315 capítulos
Medium 9788580556025

Capítulo 163. Ostepoatrite

Dennis Kasper, Anthony Fauci, Stephen Hauser, Dan Longo, J. Jameson, Joseph Loscalzo Artmed PDF Criptografado

osteoartrite

163

CAPÍTULo 163

1025

osteoartrite

DEFINIÇÃO

A osteoartrite (OA) é um distúrbio caracterizado por falência articular progressiva na qual todas as estruturas da articulação sofrem alterações patológicas. A alteração patológica característica da OA é a perda da cartilagem articular hialina acompanhada por aumento da espessura e esclerose da placa óssea subcondral, crescimento excessivo de osteófitos na margem articular, estiramento da cápsula articular e fraqueza dos músculos que se ligam à articulação. Existem vários caminhos que levam à OA, porém a etapa inicial mais frequente é a lesão articular na vigência de falência dos mecanismos protetores.

EPIDEMIOLOGIA

A OA é o tipo mais comum de artrite. A prevalência da OA correlaciona-se fortemente com a idade, sendo muito mais comum em mulheres do que em homens. Vulnerabilidade articular e carga articular são os dois principais fatores que contribuem para a OA. Eles são influenciados por fatores que consistem em idade, sexo feminino, raça, fatores genéticos, fatores nutricionais, traumatismos articulares, lesão prévia, desalinhamento, deficiências proprioceptivas e obesidade.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582712283

Capítulo 22. Leucemias agudas

Renato Failace, Flavo Fernandes Grupo A PDF Criptografado

22

LEUCEMIAS AGUDAS

GENERALIDADES E CLASSIFICAÇÃO

Nas leucemias agudas, a população leucêmica compõe-se de 10 a 20% de células em ciclo celular ativo, de células em repouso, mas capazes de volver ao ciclo mitótico, e de células senescentes, incapazes de ulterior divisão. Há maturação anárquica e alterações cromossômicas e moleculares. Por ocasião do diagnóstico, o organismo contém mais de 1012 células leucêmicas, geralmente designadas como “blastos”, que se acumulam compactamente na medula, nos tecidos linfoides (no caso das leucemias linfoblásticas) e que podem infiltrar-se praticamente em todos os órgãos. A leucemia aguda não tratada causa insuficiência hematopoética progressiva, rapidamente fatal se não for contida pelo tratamento com quimioterapia intensiva. Havendo doador compatível, o transplante alogênico de medula óssea é, muitas vezes, indicado e pode ser curativo. A leucemia aguda (LA) pode ter origem linfoide (LLA) ou mieloide (LMA). Na infância, predomina a LLA

Ver todos os capítulos
Medium 9788582714508

Capítulo 4 - Sobrecarga de ferro

A. Victor Hoffbrand, Paul A.H. Moss Grupo A PDF Criptografado

CAPÍTULO 4

Sobrecarga de ferro

Tópicos-chave

QQ

Avaliação do status do ferro e do dano tecidual da sobrecarga

42

QQ

Hemocromatose hereditária (genética ou primária)

43

QQ

Sobrecarga de ferro transfusional

44

QQ

Tratamento quelante

45

42  /  Capítulo 4: Sobrecarga de ferro

Não há mecanismo fisiológico para eliminação do ferro em excesso no organismo e, assim, a absorção de ferro normalmente é regulada para evitar acúmulo. Sobrecarga de ferro (hemossiderose) ocorre em distúrbios associados com absorção excessiva ou em pacientes com anemias refratárias graves que precisam ser tratados com transfusões de sangue regulares. O ferro em excesso depositado nos tecidos pode causar lesões graves, sobretudo no coração, no fígado e nas glândulas endócrinas. As causas de sobrecarga de ferro estão relacionadas na Tabela 4.1, e as de hemocromatose genética, na Tabela 4.2.

Avaliação do status do ferro e do dano tecidual da sobrecarga

Ver todos os capítulos
Medium 9788580556025

Capítulo 189. Tumores do sistema nervoso

Dennis Kasper, Anthony Fauci, Stephen Hauser, Dan Longo, J. Jameson, Joseph Loscalzo Artmed PDF Criptografado

Tumores do sistema nervoso

CAPÍTULo 189

1191

Tabes dorsalis (sífilis terciária): Costuma apresentar-se com dores lancinantes, ataxia da marcha, distúrbios vesicais e crises viscerais. Os sinais cardinais são arreflexia nas pernas, sensações vibratória/proprioceptiva reduzidas, sinal de Romberg e pupilas de Argyll Robertson, que deixam de se contrair à luz, mas reagem à acomodação.

Paraplegia espástica familiar: espasticidade e fraqueza progressivas nas pernas ocorrem de maneira familiar; pode ser autossômica dominante, recessiva ou ligada ao

X. Mais de 30 loci diferentes identificados.

Adrenomieloneuropatia: distúrbio ligado ao X que é uma variante da adrenoleucodistrofia. Em geral, os homens acometidos possuem história de disfunção suprarrenal, então manifestam paraparesia espástica progressiva. Mulheres heterozigóticas podem ter uma mielopatia lentamente progressiva sem insuficiência suprarrenal. O diagnóstico baseia-se na demonstração de elevação dos níveis de ácidos graxos de cadeia muito longa no plasma e nas culturas de fibroblastos. Nenhum tratamento é claramente eficaz, mas o transplante de medula óssea e suplementos nutricionais têm sido tentados.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582712283

Capítulo 16. Linfocitose e linfocitopenia

Renato Failace, Flavo Fernandes Grupo A PDF Criptografado

16

LINFOCITOSE E LINFOCITOPENIA

Os linfócitos pequenos, que predominam no sangue, são células de cromatina densa que oculta os nucléolos e escasso citoplasma hialino.

Os linfócitos grandes têm mais citoplasma, e o núcleo pode ter pequena chanfradura; em distensões de má qualidade podem confundir-se com monócitos à microscopia.

Desconhece-se utilidade clínica na distinção entre linfócitos pequenos e grandes, e não há correlação com as características imunológicas e funcionais. A citometria em fluxo permite fácil distinção entre linfócitos T, caracterizados pela positividade para CD3 (um complexo de cinco proteínas associadas ao receptor de células T) e para CD2, fundamentais para a imunidade celular/tecidual, e linfócitos B, com positividade para

CD19 e CD20, responsáveis pela imunidade humoral (síntese de imunoglobulinas). Normalmente no sangue há 70 a 90% de linfócitos T, e 5 a

20% de linfócitos B. Dentre os linfócitos T há dois terços de CD4+, ditos auxiliares ou indutores (helper/inducer), e um terço de CD8+, ditos supressores ou citotóxicos (suppressor/cytotoxic).

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos