361 capítulos
Medium 9788527732840

4 - O Recém-Nascido Vulnerável e o Ambiente da Terapia Intensiva Neonatal

MACDONALD, Mhairi G.; SESHIA, Mary M. K. Grupo Gen PDF Criptografado

4

O Recém-Nascido Vulnerável e o Ambiente da Terapia Intensiva Neonatal

Penny Glass

Os avanços tecnológicos no cuidado dos recém-nascidos (RNs) enfermos levou a reduções significativas das taxas de mortalidade nas últimas três décadas, principalmente para os RNs de muito baixo peso. No entanto, a morbidade dos sobreviventes permanece um problema crítico e contínuo. Ao longo da primeira infância, existem diferenças comportamentais e desenvolvimentais entre RNs pré-termo e a termo sadios. O RN pré-termo apresenta, com fre­quência, manifestações de organização cerebral alterada, incluindo transtorno do sono, temperamento difícil, hiper e hiporresponsividade a estímulos sensitivos, atenção prolongada para informações redundantes, falta de atenção a novos estímulos e baixa qualidade da função motora (1-5). Esses precursores de déficits de aprendizagem e problemas sociais/emocionais na idade escolar ocorrem em mais de 50% dos sobreviventes de UTI neonatal e não são completamente explicados nos RNs pré-termo, seja pela gravidade da doen­ça como pelo ambiente domiciliar posterior (2). Cada vez mais evidências mostram a vulnerabilidade do encéfalo humano imaturo à dor e ao estresse e a ambientes sociais e sensoriais anormais. Essa ampla base de conhecimento justifica o ímpeto contínuo de mudar a experiência na UTI neonatal tanto para os RNs como para a família.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431306

9. Ventilação mecânica na asma brônquica pediátrica

SARMENTO, George Jerre Vieira Editora Manole PDF Criptografado

9

Ventilação Mecânica na

Asma Brônquica Pediátrica

Patrícia Angeli da Silva pigati

Amanda Beatriz Serio

I

NTRODUÇÃO

A asma é a doença alérgica crônica mais comum na infância, e traz, principalmente nos casos graves, repercussões sociais, pessoais e econômicas significativas. É considerada um sério problema de saúde mundial,1 responsável por absenteísmo escolar, visitas frequentes a pronto-socorros e hospitalizações, sendo o falecimento prematuro por insuficiência respiratória a complicação mais grave de todas.

No ano de 2008, foi registrado no Brasil um gasto de R$ 97.169.872,67 com internações e medicamentos para o tratamento dessa doença.2

O Brasil é o oitavo país do mundo no que diz respeito à quantidade de pessoas que apresentam sinais e sintomas de asma, e sua prevalência é de 20% para escolares entre 6 e 7 anos de idade e adolescentes entre 13 e 14 anos.3 Essa porcentagem demonstra que o índice é elevado para ambas as faixas etárias.4

Ver todos os capítulos
Medium 9788527714891

V - Semiologia em Situações Específicas | 4 - Sinais e Sintomas em Oncologia

PUCCINI, Rosana Fiorini; HILÁRIO, Maria Odete Esteves Grupo Gen PDF Criptografado

4

Sinais e Sintomas em Oncologia

Antônio Sérgio Petrilli

Eliana Monteiro Caran

Monica Cypriano

INTRODUÇÃO

Embora raro na infância, o câncer é a segunda causa de morte na faixa etária de 5–14 anos no Estado de São

Paulo, sendo suplantado apenas por causas externas

(acidentes, homicídios, suicídios). Com a melhora do saneamento, da atenção básica à saúde, do tratamento e prevenção das doenças próprias da infância, esperase que, no futuro, esse padrão seja repetido em todo o território nacional. Assim sendo, torna-se imperativo

para médicos de todas as especialidades conhecer os sinais e sintomas do câncer infanto-juvenil, pois, com o diagnóstico precoce e tratamento adequado, mais de 70% dos pacientes podem ser curados. Não é fácil diagnosticar o câncer infantil em estágio inicial, uma vez que muitos dos sinais e sintomas são inespecíficos e podem simular uma série de doenças mais comuns da infância (Quadro 4.1). Ao pensar em câncer, é importante que o médico tenha em mente quais as neoplasias mais

Ver todos os capítulos
Medium 9788527735988

26 Acidentes por Submersão

FIORETTO, José Roberto Grupo Gen ePub Criptografado

Introdução

O afogamento é considerado incidente e não acidente, pois é ocorrência prevenível. É a segunda causa mais comum de morte acidental em crianças, perdendo apenas para acidentes automotivos. No Brasil, geralmente ocorrem 16 óbitos por afogamento ao dia; os adolescentes têm maior risco de morte, e 49% dos óbitos ocorrem em indivíduos de até 29 anos de idade. Em relação ao local de ocorrência, 52% das mortes em crianças entre 1 e 9 anos acontecem em piscinas e residências, e crianças com idade superior a 10 anos se afogam mais em águas naturais.

Definição

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), “afogamento é a dificuldade respiratória (aspiração de líquido) durante o processo de imersão ou submersão em líquido”.

Imersão significa ter o corpo coberto por água ou outro líquido. Para que ocorra afogamento, pelo menos a face e a via respiratória devem estar imersas. Submersão implica que todo o corpo, incluindo a via respiratória, deve estar abaixo da água ou de outro líquido.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527732840

40 - Anormalidades Estruturais do Sistema Geniturinário

MACDONALD, Mhairi G.; SESHIA, Mary M. K. Grupo Gen PDF Criptografado

40

Anormalidades Estruturais do Sistema Geniturinário

George W. Kaplan e Irene M. McAleer

Anomalias dos sistemas genital e urinário encontradas no perío­ do neonatal representam muitos dos problemas da urologia pediá­ trica. Alguns problemas específicos da idade não se manifestam no perío­do neonatal, mas a apresentação de muitas condições se dá de maneira predominante ou específica durante esse perío­do. O uso da ultrassonografia pré-natal teve um efeito profundo na de­ tecção, no tratamento e na compreensão de muitas lesões do trato urinário. As anomalias geniturinárias representam cerca de 50% de todas as lesões detectadas à ultrassonografia pré-natal; a hidrone­ frose representa dois terços das anormalidades geniturinárias (1).

As infor­mações obtidas com o ultrassom podem ser complementa­ das in utero com a ressonância magnética (RM), avaliação dos eletró­litos em amostra de urina da bexiga fetal, osmolalidade e β2mi­cro­globulina. A cirurgia in utero também é possível, embora os benefícios derivados da cirurgia fetal do trato urinário ainda não tenham sido comprovados até agora e geralmente apresentam uma alta taxa de complicação tanto para o feto como para a mãe (2-5).

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos