66 capítulos
Medium 9788582712771

Capítulo 16. Dados laboratoriais mais frequentes para o raciocínio clínico

Alba Lucia Bottura Leite de Barros Grupo A PDF Criptografado

16

Dados laboratoriais mais frequentes para o raciocínio clínico

Antonia M. O. Machado // Adagmar Andriolo

Os principais objetivos da medicina laboratorial são confirmar, estabelecer ou complementar o diagnóstico clínico.

Secundariamente, os resultados laboratoriais podem fornecer elementos para auxiliar o estadiamento e o prognóstico de determinadas doenças, além de estabelecer critérios de normalidade e delinear fatores de risco evolutivos.

Diferentes profissionais da área de saúde, entre eles, enfermeiros, farmacêuticos-bioquímicos, biologistas, biomédicos e técnicos, auxiliam o patologista clínico a atingir esses objetivos. Essa equipe harmônica faz uso de vários equipamentos que podem ser tão simples quanto uma pipeta graduada ou um tubo de ensaio, ou tão complexos quanto um analisador bicromático, um citômetro de fluxo ou um espectrômetro de massas.

A complexidade dos procedimentos e/ou dos equipamentos não guarda nenhuma relação com a importância da informação obtida. A simples observação criteriosa de um soro pode possibilitar, por exemplo, o diagnóstico de uma dislipidemia, situação esta associada ao risco de doença aterosclerótica coronariana e cerebral.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582712771

Capítulo 11. Exame do abdome: sistema digestório

Alba Lucia Bottura Leite de Barros Grupo A PDF Criptografado

11

Exame do abdome: sistema digestório

Alba Lucia Bottura Leite de Barros //

Isabel Umbelina Ribeiro Cesaretti

Os órgãos que compõem o sistema digestório têm funções específicas como mastigação, ingestão, digestão e absorção dos alimentos e, ainda, eliminação dos resíduos e das substâncias não aproveitados, e são responsáveis por prover o organismo de suprimento contínuo de água, nutrientes e eletrólitos. Para tanto, o sistema movimenta o bolo alimentar ao longo do tubo digestivo; secreta enzimas e substâncias que determinam as alterações químicas nos alimentos que compõem esse bolo; absorve a água, os eletrólitos e os nutrientes resultantes do processo da digestão; circula o sangue através dos órgãos gastrointestinais para levar as substâncias absorvidas; e controla todas essas funções por intermédio de regulação nervosa e hormonal.

Quando um processo patológico instala-se em qualquer um dos segmentos do sistema digestório, gera alterações na sua estrutura e/ou na sua função e, como consequência, determina problemas relacionados à ingestão, digestão e absorção dos nutrientes, ou à eliminação dos resíduos e das substâncias não aproveitados. Esses problemas manifestam-se por sinais e sintomas característicos como, por exemplo: disfagia, pirose, soluços, dispepsia, náuseas e vômitos, flatulência, diarreia, constipação, dor abdominal, perda de peso, hemorragia digestiva alta ou baixa, sangramento oculto nas fezes, icterícia e outros, e podem ser avaliados por meio da anamnese e do exame físico, e complementados pela avaliação laboratorial e por exames de imagem especializados.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582715031

Domínio 1. Promoção da Saúde

T. Heather Herdman, Shigemi Kamitsuru Grupo A PDF Criptografado

Domínio 1.

Promoção da saúde

Classe 1.

Percepção da saúde

Código

Diagnóstico

00097

Envolvimento em atividades de recreação diminuído

140

Página

00168

Estilo de vida sedentário

141

00262

Disposição para letramento em saúde melhorado

142

Classe 2.

Controle da saúde

Código

Diagnóstico

00188

Comportamento de saúde propenso a risco

143

00078

Controle ineficaz da saúde

144

00162

Disposição para controle da saúde melhorado

145

Página

00080

Controle da saúde familiar ineficaz

146

00099

Manutenção ineficaz da saúde

147

00043

Proteção ineficaz

148

00215

Saúde deficiente da comunidade

149

00257

Síndrome do idoso frágil

150

00231

Risco de síndrome do idoso frágil

152

NANDA International, Inc. Nursing Diagnoses: Definitions and Classification 2018-2020, 11th Edition.

Ver todos os capítulos
Medium 9788520431825

11. Avaliação física em enfermagem do sistema digestório

Loide Corina Chaves, Maria Belén Salazar Posso Editora Manole PDF Criptografado

Avaliação física em enfermagem do sistema digestório

11

Loide Corina Chaves

Luciano Rodrigues de Oliveira

Maria Belén Salazar Posso

Objetivos de aprendizagem

DDAssociar aspectos de anatomia e da fisiologia do sistema digestório com as possíveis alterações.

DDRealizar o histórico de enfermagem: entrevista e avaliação física do sistema digestório.

DDObter aptidão para observação, identificação e compreensão da presença de alterações no sistema digestório.

Tópicos fundamentais de aprendizagem

DDAlterações na pele, alterações na forma generalizada e localizada.

DDPulsatilidade anormal e circulação colateral.

DDRuídos intestinais aumentados ou diminuídos.

DDHipertonicidade muscular regional não voluntária, tensão generalizada do abdome e hiperestesia cutânea.

Tópicos abordados

DDAspectos anatômicos e fisiológicos gerais.

DDHistórico de enfermagem: entrevista e avaliação física.

ASPECTOS ANATÔMICOS E FISIOLÓGICOS GERAIS

Ver todos os capítulos
Medium 9788582712771

Capítulo 5. Avaliação das condições emocionais e mentais do paciente na clínica

Alba Lucia Bottura Leite de Barros Grupo A PDF Criptografado

Avaliação das condições emocionais e mentais do paciente na clínica

5

Dorisdaia Carvalho de Humerez //

Maria de Belém Gomes Cavalcante // João Fernando Marcolan

Para o enfermeiro assistencial, a prioridade é o atendimento ao paciente, para que tudo possa ser oferecido a ele com maior qualidade. Ao realizar o cuidado, o trabalhador opera um núcleo tecnológico no seu processo de trabalho, composto por grande quantidade de instrumentos (denominado Trabalho Morto) e mediado por relações interpessoais

(Trabalho Vivo em ato). Os dois formam o cuidado, o qual chamamos de Composição Técnica do Trabalho. Significa a produção da saúde, com base no relacional (tecnologias leves), centrado nas necessidades dos usuários.

Nossas observações têm levado à conclusão de que, para além dos instrumentos e do conhecimento técnico, há um outro aspecto, o das relações interpessoais, que tem se verificado como fundamental para a produção do cuidado. Partimos do pressuposto de que o trabalho em saúde é sempre relacional.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos