3616 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788582715734

Capítulo 12. Infidelidade conjugal: novidade do outro, alteridade do eu ou o amor velho que adoeceu?

Kelly Paim; Bruno Luiz Avelino Cardoso Grupo A ePub Criptografado

12

Como começar algo novo com todo esse ontem em mim?

Leonard Cohen

Pensava saber quem eu era, quem era ele: e de repente, não nos reconheço mais, nem a mim e nem a ele. [...] Minha vida, atrás de mim, desmoronou, como nesses terremotos em que a terra devora a si mesma: ela se esboroa às nossas costas à medida que fugimos. Não há mais retorno.

Simone de Beauvoir

O relacionamento amoroso constitui um mar complexo em que o indivíduo navega ao longo da existência. Nele há uma expectativa de um porto seguro adulto alicerçado em esquemas adaptativos e desadaptativos. Nesse palco fértil ao crescimento interpessoal, Eros, deus do amor e do erotismo, com sua inocente travessura, segue disparando suas flechas “envenenadas” de amor e paixão. No “mundo líquido moderno”, onde o durável é preterido ao instantâneo (Bauman, 2004), Eros legitima a traquinagem das flechas disparadas. Embora o compromisso siga como um componente estabilizador na relação, a contemporaneidade eleva o nível da linha de base de merecimento e satisfação para o florescimento da relação. Há liquidez nas relações, na modernidade e no amor, gerando uma flexibilidade frágil. Esses contornos, ambiguamente maleáveis, impedem mergulhos profundos, gerando insegurança e ansiedade ante os relacionamentos. Isso compromete a capacidade de construção e preservação de laços sólidos em longo prazo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731546

27 - Transtorno Bipolar do Humor sob a Perspectiva da Psicologia Analítica

PAYÁ, Roberta Grupo Gen PDF Criptografado

27

Transtorno Bipolar do

Humor sob a Perspectiva da

Psicologia Analítica

Luiz Paulo Grinberg

Nós que pertencemos ao ofício somos todos loucos

Alguns são afetados pela alegria, outros pela melancolia,

Mas todos somos mais ou menos tocados.

Lord Byron

Introdução

George Gordon, conhecido como Lord Byron

(1788-1824), era descrito como um sujeito mercurial e extravagante, e apresentava episódios recorrentes de melancolia agitada que pioraram progressivamente com o tempo. Seu temperamento era volátil, acompanhado de ataques ocasionais de raiva.

Em sua família, havia fortes antecedentes de suicídio e instabilidade emocional que remontavam à sua bisavó paterna, Frances, que teve cinco filhos com William, Lord Byron IV. A filha mais velha desse casal era considerada altamente excêntrica, além de ter passado por muitas dificuldades financeiras. William, seu irmão, ficou conhecido como wicked lord – o “lorde perverso”. Era de temperamento violento, tinha comportamentos bizarros, cometia extravagâncias financeiras e foi julgado pelo assassinato de um primo. O quinto Lord Byron, avô de George, tornou-se vice-almirante da marinha britânica e sofria de crises durante as quais perdia a razão. Casou-se com uma prima de primeiro grau, Sophia Trevanion, hipersensível e de temperamento mercurial, que apresentava altos e baixos de humor. Sophia, avó de George, era sobrinha de Frances, a bisavó.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582715499

Capítulo 1. Psicoterapia positiva: o que é e por que precisamos dela?

Tayyab Rashid; Martin Seligman Grupo A PDF Criptografado

1

PSICOTERAPIA POSITIVA

O que é e por que precisamos dela?

Por mais de um século, a psicoterapia tem sido o lugar em que os clientes discutem seus problemas. Milhares de pessoas a cada ano participam de palestras motivacionais, workshops, retiros e cursos e ainda compram livros e aplicativos digitais de autoajuda. O foco dessas iniciativas terapêuticas está baseado no pressuposto de que a descoberta de traumas infantis, a distorção de pensamentos falhos ou o restabelecimento de relações disfuncionais é curativo.

Esse foco nos aspectos negativos faz sentido intuitivamente, mas, como autores deste manual, acreditamos que os clínicos perderam de vista a importância dos aspectos positivos.

A psicoterapia faz um bom trabalho ao fazer os clientes se sentirem menos deprimidos e menos ansiosos, mas o bem-estar dos clientes não é um objetivo explícito da terapia. A psicoterapia positiva (PPT), por sua vez, é um esforço terapêutico dentro da psicologia positiva (PP) que visa aliviar o estresse sintomático por meio da valorização do bem-estar.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536326467

9 - Família e escola: promoção da saúde e prevenção ao abuso de drogas

Makilim Nunes Baptista Grupo A PDF Criptografado

9

Família e escola: promoção da saúde e prevenção ao abuso de drogas

Marília Saldanha da Fonseca

Evely Boruchovitch

Considerações iniciais

O consumo de drogas tem­‑se intensificado em escala mundial, difundindo­‑se sem fronteiras entre os países. A droga tornou­‑se parte do nosso universo, constituindo um fenômeno que atravessa espaço ou tempo e desconhece idades. Na sociedade contemporânea, as drogas representam uma ameaça à estabilidade das estruturas e dos valores econômicos, políticos, sociais e culturais das nações, agravando os problemas de cunho social e de saúde pública. Tal fato vem trazendo sérias consequências, já que o abuso de drogas afeta os setores mais jovens da população, sendo cada vez mais comum entre adolescentes. Os levantamentos epidemiológicos entre estudantes brasileiros apontam uma tendência de uso crescente e de iniciação precoce (Galduróz et al., 2004).

Charbonneau (1982), ao refletir sobre tais problemas no nível da educação, sugere que é impossível não ficarmos preocupados com a tão complexa

Ver todos os capítulos
Medium 9788536326955

9. O sintoma no diagnóstico infantil

Affonso, Rosa Maria Lopes Grupo A PDF Criptografado

9

O sintoma no diagnóstico infantil

Rosa Maria Lopes Affonso

O

termo “sintoma” diz respeito a um fenômeno que revela uma perturbação funcional ou algum tipo de lesão; qualquer mudança provocada no organismo por uma doença e que, descrita pelo paciente, auxilia, em grau maior ou menor, a estabelecer um diagnóstico; também diz respeito à aparência ou semelhança com algo, entre outras definições.

Na ciência psicológica, o estudo dos sintomas está mais relacionado a um referencial psicopatológico, comumente oriundo da medicina. No âmbito dos transtornos mentais, essa definição ganha maior complexidade. Segundo Kaplan e Sadock

(1999), os sintomas representam variações de diferentes graus de um continuum entre saúde mental e psicopatologia. Note­‑se que teríamos que considerar as variações entre o que é normal e o que é patológico e, consequentemente, os julgamentos circunstanciais determinados pela cultura, pela sociedade, pelos costumes, por uma família ou por um indivíduo. Portanto, dependendo do momento, pode­‑se diferir na determinação dos limites da variabilidade da saúde e da doença, fazendo com que, dependendo do ambiente, um comportamento pareça sintomático ou não.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536311210

19 - Valores do trabalho

Siqueira, Mirlene Maria Matias Grupo A PDF Criptografado

295

19

Medidas do comportamento organizacional

Valores do trabalho

Juliana Barreiros Porto

Álvaro Tamayo

O trabalho é um elemento central na identidade social dos indivíduos e constitui-se em um foro privilegiado para o alcance de metas individuais, pois as pessoas passam a maior parte do tempo no trabalho. Quando as pessoas vão trabalhar, elas buscam realizar metas pessoais que são importantes para elas. É preciso, portanto, que os indivíduos percebam que o ambiente permite a realização dessas metas. O estudo dos valores do trabalho visa compreender o que é importante para as pessoas no ambiente de trabalho, ou seja, quais são os motivos que levam as pessoas a trabalhar.

Os valores do trabalho são definidos por Porto e Tamayo (2003, p. 146) como princípios ou crenças sobre metas ou recompensas desejáveis, hierarquicamente organizados, que as pessoas buscam por meio do trabalho e que guiam as suas avaliações sobre os resultados e contexto do trabalho, bem como o seu comportamento no trabalho e a escolha de alternativas de trabalho.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582715093

Capítulo 6 - A Ocorrência, em Sonhos de Material Oriundo de Contos de Fadas (1913a)

Celso Gutfreind Grupo A PDF Criptografado

6

A OCORRÊNCIA, EM SONHOS,

DE MATERIAL ORIUNDO DE

CONTOS DE FADAS (1913a)

O sonho é mais forte que a experiência.

Gaston Bachelard

Trata-se de um trabalho curto e menos conhecido, mas que teve para nós e a nossa clínica uma importância fundamental. Apesar do material literário contido nele, não é possível ler em suas linhas uma reflexão direta sobre a estética. É nas entrelinhas que extraímos nossas hipóteses. No breve relato de dois sonhos – o segundo é o clássico do homem dos lobos1 –, Freud realça a importância dos contos populares na vida mental de muitas crianças e adultos. Eles assumem o papel de verdadeiras lembranças encobridoras ou aquelas aparentemente banais para a trama, mas que escondem outras, essas, sim, mais profundas (Freud, 1899, 1917a).

  Sete lobos brancos o espiam nesse sonho praticamente sem ação, conforme observa Freud.

1

Gutfreind_Arte_de_tratar.indd 113

04/07/2018 15:29:50

Ele aproxima contos (objetos culturais) e sonhos (criações individuais) e sugere, à nossa leitura, a importância do sonhar para a criação estética.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536322988

Capítulo 9 - A Qualificação de Orientadores para Aposentadoria

José Carlos Zanelli Grupo A PDF Criptografado

9

A QUALIFICAÇÃO DE ORIENTADORES

PARA APOSENTADORIA

Coordenar o Programa de Orientação para Aposentadoria exige estar qualificado para atuar em um momento especial do desenvolvimento humano. O período de encerrar uma carreira, de deixar uma organização, os colegas e amigos, para buscar um novo projeto de vida, uma nova carreira ou simplesmente “usufruir o tempo livre e curtir a vida” pode ser um momento difícil para um grande número de pessoas. Exige cuidados e uma qualificação teórica e técnica (prática) por parte dos planejadores e executores. Poucas organizações investem na formação e na qualificação de seu corpo funcional, principalmente nos profissionais dos setores de RH, para que se tornem competentes na gerência do Programa e obtenção dos resultados almejados.

O significado que atribuímos ao termo qualificação é de algo que resulta de interações complexas, que é construído socialmente e incorpora elementos psicossociais, culturais, políticos e econômicos.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527727921

6. Protocolo de Avaliação e Tratamento Psicológico para Pacientes Transexuais | Indicações e Contraindicações

SANTOS, Niraldo de Oliveira; LUCIA, Mara Cristina Souza de Grupo Gen PDF Criptografado

6

Protocolo de Avaliação e

Tratamento Psicológico para

Pacientes Transexuais | Indicações e Contraindicações

Marlene Inácio

Ari Alves de Oliveira Júnior

Introdução

O que é a transexualidade? Um transtorno psiquiátrico, uma maneira de ser/estar no mundo exercendo uma escolha de ordem subjetiva, ou simplesmente a identidade de gênero contrária ao sexo biológico que se manifesta muito precocemente na vida?

Para Benjamin (1953), o transexualismo é um transtorno de identidade sexual, em que existe forte e persistente identificação com o sexo oposto, um descontentamento com a genitália e com os caracteres sexuais secundários, bem como com as atribuições sociais pertinentes ao sexo biológico. Esses pacientes buscam a cirurgia de transgenitalização e o tratamento hormonal para a harmonização de sua imagem corporal interna com a sua imagem corporal externa.

O processo de desenvolvimento e estruturação psicossexual do indivíduo adulto tem como ponto de partida a sexualidade infantil. É durante este período do desenvolvimento humano que muito se define a identidade sexual e de gênero dos indivíduos. Assim, intercorrências e contingências surgidas nas fases precoces do desenvolvimento humano têm influência nestas escolhas. Para muitos autores, entretanto, o desenvolvimento é influenciado por múltiplos fatores, como os genéticos, de estrutura cerebral, exposição aos hormônios durante a gestação, influências socioculturais, dinâmica familiar, e os desejos conscientes e inconscientes parentais, que já influenciaram na relação com o filho antes mesmo do seu nascimento (Nogueira, 2005).

Ver todos os capítulos
Medium 9788582715277

Capítulo 45. Psicoterapia psicodinâmica nos transtornos da personalidade

Aristides Volpato Cordioli (Org.), Eugenio Horacio Grevet (Org.) Grupo A PDF Criptografado

45

Psicoterapia psicodinâmica nos transtornos da personalidade

Sidnei S. Schestatsky

Este capítulo aborda a complexidade dos transtornos da personalidade (TPs) no que se refere a questões sobre identificação, diagnóstico e classificações atuais – reconhecendo o aspecto provisório presente de todas essas dimensões. Enfatiza uma dessas compreensões parciais, a psicodinâmica, para examinar alguns modelos etiológicos psicossociais implicados na gênese dos TPs, sempre reconhecendo os fatores multidimensionais envolvidos em sua etiologia. De forma sumária, examina duas abordagens terapêuticas de inspiração psicanalítica, já testadas, validadas e descritas em manuais, a terapia focada na transferência

(TFT) e a psicoterapia baseada na mentalização, assim como discute os limites atuais e as questões em aberto sobre toda a área dos TPs e seus tratamentos.

Percebidos como “intratáveis”, os TPs estiveram afastados por longo tempo dos principais interesses da psiquiatria moderna. No entanto, o crescente reconhecimento de sua prevalência e o importante sofrimento e incapacitação que produzem passaram a preocupar os sistemas de saúde devido ao alto índice de ocupação que esses pacientes demandavam, sem que houvesse programas organizados e adequados, ­tampouco pessoal treinado para atendê-los. Embora o estu­ do dos TPs seja uma área ainda em desenvolvimento na psiquiatria, nos últimos anos, esse panorama experimentou uma mudança substancial: pesquisas se multiplicaram, várias formas de abordagem terapêutica foram desenvolvidas, e as publicações científicas vêm mostrando inusitado vigor – o que faz pensar que, finalmente, esses transtornos tenham sido reconhecidos como “filhos legítimos” da área da saúde mental.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536326498

20. Juventude em Cena

Habigzang, Luísa F Grupo A PDF Criptografado

20

Juventude em Cena

tecnologia social para a promoção da cidadania e enfrentamento à violência

Ana Paula Lazzaretti de Souza, Mayte Raya Amazarray,

Michele Poletto e Silvia H. Koller

A violência tem sido considerada um fenômeno complexo, relacionado a fatores psicológicos, biológicos, culturais, socioeconômicos e ambientais. Desigualdade social e violação de direitos dos cidadãos se constituem em importantes aspectos associados ao aumento da violência na sociedade, os quais se manifestam em âmbito mundial, nos mais diferentes contextos, como família, escola, trabalho e comunidade. Um dos grupos mais atingidos é o das crianças e adolescentes, que costuma ser alvo de diversas formas de violência (psicológica, física, sexual, social), e que, muitas vezes, acaba por reproduzi-las. Considera-se que iniciativas de fomento a uma cultura de respeito aos Diretos da Criança e do Adolescente (DCA) são fundamentais para legitimar a cidadania da população infanto-juvenil e combater a violência. Nesse sentido, a educação é uma das possibilidades de enfrentamento à violência contra crianças e adolescentes. O objetivo deste capítulo é discutir intervenções de enfrentamento à violência e promoção de saúde, tomando-se como exemplo um programa de educação em direitos humanos e cidadania. Para tal

Ver todos os capítulos
Medium 9788565852951

Capítulo 10 - A escola na era digital

Cristiano Nabuco de Abreu; Evelyn Eisenstein; Susana Graciela Bruno Estefenon Grupo A PDF Criptografado

C A P Í T U L O 1 0

A ESCOLA NA ERA DIGITAL

PATRICIA KONDER LINS E SILVA

Um novo ambiente emergiu com as tecnologias digitais, favorecendo invenções e descobertas científicas que vêm transformando a maneira de viver de modo rápido e surpreendente. Surgem novas referências que se misturam às existentes, estabelecendo o convívio de visões de mundo diversas, o que provoca conflito de ideias e de valores, em uma crise conceitual que prenuncia uma mudança de paradigma. Alvin Toffler,1 em Future Shock, ainda no século passado, advertia para a rapidez e gravidade da mudança e para a necessidade de a sociedade aprender a lidar com ela.

TRANSIÇÃO ENTRE ERAS

O autor Thomas Kuhn,2 no livro A estrutura das revoluções científicas, define o conceito de mudança de paradigma. Explica que revoluções intelectualmente violentas surgem entre intervalos de tempo conceitualmente serenos, quando o pensamento científico permanece unido à volta de um determinado eixo de ideias. Quando os questionamentos conceituais – “anomalias” – se acumulam e fogem ao controle, instala-se uma crise, que só se resolve com a adoção de um novo paradigma, a fundação de uma nova visão conceitual de mundo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714775

Capítulo 41. Iowa Gambling Task (IGT)

Malloy-Diniz, Leandro F.; Leandro F.; Malloy-Diniz Grupo A PDF Criptografado

41

Iowa Gambling Task (IGT)

PAULO HENRIQUE PAIVA DE MORAES

CAROLINA FUENTES

CAMILA LUISI RODRIGUES

CAMILA TARIF FOLQUITTO

CRISTIANA CASTANHO DE ALMEIDA ROCCA

DANIEL FUENTES

LEANDRO F. MALLOY-DINIZ

A Gambling Task foi desenvolvida pelo psicólogo Antoine Bechara (Universidade de Iowa/Universidade da Califórnia) para avaliação das habilidades de tomada de decisão a partir da simulação de uma situação da vida real (Bechara, Damasio, A.

R., Damasio, H., & Anderson, 1994). A tarefa, após sua informatização, passou a ser conhecida como Bechara’s Gambling

Task (BGT). Na atualidade, o instrumento é conhecido como Iowa Gambling Task

(IGT) e tem uma versão comercializada pela Psychological Assessment Resources

(www.parinc.com).

Em linhas gerais, a IGT consiste em uma simulação de um jogo de cartas envolvendo perdas e ganhos de dinheiro fictício. É solicitado ao probando que selecione cartas que estão dispostas entre quatro montes (A, B, C e D). O probando deve retirar uma carta de cada vez, podendo alternar entre as pilhas da forma que quiser.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582713389

Capítulo 67 - Compreendo a Rejeição Pessoal

Cristiano Nabuco de Abreu Grupo A PDF Criptografado

67

COMPREENDENDO A

REJEIÇÃO PESSOAL

Como psicoterapeuta, percebi ao longo da carreira que um dos maiores motivos – se não o maior – que traz pessoas à terapia é o fato de, em algum momento de sua vida, terem vivido algum tipo de experiência envolvendo rejeição.

Filhos em relação aos seus pais, jovens em relação aos amigos, adultos em relação a seus parceiros afetivos ou ao grupo de trabalho. Não importa o contexto, permeando essas narrativas, sempre há a percepção de não ter sido considerado de maneira satisfatória por alguém.

Como na maioria dos fatores que explicam a essência dos comportamentos, possivelmente aqui também encontramos a necessidade de ser aprovado pelo grupo como originária de bases biológicas.

Voltando ao nosso passado distante, época em que vivíamos em um ambiente hostil, ser aceito pelo bando nos assegurou a possibilidade de viver mais e melhor. Estar próximo ao grupo, por exemplo, assegurou-nos melhor alimentação, procriação facilitada e, finalmente, proteção.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536327822

MANIFESTO AOS MÉDICOS, ESPECIALMENTE AOS PNEUMOLOGISTAS

Corrêa da Silva, Luiz Carlos Grupo A PDF Criptografado

A

N

E

MANIFESTO AOS MÉDICOS,

ESPECIALMENTE AOS

PNEUMOLOGISTAS

5

303

X O

TABAGISMO

Informações, dados estatísticos, campanhas, palestras motivacionais, cursos, proibições, conscientização, etc. Nada disso, até aqui, provocou impacto significativo em um grande contingente de fumantes, não se tendo esperança de que, apenas como resultado dessas iniciativas, venham a parar de fumar. Menos de

6% dos fumantes conseguem parar por conta própria e manter-se abstinente ao final de 12 meses, a cada iniciativa. Com os programas de tratamento, esse

índice costuma chegar a 30%.

Nós, médicos, particularmente os pneumologistas, acostumados a conviver com situações de enfermos que padecem por doenças devidas ao cigarro, sempre acreditamos que a população deveria ver de perto o que acontece com quem está nos hospitais, nas unidades de terapia intensiva (UTIs), ou mesmo em casa, com falta de ar, dependendo do uso de oxigênio e vivendo com sacrifício. O sofrimento das pessoas e de seus entes queridos não é exposto na mídia, seja por falta de iniciativa, por temer causar pânico, ou mesmo porque a imprensa receia perder seus patrocinadores. Há mais de três décadas, em nossas aulas e conferências tanto para estudantes e médicos quanto para pessoas da comunidade, quando abordamos o tema tabagismo, colocamos em evidência esses quadros de sofrimento e que tocam profundamente a todos.

Ver todos os capítulos

Carregar mais