379 capítulos
Medium 9788536313696

12. A Filosofia como Poesia: As intricadas evasões do como

Carel, Havi Grupo A PDF Criptografado

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

12

A FILOSOFIA

COMO POESIA

As intricadas evasões do como1

Simon Critchley

1. A poesia é a descrição de uma coisa particular – um prato de latão, um pão sobre ele, o vinho que bebi, água límpida em uma tigela brilhante, uma pedrinha na palma de minha mão, a árvore robusta e sem folhas que vejo da janela de minha cozinha, a lua no céu de uma noite clara de inverno.

2. O poeta descreve essas coisas na atmosfera radiante produzida pela imaginação. Atos poéticos são assim atos da mente, que descrevem coisas reconhecíveis, coisas reais, coisas realmente reais, mas que variam a aparência daquelas coisas, mudando o aspecto sob o qual são vistas. A poesia faz surgir variações sentidas na aparência das coisas. O que

é mais milagroso é que a poesia faz isso simplesmente pelo som das palavras:

Esta cidade agora veste, como uma roupa,

A beleza da manhã, silenciosa, despida... *

3. A poesia transfigura imaginativamente uma realidade comum, um passeio matinal em

Londres, por exemplo. Mas essa realidade comum pode imprimir-se ao sujeito, a cidade tornar-se opressiva, e o sujeito, depressivo. O mundo tornar-se um lugar ensurdecedor, violento, dominado por uma incoerência cada vez maior de informações e pela constante presença da guerra. Pode-se argumentar que esse é o nosso presente. Esta é uma

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848763

Capítulo 5 - Vestibular: traumatismos e enganos

Claudio de Moura Castro Grupo A PDF Criptografado

5

Vestibular: traumatismos e enganos

Por definir o futuro de boa parte da juventude, o vestibular é traumático, sendo visto como culpado de crimes abjetos. Em torno dele se criam mitos e fantasias. Os ensaios adiante tentam ver por meio do opaco véu de preconceitos e mal-entendidos.

As crendices no vestibular

Perpetuam-se equívocos no vestibular. Ano após ano, repetem-se as mesmas tolices. Uns querem acabar com ele, outros acreditam na sorte. É acusado de permitir a analfabetos entrar nos cursos superiores.

De tudo que se diz, só uma afirmativa é verdadeira: o vestibular introduz distorções no ensino médio.

Abaixo está uma coleção de afirmativas sobre os vestibulares e seus pecados. Quase todas não passam de rematadas tolices. O vestibular é um dos maiores focos de crendices e antipatias, por ser um ícone da meritocracia, tão avessa aos gostos tupiniquins. Vejamos outras.

“Vou acabar com o vestibular!”

Quantos ministros da Educação prometeram isso ao tomar posse? Tolice. Pode mudar de nome, mas, se há mais candidatos do que vagas, é pre-

Ver todos os capítulos
Medium 9788520433430

3. Proposta de leitura do Za como ensinamento da superação

José Nicolao Julião Manole PDF Criptografado

capítulo 3

proposta de leitura do

Za como ensinamento da superação

Apresentação

A hipótese interpretativa que desenvolvemos neste estudo é a de que o ensinamento da superação (die

Überwindung) se constitui como o principal tema abordado por Nietzsche em sua obra Za. O conceito de superação, segundo a nossa interpretação, é seu leitmotiv, ou seja, a dinâmica que impulsiona tanto a sua “ação dramática”1 do “tornar-se o que se é”,2 como a elaboração

1 Utilizamo-nos aqui da expressão de Lampert, L., Nietzsche’s

Teaching, 1986.

2 “Wie man wird, was man ist”. Essa famosa máxima de Píndaro

(Pítias, II, 72), que tanto inspirou os poetas Goethe e Hölderlin, serviu a Nietzsche como subtítulo para a sua autobiografia EH; ela aparece, também, de forma variada no aforismo 270 de FW – “Du sollst der werden, der du bist” (Deves tornar-te aquilo que és); no aforismo 335 de FW – “Wir aber wollen Die werden, die wir sind”

(Mas nós queremos nos tornar aquilo que somos). No Za, nas seções “O convalescente” – “wer du bist und werden musst” (quem

Ver todos os capítulos
Medium 9788536320106

1. Estudando filosofia

Saunders, Clare Grupo A PDF Criptografado

1

Estudando

filosofia

O QUE É FILOSOFIA?

A filosofia não se parece com nenhuma outra disciplina. Mesmo os filósofos profissionais consideram bastante difícil definir o que é a filosofia e, com frequência, eximem-se de declarar o que a filosofia é, preferindo dar exemplos de coisas que os filósofos fazem. A definição dos dicionários para

“filosofia” (e também a tradução literal da origem grega da palavra) é “o amor pela sabedoria”, algo que parece se estender a quase tudo (de fato, a filosofia engloba o estudo da ciência, da arte e da linguagem e, para quase toda disciplina que se possa pensar, haverá uma “filosofia da” tal disciplina).

Mas o que diferencia a filosofia de outras disciplinas? Embora a filosofia de fato tenha suas próprias áreas de pesquisa, uma das suas características mais distintivas não é tanto o que se estuda, mas como se estuda – e é isso que faz a experiência de estudar filosofia bastante diferente da experiência de estudar qualquer outra disciplina. Na filosofia, aprendemos a identificar e a pensar com cuidado sobre nossas mais simples ideias e teorias – aquelas que sustentam toda a busca pelo conhecimento que fazemos em outras áreas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431528

V – A Filosofia Política

Paulo Ghiraldelli Jr. Manole PDF Criptografado

V

A Filosofia Política

Fim das utopias?

“Uma raça de demônios”

A palavra “política” vem do grego polis, que é a cidade-Estado da Grécia Antiga. Modernamente, política é a atividade de administrar o Estado segundo leis, de modo a fazê-lo funcionar do melhor modo possível nas relações com os indivíduos, com a sociedade civil (as instituições e os movimentos sociais) e com outros Estados.

Toda sociedade desenvolve alguma forma de política, mas nem toda sociedade tem ciência política e/ou filosofia política. A ciência política cuida do estudo de determinadas relações entre Estado, sociedade civil e indivíduos, segundo os procedimentos da investigação empírica e a partir de modelos teóricos dessas relações, de acordo com o que é comum à tarefa da ciência moderna. A filosofia política, diferentemente, diz menos respeito às ocorrências empíricas, concentrando-se nos problemas que surgem quando grupos adotam e/ou poderiam adotar doutrinas políticas, isto é, ideários normativos mais ou menos ima­ginados ou idealizados a respeito da melhor conduta política, aquela que levaria ao bom governo.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos