59 capítulos
Medium 9788578682002

Ética e subversão da ordem

Dioclécio Campos Júnior Editora Manole PDF Criptografado

Nada sustenta mais fortemente a subversão pacífica da ordem do que a evolução e o enraizamento da ética no âmago da sociedade. Quanto mais esse componente axiológico se incorpora à mente coletiva, menos se aceita o universo de desigualdades que formam o estofo da sociedade humana.

À luz de tal instrumento perceptivo, nenhuma razão válida justifica o cenário classista, segregacionista, impositivo, escravista e humilhante que faz o pano de fundo da ordem opressora. São perversos estigmas absolutamente incompatíveis com as condições de vida igualitárias, seguras e gratificantes em que merecem viver todos os indivíduos da espécie humana.

Não se fala apenas de direito, mas essencialmente de ética, o valor que, sem limites religiosos ou outros, há de perpassar normas, regras, leis e artifícios condicionantes concebidos para controlar o comportamento das pessoas, fazendo-as submissas ao que o poder da elite dominante entende como estratégia de manutenção da ordem. Assim deveria ser, mas não o é. Na verdade, os preceitos éticos que se universalizam com o passar do tempo são repelidos ardilosamente pela maioria dos legisladores, educadores, dirigentes e demais condutores das políticas públicas e privadas em nome de uma justiça social que não é justa, muito menos social. Fazem-no com calculada desenvoltura, multiplicada pelo imenso contingente dos inocentes úteis, que, frágeis na capacidade perceptiva, disseminam práticas e jargões afinados com os espúrios interesses dos detentores do poder. Daí a estrutura educacional desqualificada na maioria dos países, estratégia sub-reptícia concebida para manter privilégios por meio do cerceamento da conscientização humana, dificilmente atingível sem acesso à educação livre e qualificada.

Ver todos os capítulos
Medium 9788578682002

A manutenção da ordem

Dioclécio Campos Júnior Editora Manole PDF Criptografado

A forte convergência de múltiplas teorias elaboradas para dogmatizar a ordem econômica e o poder das elites produz resultados incontestáveis. A sociedade capitalista, que segue praticamente intacta, resistiu a todas as tentativas de revertê-la. Mostra o profundo enraizamento que chegou a alcançar no seio da população, embotando sua consciência mediante controle comportamental que se aprimora a cada ano. Insiste, com visível êxito, na tônica doutrinária de que o capitalismo é inerente

à espécie humana, não havendo, portanto, qualquer alternativa que se identifique melhor com a organização social atreita ao princípio que emana da lei do mais forte, espelhada no catecismo da natureza, tão claramente delimitado pelo darwinismo.

E a população aceita, assim, como se fossem fenômenos naturais, a desigualdade social, a violência, a criminalidade, a exploração do homem pelo homem, a fome, a miséria, o trabalho escravo, a concentração da riqueza. A sociedade configura-se em função do lucro, gerador da acumulação de capital, fonte da solidez dos donos dos meios de produção. Os espaços urbanos delineiam o apartheid entrevisto como bastião do segregacionismo econômico que impõe fronteiras fechadas às classes inferiores.

Ver todos os capítulos
Medium 9788578682002

Conclusão

Dioclécio Campos Júnior Editora Manole PDF Criptografado

Como afirma o pesquisador francês Georges Vignaux

(1940-), em seu livro Les imbéciles ont pris le pouvoir, ils iront jusqu’au bout (Os imbecis tomaram o poder, irão até o fim):

É sempre necessária uma crise para a tomada de consciência no sentido de que é indispensável mudar nossas maneiras de considerar as coisas e de viver juntos. Não sabemos evoluir de outra forma que não seja por meio de catástrofes, e deste ponto de vista, a catástrofe é entendida como salutar. Múltiplos sinais anunciam essa catástrofe. Não sabemos lê-los nem interpretá-los. No entanto, a falta de vigor generalizada, o dinheiro que faz a lei, a televisão que faz as opiniões, o desemprego maciço dos jovens, os aposentados no abandono, a multiplicação dos pobres estão aí: tantas catástrofes já ocorridas, as quais nos prometem remediar sem jamais o fazerem, porque os imbecis vivem felizes no mundo que dominam. Isso não pode durar: uma revolução é inelutável. Cabe a cada um tomar seu destino em mãos, tomando inicialmente consciência das coisas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788578682002

Subversão da ordem e repressão

Dioclécio Campos Júnior Editora Manole PDF Criptografado

O sentido primitivo da palavra “subverter” é de origem latina. Subvertere significava, originalmente, “fazer voltar de baixo”. A força natural que permite dar a volta de baixo para cima propiciou a sinonímia de derrubar presente nos Salmos da Bíblia, C. Cat. 13,1, nos quais a expressão subvorsi montes se referia ao poder da fé capaz de derrubar montanhas. Até então, subversão encerrava sentido conceitual positivo, pois supunha ascensão construtiva de uma nova realidade. Com o passar do tempo, as classes dominantes identificaram o potencial revolucionário do termo e associaram-no às rebeliões sanguinárias oriundas das massas oprimidas. Veio daí o sentido figurado do vocábulo, que se tornou de uso corrente e caráter pejorativo.

Passou-se a entender, como consequência, o verbo subverter como o ato de destruir, arruinar. A utilização do novo significado, oriundo da cultura opressiva da ordem prevalecente, incorporou-se à sua linguagem como única versão para a chocante palavra. Converteu-a em uma sorte de condenação a todo e qualquer movimento que contrariasse os interesses das classes superiores na escala socioeconômica da sociedade. Como os afortunados não abrem mão de seus privilégios, são radicais nos conceitos e preconceitos em que fundamentam o poder exercido em benefício de si próprios.

Ver todos os capítulos
Medium 9788578682002

A libertação pela subversão da ordem

Dioclécio Campos Júnior Editora Manole PDF Criptografado

A ordem ideal é a que dispensa toda e qualquer estratégia de manutenção. Sobrevive espontaneamente por mecanismos naturais. Corresponde aos anseios existenciais de todos os membros de uma sociedade. Não desperta oposição e não gera qualquer exclusão. Qualifica a vida coletiva sem desigualdades. Respeita a individualidade do ser. Não aliena. Extingue a exploração. Socializa a propriedade. Promove virtudes.

Desestimula conflitos. Adota a moeda única do afeto. Incorpora o idioma do amor. Sepulta a beligerância. Desenvolve a indústria da sensibilidade humana. Produz a tecnologia do encantamento. Dispensa fronteiras. Estimula diferenças. Unifica a cidadania. Abole a ciência das regras. Desativa o acervo de normas. Não cultiva disciplina. Edifica a ética como patrimônio maior a regulamentar conscientemente as relações entre pessoas e instituições.

Essa ordem inexiste. É mais que sonho, é uma utopia. Mas uma sociedade que se preza navega no oceano utópico da perfeição. Pretende atingir a planície da vida fértil, regada pelo sentimento cósmico do ser, não pela obrigação do ter. Não admite conviver com iniquidades sociais. Conceitua o direito como recurso de entendimento pacífico, consistentemente fundamentado para promover a igualdade, não o privilégio.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos