218 capítulos
Medium 9788580556025

Capítulo 30. Perda de peso

Dennis Kasper, Anthony Fauci, Stephen Hauser, Dan Longo, J. Jameson, Joseph Loscalzo Artmed PDF Criptografado

156

Seção 3

ApresentAções comuns do pAciente

A SFC continua sendo um diagnóstico de exclusão e nenhum teste laboratorial consegue estabelecer o diagnóstico ou determinar sua gravidade. A SFC não parece progredir, mas geralmente tem um curso protraído. A taxa média de recuperação anual

é de 5% (variação, 0 a 31%), com taxa de melhora de 39% (variação, 8 a 63%).

O manejo da SFC começa com o reconhecimento, pelo médico, de que o funcionamento diário do paciente está prejudicado. O paciente deve ser informado sobre a compreensão atual da SFC (ou a falta dela), devendo-se oferecer aconselhamento geral sobre manejo da doença. Os AINEs aliviam a cefaleia, a dor difusa e a indisposição febril. É importante ter um sono regular e adequado. Os anti-histamínicos ou descongestionantes podem ser úteis para os sintomas de rinossinusite. Embora os pacientes possam ter aversão aos diagnósticos psiquiátricos, as características de depressão e ansiedade podem justificar o tratamento. Os antidepressivos não sedativos podem melhorar o humor e o distúrbio do sono, podendo atenuar a fadiga. Foi descoberto que a terapia cognitivo-comportamental (TCC) e a terapia do exercício gradual

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556025

Capítulo 173. Diabetes melito

Dennis Kasper, Anthony Fauci, Stephen Hauser, Dan Longo, J. Jameson, Joseph Loscalzo Artmed PDF Criptografado

CAPÍTULo 173

Diabetes melito

A

1075

B

z x

x

y z

150 cm y

100 cm

C

D

E

FIGURA 172.1 Procedimentos de cirurgia bariátrica. Exemplos de intervenções operatórias usadas para a manipulação cirúrgica do trato gastrintestinal. A. Banda gástrica ajustável laparoscópica. B. Gastrectomia vertical em sleeve laparoscópica. C. Bypass gástrico em Y de

Roux. D. Desvio biliopancreático com switch duodenal. E. Desvio biliopancreático. (De ML

Kendrick, GF Dakin. Mayo Clin Proc 815:518, 2006; com autorização.)

Para uma discussão mais detalhada, ver Flier JS, Maratos-Flier E:

Biologia da obesidade, Cap. 415e, e Kushner RF: Avaliação e tratamento da obesidade, Cap. 416, p. 2392, do Medicina Interna de

Harrison, 19ª edição, AMGH Editora.

173

Diabetes melito

ETIOLOGIA E PREVALÊNCIA

O diabetes melito (DM) abrange um grupo de distúrbios metabólicos que compartilham a característica comum da hiperglicemia. Hoje, o DM é classificado com base

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556025

Capítulo 115. Miocardiopatias e miocardite

Dennis Kasper, Anthony Fauci, Stephen Hauser, Dan Longo, J. Jameson, Joseph Loscalzo Artmed PDF Criptografado

Miocardiopatias e miocardite

TRATAMeNTo

CAPÍTULo 115

765

INSUFICIÊNCIA TRICÚSPIDe

Tratamento intensivo com diurético na presença de sinais de insuficiência cardíaca direita. Nos casos graves (na ausência de hipertensão pulmonar grave), o tratamento cirúrgico consiste em anuloplastia tricúspide ou substituição valvar.

Para uma discussão mais detalhada, ver O’Gara PT, Loscalzo

J: Doença da valva aórtica, Cap. 283, p. 1528; Doença da valva mitral, Cap. 284, p. 1539; Doença valvar tricúspide e pulmonar, Cap. 285, p. 1547; Doença valvar cardíaca múltipla e mista,

Cap. 286, p. 1550 do Medicina Interna de Harrison, 19ª edição.

115

Miocardiopatias e miocardite

As miocardiopatias são doenças primárias do músculo cardíaco. O Quadro 115.1 resume os achados de apresentação clínica que diferenciam entre os três principais tipos de miocardiopatias. O Quadro 115.2 detalha a avaliação abrangente inicial para suspeitas de miocardiopatias.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556025

Capítulo 52. Perda visual aguda e visão dupla

Dennis Kasper, Anthony Fauci, Stephen Hauser, Dan Longo, J. Jameson, Joseph Loscalzo Artmed PDF Criptografado

266

Seção 3

52

ApresentAções comuns do pAciente

Perda visual aguda e visão dupla

ABordAGem Ao pAciente:

Perda visual aguda e visão dupla (diplopia)

A mensuração precisa da acuidade visual em cada olho (com óculos ou lentes de contato) é muito importante. As investigações complementares devem incluir exame das pupilas, movimento dos olhos, alinhamento ocular e campimetria. O exame com lâmpada de fenda exclui infecção da córnea, traumatismo, glaucoma, uveíte e catarata. O exame com oftalmoscópio para a inspeção do disco óptico e da retina muitas vezes requer a dilatação da pupila com tropicamida a 1% e fenilefrina a

2,5%; o risco de desencadear uma crise de glaucoma de ângulo fechado é remoto.

O mapeamento do campo visual por confrontação com o dedo localiza lesões na via visual (Fig. 52.1); pode haver necessidade de um teste formal padrão usando um perímetro. O objetivo é determinar se a lesão é anterior, sobre o ou posterior ao quiasma óptico. Um escotoma apenas em um dos olhos é causado por uma lesão de localização anterior, afetando o nervo óptico ou o globo ocular; o teste com lanterna pode revelar um defeito pupilar aferente. A anamnese e o exame ocular geralmente são suficientes para o diagnóstico. Se houver hemianopsia bitemporal, a lesão estará localizada sobre o quiasma óptico (p. ex., adenoma hipofisário, meningioma). A hemianopsia homônima indica lesão atrás do quiasma, afetando via óptica, corpo geniculado lateral, radiações ópticas ou córtex visual (p. ex., AVE, tumor, abscesso). Recomenda-se solicitar exames de neuroimagem para todos os pacientes com hemianopsia bitemporal ou homônima.

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556025

Capítulo 202. Prevenção de doenças cardiovasculares

Dennis Kasper, Anthony Fauci, Stephen Hauser, Dan Longo, J. Jameson, Joseph Loscalzo Artmed PDF Criptografado

1284

Seção 16

prevenção de doenças e manutenção da saúde

QUADRo 201.2 SeRVIçoS CLÍNICoS De PReVeNção PARA ADULToS CoM RISCo NoRMAL

ReCoMeNDADoS PeLA U.S. PReVeNTIVe SeRVICeS TASK FoRCe

(CONTINUAÇÃO)

Teste ou distúrbio

População,a anos

Frequência

Osteoporose

Mulheres > 65 anos; > 60 anos com risco

Desconhecida

Visão, audição

> 65

Periodicamente

a

O rastreamento é feito mais precocemente e com maior frequência quando existe um histórico familiar significativo. Ensaios controlados e randomizados documentaram que o exame para sangue oculto nas fezes confere uma redução de 15 a 30% na mortalidade por câncer de cólon.

Apesar de não terem sido feitos ensaios randomizados para a sigmoidoscopia ou colonoscopia, estudos de caso-controle bem elaborados sugerem uma eficácia semelhante, ou até maior, à do exame para sangue oculto nas fezes. b

Se houver equipe disponível. c

No futuro, a frequência na realização do esfregaço de Papanicolau poderá ser influenciada pelos testes para o HPV e pela vacina contra o HPV.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos