163 capítulos
Medium 9788527724227

23 - Quimioterapia: Administração e Manipulação Seguras

BOWDEN, Vicky R.; GREENBERG, Cindy Smith Grupo Gen PDF Criptografado

CapÍTULO

23

Quimioterapia: Administração e Manipulação Seguras

Diretrizes clínicas

Equipe

• Um médico prescreve a administração de medicamentos qui­ mioterápicos

• Um farmacêutico, médico ou enfermeira, que tenha comple­ tado o treinamento de competência em administração e ma­ nipulação segura de quimioterapia, pode administrar medi­ camentos antineoplásicos. Essa equipe também precisa estar habilitada em venipunção, avaliação e uso dos vários tipos de dispositivos para acesso venoso central e sistemas de admi­ nistração do medicamento

• O indivíduo que administra a quimioterapia é responsável pela prevenção, detecção precoce e tratamento das reações agudas associadas à quimioterapia, inclusive hipersensibili­ dade, anafilaxias, hipotensão, extravasamento e náu­seas e vômitos

• Toda a equipe que participa no transporte de medicamentos antineoplásicos deve receber instruções específicas relaciona­ das com os re­sí­duos perigosos e com as precauções contra extravasamento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527724227

52 - Terapia Intravascular: Cateter Central de Inserção Periférica (PICC)

BOWDEN, Vicky R.; GREENBERG, Cindy Smith Grupo Gen PDF Criptografado

CapÍTULO

52

Terapia Intravascular: Cateter Central de

Inserção Periférica (PICC)

Diretrizes clínicas

• A inserção do dispositivo deve ser feita por um profissional de saú­de especialmente treinado na colocação de cateter central de inserção periférica (PICC)

• O acesso, os cuidados com o local de inserção, a infusão e a remoção do PICC podem ser rea­li­zados por um profissional de saú­de treinado, ou pela criança ou pelos pais devidamente treinados. A enfermeira é responsável pelo monitoramento do local de inserção e do estado da criança depois da inserção do

PICC, especialmente quando tiverem sido utilizadas medidas de anestesia/sedação

• A introdução do PICC é feita por via percutâ­nea até uma veia periférica. Quando o PICC é inserido em um dos membros superiores, a ponta fica alojada na veia cava superior, e quando puncionado em um dos membros inferiores a ponta se posiciona na veia cava inferior. A colocação de vias centrais está associada a menores complicações em lactentes e crianças. Antes do uso, a localização da ponta do cateter deve ser confirmada radiograficamente

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714461

Apêndices

Paulo José Cauduro Marostica; Manoela Chitolina Villetti; Regis Schander Ferrelli; Elvino Barros Grupo A PDF Criptografado

APÊNDICES

APÊNDICE 1

APÊNDICE 1

MEDICAMENTOS MAIS

USADOS EM PEDIATRIA*

REGIS SCHANDER FERRELLI

MANOELA CHITOLINA VILLETTI

ACECLOFENACO (ANTI-INFLAMATÓRIO NÃO ESTEROIDE [AINE], ANÁLOGO DO DICLOFEACO) ►

NOMES COMERCIAIS ► Proflam®, Cecoflan®, Febupen®

APRESENTAÇÃO ► comprimido de 100 mg

DOSES ►

• Adultos e adolescentes: 100 mg de 12/12h.

• Pacientes com insuficiência hepática: dose máxima de 150 mg/dia.

EFEITOS ADVERSOS ► não recomendado na segunda metade da gestação, aler-

gia. Avaliar riscos em casos de doenças inflamatórias ou ulcerativas do trato gastrointestinal. Risco de sangramento e gastrite.

ACETILCISTEÍNA (MUCOLÍTICO, ANTÍDOTO DO PARACETAMOL) ►

NOMES COMERCIAIS ►

Fluimicil, Aires, Bromuc, Cetiplex, Flucistein, Fluteina,

Pneumocil

APRESENTAÇÃO ► via oral (VO), xarope pediátrico 2% (20 mg/mL), xarope 4%

(40 mg/mL). Pó 100 mg/envelope com 5 g, 200 mg/envelope com 5 mg e

Ver todos os capítulos
Medium 9788527724227

62 - Administração de Medicamentos: Intravenosos

BOWDEN, Vicky R.; GREENBERG, Cindy Smith Grupo Gen PDF Criptografado

CapÍTULO

62

Administração de Medicamentos:

Intravenosos

Diretrizes clínicas

• Um médico prescreve os medicamentos

• Os medicamentos são administrados por uma enfermeira, um médico com conhecimento sobre o medicamento e as técnicas de administração intravenosa (IV) de medicamentos a uma criança, com base no tipo de medicamento e no escopo de sua prática, conforme definido pelo código do seu exercício profissional

• São seguidos os princípios do monitoramento farmacológico

(veja o Capítulo 4)

• Os medicamentos são administrados pela via IV para absorção rápida quando uma via IV está instalada. A via IV é menos traumática do que as outras quando uma via IV está disponível

• Os medicamentos são administrados dentro do perío­do de uma hora do horário prescrito.

Equipamento

Via IV existente (se não estiver presente, veja o Capítulo 51)

Medicamento correto

Ver todos os capítulos
Medium 9788527724227

105 - Traqueostomia: Cuidados e Manejo da Ostomia

BOWDEN, Vicky R.; GREENBERG, Cindy Smith Grupo Gen PDF Criptografado

CapÍTULO

105

Traqueostomia: Cuidados e

Manejo da Ostomia

Diretrizes clínicas

• A enfermeira, a técnica de enfermagem, o fisioterapeuta, os pais ou cuidadores executam os cuidados com a traqueostomia, inclusive aspiração, troca da fixação e cuidados com a ostomia conforme a necessidade para gerar um manejo efetivo das vias respiratórias

• Um assistente sempre está presente durante os cuidados com a traqueostomia

• Um abrangente programa de higiene oral (de acordo com as normas do hospital) é feito diariamente para a criança com traqueostomia

• Os cuidados com a ostomia são feitos a cada troca de plantão e mais frequentemente com base na avaliação clínica e características in­di­vi­duais da criança, inclusive:

° Idade

° Estado ­muscular e neurológico

° Nível de atividade

° Habilidade para gerar uma tosse efetiva

° Viscosidade e quantidade de muco

° Maturidade da ostomia

• A limpeza de uma ostomia recente deve ser feita a cada 8 h ou mais frequentemente se indicado pelo acúmu­lo de secreções

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos