202 capítulos
Medium 9788572889186

Capítulo 10 - Fisiopatologia do Inchaço Hemisférico Unilateral Baseada em Alterações Isquêmicas

Marcos Stavale Grupo Gen PDF Criptografado

Capítulo 10

Fisiopatologia do Inchaço

Hemisférico Unilateral Baseada em Alterações Isquêmicas

Marcos Stávale

Maurício Mandel

Introdução

O hematoma subdural e a hipertensão intracraniana causam isquemia por compressão e por queda intracompartimental e difusa da PPE. Tal fenômeno gera um sofrimento isquêmico hemisférico assimétrico maior no compartimento que contém o coágulo, e heterogêneo, com áreas de distribuição dependentes do fenômeno de vulnerabilidade seletiva e das alterações circulatórias relacionadas a vasos terminais, muitas vezes comprimidos heterogeneamente pelo coágulo e pelas hérnias. Após a descompressão precoce haveria apenas uma hiperemia reativa. Entretanto, após a descompressão tardia haveria a reperfusão de um hemisfério gravemente isquêmico. Neste ocorreriam os fenômenos da hipoperfusão pós-hiperemia ou não reperfusão. Obviamente, estas respostas à reperfusão coexistem nas diferentes áreas do hemisfério vitimado pelo maior sofrimento, que apresenta vasodilatação e edema gerando novamente hérnias encefálicas e hipertensão intracraniana.4,14-16,40,95,101

Ver todos os capítulos
Medium 9788582715079

Capítulo 3 - A família como parte importante da equipe: do diagnóstico à intervenção precoce da criança com transtorno do espectro autista

Newra Tellechea Rotta, Cesar Augusto Nunes Bridi Filho, Fabiane Romano de Souza Bridi Grupo A PDF Criptografado

3

A FAMÍLIA COMO

PARTE IMPORTANTE

DA EQUIPE: DO

DIAGNÓSTICO À

INTERVENÇÃO

PRECOCE DA

CRIANÇA COM

TRANSTORNO DO

ESPECTRO AUTISTA

ADRIANA LATOSINSKI KUPERSTEIN

FABIANE DE C. BIAZUS

LUCIANA C. VIECELLI S. PIRES

U

m dos momentos mais marcantes para quem está sendo atendido por um especialista do neurodesenvolvimento é quando a família recebe o diagnóstico. Imagine a cena em que os pais estão diante do médico, e este afirma: “seu filho tem transtorno do espectro autista”.

Para algumas famílias, tal confirmação pode ser devastadora, sinalizando um futuro desconhecido e assustador – ao mesmo tempo um final e um começo: um final para tudo aquilo que se supunha até então a respeito do filho, mas um começo de uma nova trajetória de vida, com muitos aprendizados e desafios.

O presente capítulo procura fornecer às famílias e aos leitores que sentem afeto e se preocupam com os indivíduos com transtorno do espectro autista (TEA) estratégias para agir e intervir precocemente no seu desenvolvimento, desde o momento do diagnóstico, propiciando assim a base do que hoje conhecemos como plasticidade cerebral: os estímulos do ambiente e as percepções sensoriais podem modificar e moldar o sistema nervoso central, e isso ocorre em todo momento em que há uma aprendizagem nova.1

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554052

Capítulo 2 - As células nervosas, os circuitos neurais e o comportamento

Eric R. Kandel, James Schwartz, Thomas M. Jessell, Steven A. Siegelbaum, A.J. Hudspeth Grupo A PDF Criptografado

2

As células nervosas, os circuitos neurais e o comportamento

O sistema nervoso possui dois tipos de células

As células nervosas são as unidades sinalizadoras do sistema nervoso

Células gliais dão suporte às células nervosas

Cada célula nervosa é parte de um circuito que tem uma ou mais funções comportamentais específicas

A sinalização é organizada da mesma forma em todas as células nervosas

O componente aferente produz sinais locais graduados

A zona de gatilho é decisiva na geração do potencial de ação

O componente condutivo propaga um potencial de ação tudo-ou-nada

O componente eferente libera neurotransmissores

A transformação do sinal neuronal de sensorial para motor é ilustrada pela via do reflexo patelar

Células nervosas diferem principalmente em nível molecular

Modelos de redes neurais simulam o processamento em paralelo da informação no encéfalo

Conexões neurais podem ser modificadas pela experiência

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714775

Capítulo 1. Contrastando avaliação psicológica e neuropsicológica: acordos e desacordos

Leandro F. Malloy-Diniz, Daniel Fuentes, Paulo Mattos, Neander Abreu Grupo A PDF Criptografado

30

1

Contrastando avaliação psicológica e neuropsicológica: acordos e desacordos1

MARCELA MANSUR-ALVES

A avaliação, empreendida com fins profissionais, consiste na melhor descrição possível, por meio de técnicas e teorias científicas particulares, dos aspectos relevantes de uma pessoa, almejando responder a questões específicas, de forma dinâmica e processual

(Tavares, 2003). Conduzir um processo de avaliação está longe de ser tarefa trivial e, talvez, se constitua em uma das competências mais fundamentais a serem desenvolvidas na formação superior para as áreas da saúde. Não obstante possa haver diferenças fundamentais na condução de uma avaliação empreendida em contextos e áreas distintas, entende-se que, de maneira geral, a avaliação atende aos seguintes propósitos: a. descrever o funcionamento atual do indivíduo, ressaltando suas forças e dificuldades, sua capacidade para viver de forma autônoma e independente e suas possibilidades de adaptação social, profissional e pessoal com vistas à minimização do sofrimento físico e psicológico; b. identificar necessidades terapêuticas, recomendar intervenções e apontar

Ver todos os capítulos
Medium 9788580554052

Capítulo 37 - Movimento voluntário: o córtex motor primário

Eric R. Kandel, James Schwartz, Thomas M. Jessell, Steven A. Siegelbaum, A.J. Hudspeth Grupo A PDF Criptografado

37

Movimento voluntário: o córtex motor primário

As funções motoras estão localizadas no córtex cerebral

Muitas áreas corticais contribuem para o controle dos movimentos voluntários

O controle motor voluntário parece requerer processamento em série

A anatomia funcional das áreas motoras pré-centrais é complexa

As conexões anatômicas das áreas motoras pré-centrais não validam uma organização estritamente seriada

O córtex motor primário assume um papel importante na geração dos comandos motores

Os comandos motores são códigos de população

O córtex motor codifica a cinemática e a cinética do movimento

Os movimentos da mão e dos dedos são diretamente controlados pelo córtex motor

As aferências sensoriais de mecanorreceptores somáticos têm funções na retroalimentação, nas correções antecipatórias e no aprendizado adaptativo

O mapa motor é dinâmico e adaptável

O córtex motor contribui para o aprendizado de habilidades motoras

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos