155 capítulos
Medium 9788520433799

Capítulo 19 - Sistemas de gerenciamento dos resíduos industriais e o controle ambiental

JARDIM, Arnaldo; YOSHIDA, Consuelo; MACHADO FILHO, José Valverde Editora Manole PDF Criptografado

Sistemas de gerenciamento dos resíduos industriais e o controle ambiental

19

Nelson Pereira dos Reis

Ricardo Lopes Garcia

Introdução

A evolução tecnológica transformou a vida das organizações humanas e contribuiu sensivelmente para o avanço da sociedade, principalmente na melhoria da qualidade de vida da população. Com esta, por exemplo, a população humana aumentou de 0,3 bilhão no ano 1 d.C., para 1,1 bilhão em 1850 e para 7 bilhões hoje em dia.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), a expectativa de vida ao nascer no período entre 1965 e 1970 era de 56 anos, passando para 65 anos no período de 2000 e 2005. O Brasil acompanhou essa tendência e no período de 1950 a 1955, a expectativa de vida do brasileiro que era de 46,5 anos, aumentou para 72,8 anos, em 2009.

Essa evolução cobra um preço da sociedade pelo aumento da demanda de recursos naturais disponíveis para a fabricação de bens e produtos que facilitam a vida das pessoas. Como consequência, há a elevação de dificuldades de dimensões globais, relacionadas, principalmente à perda resultante da biodiversidade, à emissão de gases que contribuem para o, assim chamado, efeito estufa de aquecimento global, à emissão de gases que causam a destruição da camada de ozônio e ao aumento da poluição de água e do solo causada pela disposição inadequada de resíduos sólidos gerados de atividades antrópicas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788597010466

8 - Fundamentos do Orçamento-Programa

GIACOMONI, James Grupo Gen PDF Criptografado

8

Fundamentos do Orçamento-Programa

A. Introdução

Ao longo do século XX, em especial a partir da segunda metade, o orçamento público passou por um contínuo processo de reforma de concepção, com efeitos importantes nas práticas e nos processos. Algumas das características das medidas reformadoras, praticamente todas criadas e desenvolvidas sob a inspiração norte-americana, estão descritas e rapidamente comentadas ao longo dos Capítulos 3 e

4 deste livro. Neste capítulo e nos próximos dois, a parte mais importante e atual desses movimentos será analisada com maior profundidade. O Quadro 8.1 apresenta uma síntese das principais etapas do processo de reforma orçamentária nos

Estados Unidos no século XX.

97009095.indb 171

21/10/2016 11:17:51

2a Prova

172 

Orçamento Público  • Giacomoni

Quadro 8.1  Estágios da reforma orçamentária nos Estados Unidos

Período

Início do século XX

Concepção

Orçamento por objeto

Ver todos os capítulos
Medium 9788521618676

6- Distância de Carteiraentre Fundos e Risco Sistêmico

BACHA, Edmar; BOLLE, Monica de Grupo Gen PDF Criptografado

6

Distância de Carteira entre Fundos e Risco Sistêmico

Nelson Camanho

1 Introdução

Um dos principais dilemas atuais de regulação financeira é de que forma implementar a fiscalização do setor financeiro não bancário, que é constituído por fundos mútuos de investimento, bancos de investimento, hedge funds, private equity funds, entre outros. Diferentemente do setor bancário, sobre o qual, a fim de impedir um alto grau de instabilidade financeira, as autoridades reguladoras mantêm um pulso firme, o setor não bancário não está sujeito ao mesmo rigor quanto às regras de supervisão e, portanto, pode ser fonte de consideráveis instabilidades para o setor financeiro.

A crise financeira de 2008, que teve como principal evento a bancarrota do banco Lehman Brothers, aguçou os instintos das autoridades reguladoras, que terão um papel importante na definição de regras de regulação financeira pós-crise 2008. Um de seus principais desafios é a medição do grau de risco sistêmico do setor não bancário, que pode contaminar o sistema bancário em um curto espaço de tempo, fazendo com que uma regulação focada apenas no sistema bancário se torne inócua.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520433799

Capítulo 32 - O setor de produtos de limpeza e afins na gestão compartilhada dos resíduos sólidos

JARDIM, Arnaldo; YOSHIDA, Consuelo; MACHADO FILHO, José Valverde Editora Manole PDF Criptografado

O setor de produtos de limpeza e afins na gestão compartilhada dos resíduos sólidos

32

Maria Eugenia P. Saldanha

Verônica M. Horner Hoe

Introdução

A Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins

(Abipla) é a representante oficial das indústrias do setor de produtos de limpeza e atualmente congrega cerca de 90 associados. Fundada em 12 de novembro de 1976, a entidade tem como missão:

Promover ações que incentivem o crescimento do setor como um todo, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do país, além de defender os interesses legítimos dos associados, com coerência, ética, transparência e qualidade, incentivar o aprimoramento técnico-científico e respeitar o meio ambiente, a saúde e a segurança da sociedade. (Abipla, 2006)

Com base em sua missão, a Abipla realiza trabalhos de defesa do setor de produtos de limpeza e propõe iniciativas de melhorias para as indústrias, colaborando assim com o crescimento sustentado das empresas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788521628118

QUARTA SESSÃO - 13 - Questões Atuais sobre Governança Global: uma Perspectiva Histórica

BACHA, Edmar et al. Grupo Gen PDF Criptografado

13

Questões Atuais sobre Governança

Global: uma

Perspectiva Histórica

Stanley Fischer

Gostaria de acrescentar breves comentários ao que Larry disse sobre negociar com Pedro. Eu sempre sabia quando Pedro tinha algo a pedir, porque a conversa sempre começava mais ou menos assim: “Você precisa fazer alguma coisa com aquele cara” – geralmente Mike Mussa, con‑ selheiro econômico do FMI –, “que acabou de fazer críticas ao Brasil, o que é totalmente ina‑ ceitável”. Depois de ficar na defensiva por uns cinco minutos, eu sabia que o assunto seguinte

BachaEtAl_OC.indd 143

14/11/14 13:51

Estado da Economia Mundial: Desafios e Respostas

era algum acordo com o Brasil que Pedro queria modificar. Mas tudo era feito sempre com grande sutileza e com grande cortesia.

Quando trabalhei no FMI, fiquei impressionado com a dife‑ rença entre a equipe de um país que sabia o que fazia e a equipe de outro país que recorria ao FMI para escrever seu programa de recuperação. O Brasil se incluía entre aqueles que tinham as melhores e mais coerentes equipes econômicas. O fato de o Brasil atravessar um período extremamente difícil e, depois da defesa heroica da moeda e da luta feroz contra o mercado, pouco antes da posse do presidente Lula, desembocar em uma situação em que estava pronto para avançar é um tributo merecido ao país e, em especial, ao presidente Cardoso. Mas deixarei de lado essas considerações, pois, no começo da tarde, tivemos maravilhosa exposição do presidente Cardoso sobre a subsequente dinâmica do desenvolvimento.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos