com a teoria bioecológica do desenvolvimento humano

Bruna L. Seibel

Silvia H. Koller

O conceito de resiliência vem se modificando desde o início de sua aplicação nas ciências humanas até hoje. Sua definição tem se afastado da ideia de uma capacidade individual para ser compreendida como “... um processo dinâmico inter-relacional, sistêmico, inserido no contexto histórico, social e cultural” (Souza,

2009). Nesse sentido, a resiliência passou a ser aplicada também ao contexto familiar. O objetivo deste capítulo é apresentar o construto de resi­liência familiar e levantar questionamentos acerca da sua definição. Pretende-se também aproximar esse conceito das ideias da teoria bioecológica do desenvolvimento humano

(Bronfenbrenner, 1979/1996; Bronfenbrenner & Morris, 1998), visto que a família é um microssistema de interações que influenciam diretamente o desenvolvimento de seus membros e suas relações com outros contextos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536321004

6. Autocontrole na perspectiva da análise do comportamento

Ana Karina C. R. De-Farias Grupo A PDF Criptografado

Capítulo 6

Autocontrole na Perspectiva da Análise do Comportamento1

Vanessa de Fátima Nery

Ana Karina C. R. de-Farias

A

palavra autocontrole é bastante utilizada na linguagem cotidiana. Para o senso-comum, autocontrole pode ser definido como uma propriedade ou característica de uma pessoa que possui, em si mesma, força de vontade para realizar ou deixar de realizar algo, controlar sentimentos ou sensações, manter o equilíbrio emocional interior, dominar os impulsos, agir como quiser, dentre outras dezenas de definições (Castanheira, 2001).

A etimologia da palavra autocontrole é controle próprio. De acordo com o

Novo Dicionário Aurélio (Ferreira, 1999), autocontrole significa equilíbrio. A mesma fonte define equilíbrio como “estabilidade mental e emocional; moderação, prudência, comedimento, autocontrole, domínio, controle” (p. 782). Controlado é definido como “submetido a controle; que tem controle; comedido, moderado” (p. 546). A definição de moderado é “regulado, regrado; que tem moderação ou prudência; comedido, circunspecto; não exagerado; não excessivo; razoável, equilibrado; suave, temperado, ameno” (p. 1351).

Ver todos os capítulos
Medium 9788582715802

Capítulo 15. Ano novo, vida nova: a psicologia da virada do ano

Cristiano Nabuco de Abreu Grupo A ePub Criptografado

Curioso observar o que ocorre com a maioria das pessoas na entrada do ano novo, já percebeu?

De fato, somos tomados por um sentimento de novidade e vigor, que nos faz, por algum tempo, acreditar que, efetivamente, as coisas no ano que se inicia serão diferentes do passado recente e que, “desta vez”, teremos força suficiente para enfrentar os obstáculos que nos fizeram escorregar nos anos anteriores.

Assim, seguimos nos primeiros dias, confiantes e esperançosos, fazendo promessas, planos e cheios de energia, nos preparando para a nova fase que se inicia. As primeiras semanas trazem uma determinação pessoal pouco comum, se comparadas às outras restantes do ano.

Tamanha é a força dessa disposição interna, que até a imagem refletida no espelho, costumeiramente cheia de imperfeições, sofre sutis alterações, e nossos velhos parceiros – os defeitos – começam a exibir uma outra perspectiva, digamos, menos “repugnantes” aos nossos olhos.

É um estado de espírito diferente, e você, que já deve ter passado por isso tudo, percebe a nova dimensão em que entramos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582715802

Capítulo 11. Segunda-feira: a psicologia por trás do pior dia da semana

Cristiano Nabuco de Abreu Grupo A ePub Criptografado

É, de fato, comprovado que a grande maioria das pessoas descreve um sentimento não muito agradável assim que o fim de semana termina e, principalmente, às segundas-feiras pela manhã, quando nossa jornada de vida – quer gostemos ou não – precisa ser reiniciada.

Não sei bem ao certo a razão de tal desassossego, mas é possível que, nos, fins de semana, consigamos “desfocar” um pouco as coisas que não caminham bem e, por um pequeno espaço de tempo – dois dias, para sermos mais exatos –, podemos nos desconectar de nossas inquietudes, ao criarmos uma distância segura daquilo que efetivamente não nos faz bem, e, finalmente, experimentar um pouco de alívio e de felicidade, ainda que de maneira transitória.

Lembre-se de que é, então, o primeiro dia da semana, geralmente, o ponto marcado para o retorno ao trabalho, momento em que somos obrigados, novamente, a subir no carrossel de nossa vida e, com ele, tentarmos nos estabilizar das oscilações inerentes ao cotidiano, quando também nossa consciência da falta de motivação e de sentido nos é devolvida. É como se, às segundas-feiras, portanto, a realidade (nua e crua) nos fosse, a cada nova semana, descortinada, de uma só vez.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos