733 capítulos
Medium 9788582713228

Capítulo 27 - Hormônios suprarrenais

Karen Whalen; Richard Finkel; Thomas A. Panavelil Grupo A PDF Criptografado

Hormônios suprarrenais

Karen Whalen

I. RESUMO

A glândula suprarrenal consiste do córtex e da medula. A medula secreta epinefrina, ao passo que o córtex, o assunto deste capítulo, secreta dois tipos de corticosteroides (glicocorticoides e mineralocorticoides) (Fig. 27.1) e os androgênios suprarrenais. O córtex suprarrenal tem três zonas, e cada zona sintetiza um tipo de hormônio esteroidal diferente a partir do colesterol

(Fig. 27.2). A zona mais externa, a glomerulosa, produz mineralocorticoides

(p. ex., aldosterona), que é responsável pela regulação do metabolismo da

água e do sal. A produção de aldosterona é regulada primariamente pelo sistema renina-angiotensina (ver Cap. 17). A zona intermediária, a fasciculada, sintetiza os glicocorticoides (p. ex., cortisol), que estão envolvidos com o metabolismo normal e a resposta ao estresse. A zona interna secreta os androgênios suprarrenais (ver Cap. 26 para a discussão sobre androgênios).

A secreção das zonas intermediária e interna e, em menor extensão, da zona externa é controlada pelo hormônio adrenocorticotrópico (ACTH, também denominado corticotropina), que é liberado em resposta ao hormônio liberador da corticotropina (CRH). Os glicocorticoides servem de retroalimentação inibitória da secreção de ACTH e CRH.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731317

53 - Menopausa | Controle de Sintomas Vasomotores e Urogenitais

FUCHS, Flávio Danni; WANNMACHER, Lenita Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO

53

Menopausa | Controle de

Sintomas Vasomotores e

Urogenitais

Jaqueline Neves Lubianca  Lenita Wannmacher

``

Introdução

A falência ovariana fisiológica desenvolve-se de maneira insidiosa, iniciando 1 a 2 anos antes da ocorrência da menopausa. É estágio conhecido como transição menopáu­sica, conforme descrito pelo Stages of Reproductive Aging Workshop (STRAW) em sua versão reformulada de 2011 (STRAW+10). Esse modelo identifica sete prioridades no envelhecimento reprodutivo, simplificando critérios da transição menopáu­sica precoce e tardia. Esses critérios são aplicáveis às mulheres, independentemente de idade, etnia, constituição física e estilo de vida. A menopausa é diagnosticada após 12 meses de amenorreia e ocorre em média aos 50 a 51 anos (Quadro 53.1).1

Uma variedade de sinais e sintomas decorrentes da menor produção de esteroides ovarianos, como iregularidade menstrual, fogachos, ressecamento vaginal, alterações de humor (depressão) e padrões de sono, aparece nesses anos de transição. Terapia hormonal da menopausa, especialmente com uso de estrógenos, é a mais efetiva no alívio de sintomas vasomotores e outras manifestações dessa fase.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731317

22 - Doenças Alérgicas

FUCHS, Flávio Danni; WANNMACHER, Lenita Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO

22

Doenças Alérgicas

José Faibes Lubianca Neto

``

Introdução

A primeira descrição médica de uma doen­ça alérgica foi referida por

Bostock em 1819 que a chamou de catarro sazonal, a qual mais tarde ficaria conhecida como febre do feno. Em 1872, Morril Wyman reconheceu o pólen como sendo a causa do “catarro do outono” e, no ano seguinte, Bladsley, médico inglês, apresentou estudo implicando o pólen das gramíneas na gênese da asma.

Em 1906, Clemens von Pirquet empregou pela primeira vez o termo “alergia”, ao referir-se à resposta alterada a agente ambiental estranho. Em 1921, Prausnitz e Kustner demonstraram que o estado de hipersensibilidade podia ser transferido pelo soro de pessoa alérgica para outra por meio de fator sérico sensibilizante epitelial que chamaram de reagina. A natureza dessa substância foi caracterizada em

1966, quando imunoglobulina E (IgE) foi descoberta por Ishizaka. O uso do termo atopia para designar reação alérgica implica hereditariedade, ou seja, precisa existir suscetibilidade à rinite alérgica, asma ou dermatite eczematoide (reações locais de pele ou mucosas após exposição antigênica) nas famílias dos in­di­ví­duos afetados.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527731317

26 - Tuberculose

FUCHS, Flávio Danni; WANNMACHER, Lenita Grupo Gen PDF Criptografado

CAPÍTULO

26

Tuberculose

Caroline Deutschendorf

``

Introdução

Tuberculose é a principal causa de morbidade e mortalidade no mundo, especialmente em África e Ásia. A Organização Mundial da

Saú­de (OMS) estima que 9,6 milhões de novos casos de tuberculose ocorreram em 2014, dos quais 1,2 milhão de casos, em pacientes

HIV-positivos. Índia, China, Indonésia, África do Sul e Nigéria são os cinco paí­ses que detêm o maior número absoluto de casos. Também em 2014, ocorreu 1,5 milhão de mortes decorrentes de tuberculose, 0,4  milhão destas em portadores do HIV. Apesar dos altos números, a mortalidade caiu 47% desde 1990. Em 2014, estimaramse 480.000  casos de tuberculose multirresistente (resistência a pelo menos rifampicina e isoniazida) no mundo, aproximadamente 9,7% desses sendo de resistência extensiva (a rifampicina, isoniazida, uma fluoroquinolona e um medicamento injetável de segunda linha).¹

Em 2014, foram registrados 67.966 casos novos de tuberculose no

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556148

Capítulo 57 - Penicilinas, cefalosporinas e outros antibióticos β-lactâmicos

Laurence L. Brunton PhD; Randa Hilal-Dandan PhD; Björn C. Knollmann, MD, PhD Grupo A PDF Criptografado

Capítulo

57

Penicilinas, cefalosporinas e outros antibióticos β-lactâmicos

Conan MacDougall

Mecanismo de ação: inibição da síntese de peptidoglicanos

Mecanismos da resistência bacteriana às penicilinas e às cefalosporinas

Penicilinas

��Classificação das penicilinas e resumo de suas propriedades

farmacológicas

��Penicilina G e penicilina V

��Penicilinas resistentes à penicilinase

��Aminopenicilinas: ampicilina e amoxicilina

Cefalosporinas

��Mecanismo de ação

��Classificação

��Mecanismos da resistência bacteriana

��Farmacologia geral

��Agentes específicos

��Reações adversas

��Usos terapêuticos

Outros antibióticos β-lactâmicos

��Carbapenêmicos

��Monobactâmicos

��Penicilinas anti-Pseudomonas: carboxipenicilinas e ureidopenicilinas

Inibidores da β-lactamase

Os antibióticos β-lactâmicos – penicilinas, cefalosporinas, carbanêmicos e monobactâmicos – compartilham uma estrutura (anel

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos