785 capítulos
Medium 9788527716833

10 - Avaliação do Consumo de Alimentos

Michael J. Gibney, Susan A Lanham-New, Aedin Cassidy, Hester H. Vorster Grupo Gen PDF Criptografado

10

Avaliação do Consumo de Alimentos

Una E. MacIntyre

Mensagens importantes

∑ A medida do consumo de alimentos nos indivíduos sem necessidades especiais representa uma tarefa complexa.

∑ Todas as medidas de consumo alimentar estão sujeitas a fontes de erro.

∑ O método de avaliação nutricional utilizado depende do propósito do estudo.

∑ A existência de erros indica que é importante estar alerta e, sempre que possível, verificar a natureza e a magnitude do erro.

10.1 Introdução

O propósito deste capítulo é descrever as várias maneiras pelas quais podemos determinar o que os indivíduos consomem. A tarefa pode ser descobrir dados sobre o suprimento nacional de alimentos, o consumo habitual de um grupo ou família ou o consumo de determinado indivíduo no decorrer de um período de tempo específico.

Os numerosos motivos para descobrir o tipo de alimento consumido pelos indivíduos são classificados em três amplas categorias:

1 Saúde Pública: avaliar a adequação e a segurança dos alimentos que os indivíduos consomem em nível nacional ou de comunidade e identificar a necessidade de programas de intervenção baseados na nutrição ou avaliá-los.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527735353

5. Elaboração da Receita Culinária e Ficha Técnica Padronizada

Silva, Sandra Maria Chemin Seabra da; Martinez, Sílvia Grupo Gen ePub Criptografado

Toda elaboração de cardápio requer um domínio sobre as receitas que irão compor a lista. Além de embasar a confecção de cardápios dos serviços de alimentação, a elaboração de receitas está presente na cozinha experimental das indústrias de alimentos, sendo o primeiro documento para a criação de um protótipo alimentício feito pela engenharia dos alimentos, além de ser usado como veículo de comunicação na área de marketing, no merchandising culinário.

No trabalho desenvolvido para a criação ou adaptação de receitas para o uso culinário de alimentos ou produtos alimentícios, torna-se necessário um estudo dos aspectos sociais e culturais da população a que se destina e, consequentemente, da representatividade do alimento ou produto nesse contexto, atendendo às diretrizes do Guia alimentar para a população brasileira (Brasil, 2014).

É importante aliar a técnica dietética à gastronomia e à sensibilidade do profissional, seja ele um técnico em nutrição, nutricionista, chefe de cozinha, culinarista ou gastrônomo.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520437636

108. Programas de assistência alimentar

A. Catharine Ross, Benjamin Caballero, Robert J. Cousins, Katherine J. Tucker, Thomas R. Ziegler Editora Manole PDF Criptografado

108

Programas de assistência alimentar*

Craig Gunders en

Programa de Assistência Nutricional

Suplementar (SNAP). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

História. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Critérios de elegibilidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Avaliações das pesquisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Programa de Nutrição Especial Suplementar para Mulheres, Bebês e Crianças (WIC) . . . . . . . . .

História. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Critérios de elegibilidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Avaliações das pesquisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Programa Norte-americano de Almoço

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714188

Capítulo 5. Sistema único de saúde e as profissões da saúde

Vivian Treichel Giesel, Daiane Toigo Trentin Grupo A PDF Criptografado

Roberta Antunes Machado

Camila Irigonhé Ramos

Samanta Winck Madruga

CAPÍTULO 5

Sistema único de saúde e as profissões da saúde

No contexto do Sistema Único de Saúde (SUS), a atenção básica à saúde (ABS), também conhecida como atenção primária, juntamente com a atenção secundária e terciária, garante à população o princípio da integralidade. Esse princípio traz para os profissionais da saúde a responsabilidade de um cuidado que atenda às demandas e necessidades dos indivíduos, das famílias e das comunidades dentro do contexto social, político, familiar, histórico e ambiental em que estão inseridos.

Trabalhar com a integralidade nos serviços de saúde exige das equipes o desenvolvimento de uma ação inter/transdisciplinar, abrangendo diversas categorias profissionais, com a finalidade de obter um olhar ampliado sobre os diversos fatores que interferem no processo saúde/ doença. Nessas equipes interdisciplinares estão incluídos os profissionais de nível técnico em saúde, que desempenham suas funções de núcleo e de campo, dentro de suas competências e com supervisão direta ou indireta de um profissional de nível superior equivalente a sua área de atuação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527726993

10 As Origens da Doença

Andréa Maciel Arantes Grupo Gen ePub Criptografado

A medicina tradicional chinesa entende o ser humano como um conjunto de corpo, mente e espírito, e visa promover a harmonia entre essas instâncias.

Quando o indivíduo adoece, apresenta detalhes que são interpretados por um profissional. Na medicina chinesa, a doença é entendida a partir de sinais e sintomas, os quais são entendidos, avaliados e classificados como síndromes. Para chegar ao entendimento da síndrome, é necessário compreender quais fatores levam ao adoecimento. Segundo Kaptchuk (2000), existem três categorias que estimulam a doença: “o ambiente, as emoções e o estilo de vida.”

As origens do adoecimento são:

• Fatores externos (liu yin): relacionam-se com os fatores climáticos, que propiciam a invasão de agentes patogênicos como vento (biao feng), calor (biao re), fogo (biao huo), canícula (biao shu), umidade (biao shi), secura (biao zao) e frio (biao han)

• Fatores internos (qi qing): são todas as emoções e sentimentos negativos vivenciados constantemente, como medo (kong), raiva (nu), euforia (xi), preocupação/obsessão (si) e tristeza (you)

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos