672 capítulos
Medium 9789724420097

10 Dois Fragmentos

Georg Wilhelm Friedrich Hegel Grupo Almedina PDF Criptografado

10DOIS FRAGMENTOSUMA PÁGINA SOBRE DOUTRINADO ESPÍRITO(*)§1O nosso saber habitual representa para si apenas o objeto que sabe; mas não se representa a si ao mesmo tempo, isto é, o próprio saber; mas o todo que está presente no saber é não só o objeto, mas também Eu, que sabe, e a relação recíproca entre mim e o objeto, a consciência.§2O espírito consciente, pensado mais determinadamente, aparece.§3O espírito, porém, segundo a sua autoatividade dentro de si mesmo e em relação a si, considera-se na doutrina do espírito.(*)  Biblioteca estatal prussiana, Coleção Varnhagen (ed. Hoffmeister).360PROPEDÊUTIC A FILOSÓFIC AI PARTE§ (*)Na certeza do eu, reside apenas a pura relação positiva do objeto a mim; mas este último é ao mesmo tempo de mim diferente; ou o sujeito é assim também diferente do objeto; pelo que a certeza enquanto tal não é ainda verdade; com efeito, verdade é a consonância do meu saber com o objeto.

Ver todos os capítulos
Medium 9789724420943

10. Efeitos desses Progressos na Situação da Classe Operária

Marx, Karl Grupo Almedina PDF Criptografado

10. EFEITOS DESSES PROGRESSOS NA SITUAÇÃODA CLASSE OPERÁRIA(1) a) Trabalho das mulheres e das criançasNa medida em que torna supérflua a força muscular, a maquinização transforma-se num meio de empregar operários sem força muscular ou com um desenvolvimento físico incompleto, mas dotados de grande destreza de movimentos. Façamos trabalhar as mulheres e as crianças. Eis o que disse de si para si o capital, quando começou a servir-se das máquinas. Este poderoso substituto do trabalho e dos operários tornou-se assim um meio de aumentar o número dos assalariados, englobando nele todos os membros da família operária, sem distinção de sexo nem de idade. Todos foram diretamente submetidos ao capital. O trabalho forçado em proveito do capital substituiu os brinquedos da infância e até mesmo o trabalho livre que o operário realizava para a sua família no círculo doméstico e nos limites de uma sã moralidade(2).(1) T. I, cap. 13, n.os 3-10.(2) Durante a grande crise da indústria algodoeira que assolou a Inglaterra depois de 1860 — devido à guerra civil americana — o governo inglês enviou, para alguns distritos onde essa indústria se localizava, um médico, o Dr. Smith, com o encargo de inquirir sobre o estado sanitário dos operários.

Ver todos os capítulos
Medium 9788530965747

10. Gilperto da poesia

João Ricardo Moderno Grupo Gen PDF Criptografado

GILPERTO DA POESIA

10

Nominais foi para mim um desafio e um exercício simultaneamente sentimental e intelectual de desenigmatização do poético. Foi Platão quem primeiro afirmou ser a poesia um enigma. Entretanto, foi Adorno quem mais elaborou a teoria do enigma da obra de arte.

Esta é um enigma à procura de corajosos decifradores estéticos. Desde o Platão do Sofista sabemos que naqueles tempos o termo “ctética” designava a arte de tomar da natureza aquilo que ela oferece – como a “arte da caça e da pesca” –, e o termo “poética” significava a arte da fabricação daquilo que falta à natureza – não tendo, pois, qualquer limitação à arte da palavra tal como a estética moderna lhe atribuiu. Nominais de certa forma exerce em sentido moderno a arte de fabricar o que falta na “natureza” da palavra na sociedade contemporânea. Principalmente brasileira.

Não há, portanto, filosofia da arte sem enfrentamento do desconhecido proporcionado pela obra de arte. A coragem é a condição prévia absoluta do exercício filosófico. Desde o Sócrates da cicuta que a filosofia não é uma atividade para covardes. Filosofar implica assumir riscos: os de natureza psicológica, econômica, política, cultural, social, entre outros, como os de vida, ou de morte, como querem os franceses. O enfrenta-

Ver todos os capítulos
Medium 9788536317175

10. Parcialidade de gênero

Steven French Grupo A PDF Criptografado

140

Steven French

mulheres com altas posições na academia, por exemplo, diminui drasticamente na medida em que subimos na escada em direção às posições dos titulares.

Não estão claras quais sejam as razões para isso. Em geral, o tópico do cuidado das crianças é ventilado: as mulheres não são contratadas como cientistas porque elas são vistas como um risco na medida em que poderão deixar seu lugar para ficarem grávidas; as mulheres têm dificuldades de voltar

à profissão depois de terem dado à luz devido às providências para o cuidado adequado da criança; ou as mulheres têm dificuldade de se estabelecer como parte de uma equipe científica porque elas têm obrigações familiares que evitam que fiquem no laboratório as horas necessárias. Um relatório recente da União

Europeia abordou o assunto da seguinte forma:

As razões para o desequilíbrio são muitas. Certas áreas são consideradas a propriedade dos homens e, portanto, a parcialidade de gênero afeta os julgamentos de excelência científica. As indústrias e a academia também são relutantes em contratar mulheres porque elas não são vistas como flexíveis o suficiente.

Ver todos os capítulos
Medium 9789724420943

11. Baixa da Taxa do Lucro

Marx, Karl Grupo Almedina PDF Criptografado

11. BAIXA DA TAXA DO LUCRO(1)A constante diminuição relativa do número de operários empregados deve influenciar a taxa do lucro de modo particular.A finalidade das máquinas (do mesmo modo que a dos progressos técnicos dos períodos anteriores) é economizar trabalho. A mesma quantidade, ou mesmo uma quantidade maior, de mercadorias é produzida por um menor número de operários.O trabalho vivo, adquirindo um rendimento mais elevado, torna-se mais produtivo. Aumentar a produtividade, tal é o alfa e oómega de todo o progresso económico.Mas isso significa que o mesmo número de operários trabalha uma quantidade sempre maior de matérias-primas e de meios de trabalho. Se, por exemplo, graças à ajuda das máquinas, os operários podem fabricar dez vezes mais fios de algodão do que fabricavam antes no mesmo tempo, têm também necessidade de dez vezes mais algodão, a que se junta igualmente o corpo potente e precioso da máquina, de um valor bastante maior que o das antigas ferramentas do artesão. Noutras palavras, todo o progresso económico, e numa medida considerável o progresso suscitado pela máquina, aumenta a quantidade do capital constante posto em movimento por um dado número de operários. Mas diminui assim a taxa do lucro, como se conclui do quadro apresentado adiante.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos